Na tarde de hoje, 09, foi liberada uma entrevista de Elizabeth Olsen, concedida para o jornal diário estadunidense, The New York Times. Confira abaixo a tradução realizada pela nossa equipe:

A atriz começou como uma queridinha indie e nunca esperava se tornar um pivô da Marvel como Wanda Maximoff. Mas agora ela está tão investida no papel que está aberta a um filme solo.

Elizabeth Olsen está acostumada a esperar nos bastidores. Quando ela era uma estudante de atuação na Universidade de Nova York, ela conseguiu um papel de substituta na peça da Broadway “Impressionism”, estrelada por Jeremy Irons. O show durou 56 apresentações. Olsen não subiu ao palco uma única vez.

Esse tipo de oportunidade perdida pode mexer com a mente de uma atriz, mas Olsen nunca teve pressa em aproveitar os holofotes. Anos depois, quando ela foi escalada como a feiticeira Wanda Maximoff em “Vingadores: Era de Ultron”, sua personagem era mais uma Vingadora auxiliar do que o evento principal, e em três filmes subsequentes da Marvel – cada um com um conjunto mais estofado de super-heróis do que o último – Olsen nunca subiu acima do 10º faturamento.

Mas uma coisa engraçada aconteceu depois de passar todo esse tempo: “WandaVision”, uma paródia de comédia sobre Wanda e seu marido androide, tornou-se um fenômeno inesperado quando estreou no início do ano passado no Disney+. Este mês, “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”, que conta com Olsen como co-líder e coloca sua bruxa problemática contra o feiticeiro de Benedict Cumberbatch, provou ser ainda mais importante. O filme arrecadou US$ 185 milhões em seus três primeiros dias de lançamento, ocupando o 11º lugar entre os maiores fins de semana de estreia doméstica de todos os tempos.

Para Olsen, que inicialmente deixou sua marca em filmes independentes, isso é o equivalente a virar a página de uma revista em quadrinhos para ser o assunto de um enorme painel inicial. Durante uma video chamada na semana passada, perguntei como era se destacar como protagonista de um sucesso de bilheteria.

“Estou totalmente agoniada!” ela disse. “Eu não vou assistir.”

Horas depois de conversarmos, Olsen andaria no tapete vermelho da estreia em Hollywood de “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”, mas ela planejava fugir do cinema assim que o filme começasse. “Esta é a pressão que estou sentindo pela primeira vez”, explicou ela. “Tenho muita ansiedade com o lançamento de ‘Doutor Estranho’ porque nunca tive que liderar um filme comercial sozinha.”

Ela tossiu, desembrulhando um pacote de papel alumínio: “Desculpe, eu tenho uma pastilha.”

Olsen, 33, é casual e amigável, exalando um brilho californiano tão poderoso que você dificilmente saberia que ela estava doente há dias. “É apenas irritante”, disse ela, bebendo água de um frasco Mason. “Acho que meu corpo realmente quer relaxar.” Ela embarcou nesta turnê de imprensa global um dia depois de encerrar uma filmagem de sete meses e meio para a série limitada da HBO “Love and Death”, o tipo de agenda lotada que também exigia que ela filmasse “WandaVision” e “Doutor Estranho” de costas.

Como seu diretor de “Doutor Estranho”, Sam Raimi, ainda não havia assistido a “WandaVision” quando as filmagens começaram, coube a Olsen enfiar a linha complicada nos dois projetos. Na série Disney+, Wanda fica tão desamparada após a morte de seu verdadeiro amor, Visão (Paul Bettany), que inventa uma elaborada realidade de sitcom onde ele ainda está vivo e adiciona dois filhos para completar a ilusão. Mas em “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”, ela toma um rumo muito mais difícil: corrompida por um livro de feitiços demoníaco, Wanda quebra o mal e estrangula um elenco de mocinhos durante uma viagem que abrange o multiverso para encontrar seus filhos.

Olsen “é assustador não por conta de seus poderes destrutivos ou suas ambições diabólicas, mas porque ela é tão triste”, nosso crítico A.O. Scott escreveu. E se você ainda sente simpatia por Wanda enquanto ela faz picadinho de nossos heróis, é por causa dos esforços de Olsen para fundamentar a personagem em algo que pareça específico e íntimo. Quando Wanda faz uma ameaça mortal, Olsen deixa sua voz suave e seus olhos se enchem de lágrimas e arrependimento: há uma pessoa real ali. (Embora outras atrizes do reino dos super vilões se inclinem para o acampamento, Olsen entende que quando você está pairando no ar e usando uma tiara vermelha, as coisas já estão arqueadas o suficiente.)

Mas seis projetos da Marvel, esse é o tipo de carreira na tela grande que ela esperava? Não exatamente.

“Isso me tirou da capacidade física de fazer certos trabalhos que eu achava que estavam mais alinhados com as coisas que eu gostava como membro da plateia”, disse Olsen. “E este sou eu sendo a mais honesta.”

Olsen sabia que queria atuar desde criança, mas também sabia que não queria atuar quando criança. Qualquer curiosidade que ela pudesse ter sobre a fama foi acalmada ao crescer ao lado de suas irmãs Mary-Kate e Ashley, que foram escaladas para “Full House” antes mesmo de terem um ano de idade. O escrutínio do estrelato poderia esperar.

De qualquer forma, ela se sentia muito mais confortável em um grupo. Olsen jogou vôlei no ensino médio e despertou a camaradagem da equipe: todos podiam ter seu momento solo, mas precisavam trabalhar juntos para ter sucesso. Mesmo na faculdade, quando ela começou a fazer testes para filmes, ela não estava com pressa de deixar o conjunto teatral com o qual veio na escola.

Mas a atuação cinematográfica nem sempre é tão igualitária. Em 2011, Olsen invadiu o Festival de Cinema de Sundance com um par de veículos estelares: “Silent House”, um thriller de uma única tomada que mantém suas lentes focadas nela por 87 minutos, e “Martha Marcy May Marlene”, que a escalou como uma atriz ex-membro do culto lutando para seguir em frente. Esse soco duplo levou as pessoas a apelidá-la de “it girl” de Park City, mas enquanto os trabalhadores faziam fila na neve para encontrá-la, Olsen não confiava em nada do que diziam.

“Realmente parecia que todo mundo estava falando pelos dois lados da boca”, disse ela. “Eu estava tipo, ‘Isto é uma bolha.’ Parecia que eu estava literalmente em um globo de neve.”

Ela saiu dessa experiência sabendo apenas duas coisas: ela não queria ser rotulada como a garota indie chorando, mas também não queria ser empurrada para filmes de grande orçamento. “Isso parecia assustador para mim, esse tipo de pressão”, disse ela.

Ainda assim, às vezes é bom ser convidada para a festa. Alguns anos em sua carreira de atriz, depois de uma série de indies discretos, ela perguntou a seu agente por que ela nunca estava concorrendo a filmes de alto nível. A resposta: “As pessoas não pensam que você quer fazê-las”.

