No último dia 29 de junho, Elizabeth Olsen esteve presente no talk show americano, ‘The Tonight Show’. Lizzie comparaceu ao programa de entrevistas noturnas para promover o seu mais novo livro infantil, escrito junto com seu marido, o músico Robbie Arnett, Hattie Harmony: Worry Detective. Confira o vídeo abaixo legendado por nossa equipe!

 

PROGRAMAS DE TV E RÁDIO | TALK SHOWS AND RADIO STATIONS > 2022 > JUNE 29 – THE TONIGHT SHOW STARRING JIMMY FALLON

EOBR001.jpgEOBR003.jpgEOBR007.jpg

PROGRAMAS DE TV E RÁDIO | TALK SHOWS AND RADIO STATIONS > 2022 > JUNE 29 – THE TONIGHT SHOW STARRING JIMMY FALLON

EOBR004.jpgEOBR008.jpgEOBR002.jpg

Vídeo legendado pela equipe do EOBR! Para mais vídeos como esses, se inscreva em nosso canal do Youtube clicando AQUI.

©️ All rights go to the owner “Copyright Disclaimer Under Section 107 of the Copyright Act 1976, allowance is made for “fair use”.

Elizabeth Olsen é a capa de mais uma revista: a S Magazine! A mesma concedeu uma entrevista exclusiva à revista e um belíssimo ensaio fotográfico. Confira abaixo a tradução realizada pela nossa equipe:

Autenticidade, a capacidade despretensiosa (mesmo que consciente) de apresentar uma imagem e semelhança de si mesmo ao mundo, é uma das qualidades mais atraentes das mídias sociais.

Especialmente para celebridades cujo comando sobre sua imagem pública foi grandemente usurpado pelo jornalismo dos tablóides e paparazzi(s) incessantes, as mídias sociais podem apresentar uma oportunidade vantajosa para recuperar um senso de propriedade sobre suas narrativas, ao mesmo tempo em que expressam suas verdades individuais. Ao mesmo tempo, porém, essas exibições públicas de natureza mais franca podem se tornar um meio perfeito de mercantilização, seu naturalismo um ativo vendável em um mercado que favorece interações honestas.

Elizabeth Olsen, falando pelo Zoom de Los Angeles, confirma que seu curto período no Instagram foi, na maioria das medidas, um empreendimento comercial. “Eu não vou ser tímida sobre isso: você tenta a mídia social como ator porque há um ganho financeiro – é por isso que estamos nessas plataformas”, ela admite com a língua firmemente plantada na bochecha. “Não me sinto à vontade para vender coisas, mas achei melhor tentar. Não fez eu me sentir bem, mesmo que fosse algo em que eu acreditasse. Não me considero uma vendedora ou uma personalidade, então realmente não combinava comigo.” Onde a maioria das celebridades de Hollywood são firmes na criação de uma identidade que equilibra franqueza e comércio para o mundo testemunhar, é revigorante ver um indivíduo com um prestígio cultural tão bem estabelecido reconhecer que esse ato de equilíbrio é mais tedioso do que edificante.

Mas antes de sair do Instagram, a atriz admite que ela pode ter descoberto a razão de ser de sua presença online. “Acho que encontrei meu nicho durante a pandemia, no começo, antes de deletar, que eram meus vídeos de jardinagem”, revela. “Eu estava tipo, se eu me apresentasse como qualquer coisa, seria a mulher maluca que eu sou, que apenas mostra às pessoas coisas com as quais elas não se importam!”

A ascensão de Olsen em Hollywood foi um processo gradual que se baseou em sua disciplina educacional. Além de frequentar a famosa Tisch School of the Arts da Universidade de Nova York, que conta com os vencedores do Oscar Chloé Zhao e Lady Gaga como ex-alunas, Olsen também passou um semestre de treinamento na Moscow Art Theatre School, onde aperfeiçoou seu ofício como uma expressiva contadora de histórias. A partir daí, a atriz marcou seu primeiro papel no filme indie “Martha Marcy May Marlene”, um thriller complexo que pinta um retrato angustiante da desilusão psicológica de uma jovem depois de escapar de um culto.

Na esteira de “Martha Marcy May Marlene”, e da aclamação brilhante que Olsen recebeu por uma performance tão crua e intransigente, seu currículo começou a se diversificar dramaticamente, já que ela apareceu em títulos independentes e blockbusters. No entanto, sua proeminência na indústria do entretenimento atingiu seu ápice quando ela foi escalada para o universo cinematográfico da Marvel, onipresente e consumidor de zeitgeist, onde ela interpreta Wanda Maximoff, também conhecida como Feiticeira Escarlate. Depois de aparecer pela primeira vez em um teaser pós-créditos não creditado em “Capitão América: O Soldado Invernal”, Wanda, uma refugiada Sokoviana, fez sua estreia na franquia em “Vingadores: Era de Ultron” e posteriormente apareceu em um bando de produções como parte da equipe titular de militantes ilustres lutando contra a catástrofe. Ao ser escalada como a Feiticeira Escarlate, Olsen ficou imediatamente encantada com a ambiguidade moral do personagem. “Desde o primeiro dia, com “Era de Ultron”, você nunca poderia colocá-la do lado de ser uma pessoa boa ou uma pessoa má”, observa ela.

“Wanda sempre questionou os princípios de outras pessoas e teve uma opinião que pode parecer eticamente conflitante.” Wanda é a primeira personagem que ela retrata nas telas grandes e pequenas, e Olsen se sente abençoada por poder habitar um indivíduo que sofre uma série de eventos perturbadores e, finalmente, demonstra uma humanidade que afeta, especialmente para uma feiticeira. “Nós experimentamos sua dor, um conflito de si mesma ao abrigar seu imenso poder, bem como sua busca em encontrar uma família com seu clã Vingadores.”