Ela fez? Essa é uma pergunta que Olsen teve que se fazer na época – e ainda faz, de vez em quando. Ela decidiu que precisava se expor mais e assinou um remake de 2014 de “Godzilla”, argumentando que pelo menos foi dirigido por Gareth Edwards, que até então era um cineasta independente.

E então veio o papel de Wanda e, com ela, a entrada na maior franquia de Hollywood. Enquanto Olsen ponderava sobre a oferta da Marvel para estrelar “Vingadores: Era de Ultron”, ela listou os prós: desafiaria sua seleção independente. Ela mais uma vez faria parte de um conjunto, embora superpoderoso. E sua co-estrela de Godzilla, Aaron Taylor-Johnson, estava disposta a embarcar como o irmão de Wanda, Pietro, garantindo que ela não iria sozinha. Eles assinaram contrato com “Ultron” como um par.

Mas Pietro foi morto no final desse filme, e enquanto Wanda abalada continuava no Universo Cinematográfico da Marvel, imaginando se ela realmente se encaixava, Olsen ponderou a mesma pergunta. Por causa de seus compromissos com a Marvel, ela teve que recusar um papel de protagonista na comédia sombria de Yorgos Lanthimos “The Lobster”, e não precisou de um multiverso para Olsen imaginar como esse filme a levaria a um caminho totalmente diferente. uma atriz.

“Comecei a me sentir frustrada”, disse ela. “Eu tinha essa segurança no emprego, mas estava perdendo essas peças que sentia que faziam mais parte do meu ser. E quanto mais eu me afastava disso, menos eu me considerava para isso.”

Seu contrato inicial com a Marvel cobria dois papéis principais e uma participação especial, embora os filmes da Marvel sejam tão gigantescos que o estúdio poderia ter considerado as cinco semanas que Olsen passou filmando “Capitão América: Guerra Civil” uma breve aparição. E embora seu perfil crescente tenha ajudado a financiar filmes independentes como “Wind River” e “Ingrid Goes West”, ela ainda se perguntava se o feitiço de Wanda valeu a pena no final. Ela havia se tornado estereotipada de uma maneira totalmente diferente? E foi tudo construindo para algo que importava?

Wanda foi morta no final de “Vingadores: Guerra Infinita”, satisfazendo o contrato de três filmes de Olsen. “O poder de escolher continuar era importante para mim”, disse ela. E na época em que o chefe da Marvel Studios, Kevin Feige, trouxe Olsen para discutir a ressurreição de “Vingadores: Ultimato”, ele apresentou “WandaVision” para ela. No início, ela se perguntou se era um rebaixamento: TV, realmente? Mas quanto mais ela envolvia a cabeça em torno disso, mais ela percebia que era sua oportunidade de tela mais louca ainda.

“O Falcão e o Soldado Invernal” deveria ser a primeira série Disney+ da Marvel, um programa de ação antiquado e mediano no qual os super-heróis socam malfeitores em cada episódio de uma hora. “WandaVision”, por outro lado, era uma paródia de comédia de meia hora; as brigas mais significativas do show foram brigas conjugais, fermentadas por uma trilha de risadas estranhas.

“Achamos que o que estávamos fazendo era tão estranho e não sabíamos se tínhamos uma audiência para isso, então havia liberdade para isso”, disse Olsen. “Não houve pressão, nem medo. Foi uma experiência muito saudável.”

Mas depois que a pandemia levou a Marvel a reorganizar a ordem de sua série Disney+, “WandaVision” foi o primeiro e se tornou o improvável porta-estandarte. O programa gerou inúmeros memes, travou o serviço de streaming várias vezes e ganhou 23 indicações ao Emmy, incluindo uma indicação de melhor atriz para Olsen.

Mais importante, “WandaVision” a ajudou a se apaixonar por Wanda – uma personagem que ela interpretou por anos – pela primeira vez. O programa oferecia uma variedade estonteante de variações sobre o papel – algumas brilhantes de comédia, outras modernas e sombrias – e o primeiro episódio, filmado na frente de uma plateia ao vivo, exigia todo o treinamento teatral de Olsen para ter sucesso. Ela não tinha certeza de que iria ressoar com um público mais amplo até que amigos lhe enviaram videoclipes de um brunch em Minneapolis, onde drag queens se vestiram como todos os alter egos de Wanda. “Se você chegar a esse estágio”, disse Olsen com uma risada, “então você realmente faz parte da cultura”.

Com a Viúva Negra de Scarlett Johansson fora de cena, Olsen é agora a atriz da Marvel com mais horas cronometradas. Ela se sente revigorada o suficiente, depois de “WandaVision” e “Doutor Estranho”, para estar disposta a estrelar um filme solo sobre sua personagem?

“Acho que sim”, disse ela. “Mas realmente precisa ser uma boa história. Acho que esses filmes são melhores quando não se trata de criar conteúdo, mas de ter um ponto de vista muito forte – não porque você precisa ter um plano de três imagens.”

Agora que ela se sente mais confortável em seu papel de assinatura e em sua própria pele, Olsen quer ser mais deliberada em sua escolha de papéis e o que ela faz com eles. Mas ela também me contou uma história de seus dias de substituta sobre Jeremy Irons, que não aprendeu completamente suas falas até a noite de estreia de “Impressionism”; mesmo durante as prévias, ele pulava na frente da plateia, saía do palco para folhear suas páginas e depois voltava para aprender um pouco mais. Talvez atuar não fosse algo que você prendeu, prendeu e estudou obsessivamente, Olsen percebeu então. Talvez você possa abraçá-lo como uma coisa fluida com um destino desconhecido.

Olsen sabe agora que uma carreira em Hollywood pode ter reviravoltas que você nunca poderia ter previsto, então você pode aproveitar para onde ela vai. No fim de semana, ela apareceu no “Saturday Night Live” para apoiar sua co-estrela Benedict Cumberbatch; ela interpretou a si mesma no esboço, enquanto Chloe Fineman do programa interpretou a substituta de Olsen. Às vezes, as coisas acontecem para fechar um círculo assim. Às vezes, até parece mágica.

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS | PHOTOSHOOTS > 2022 > NEW YORK TIMES

EOBR001.jpgEOBR002.jpgEOBR003.jpgEOBR004.jpg

Tradução: Equipe EOBR | Fonte.

Na noite do último dia 04, Elizabeth Olsen compareceu ao programa de entrevistas noturnas da NBC, o famoso The Tonight Show com Jimmy Fallon”. A atriz estava lá para promover o seu mais novo filme do Universo Cinematográfico Marvel, Doutor Estranho no Multiverso da Loucura.

Durante oito minutos de conversa, Lizzie e Jimmy falaram sobre diversos assuntos, desde o seu novo filme, Doutor Estranho no Multiverso da Loucura, a popularidade da série WandaVision, até ao primeiro livro infantil “Hattie Harmony: Worry Detective”, escrito por Olsen e seu marido, o músico Robbie Arnett.

Confira abaixo o vídeo legendado e as fotos promocionais da participação de Elizabeth Olsen no programa The Tonight Show com Jimmy Fallon”.

 

 

APARIÇÕES E EVENTOS | APPEARANCES AND EVENTS > 2022 > MAY 4 – THE TONIGHT SHOW STARRING JIMMY FALLON

EOBR001.jpgEOBR002.jpgEOBR003.jpgEOBR006.jpg

A maravilhosa Sra. Elizabeth Olsen!

post por: Carol 06.05.2022

Boas notícias para os fãs de Elizabeth Olsen: a atriz é a estrela da capa de mais uma revista – dessa vez, da C Magazine. Ela concedeu fotos e uma entrevista exclusiva! Confira abaixo a tradução realizada pela nossa equipe:

De decoração da casa à biodiversidade, os interesses de Elizabeth Olsen estão enraizados na natureza gloriosa do Golden State. Aqui, a verdadeira estrela, das telas grandes e pequenas, conta à C sobre suas ambições além do multiverso da Marvel.

Você acha que conhece Elizabeth Olsen. Uma estrela fixa no Universo Cinematográfico Marvel. A irmã mais nova das super-celebridades idênticas Mary-Kate e Ashley Olsen. Linda de parar o coração em qualquer tapete vermelho, encantadoramente identificável em qualquer talk show, o mais próximo possível de uma celebridade nata, tendo feito sua estreia na tela aos 5 anos no filme de TV Olsen, “How the West Was Fun”.

E, no entanto, nada sobre Elizabeth Olsen é exatamente o que você espera. Alguns minutos depois de uma conversa que deveria ter algo a ver com o novo filme do Doutor Estranho, no qual ela estrela, de alguma forma, passamos para os males dos pesticidas e a importância das plantas de cobertura. Sim, Hollywood está muito bem, mas Olsen ainda sonha em estudar agricultura e iniciar uma fazenda progressiva.

“Você sabe, a cultura da monocultura é tão prejudicial ao planeta”, diz ela. Ela se inspirou no “ecossistema fechado” que eles têm em Hanzell Vineyards, perto de sua casa em Sonoma. “Eles incorporam tantos tipos diferentes de culturas para alimentar as pessoas que trabalham lá, mas também para incentivar o tipo adequado de nutrientes para o solo.” Isso está em contraste marcante com os quilômetros e quilômetros de campos de cultivo único que margeiam tantas rodovias californianas, onde toda a vida é exterminada para fazer uma coisa crescer. “Acho muito louco continuarmos pensando que precisamos nos tornar vegetarianos e veganos para salvar o planeta. Mas, tipo, realmente a melhor coisa para salvar o planeta é a biodiversidade.”

Eu não esperava estar falando sobre os perigos da “Big Ag” (grande agricultura) tão cedo em nossa conversa – e nem, eu suspeito, Olsen, que de repente se corta, receosa de ser escalada como uma espécie de porta-voz polinizadora. “Você não pode falar muito sobre nada mais porque então você se torna parte de um lugar-comum que você nunca aceitou, sabe?” Mas o medo da monocultura torna-se um tema recorrente. Por que se concentrar em uma coisa em detrimento de todas as outras? Por que esperamos que todos sejam iguais?

Comecei elogiando Olsen pelo elegante blazer floral que ela está vestindo, sentada em uma piscina de luz na cozinha de sua outra casa recém-reformada em San Fernando Valley. É um conserto na saída da Mulholland Drive, datado de 1972. Ela e seu marido, o músico Robbie Arnett, levaram-no “até os pregos” e o reimaginaram completamente. A cozinha e o jardim, em particular, são seu “espaço feliz”, um sentimento que soou verdadeiro muito antes de cozinhar e plantar se tornar a atividade de bloqueio. “O que eu achei tão engraçado foi todo mundo descobrindo como fazer pão”, ela ri. “Ninguém quer comer pão há décadas!”. Mas seu cômodo favorito é o banheiro decorado com azulejos verdes e mármore verde.

A propriedade é o outro negócio da família Olsen – sua mãe, Jarnie, era dançarina e seu pai, David, era corretor de imóveis. Na verdade, Olsen tem uma licença imobiliária, que remonta a um emprego de verão quando era estudante de teatro em Nova York. E ela tem uma daquelas mentes curiosas que seguem o caminho intelectual para qualquer assunto. Sempre que algo chama seu interesse – cultivo de árvores cítricas, reboco de um banheiro, atuação de métodos – ela vai estudar para isso. “Já pensei em ir para a escola para design ou para obter uma licença de empreiteira apenas para entender melhor como as coisas precisam funcionar.”

Ainda assim, duvido que ela precise ir para a faculdade tão cedo. No momento, sua carreira de atriz parece bastante exuberante e fértil, graças em grande parte ao seu papel de protagonista na minissérie deliciosamente assustadora da Marvel, “WandaVision”. Exibida no início de 2021, tornou-se um dos grandes sucessos do lockdown, admirado até por quem costuma ver a Marvel como uma monocultura maligna. Seu sucesso surpreendeu até Olsen e seu co-estrela, Paul Bettany, que interpreta seu marido na tela, Visão. “Nós realmente pensamos que éramos como um primo estranho dos filmes da Marvel e não sabíamos se ia funcionar ou não”, diz ela. “[É] muito raro fazer parte de algo assim. Em retrospectiva, estou meio admirada com isso.”

Também criou um novo conjunto de oportunidades para ela. Ela está acostumada a algumas reações negativas de diretores que a definem como alguém que faz “aquela coisa da Marvel ou qualquer outra coisa”. Agora, uma série de opções estão diante dela. Ela acabou de voltar do Texas, onde estava filmando a série da HBO Max “Love and Death”. Ela interpreta Candy Montgomery, a dona de casa do Texas da vida real que, em 1980, matou a esposa do homem com quem ela estava tendo um caso batendo nela 41 vezes com um machado – mas alegou legítima defesa com sucesso. “Ela é tipo a última otimista, cuidadora, educadora, que é pega em uma situação ruim”, diz Olsen, despreocupadamente.

Há também “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”, seu sétimo projeto da Marvel, mas o primeiro de sua personagem Wanda Maximoff, também conhecida como Feiticeira Escarlate, como a principal antagonista. As filmagens ocorreram na Inglaterra durante sucessivos bloqueios por coronavírus. Viver perto do parque dos cervos em Richmond-Upon-Thames parece ter acelerado a anglofilia de Olsen. “Acho que não há muitos lugares mais bonitos no mundo do que Richmond, na Inglaterra”, diz ela. Ela também teve a chance de treinar com Benedict Cumberbatch, recém-chegado de seu filme multi-indicado ao Oscar, “Power of the Dog”. “Sou uma grande fã dele e do trabalho que ele faz, então fiquei muito curiosa para ver seu processo”, diz ela.

No entanto, houve mais interação física em frente às telas verdes do que troca verbal. (“É mais postura, mais baseado em imagens.”). Mas essa é a natureza da fera da Marvel – e realmente o que fez “WandaVision”, com sua mistura de estilos e gêneros, uma mudança tão refrescante – um “playground” para um ator.