Para Olsen, a busca de Wanda pela auto-realização atingiu um novo nível de nuance na minissérie original do Disney+, “WandaVision”, no qual ela estrelou ao lado de seu interesse amoroso na tela Paul Bettany, também conhecido como Visão. Olsen observa que ao longo dos nove episódios do programa, que atravessaram várias épocas culturais e temporais, o público conseguiu obter um retrato claramente delineado de sua personagem. “O show conseguiu expandir sua vida interior, colocando-a em primeiro plano para que o público possa entendê-la melhor do que foi mencionado anteriormente”, diz Olsen. Como um aparte, a atriz também revela que, por semanas após as filmagens, alguns dos maneirismos que ela teve que pegar durante a produção ficaram com ela mesmo quando ela estava fora do personagem, principalmente “Oh, querida!”, que ela diz em uma maneira divertidamente entusiasmada que lembra Audrey Meadows em “The Honeymooners”.

Como a nova adição ao cosmos cinematográfico do colega ocultista Doutor Estranho em “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”, Wanda consegue exibir um forte senso de agência em seu primeiro passeio pós-WandaVision. “Com “Doutor Estranho”, nós realmente conseguimos vê-la como uma pessoa fundamentada e com muita clareza. Embora ela possa continuar a ter uma opinião diferente dos outros dentro do filme, é exatamente isso que faz com que interpretá-la seja um privilégio tão especial”, observa Olsen. Enquanto Wanda frequentemente se atrapalhava com a imensidão de seu poder sobrenatural em adições anteriores ao cânone da Marvel, a atriz observa o quão incrível é testemunhar “quanta propriedade ela tem sobre sua bruxaria agora e como ela é capaz de aproveitá-la em novos poderes. maneiras.”

Assim que as filmagens de “WandaVision” terminaram no final de 2020, Olsen se mudou para a Inglaterra para começar a produção de “Doutor Estranho”, que ela admite ter sido uma experiência criativa gratificante que realmente permitiu que ela permanecesse dentro da mentalidade de Wanda. Uma vez que ela recebeu o roteiro final antes das filmagens, a atriz foi capaz de usar seus anos de experiência habitando a Feiticeira Escarlate para simplificar sua interpretação em um todo mais coerente. “Eu nem tinha terminado “WandaVision” quando ouvi a história de que eles estavam me lançando para o “Doutor Estranho”, revela Olsen. “Houve um pouco de colaboração entre mim e a equipe. Eu dava notas sobre a caracterização de Wanda – eu sei como ela fala, certos elementos de sintaxe que, se você estiver falando com sotaque, você simplesmente não diria, enquanto também remove alguns dos coloquialismos para o diálogo americano que não faziam senso. Eu me sinto mais dona agora que já faz tanto tempo.”

Uma linha que é evidente nos vários personagens que Olsen teve a oportunidade de retratar, de Martha a Wanda, é a chance de mostrar pessoas que podem, às vezes, ter uma bússola moral questionável. “Isso é o que me faz ir”, ela exclama. “Como interpretamos pessoas que talvez pareçam estar fazendo coisas ruins, ou erradas, ou com as quais discordamos, e como podemos ter empatia por elas e ver seu ponto de vista?” Olsen continua a observar: “Acho que, como sociedade, todos nós poderíamos entender um pouco mais de onde as pessoas vêm quando não concordamos com elas. Então, isso é algo que eu procuro nos personagens, e com Wanda, eu sempre fui capaz de explorar isso, especialmente quando ela está dominando uma cidade inteira e suas mentes.”

Olsen acabou de encerrar a minissérie da HBO Max “Love and Death”, escrita por David E. Kelley, de “Big Littles Lies“, que ela descreve como “um mundo verdadeiramente cinematográfico e expansivo” que lhe permitiu “construir [o tipo de] personagem que eu nunca pude interpretar por um tempo, então isso foi muito satisfatório.” Em outros lugares, a atriz também está interessada em explorar “merdas mais engraçadas”, um alívio criativo bem-vindo das profundezas psicológicas angustiantes que se tornaram seu cartão de visita na tela.

No entanto, certamente há um pouco de ambiguidade no que está por vir para Olsen. Ela já havia discutido a ideia de se mudar de uma cidade grande e mudar de casa ou voltar para a escola para se tornar uma arquiteta. “Eu acho que é algo que eu quero estar aberta para que eu não me sinta obrigada a ser uma atriz ou uma pessoa pública de alguma forma,” ela revela. “Sempre me emociono muito com pessoas que têm grandes transições de vida com empregos, porque é uma das coisas mais assustadoras que podemos fazer, reconhecer que talvez algo não esteja mais funcionando para nós e depois investir totalmente em uma direção totalmente diferente que não tem tanta proteção ou segurança. Isso não significa fracasso em uma coisa – significa apenas tempo para seguir em frente.”

Talvez nesta próxima fase de sua vida, ela possa reviver a excêntrica dama do jardim que ela brevemente deu vida no Instagram. Seja qual for o caminho que Olsen escolher, ela certamente trará a intensa dedicação que se tornou uma marca registrada de sua carreira de atriz luminescente.

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS | PHOTOSHOOTS > 2022 > S MAGAZINE

EOBR001.jpgEOBR002.jpgEOBR003.jpgEOBR004.jpg

Tradução: Equipe EOBR | Fonte.

No último dia 05 de maio, Elizabeth Olsen e Benedict Cumberbatch estiveram no talk show americano, ‘The Late Late Show with James Corden’. Os dois colegas de elenco estavam lá para divulgar seu mais novo filme da Marvel, “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”.
Durante uma conversa de quase 8 minutos, Elizabeth Olsen e Benedict Cumberbatch falaram sobre o novo filme do UCM, “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”, a paixão de Lizzie por ternos sob medida, Benedict recebendo sua estrela na calçada da fama e muito mais. Confira o vídeo abaixo legendado por nossa equipe!

O segundo bloco do programa contou com Elizabeth e Benedict preparando
margueritas no programa de entrevistas noturnas, confira clicando aqui.