Chegou em um momento em que Olsen estava começando a reavaliar sua carreira e admitir para si mesma que, talvez, ela estivesse vagando, talvez ficando um pouco confortável sendo uma pequena engrenagem em uma grande máquina. Seu currículo é difícil de entender, dividido entre gigantes CGI como “Godzilla” e papéis sombrios e desafiadores como sua estreia principal, “Martha Marcy May Marlene”, na qual ela interpretou uma mulher que escapou recentemente de um culto abusivo. Na verdade, foi o 10º aniversário de “Martha Marcy MayMarlene”, juntamente com a experiência de produzir a comédia negra “Sorry for Your Loss”, para o agora extinto Facebook Watch, que a reconectou ao motivo pelo qual ela está fazendo tudo isso em primeiro lugar. “Fiquei tão empolgada por trabalhar apenas por um período de tempo, mas também houve um tempo em que fiquei com preguiça. Você apenas tem que admitir isso para si mesmo em algum momento.”

Afinal, ela não escolheu o caminho mais fácil para atuar, e ela poderia facilmente ter feito isso. Olsen não se lembra de sua estreia infantil nas telas (“Era o trabalho das minhas irmãs e era basicamente eu sendo cuidada do set”), mas longe de andar em qualquer rabo de família, ela foi a todas as aulas de teatro e acampamentos que podia e se certificou de que ela tivesse treinamento adequado antes de ousar se chamar de atriz. Ela acabou estudando atuação na altamente competitiva NYU Tisch School of the Arts, onde ficou conhecida como a “nazista do ensaio” por sua insistência em fazer as coisas com o devido rigor. Ela também encontrou tempo para passar um semestre na Rússia, estudando no Teatro de Arte de Moscou, onde Konstantin Stanislavski foi pioneiro em seu famoso método de atuação e Anton Chekhov estreou todas as suas peças. “Foram realmente três meses profundos”, diz ela.

Mas ela também está claramente orgulhosa da abordagem mais americana de suas irmãs; afinal, são profissionais atuantes desde os 9 meses de idade. “Quero dizer, fico maravilhada com isso o tempo todo quando vejo os filhos dos meus amigos”, Olsen ri. “Elas criaram um tipo totalmente diferente de pista para si mesmos que não era uma escolha óbvia – e elas fizeram isso com muito bom gosto e foram muito reservadas e inteligentes sobre isso.”

O que mais a impressionou foi a necessidade de manter o público e o privado separados — não que Olsen fosse sempre receptiva. “Há muitos conselhos que elas me deram que eu não escutei e então eu eventualmente escutei e elas estavam certas,” ela diz. “É muito chato quando você tenta tomar suas próprias decisões e fica tipo, foda-se! Eles estavam certos.” Ela apagou abruptamente sua conta do Instagram em 2020, dizendo na época que odiava o “ciclo narcisista” de ter que compartilhar seus pensamentos sobre todos os problemas.

Mas, de muitas maneiras, seu instinto é ser aberta – apenas de uma maneira discreta. Ela usou principalmente as mídias sociais para postar projetos de panificação e jardinagem. Ela gosta de passear por LA o máximo que pode e busca âncora em seus locais favoritos (ela elogia o The Joint, um mercado de peixes e café em Sherman Oaks), embora, novamente, ela tenha que tomar cuidado. Sempre há paparazzi no mercado de agricultores locais, então ela tende a dirigir para outros bairros para pegar seus tomates da herança. Isso deve ser irritante, eu digo. “É chato pra caralho!”

É também uma das razões pelas quais ela e Arnett estão agora passando mais tempo em sua casa em Sonoma. “Isso não é uma coisa que acontece lá e não é um lugar para onde minha mente vai”, diz ela. “Se eu pensar em construir uma família, não quero que isso faça parte da experiência de vida de uma criança.”

Não que ela esteja necessariamente pensando em construir uma família, só para deixar claro. Ela e Arnett se casaram em segredo em 2019; ela só deixou escapar quando acidentalmente se referiu a ele como “meu marido” em uma entrevista. “Nós apenas fugimos, nós dois, e sim, era algo que queríamos fazer apenas nós dois.” Ela não parece muito preocupada com cerimônias ou festas. “As tradições não são muito importantes para mim.”

Falamos sobre o quão estranhamente antiquada ainda é toda a ideia de casamento, assim como a decisão de ter filhos ou não. “Acho estranho que ter filhos é um padrão. Deveria ser o contrário”, diz ela. “Ainda não estamos nesse ponto em que devemos continuar fazendo bebês, sabe? Sinto que há muitos de nós no planeta!”

Mas esta é a outra razão pela qual ela excluiu seu Instagram. Ela não podia suportar a pressão de se conformar, de divulgar as opiniões corretas, de concordar em tudo. “Quando este planeta já funcionou assim e por que estamos assumindo que deveria?” ela ri. “Eu só acho isso estranho. Tipo, todos nós viemos de lugares diferentes e temos diferentes lutas e diferentes experiências de vida.” Estamos de volta às monoculturas, à necessidade de biodiversidade em todas as suas formas. A mídia social, ela está convencida, é a ruína da cultura. “Isso apenas cria um mundo que se parece com uma coisa e não é isso que é interessante sobre este mundo.” Que muitas flores cresçam.

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS | PHOTOSHOOTS > 2022 > C MAGAZINE BY JAMES WRIGHT

EOBR004.jpgEOBR008.jpgEOBR009.jpgEOBR001.jpg

REVISTAS E JORNAIS | SCANS > 2022 > C MAGAZINE – MAY

EOBR001.jpgEOBR001.jpgEOBR001.jpgEOBR001.jpg

Tradução: Equipe EOBR | Fonte.

Elizabeth Olsen é a capa de mais uma revista, Harper’s Bazaar UK, Lizzie concedeu uma entrevista exclusiva para a revista americana, juntamente com um impecável photoshoot. Confira abaixo a tradução realizada pela nossa equipe:

Elizabeth Olsen está pronta para mim. Em um confortável quarto de hotel em Londres, ela levanta de sua cadeira para me cumprimentar com o refrescante olhar brilhante para uma manhã de segunda-feira. Ela se apresenta calorosamente como “Lizzie” e me pergunta se eu quero algo para beber. É imediatamente claro que não tem muitos paralelos entre ela e sua pseudônimo anti heroico, a Feiticeira Escarlate (também conhecida como Wanda). Por uma coisa: Olsen é muito engraçada; ela também é supremamente adorável. Mas ela guarda consigo um certo poder suave, hoje vestida com um terno cinza da Bárbara Bui, uma gola rosa-acido e sapatos pretos com cadarços de Clergerie.
“Eu amo interpretar personagens em que as pessoas discordam com suas ações” ela disse, arrumando seu cabelo loiro curto atrás de suas orelhas. “Em um mundo em que nós não realmente ligamos em compreender outros pontos de vistas, eu sinto como se nós, como audiência, podemos ter empatia por pessoas que não concordamos, e é uma boa coisa”. Uma das figuras mais poderosas no Universo da Marvel, Wanda atravessa a linha moralmente duvidosa entre o bem e o mal, e isso é o que a Olsen se interessa sobre ela; a maioria dos personagens que ela é escolhida para fazer são os complexos e nodosos que precisam se desenrolar. “Então eu posso ser meio que sua advogada e defendê-los. Eu entendo o por trás de suas ações, mesmo quando eu não concordo com eles,” ela explica. Ela recentemente terminou as filmagens de uma série da HBO chamada Love and Death, que segue a verdadeira história de Candy Montgomery, que assassinou uma mulher com um machado e agiu como se nada tivesse acontecido. “Eu adorei interpretá-la”, ela diz. “Pessoas perguntariam: ‘você irá interpretá-la como uma sociopata? E eu estava tipo, ‘não, por que eu faria isso? Irei tentar e entender como alguém seria capaz de compartimentar isso até que eles serem pegos.”
De qualquer forma, em seu último filme, Doutor Estranho no Multiverso da Loucura, Olsen revela que Wanda encontrou algum tipo de resolução, não mais sobrecarregada pela força de seus poderes da magia do caos, ou o trauma que ela sofre em Vingadores: Ultimato seguindo pela morte de seu marido, Visão. “Foi tão divertido para mim pois todos esses anos eu estive interpretando uma personagem que está relutando; agora ela tem clareza pela primeira vez – ela sabe exatamente o que ela quer e não quer se desculpar por isso,” ela diz, acrescentando, “eu acho que tem uma feminilidade que vem com isso: uma força no sentimento completamente intitulada.”
Um benefício de fazer parte do Multiverso foi trabalhar com Benedict Cumberbatch, uma oportunidade que ela realmente saboreou. “Sou muito fã dele. Ele é um dos maiores atores do momento e eu queria ver o seu processo. Eu espero trabalhar com ele em uma forma Não-Marvel também, porque eu gostaria de ter uma outra experiência mais arrebatadora com ele.“ É provável que eles se encontrem novamente no Universo Marvel também, porque embora ela não tenha previsto trabalhar em tantos projetos da Marvel, ela diz: “Acho que Wanda está sempre ao virar da esquina, então não me sinto mal em dizer adeus a ela.”
Olsen sempre tem sido compelida por histórias complexas e crescer em Sherman Oaks Califórnia, ela assistiria filmes “perturbadores”, como o Retorno para Oz (uma versão distorcida de aventuras de Dorothy). “É tão estranho porque tem uma mulher que literalmente tem um corredor de cabeças de outra mulher que ela tira e coloca. Por que estou tão obcecada com aquele filme?” ela diz, rindo. “Eu amei me sentir assustada, mas então eu tive pesadelos – então eu assistiria filmes como Tremors and Terminator, seguido por Meus Dois Carinhos, então teve um monte de diferentes tipos de estimulação.”
Ela é a mais nova dos quatros: um irmão chamado Trent, irmãs gêmeas Mary-Kate e Ashley, que aconteceu de serem as duas crianças mais famosas no mundo quando Olsen era pequena, estrelando na amada sitcom Três é Demais e filmes juvenis incluindo Passaporte para Paris e Férias em Roma. “Eu sempre senti que ter irmãs gêmeas mais velhas eram uma vantagem,” ela diz. “Eu me senti muito clara sobre como eu estava aprendendo várias coisas porque eu as assistia. Me sentia também muito protegida.” estando apenas dois anos e meio separadas significa que que elas eram um trio próximo, mas como ela nota, o vínculo entre as gêmeas é incomparável. “Tem algo que eu nunca experimentei dessa conexão, mas eu me senti sortuda de testemunhar isso. Eu na verdade acho que é um sentimento incrível, ser a irmã mais nova das gêmeas. Se eu fosse mimada por uma, a outra queria igualar. Eu amava.”
“Eu tinha essa necessidade de ser a estudante que mais trabalhava duro quando eu estava na faculdade.”
Enquanto suas irmãs saíram da indústria cinematográfica quando envelheceram, ao invés disso, indo se estabelecer na empresa luxuosa de moda The Row em 2006, Olsen estava iniciando na atuação. “Eu sempre soube que isso era o que eu queria fazer, eu tive muitas inseguranças sobre querer fazer isso”, ela diz, ela nunca sentiu inclinada a se juntar com suas irmãs no palco global quando criança “porque eu realmente gostava da escola.” Mas o sucesso precoce de suas irmãs impactaram como ela alcançou o trabalho: ela estudou sua construção meticulosamente, se matriculado na University’s Tisch School of the Arts, onde ela teve aulas no Atlantic Theater Campany e passou um semestre estudando na Moscow Art Theatre School. “Eu sempre senti essa presença que me fez trabalhar mais duro e talvez ficar pressionada para estar mega preparada e disciplinada, para que eu me sentisse que estava merecendo isso,” diz Olsen, “Esse sentimento cessou cinco anos atrás no trabalho, mas eu sempre tinha essa necessidade de ser a estudante que mais trabalhava duro quando estava na faculdade.”
Após fazer o seu filme de estreia em 2011 estrelando no thriller Martha Marcy May Marlene junto de Sarah Paulson, ela não parou nos tipos de projetos que ela mais queria explorar, mas encontrou experiência em trabalhar em diferentes países inestimáveis. “Você aprende muito sobre si mesma nessas situações de vulnerabilidade e como lidar consigo mesma,” ela diz sobre trabalhar sozinha sendo uma jovem mulher. Olsen também procurou por um número de modelos de papéis em sua carreira, como Naomi Foner Gyllenhaal (mãe de Jake e Maggie), que dirigiu Very Good Girls e “se tornou uma figura maternal para mim”, ela diz. A lição mais importante que ela aprendeu sobre empoderamento pode ser entender as coisas que te movem – seus gostos e inspirações. “Isso foi algo que me tomou tempo para entender,” ela reflete. “É difícil encontrar essa confiança, mas estou feliz que eventualmente encontrei”. Essa auto segurança é essencial quando se trata de produzir, algo que ela mergulhou pela primeira vez em 2018/2019 na série Sorry For Your Loss. “Estou viciada nisso; e quando eu não estou produzindo, eu finjo que estou – sou provavelmente uma pessoa péssima para trabalhar! Eu digo ‘péssima‘ mas pessoas dizem que está tudo bem…” ela adiciona com coração brilhante, “Mas eu realmente quero me superar como atriz. Eu quero saber de todos os planos.” Agora, ela está procurando por projetos que ressonam com ela, particularmente menores, localizando enredos que tenham o poder “de fazer as pessoas sentirem algo maior do que o dia a dia.”
Ano passado, Olsen foi indicada pelo Emmy por sua minissérie WandaVision, e para a cerimônia da academia, ela vestiu um vestido branco com um design feito pelas suas irmãs. “Tem algo sobre isso que me faz sentir como mulheres segurando as mãos e a família permanecendo junta ou algo assim,” ela diz de forma melancólica “Eu apenas amo as roupas que me fazem sentir confiante e forte. É como uma armadura.” Usualmente optando pelo confortável, peças neutras, “porque eu sou tipo misturando nas paredes”, Olsen usualmente não gosta de estar nos flashes e nos momentos de tapete vermelho. “É meio barulhento. Eu realmente não sei como me posar para uma foto, então eu sempre estou parada como uma vara ou eu estou movendo meu corpo estranhamente pelo espaço porque eu não sei como fazer a roupa parecer legal no tapete vermelho.”
Olsen também fica tímida em eventos que não são relacionados com o seu trabalho, “mesmo quando eles podem ser potencialmente bons para a minha carreira”. “Eu só não me sinto confortável nessas situações, então, eu não me coloco nelas,” ela diz, diretamente. Quando ela não está trabalhando, Olsen vive tranquilamente em casa com seu parceiro Robbie Arnett, ficando com seus amigos e família, jardinando, fazendo poesia e cozinhando (“todo feriado eu faço o prato que é a assinatura da minha mãe, que é uma bola de Salmão dos anos setenta”). Esses momentos que ela tenta muito deixar privado. “Eu não penso em viver a minha vida como uma pessoa pública, eu só penso em viver a minha vida e então, eu tenho esse trabalho”, ela explica.
“É sempre estranho para um ator reclamar de estar sobre os olhos do público, pois isso significa que talvez algo está indo bem para você. Mas a privacidade é algo que eu penso muito com potencialmente ter crianças e sendo muito protegida com esse pensamento.”
Essa também é a razão do porquê ela não se dá bem com redes sociais; tendo se interessado pelo Instragram entre 2017 e 2020, ela diz que deletou o aplicativo para sempre. “Eu sempre penso, ‘o que eu estou tentando dizer? O que eu estou tentando compartilhar?’ você tem essa influência e tem um poder financeiro nesse tipo de influência. Isso não me fez me sentir bem,” ela compartilha. Olsen vê, de qualquer forma, o benefício da presença online para trazer atenção em boas causas, vamos ela trabalha primariamente com duas instituições de caridade: The Latitude Project, em benefício das comunidades Nicaraguanas necessitadas, e Stuart House em Los Angeles, que cuida de vítimas de violência sexual menores de 18 anos. Na carta, ela diz, “É um incrível espaço cobrindo tudo da parte forense até a terapia. Você está com essas crianças no mesmo horário toda semana, para vê-los crescendo.”
É raro para alguém prolífica como Olsen continuar com os pés no chão como ela é, mas entendendo o que ela quer – e, igualmente importante, o que ela não quer – tem dado a ela recursos para forjar seu próprio caminho. “Não estou tentando parar ninguém de entrar na minha bolha” ela diz, “mas eu também tenho algumas barreiras.” Esse é o seu super poder – mais compreensível que mágica, mas não menos potente.