Vídeo legendado pela equipe do EOBR! Para mais vídeos como esses, se inscreva em nosso canal do Youtube clicando AQUI.

©️ All rights go to the owner “Copyright Disclaimer Under Section 107 of the Copyright Act 1976, allowance is made for “fair use”.

 

 

Elizabeth Olsen e Benedict Cumberbatch estiveram no talk show americano, The Late Late Show with James Corden’, no último dia 05, para promover o filme Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”, e lá, eles preparam algumas margueritas. Confira o vídeo acima legendado por nossa equipe!

Vídeo legendado pela equipe do EOBR! Para mais vídeos como esses, se inscreva em nosso canal do Youtube clicando AQUI.

©️ All rights go to the owner “Copyright Disclaimer Under Section 107 of the Copyright Act 1976, allowance is made for “fair use”.

Existe um universo em que Elizabeth Olsen estrelou o vencedor do júri de Yorgos Lanthimos em Cannes, “The Lobster”, mas, infelizmente, a estrela de “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” já estava comprometida com a Marvel.

Olsen, que interpretou Wanda Maximoff, também conhecida como Feiticeira Escarlate em parcelas do MCU desde 2014, está olhando para as realidades alternativas de sua carreira, incluindo o filme indicado ao Oscar de Lanthimos.

“Comecei a me sentir frustrada”, disse Olsen ao The New York Times sobre estar presa à um contrato com a Marvel. “Eu tinha essa segurança no emprego, mas estava perdendo essas peças que sentia que faziam mais parte do meu ser. E quanto mais eu me afastava disso, menos eu me considerava para isso.”

Olsen anteriormente chamou a perda de “The Lobster” de “desgosto”, explicando no American Film Festival de 2015 (via Variety) que ela estava “em um contrato [para a Marvel] do qual eu não poderia sair. Então não deu certo”.

Olsen estreou no cinema em 2011, com estreias consecutivas em Sundance de “Silent House” e “Martha Marcy May Marlene”. Apelidada de queridinha indie imediata, Olsen passou a estrelar “Ingrid Goes West”e “Wind River”, enquanto ela se tornou mais enraizada no universo Marvel.

“Isso me tirou da capacidade física de fazer certos trabalhos que eu achava que estavam mais alinhados com as coisas que eu gostava como membro da audiência”, disse Olsen ao NYT sobre o MCU. “E esta sou eu sendo a mais honesta.”

No entanto, Olsen decidiu assinar a série Disney+ “WandaVision” depois de cumprir seu contrato de três filmes com a Marvel no final de “Vingadores: Guerra Infinita”.

“O poder de escolher continuar era importante para mim”, explicou Olsen, dizendo que a série tinha um novo tipo de “liberdade” dentro do MCU.

“Achamos que o que estávamos fazendo era tão estranho e não sabíamos se tínhamos uma audiência para isso, então havia liberdade para isso”, acrescentou Olsen. “Não houve pressão, nem medo. Foi uma experiência muito saudável.”

E depois de “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”, que novamente deixa o destino de Wanda em aberto, Olsen está considerando um filme independente.

“Acho que sim”, disse ela. “Mas realmente precisa ser uma boa história. Acho que esses filmes são melhores quando não se trata de criar conteúdo, mas de ter um ponto de vista muito forte – não porque você precisa ter um plano de três imagens.”

Olsen já havia defendido o tipo de narrativa da Marvel para o The Independent.

“Não estou dizendo que estamos fazendo filmes de arte indie, mas acho que isso desrespeita a nossa equipe, o que me incomoda”, disse Olsen. “Do ponto de vista de um ator, qualquer que seja, eu entendo; Eu entendo totalmente que há um tipo diferente de performance que está acontecendo. Mas acho que jogar a Marvel debaixo do ônibus desrespeita as centenas de pessoas muito talentosas da equipe. É aí que eu fico um pouco irritado com isso.”

Tradução: Equipe EOBR | Fonte.

Elizabeth Olsen foi uma coadjuvante como Wanda Maximoff nos filmes dos Vingadores, a maior reunião de super-heróis já vista na tela. Mas quando “Wandavision“ chegou no começo de 2021, em seu caminho para a dominação do Twitter e a glória dos memes, Olsen se tornou a principal.

A caminho de seu papel principal em “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”, a hierarquia da Marvel mudou. Thanos? Quem é esse? É tudo sobre a Feiticeira Escarlate agora. Até em uma sequência designada para a estrela titular, Benedict Cumberbatch.

Olsen quase não teve tempo para se ajustar na transição de ser a próxima grande novidade no MCU. Ela veio direto para a filmagem da sequência de “Doutor Estranho” depois de finalizar o seu período em “WandaVision”, trabalhando em uma bolha que não a permitiu ter uma completa compreensão de como a sua experiência na Marvel havia mudado. Olsen conversou com o Washington Post sobre a ascensão de seu personagem. (Respostas foram condensadas).

Sobre a popularidade de ‘WandaVision’:

Eu continuo surpresa pela resposta de “WandaVision”. Foi um choque. Nós não tínhamos expectativas. Nós meio que éramos o primeiro [tipo de] série, indo desses personagens que conhecemos de filmes para a televisão. A primeira série da Marvel no Disney Plus. Nós não sentimos como se tivesse uma expectativa que teríamos que superar porque nós estávamos fazendo algo novo. Agora eu tenho um medo totalmente diferente das expectativas para esse filme, pois eu realmente entendo um pouco melhor as expectativas com as minhas experiências na Marvel. A pressão parece diferente nesse trabalho. Eu não sabia se as pessoas se importariam, quando eu estava gravando “Doutor Estranho”, sobre a jornada da Wanda. A resposta de “WandaVision”, eu acho, é um incrível combustível para esse filme.