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS | PHOTOSHOOTS > 2022 > HARPER’S BAZAAR UK

EOBR001.jpgEOBR007.jpgEOBR006.jpgEOBR004.jpg

 REVISTAS E JORNAIS | SCANS > 2022 > HARPER’S BAZAAR UK – MAY

EOBR001.jpgEOBR001.jpgEOBR001.jpgEOBR001.jpg

Tradução: Equipe EOBR | Fonte.

Elizabeth Olsen está promovendo o seu mais novo filme, Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”, e com isso, a mesma segue sendo capas de várias revistas, e dessa vez não foi diferente. Lizzie é a capa da edição de maio da Glamour México, no qual a mesma teve uma entrevista exclusiva e um photoshoot incrível. Confira abaixo a tradução realizada pela nossa equipe:

A nossa estrela da capa nos fala das ações altruístas, sustentáveis ​​e do empoderamento feminino que procura seguir todos os dias. Talentosa, poderosa e uma das atrizes mais relevantes do momento, Elizabeth Olsen é a nossa estrela de capa do mês maio de 2022.

Elizabeth Olsen nos conquistou não apenas por sua multifacetada carreira de atriz, onde nos deu personagens incríveis como a “Feiticeira Escarlate”, mas também por seu amor ao altruísmo, ao planeta e sua grande personalidade que a levou a roubar os corações de todos; Por isso, neste mês conversamos exclusivamente com ela sobre sua vida pessoal, seus sonhos, seus novos projetos e suas melhores dicas de moda e beleza.

Este mês decidimos reconhecer a atriz de Hollywood com duas capas. A primeira reflete sua essência pessoal, seu amor e seu esforço diário pelo planeta e a segunda destaca sua faceta pública, a estrela de cinema e a importância da mulher na tela.

Glamour México: Você tem um sonho que gostaria de realizar no futuro?

Elizabeth Olsen: Sim, tenho muitos. Eu adoraria manifestar vários caminhos em minha vida no futuro. Não acho que minha vida seja necessariamente só ser atriz, há muitas coisas que gostaria de explorar e tenho uma longa lista. Para simplificar a resposta, sonho em ter filhos. Isso sempre foi um sonho que eu tive e é algo que eu espero ser capaz de fazer.

GM: Você pode nos contar um pouco mais sobre sua experiência com o Projeto Latitud?

EO: É um projeto incrível. Algumas mulheres canadenses que eu acho que iam ao México com suas mães todo verão, se aventuravam na Nicarágua. Eles começaram sua fundação Latitude Project. Nos últimos anos, ter uma presença no país tem sido mais difícil, não só por causa da pandemia de COVID, mas também pela situação política na Nicarágua. Basicamente, elas encontram comunidades com muita necessidade e trabalham com elas, perguntam sobre o que precisam. Seja água potável, energia solar…e fazem um projeto por ano com essas comunidades. Elas constroem com eles. Eu fui trazer mais consciência para o Latitud, mas geralmente elas só trabalham com a comunidade e as pessoas de lá para que possam ter mais autonomia sobre o que constroem juntos. É sempre incrível. Já estive com elas algumas vezes. Toda vez, em todo projeto, você conhece algumas pessoas muito bonitas e é realmente incrível como é preciso poucos dólares para mudar uma comunidade inteira. Foi uma experiência incrível e espero poder voltar em breve.

GM: Você tem outros planos de praticar o altruísmo no futuro?

EO: É incrível que as pessoas possam fazer parte de outras iniciativas globais, mas também é importante fazer parte de iniciativas locais. Em Los Angeles existe uma maravilhosa fundação sem fins lucrativos chamada “The Rape Foundation”. O lugar que eu trabalho se chama “The Stuart House” e eles se encarregam de oferecer tudo para crianças de até 18 anos que foram vítimas de qualquer tipo de agressão. Eles oferecem terapia gratuita, assistência jurídica gratuita, fazem toda a pesquisa para ajudá-los em casos judiciais e têm serviços forenses. Eles também fornecem terapia para as famílias. Quando eu faço voluntariado lá, eu brinco com as crianças ou seus irmãos enquanto eles estão na sala de espera porque às vezes suas famílias não podem pagar a creche, então eu basicamente cuido deles. Isso teve que parar um pouco devido à pandemia, mas estou animada para voltar quando terminar de filmar e fazer a divulgação de Dr. Strange, porque estar lá para essas crianças é uma das coisas mais gratificantes que já fiz na minha vida.

GM: O que você faria se tivesse os poderes da Wanda?

EO: Eu não sei se eu gostaria de ter os poderes dela na vida real, porque eu sinto que ela pega as experiências de muitas outras pessoas e pode entrar em suas cabeças e mentes, e conhecer seus maiores medos. Não sei se quero saber todas essas coisas sobre as pessoas.

GM: Você já experimentou um amor como o de Wanda?

EO: Acho que sim. Sinto a ligação que tenho com as pessoas mais próximas da minha vida, o que inclui também os meus amigos. Tenho os mesmos amigos desde criança e sinto que tenho essa conexão com eles, que é muito sagrada e co-dependente.

GM: Se você não fosse a Wanda, que outro super-herói você gostaria de ter interpretado?

EO: Com a Wanda não consigo ser muito engraçada, exceto em WandaVision, onde pude fazer um pouco de comédia. Mas as pessoas gostam de assistir a muitos desses filmes da Marvel por causa de quão espertos e inteligentes eles são e o humor é ótimo. Eu sinto que o papel de Tessa Thompson, Valquíria, tem muito humor e ela se diverte muito. Então ela é a que eu gostaria de interpretar.

GM: Quais são seus filmes ou séries favoritos dos últimos anos?

EO: Há muitos. Eu amei “Power of the Dog”, acho que o filme foi incrivelmente poético e poder vê-lo no cinema foi muito importante. Todos nós perdemos essa sensação de quietude. Estamos em casa rapidamente mudando de canal ou assistindo a um filme e então decidimos mudar. Então eu sinto que esse filme caiu muito em um método mais lento de cinema. Eu realmente adorei. Depois, há o documentário chamado “Some Kind of Heaven”, sobre um lar de idosos na Flórida que eu acho que foi muito bem feito. Esses são os dois primeiros que me vêm à mente e eu realmente os amei.

GM: O que mais te anima ao fazer parte do elenco de Doutor Estranho?

EO: O que mais me anima é a resposta dos fãs após o filme. Sempre fico com muito medo quando esses filmes saem, especialmente entre WandaVision e Dr. Strange porque meu papel é um pouco maior, então há essa pressão. Você não pode agradar a todos, mas espera que os fãs fiquem satisfeitos. Também estou animada para ouvir o que os fãs gostariam que a minha personagem fizesse. Muitas pessoas me perguntam como eu gostaria que Wanda continuasse depois desse filme e eu realmente não faço ideia e acho que os fãs sempre têm as melhores ideias.

GM: Qual foi a cena que você mais gostou de filmar em Doutor Estranho?

EO: Não sei. Na verdade, eu estava muito apavorada em filmar uma das últimas cenas do filme, sobre a qual não posso falar muito. Eu estava com muito medo de filmar, mas também foi muito divertido. Acho que as coisas mais assustadoras também são as mais engraçadas porque você sente que está realizando algo ou é corajosa e é uma pequena vitória.

GM: Se Doutor Estranho pudesse mudar algo em seu passado, o que você decidiria mudar?

EO: Não sei. Acho que se você mudar algo em seu passado, isso pode afetar seu presente, que é o tema principal deste filme. Estou muito feliz onde estou hoje, com as pessoas da minha vida e do meu trabalho, então acho que teria muito medo de mudar algo no passado e alterar algo no presente.

GM: Quais são seus próximos projetos?

EO: Acabei de terminar uma minissérie para a HBO Max chamada “Love and Death”. Vai estrear em outubro e é uma história real que aconteceu no Texas sobre uma mulher que matou uma de suas amigas com machado. É engraçada, mas com um humor muito sombrio e também assustador. Lá eu interpreto essa mulher que passou por um julgamento e eu realmente tive uma ótima experiência fazendo ela. Tivemos um elenco maravilhoso e estou animada para que seja lançada.

GM: Com qual atriz você gostaria de dividir a tela?

Existem muitas. Eu realmente gostaria de trabalhar com Betty Gilpin porque ela é incrível. Eu adoraria trabalhar com Margot Robbie porque ela tem uma grande reputação como atriz e produtora, então eu sinto que realmente aproveitaria isso. Existem muitas, mas essas são os que me vêm à mente por enquanto. Estou pensando em mulheres que estão na mesma faixa etária porque acho que muitas vezes mulheres da mesma idade não podem estar juntas em filmes. Geralmente há uma mulher na casa dos trinta ou uma mulher na casa dos vinte e não há muitas histórias de várias mulheres na tela. Eu também adoraria trabalhar com Carrie Coon, que é uma atriz fenomenal.

GM: Você acha que as oportunidades na indústria cinematográfica são iguais entre homens e mulheres?

EO: Acho que agora há um influxo de interesse em programas e filmes liderados por mulheres, então há um pouco de desequilíbrio, mas que agora está favorecendo mais as mulheres do que os homens, o que não acho uma coisa ruim. Houve uma tendência muito diferente todos esses anos, então qual a melhor maneira de mudar isso para o lado feminino. É um ótimo momento para muitas escritoras e produtoras, especialmente porque as pessoas realmente querem levantar essas vozes, então é uma ótima oportunidade para as pessoas criarem algo para as mulheres.

GM: Se você pudesse mudar uma coisa na indústria cinematográfica, o que seria?

EO: Sinto que o que eu gostaria de mudar talvez não seja a indústria em si, mas como consumimos qualquer tipo de mídia. Eu adoraria se as pessoas, ou as pessoas responsáveis ​​pelo dinheiro, tivessem mais fé em histórias que podem não ter um público tão amplo; porque eu acho que quando você dá às pessoas uma voz artística e permite que elas tomem um certo tempo e espaço sem tentar controlar tudo… quando você faz um filme, eles fazem muitos testes com o público para tentar obter feedback e ver se vai ser bem sucedido financeiramente. E então eles editam certas coisas com base nisso, o que não significa necessariamente que você terá todas as vozes dos diretores envolvidas. Há muito a ser dito para permitir que os diretores tenham controle total em certos casos. Poderia haver um pouco mais de fé em permitir que as pessoas fizessem isso. Quando você deixa os produtores fazerem isso, você acaba com um belo filme como “C’mon, C’mon”, de Mike Mills. Ou algo maravilhoso como “Power of theDog” e eu sei que esses filmes sempre nos surpreendem, mas é porque esses diretores tiveram a oportunidade de estar no controle. Espero que possamos nos inclinar nessa direção.

GM: Você acha que a indústria cinematográfica é totalmente inclusiva?

EO: Acho que ela está tentando ser. Mas também sinto que é um problema internacional e não local. Temos que nos envolver internacionalmente se quisermos que a indústria seja mais diversificada, não é apenas um padrão dos EUA, deveria ser internacional.

GM: Como você pratica a autoestima todos os dias?