Sobre a experimentação da série:

Eu senti como se estivéssemos em um lugar que poderíamos falhar. Foi muito libertador fazer parte daquele trabalho. Eu também amo tantos tipos diferentes de atuação… e ser capaz de fazer múltiplos gêneros em uma série, é um presente.
Tudo que eu quero com “Doutor Estranho” é ter certeza que continuaremos vendo partes diferentes dela e que continue a progredindo. Para não ser repetitivo. Espero que as pessoas agora tenham construído essa empatia por [Wanda], que é realmente um jeito incrível de imersão.

Sobre os enredos de multiverso do MCU, em ‘Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa’ ‘Multiverso da Loucura’ e outros.

Desde que esses filmes continuem a significar algo além de ser sobre super-heróis salvando o mundo e também adicionando o elemento do mito, do folclore ou de fábulas, então, se vale a pena contar essas histórias, elas trarão um impacto. Eu aprecio que isso continua sendo um objetivo para [O presidente da Marvel Studios] Kevin Feige.

Sobre compartilhar os holofotes com Benedict Cumberbatch:

Ele é realmente um ator fabuloso, e eu estava animada para colaborar com ele e tê-lo me desafiando e para eu tentar desafiá-lo e ter uma relação de trabalho saudável nesse sentido. Eu acho que esses personagens são feitos para estar no mesmo mundo juntos. É animador que nós realmente os colocamos no mesmo mundo porque eles entendem um ao outro. Ambos são meio que independentes, de certa maneira.

Sobre onde a Feiticeira Escarlate pode ir de agora em diante:

Eu nunca realmente tive expectativas nem do que eu já fui capaz de fazer. Eu me sinto realmente grata por todas as oportunidades que me foram dadas nesses últimos anos com a Marvel. Desde que tenha uma boa história para contar, eu estou interessada em contá-la.

Tradução: Equipe EOBR | Fonte.

A estrela relutante está retornando como a feiticeira Wanda em ‘Doutor Estranho no Multiverso da Loucura’. Ela fala com Jacob Stolworthy sobre críticas de filmes de super-heróis, conselhos de suas irmãs famosas e por que ela raramente se vê na tela. Confira a tradução feita pela nossa equipe:

Elizabeth Olsen está cobrindo os olhos. “Não consigo olhar para a tela. Eu sinto muito.” A causa do desânimo da atriz não é, como você pode pensar, o meu rosto, mas o dela. Estamos no meio da nossa entrevista e desliguei a câmera do meu laptop para evitar problemas de internet, deixando Olsen sozinha, olhando para si mesma. Ela passa o resto do papo com os olhos modestamente direcionados para a direita. “Devíamos ter nos encontrado pessoalmente”, diz ela.

Este não é o comportamento que você esperaria de uma estrela de Hollywood financiável de filmes da Marvel – e que vem de uma dinastia de atores. Suas irmãs são Mary-Kate e Ashley Olsen, estrelas de filmes pré-adolescentes e linhas de moda. A irmã mais nova, Elizabeth, atua desde os quatro anos de idade, mas ela não apareceu em seu primeiro filme até os 21 anos. Em vez de seguir o caminho das gêmeos, ela oscilou entre filmes independentes menores e sucessos de bilheteria, incluindo Godzilla de Gareth Edwards (2014) e vários filmes do Universo Cinematográfico Marvel (MCU).

Cada papel tem sido muito diferente do anterior – um estudante de teatro espirituoso na comédia aconchegante Liberal Arts (2012), uma influenciadora narcisista de mídia social na sátira do Instagram de 2017 Ingrid Goes West e uma tímida agente do FBI novata no mistério de assassinato violento Wind River no mesmo ano.

Mas é por sua personagem no universo Marvel que ela se tornou mais conhecida. Ela interpretou a bruxa perenemente azarada Wanda Maximoff em 2015 Avengers: Age of Ultron, antes de retornar em mais três filmes do MCU – Capitão América: Guerra Civil; Vingadores: Guerra Infinita Vingadores: Ultimato. Então Wanda se tornou tão popular que ganhou seu próprio programa de TV, WandaVision.

No espaço de nove episódios inventivos, Olsen tornou-se a favorita da Marvel graças à sua capacidade de mudar fluidamente da comédia para a emoção com um movimento da varinha. Ela também mostra isso em nossa conversa, discutindo tópicos delicados, incluindo o tratamento que a mídia dá a suas irmãs, enquanto reage de brincadeira ao carteiro persistente que não para de bater na minha porta. “Até mais!” ela grita depois que ele me informa, pela minha caixa de correio, que está deixando meu pacote na porta.

Ajudou a causa de Olsen que WandaVision, a estreia da Marvel na televisão, era um projeto ambicioso que colocava tempo e cuidado em um personagem anteriormente dado pouca atenção em favor das figuras dominantes – bem, grandes homens fortes – Homem de Ferro, Capitão América e Thor.

Mas, apesar de agora ser uma grande jogadora da Marvel, a atriz de 33 anos diz que ficou confusa com sua crescente popularidade “nos últimos anos”.

“Eu só assinei para fazer alguns filmes, então continua sendo uma surpresa quando eles querem me usar para mais projetos”, diz ela, acrescentando: “Fiquei confusa com a sorte que tive com eles querendo fazer WandaVision.”

Olsen estava morando em Richmond, Londres, quando o show foi lançado em Janeiro de 2021, durante o segundo bloqueio. Tornou-se um dos projetos da Marvel mais bem revisados ​​de todos os tempos, e a histeria boca a boca em torno dele viu a série realizar a façanha de atrair não-fãs, bem como obstinados. Olsen, no entanto, diz que “se dissociou totalmente” do frenesi que provocou e “não está realmente ligada a isso emocionalmente”.

Olsen está retornando como a personagem de Doutor Estranho no Multiverso da Loucura, que a coloca contra o feiticeiro superpoderoso de Benedict Cumberbatch. Embora ela elogie o processo de filmagem colaborativa, uma abordagem defendida pelo diretor Sam Raimi, Olsen insinua várias vezes em nossa conversa que ela não gosta muito de discutir o projeto, apesar de ser o que ela está aqui para promover.

“Estou tentando ignorar e não falar sobre isso, mas é isso que está acontecendo”, diz ela com um sorriso amável. “Na verdade, faço isso em que fico muito confortável com isso, não ocupando muito espaço na minha mente, porque é mais seguro e não me sinto tão vulnerável”.

A tática de Olsen, no entanto, parece ter menos a ver com preocupações com a qualidade do filme e mais com sua modéstia. “Quando estávamos divulgando WandaVision, fiquei mortificado porque era a primeira série do universo Marvel. Havia esse medo total, e agora tenho essa pressão novamente conectando-me ao Doutor Estranho. Eu simplesmente não tinha isso como parte desses filmes de conjunto.” Olsen admite que isso se estende até a visualização do produto final. “Vou ver eventualmente”, diz ela.

Se esses nervos são uma característica preocupante para alguém cujo rosto está atualmente estampado em pôsteres ao redor do mundo para um filme que será um dos sucessos mais lucrativos do ano, ela não está mostrando. Na verdade, Olsen tem o comportamento agradável de alguém claramente à vontade com as regras que ela estabeleceu em sua vida – tanto privada quanto profissionalmente – uma das quais foi cortesia de suas irmãs mais velhas: “‘Não’ é uma frase completa”.

Essa regra levou Olsen a se sentir confortável em recusar certas coisas que ela pediu para fazer. Por exemplo, como foi notado por sua base de fãs, você não verá Olsen no palco do Oscar ou do Emmy tão cedo. “Não gosto de me apresentar em premiações. Experimentei e não gostei. Não vale a pena a sensação de desmaiar que eu tenho, tipo, toda vez. Simplesmente não vale a pena.”

Olsen diz que a maneira como ela adotou o mantra de suas irmãs mudou ao longo dos anos, e que, quando era mais jovem, ela “o usava mais como uma jovem que estava sempre pronta para algum tipo de agressor ou algo assim”. Ela sorri, como se estivesse se repreendendo. “Eu sempre fui meio duro assim – talvez com uma falha às vezes.” O que ela quer dizer com isso? “Eu só acho que talvez eu pudesse ter massageado as coisas de maneira um pouco diferente, ou talvez eu pudesse ter algumas nuances. Mas acho que é importante que uma jovem conheça, ouça ou se empodere.”

Suas irmãs gêmeas estavam na moda nos anos 90, liderando seus próprios programas de TV e filmes, até 2012, quando anunciaram planos de parar de atuar para que pudessem se concentrar em suas carreiras de moda. Olsen, que é três anos mais nova, assistiu enquanto suas irmãs adolescentes se encontravam no centro do escrutínio da mídia, o que a fez quase parar de atuar.

“Foi quando a mídia fez o que eu achei abusivo para minhas irmãs”, disse Olsen Nylon em 2011. “Eles nos seguiam fazendo compras e [Mary-Kate e Ashley] quase se envolveram em acidentes de carro por causa dos paparazzis. Eu não queria fazer parte disso.”

Avanço rápido para 2012. Enquanto Olsen estava dando autógrafos para os fãs, um fotógrafo perguntou a ela: “Por que você é muito mais legal do que suas irmãs?” Em um vídeo que se tornou viral, Olsen pôde ser ouvida respondendo de forma mais educada do que merecia: “Porque vocês as incomodaram a vida toda”. Foi esse tratamento prejudicial de suas irmãs – e a maneira admirável como elas se mantiveram sob intensa exposição – que ajudou a moldar sua própria experiência quando se trata de lidar com a imprensa.

“Acho que minhas irmãs são algumas das pessoas mais incríveis de se olhar, com o que criaram para si mesmas e como se comportam”, diz Olsen, com um ar de orgulho aparente. “Estou realmente impressionado com o que eles construíram, e acho que isso veio de uma perspectiva tão saudável – e eu só poderia me beneficiar dessa perspectiva saudável. Acho que isso informou como eu me comporto.”

Mas, apesar de todos os sábios conselhos que suas irmãs deram, Olsen nem sempre foi tão receptiva. “Eles deram tantos conselhos para mim, mas a maioria das coisas, quando eu era mais jovem, eu não fazia porque eu era assim” – Olsen adota uma voz de desenho animado – “’Vou fazer isso sozinha! Você não pode me dizer!’ E então elas estavam certos, e acabei fazendo o que elas me disseram para fazer. Mas eu tive que falhar primeiro, por conta própria.”

Ela certamente não está falhando agora. Mas mesmo assim, me pergunto o que alguém na posição dela sente sobre as críticas dirigidas à Marvel nos últimos anos. O mais controverso é que Martin Scorsese descreveu os filmes do MCU como sendo “mais próximos dos parques temáticos” do que o cinema, enquanto o diretor de O Poderoso Chefão, Francis Ford Coppola, os descreveu como “protótipos feitos repetidamente para parecerem diferentes”. Olsen diz que é quando as pessoas “as fazem parecer um tipo menor de arte” que ela fica frustrada.

“Não estou dizendo que estamos fazendo filmes de arte indie, mas acho que isso tira nossa equipe, o que me incomoda”, diz ela. “Estes são alguns dos mais incríveis cenógrafos, figurinistas, operadores de câmera – sinto que diminuí-los com esse tipo de crítica tira todas as pessoas que fazem filmes premiados, que também trabalham nesses projetos.”

“Do ponto de vista de um ator, qualquer que seja, eu entendo; Eu entendo totalmente que há um tipo diferente de performance que está acontecendo. Mas acho que jogar a Marvel debaixo do ônibus tira as centenas de pessoas muito talentosas da equipe. É aí que eu fico um pouco irritado com isso.”

Em termos de seu futuro no MCU, Olsen está aberta a possibilidades. “Eu não sei quão grandes são os planos, mas estou disposta a qualquer coisa, desde que haja uma boa ideia ligada à isso”, diz ela. Isso inclui uma possível segunda série independente focada em Wanda. Olsen também diz que está “curiosa” sobre como os X-Men serão incorporados em futuros filmes após a aquisição da Fox pela Disney. Mas para Olsen, não é inscrevê-la nesses projetos que é o problema – é fazê-la sentar e assisti-los. “Honestamente, a magia dos filmes da Marvel está perdida para mim agora, o que é muito ruim”, diz ela. “Eu tenho que me divertir em outro lugar.”

Tradução: Equipe EOBR | Fonte.

Em uma conversa com o The Independent, Elizabeth Olsen revelou sobre estar cansada de cineastas criticarem a Marvel e às vezes até desrespeitarem os profissionais da equipe. Confira abaixo a tradução feita pela nossa equipe:

Elizabeth Olsen está cansada de cineastas como Martin Scorsese e Francis Ford Coppola criticando os filmes da Marvel. A atriz, que está de volta aos cinemas como Wanda Maximoff/Feiticeira Escarlate em “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”, disse ao The Independent que fica frustrada quando as pessoas fazem os filmes da Marvel “parecerem um tipo menor de arte”.

“Não estou dizendo que estamos fazendo filmes de arte indie, mas acho que isso desrespeita nossa equipe, o que me incomoda”, disse Olsen. “Esses são alguns dos cenógrafos, figurinistas, operadores de câmera mais incríveis – sinto que diminuí-los com esse tipo de crítica, desrespeitam todas as pessoas que fazem filmes premiados, que também trabalham nesses projetos.”

“Do ponto de vista de um ator, qualquer que seja, eu entendo; Eu entendo totalmente que há um tipo diferente de performance que está acontecendo. Mas acho que jogar a Marvel debaixo do ônibus tira as centenas de pessoas muito talentosas da equipe”, acrescentou Olsen. “É aí que eu fico um pouco mal-humorada sobre isso.”

Scorsese infamemente comparou os filmes da Marvel à passeios de parques temáticos enquanto discutia como os filmes de super-heróis remodelaram a exibição de uma maneira que é prejudicial aos filmes que não são de super-heróis. Coppola foi citado em 2019 por chamar os filmes da Marvel de “desprezíveis”, embora mais tarde tenha esclarecido que não estava falando especificamente sobre os filmes da Marvel, mas referindo-se a como a indústria cinematográfica agora valoriza o comércio sobre a arte. No entanto, Coppola falou sobre os filmes da Marvel em uma entrevista em fevereiro para a revista GQ.

“Costumava haver filmes de estúdio”, disse Coppola. “Agora há fotos da Marvel. E o que é uma imagem da Marvel? Um filme da Marvel é um protótipo de filme que é feito repetidamente para parecer diferente.”

Nicolas Cage veio em defesa dos filmes da Marvel na esteira de seu tio, Francis, atacando-os. “Sim, por que eles fazem isso?” Cage perguntou à GQ sobre cineastas criticando a Marvel. “Não entendo o conflito. Não concordo com eles nessa percepção ou opinião.”

“Acho que os filmes que faço, como ‘Pig’ ou ‘Joe’, não estão em nenhum tipo de conflito com os filmes da Marvel”, disse Cage. “Quero dizer, não acho que o filme da Marvel tenha algo a ver com o fim da interpolação. Por interpolação, quero dizer o filme com orçamento de US$ 30 a US$ 50 milhões. Acho que os filmes estão em boa forma. Se você olhar para ‘Power of the Dog’, ou ‘Spencer’, ou qualquer um dos filmes de Megan Ellison. Acho que ainda existe Paul Thomas Anderson.”

Tradução: Equipe EOBR | Fonte.

Na tarde de hoje, 09, foi liberada uma entrevista de Elizabeth Olsen, concedida para o jornal diário estadunidense, The New York Times. Confira abaixo a tradução realizada pela nossa equipe:

A atriz começou como uma queridinha indie e nunca esperava se tornar um pivô da Marvel como Wanda Maximoff. Mas agora ela está tão investida no papel que está aberta a um filme solo.

Elizabeth Olsen está acostumada a esperar nos bastidores. Quando ela era uma estudante de atuação na Universidade de Nova York, ela conseguiu um papel de substituta na peça da Broadway “Impressionism”, estrelada por Jeremy Irons. O show durou 56 apresentações. Olsen não subiu ao palco uma única vez.

Esse tipo de oportunidade perdida pode mexer com a mente de uma atriz, mas Olsen nunca teve pressa em aproveitar os holofotes. Anos depois, quando ela foi escalada como a feiticeira Wanda Maximoff em “Vingadores: Era de Ultron”, sua personagem era mais uma Vingadora auxiliar do que o evento principal, e em três filmes subsequentes da Marvel – cada um com um conjunto mais estofado de super-heróis do que o último – Olsen nunca subiu acima do 10º faturamento.

Mas uma coisa engraçada aconteceu depois de passar todo esse tempo: “WandaVision”, uma paródia de comédia sobre Wanda e seu marido androide, tornou-se um fenômeno inesperado quando estreou no início do ano passado no Disney+. Este mês, “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”, que conta com Olsen como co-líder e coloca sua bruxa problemática contra o feiticeiro de Benedict Cumberbatch, provou ser ainda mais importante. O filme arrecadou US$ 185 milhões em seus três primeiros dias de lançamento, ocupando o 11º lugar entre os maiores fins de semana de estreia doméstica de todos os tempos.

Para Olsen, que inicialmente deixou sua marca em filmes independentes, isso é o equivalente a virar a página de uma revista em quadrinhos para ser o assunto de um enorme painel inicial. Durante uma video chamada na semana passada, perguntei como era se destacar como protagonista de um sucesso de bilheteria.

“Estou totalmente agoniada!” ela disse. “Eu não vou assistir.”

Horas depois de conversarmos, Olsen andaria no tapete vermelho da estreia em Hollywood de “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”, mas ela planejava fugir do cinema assim que o filme começasse. “Esta é a pressão que estou sentindo pela primeira vez”, explicou ela. “Tenho muita ansiedade com o lançamento de ‘Doutor Estranho’ porque nunca tive que liderar um filme comercial sozinha.”

Ela tossiu, desembrulhando um pacote de papel alumínio: “Desculpe, eu tenho uma pastilha.”

Olsen, 33, é casual e amigável, exalando um brilho californiano tão poderoso que você dificilmente saberia que ela estava doente há dias. “É apenas irritante”, disse ela, bebendo água de um frasco Mason. “Acho que meu corpo realmente quer relaxar.” Ela embarcou nesta turnê de imprensa global um dia depois de encerrar uma filmagem de sete meses e meio para a série limitada da HBO “Love and Death”, o tipo de agenda lotada que também exigia que ela filmasse “WandaVision” e “Doutor Estranho” de costas.

Como seu diretor de “Doutor Estranho”, Sam Raimi, ainda não havia assistido a “WandaVision” quando as filmagens começaram, coube a Olsen enfiar a linha complicada nos dois projetos. Na série Disney+, Wanda fica tão desamparada após a morte de seu verdadeiro amor, Visão (Paul Bettany), que inventa uma elaborada realidade de sitcom onde ele ainda está vivo e adiciona dois filhos para completar a ilusão. Mas em “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”, ela toma um rumo muito mais difícil: corrompida por um livro de feitiços demoníaco, Wanda quebra o mal e estrangula um elenco de mocinhos durante uma viagem que abrange o multiverso para encontrar seus filhos.

Olsen “é assustador não por conta de seus poderes destrutivos ou suas ambições diabólicas, mas porque ela é tão triste”, nosso crítico A.O. Scott escreveu. E se você ainda sente simpatia por Wanda enquanto ela faz picadinho de nossos heróis, é por causa dos esforços de Olsen para fundamentar a personagem em algo que pareça específico e íntimo. Quando Wanda faz uma ameaça mortal, Olsen deixa sua voz suave e seus olhos se enchem de lágrimas e arrependimento: há uma pessoa real ali. (Embora outras atrizes do reino dos super vilões se inclinem para o acampamento, Olsen entende que quando você está pairando no ar e usando uma tiara vermelha, as coisas já estão arqueadas o suficiente.)

Mas seis projetos da Marvel, esse é o tipo de carreira na tela grande que ela esperava? Não exatamente.

“Isso me tirou da capacidade física de fazer certos trabalhos que eu achava que estavam mais alinhados com as coisas que eu gostava como membro da plateia”, disse Olsen. “E este sou eu sendo a mais honesta.”

Olsen sabia que queria atuar desde criança, mas também sabia que não queria atuar quando criança. Qualquer curiosidade que ela pudesse ter sobre a fama foi acalmada ao crescer ao lado de suas irmãs Mary-Kate e Ashley, que foram escaladas para “Full House” antes mesmo de terem um ano de idade. O escrutínio do estrelato poderia esperar.

De qualquer forma, ela se sentia muito mais confortável em um grupo. Olsen jogou vôlei no ensino médio e despertou a camaradagem da equipe: todos podiam ter seu momento solo, mas precisavam trabalhar juntos para ter sucesso. Mesmo na faculdade, quando ela começou a fazer testes para filmes, ela não estava com pressa de deixar o conjunto teatral com o qual veio na escola.

Mas a atuação cinematográfica nem sempre é tão igualitária. Em 2011, Olsen invadiu o Festival de Cinema de Sundance com um par de veículos estelares: “Silent House”, um thriller de uma única tomada que mantém suas lentes focadas nela por 87 minutos, e “Martha Marcy May Marlene”, que a escalou como uma atriz ex-membro do culto lutando para seguir em frente. Esse soco duplo levou as pessoas a apelidá-la de “it girl” de Park City, mas enquanto os trabalhadores faziam fila na neve para encontrá-la, Olsen não confiava em nada do que diziam.

“Realmente parecia que todo mundo estava falando pelos dois lados da boca”, disse ela. “Eu estava tipo, ‘Isto é uma bolha.’ Parecia que eu estava literalmente em um globo de neve.”

Ela saiu dessa experiência sabendo apenas duas coisas: ela não queria ser rotulada como a garota indie chorando, mas também não queria ser empurrada para filmes de grande orçamento. “Isso parecia assustador para mim, esse tipo de pressão”, disse ela.

Ainda assim, às vezes é bom ser convidada para a festa. Alguns anos em sua carreira de atriz, depois de uma série de indies discretos, ela perguntou a seu agente por que ela nunca estava concorrendo a filmes de alto nível. A resposta: “As pessoas não pensam que você quer fazê-las”.

Ela fez? Essa é uma pergunta que Olsen teve que se fazer na época – e ainda faz, de vez em quando. Ela decidiu que precisava se expor mais e assinou um remake de 2014 de “Godzilla”, argumentando que pelo menos foi dirigido por Gareth Edwards, que até então era um cineasta independente.

E então veio o papel de Wanda e, com ela, a entrada na maior franquia de Hollywood. Enquanto Olsen ponderava sobre a oferta da Marvel para estrelar “Vingadores: Era de Ultron”, ela listou os prós: desafiaria sua seleção independente. Ela mais uma vez faria parte de um conjunto, embora superpoderoso. E sua co-estrela de Godzilla, Aaron Taylor-Johnson, estava disposta a embarcar como o irmão de Wanda, Pietro, garantindo que ela não iria sozinha. Eles assinaram contrato com “Ultron” como um par.

Mas Pietro foi morto no final desse filme, e enquanto Wanda abalada continuava no Universo Cinematográfico da Marvel, imaginando se ela realmente se encaixava, Olsen ponderou a mesma pergunta. Por causa de seus compromissos com a Marvel, ela teve que recusar um papel de protagonista na comédia sombria de Yorgos Lanthimos “The Lobster”, e não precisou de um multiverso para Olsen imaginar como esse filme a levaria a um caminho totalmente diferente. uma atriz.

“Comecei a me sentir frustrada”, disse ela. “Eu tinha essa segurança no emprego, mas estava perdendo essas peças que sentia que faziam mais parte do meu ser. E quanto mais eu me afastava disso, menos eu me considerava para isso.”

Seu contrato inicial com a Marvel cobria dois papéis principais e uma participação especial, embora os filmes da Marvel sejam tão gigantescos que o estúdio poderia ter considerado as cinco semanas que Olsen passou filmando “Capitão América: Guerra Civil” uma breve aparição. E embora seu perfil crescente tenha ajudado a financiar filmes independentes como “Wind River” e “Ingrid Goes West”, ela ainda se perguntava se o feitiço de Wanda valeu a pena no final. Ela havia se tornado estereotipada de uma maneira totalmente diferente? E foi tudo construindo para algo que importava?

Wanda foi morta no final de “Vingadores: Guerra Infinita”, satisfazendo o contrato de três filmes de Olsen. “O poder de escolher continuar era importante para mim”, disse ela. E na época em que o chefe da Marvel Studios, Kevin Feige, trouxe Olsen para discutir a ressurreição de “Vingadores: Ultimato”, ele apresentou “WandaVision” para ela. No início, ela se perguntou se era um rebaixamento: TV, realmente? Mas quanto mais ela envolvia a cabeça em torno disso, mais ela percebia que era sua oportunidade de tela mais louca ainda.

“O Falcão e o Soldado Invernal” deveria ser a primeira série Disney+ da Marvel, um programa de ação antiquado e mediano no qual os super-heróis socam malfeitores em cada episódio de uma hora. “WandaVision”, por outro lado, era uma paródia de comédia de meia hora; as brigas mais significativas do show foram brigas conjugais, fermentadas por uma trilha de risadas estranhas.

“Achamos que o que estávamos fazendo era tão estranho e não sabíamos se tínhamos uma audiência para isso, então havia liberdade para isso”, disse Olsen. “Não houve pressão, nem medo. Foi uma experiência muito saudável.”

Mas depois que a pandemia levou a Marvel a reorganizar a ordem de sua série Disney+, “WandaVision” foi o primeiro e se tornou o improvável porta-estandarte. O programa gerou inúmeros memes, travou o serviço de streaming várias vezes e ganhou 23 indicações ao Emmy, incluindo uma indicação de melhor atriz para Olsen.

Mais importante, “WandaVision” a ajudou a se apaixonar por Wanda – uma personagem que ela interpretou por anos – pela primeira vez. O programa oferecia uma variedade estonteante de variações sobre o papel – algumas brilhantes de comédia, outras modernas e sombrias – e o primeiro episódio, filmado na frente de uma plateia ao vivo, exigia todo o treinamento teatral de Olsen para ter sucesso. Ela não tinha certeza de que iria ressoar com um público mais amplo até que amigos lhe enviaram videoclipes de um brunch em Minneapolis, onde drag queens se vestiram como todos os alter egos de Wanda. “Se você chegar a esse estágio”, disse Olsen com uma risada, “então você realmente faz parte da cultura”.

Com a Viúva Negra de Scarlett Johansson fora de cena, Olsen é agora a atriz da Marvel com mais horas cronometradas. Ela se sente revigorada o suficiente, depois de “WandaVision” e “Doutor Estranho”, para estar disposta a estrelar um filme solo sobre sua personagem?

“Acho que sim”, disse ela. “Mas realmente precisa ser uma boa história. Acho que esses filmes são melhores quando não se trata de criar conteúdo, mas de ter um ponto de vista muito forte – não porque você precisa ter um plano de três imagens.”

Agora que ela se sente mais confortável em seu papel de assinatura e em sua própria pele, Olsen quer ser mais deliberada em sua escolha de papéis e o que ela faz com eles. Mas ela também me contou uma história de seus dias de substituta sobre Jeremy Irons, que não aprendeu completamente suas falas até a noite de estreia de “Impressionism”; mesmo durante as prévias, ele pulava na frente da plateia, saía do palco para folhear suas páginas e depois voltava para aprender um pouco mais. Talvez atuar não fosse algo que você prendeu, prendeu e estudou obsessivamente, Olsen percebeu então. Talvez você possa abraçá-lo como uma coisa fluida com um destino desconhecido.

Olsen sabe agora que uma carreira em Hollywood pode ter reviravoltas que você nunca poderia ter previsto, então você pode aproveitar para onde ela vai. No fim de semana, ela apareceu no “Saturday Night Live” para apoiar sua co-estrela Benedict Cumberbatch; ela interpretou a si mesma no esboço, enquanto Chloe Fineman do programa interpretou a substituta de Olsen. Às vezes, as coisas acontecem para fechar um círculo assim. Às vezes, até parece mágica.

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS | PHOTOSHOOTS > 2022 > NEW YORK TIMES

EOBR001.jpgEOBR002.jpgEOBR003.jpgEOBR004.jpg

Tradução: Equipe EOBR | Fonte.

Na noite do último dia 04, Elizabeth Olsen compareceu ao programa de entrevistas noturnas da NBC, o famoso The Tonight Show com Jimmy Fallon”. A atriz estava lá para promover o seu mais novo filme do Universo Cinematográfico Marvel, Doutor Estranho no Multiverso da Loucura.

Durante oito minutos de conversa, Lizzie e Jimmy falaram sobre diversos assuntos, desde o seu novo filme, Doutor Estranho no Multiverso da Loucura, a popularidade da série WandaVision, até ao primeiro livro infantil “Hattie Harmony: Worry Detective”, escrito por Olsen e seu marido, o músico Robbie Arnett.

Confira abaixo o vídeo legendado e as fotos promocionais da participação de Elizabeth Olsen no programa The Tonight Show com Jimmy Fallon”.

 

 

APARIÇÕES E EVENTOS | APPEARANCES AND EVENTS > 2022 > MAY 4 – THE TONIGHT SHOW STARRING JIMMY FALLON

EOBR001.jpgEOBR002.jpgEOBR003.jpgEOBR006.jpg