EO: Mesmo quando estou trabalhando, tento acordar e me dar 15 minutos para me alongar e respirar porque, à medida que envelheço, sinto que meu corpo tem a cada dia mais tensão. Esse é o primeiro passo do meu dia, alongar, respirar e ficar quieta. Eu também tento não usar meu telefone sem pensar, tanto quanto posso, mas às vezes é difícil porque estamos muito apegados a ele. Eu tento mantê-lo em outro quarto porque eu não tenho um trabalho onde eu sempre tenho que tê-lo comigo. Tento ler o máximo que posso para permitir que meu cérebro se mova com mais propósito, porque acho difícil ler se você está sempre distraído e acho que é algo bom para nosso cérebro, alma e mente. Eu caminho muito, faço como meditação andando o máximo que posso. Para mim, caminhar é uma das melhores coisas que você pode fazer pelo seu cérebro. Não necessariamente tendo que ouvir um podcast ou música, apenas andar por aí sem nada disso, é muito profundo para mim. Todos os dias me sinto genuinamente grata por poder caminhar.

GM: Quais são suas dicas para um relacionamento amoroso bem-sucedido?

EO: Comunicação e honestidade. Nunca queira machucar a outra pessoa. Tente se comunicar sem querer ferir os sentimentos de outras pessoas. Você tem que tratar as pessoas com paciência e compaixão. Tente usar uma linguagem que não os faça sentir que estão fazendo algo errado. Sempre há uma forma de se comunicar sem demonizar o outro, mesmo que haja um desentendimento.

GM: Que conselho você daria a um amigo para incentivá-lo a realizar seus sonhos?

EO: Que há sempre uma maneira de tentar encontrar um meio termo entre a realidade de ter um emprego e criar tempo e espaço para si mesmo, para seguir seus sonhos e trabalhar duro para eles. Acho que você deveria manifestar essa disciplina por si mesmo. Acho que a verdadeira disciplina é uma das coisas mais importantes se você tem um objetivo a cumprir. Você tem que tentar. Eu tenho muitos amigos que mudaram de carreira aos 30 anos e é muito assustador pensar que eles passaram seus vinte anos inteiros fazendo algo que realmente não os fez felizes e eles deram esse grande salto de fé para mudar totalmente de carreira e é um uma das coisas mais corajosas que alguém pode fazer porque é totalmente aterrorizante. Mas eles sempre acabam sendo mais felizes.

GM: Quais são as ações de sustentabilidade que você procura praticar diariamente?

EO: Tento ser o mais cuidadosa possível ao lidar com lixo, reciclagem e compostagem. Eu me esforço muito para ter menos impacto. É muito difícil, mas é muito gratificante gerar uma pequena quantidade de lixo. Infelizmente, nem todas as cidades dos EUA têm oportunidades para isso, mas sempre há empresas menores que podem ser usadas. Há uma empresa em Los Angeles chamada “Compostable” e eles vêm à sua casa todas as terças-feiras, deixam um contêiner e levam o que você tem, então eu o uso quando estou lá. Esse esforço extra pode ser muito profundo e geraríamos menos resíduos.

GM: Por que você não tem Instagram ou alguma outra rede social?

EO: Acho que não sou necessariamente boa nisso. Eu acho que as pessoas que fazem isso bem conseguem se representar de uma maneira autêntica e eu nunca senti que poderia fazer isso. Sempre me senti um pouco desconfortável. Também pensei que não queria que isso tomasse horas do meu tempo ou que eu sentisse que era parte do meu trabalho. Considero que existe um componente de saúde mental em estar nas redes sociais e acho útil evitá-lo, os adultos também. Eu escrevi um livro infantil que será lançado em breve chamado “Hattie Harmony: Worry Detective”. Eu escrevi com meu marido e será lançado em junho nos EUA. Tem muito a ver com a saúde mental das crianças, ansiedade e como ensiná-las a identificar suas emoções e dar-lhes ferramentas para gerenciá-las. Quanto mais pudermos ensiná-los, na juventude, isso terá mais benefícios para eles do que criar o Instagram para crianças.

GM: Qual é a sua rotina de beleza para o dia e a noite?

EO: É bem extensa. Eu me importo muito com minha rotina de cuidados com a pele. Eu uso Biologique P50 todas as manhãs e noites, e muitos de seus soros. Há também uma marca israelense chamada Future que eu uso. Intercalo entre essas duas marcas. Eu tento beber água com limão todos os dias. Eu tomo muitos pacotes estranhos de suplementos na minha água e faz parte da minha rotina também.

GM: Quais exercícios você faz na sua rotina de exercícios?

EO: Eu caminho muito, mas em geral, isso vem mudando recentemente. Antes, eu tinha uma rotina normal de academia e treinava com coisas muito básicas, mas comecei a fazer mais pilates e ioga este ano. Faço exercícios de ioga para o abdômen e fiz muitas aulas online durante a pandemia. Fazer ioga, pilates e caminhar é o que eu prefiro. Não sei se tem a ver com o envelhecimento ou com o estado de espírito em que estou, mas tenho gostado.

GM: Qual foi o pior crime fashion que você cometeu?

EO: Eu sinto que toda vez que estou no tapete vermelho eu odeio o que estou vestindo. Eu não sei, eu realmente não uso roupas muito chiques na minha vida pessoal e isso não funciona no tapete vermelho; então eu sempre sinto que estou fora do meu corpo quando estou nessas situações. Não o tempo todo, mas muitas das vezes. Espero que, à medida que envelheço, eu me importe menos.

GM: Como você consegue se sentir confiante e se empoderar no tapete vermelho?

EO: Simplesmente não me sinto muito confiante nessas situações. Embora quase 12 anos tenham se passado. Há algo em sentir que um grupo de estranhos está gritando com você enquanto apontam câmeras e flashes para você que não me faz me sentir bem. Eu apenas tento me sentir bem na minha própria pele, mas eu realmente não gosto dessa experiência. À medida que cresci, os nervos desapareceram, mas é mais como uma terapia de exposição do que qualquer outra coisa. Eu acho que quando você chega aos 30 anos você começa a se importar um pouco menos com qualquer coisa que tenha a ver com a imagem, pelo menos eu estou nesse espaço agora e apenas tento fazer desses momentos algo um pouco mais divertido. Eu me sinto muito grata por esses momentos, mesmo que sejam coisas que fazem eu me sentir desconfortável. Tenho a sorte de poder fazer parte desses eventos ou estreias.

GM: Quais são as roupas que fazem você se sentir sexy, confortável e poderosa?

EO: Calça oversized, uma linda blusa de seda e sandálias. Eu sinto que nunca pareço melhor do que quando uso roupas assim. Então eles tiram fotos de você e você parece um quadrado, mas eu me sinto incrível usando essas roupas.

O talento, o estilo e a personalidade da atriz brilham por si só, mas depois de sabermos mais sobre o seu lado profissional, altruísta e até eco-friendly, reafirmamos que é uma das mulheres que mais nos inspira e empodera!

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS | PHOTOSHOOTS > 2022 > GLAMOUR MÉXICO BY ESTEBAN CALDERÓN

EOBR001.jpgEOBR002.jpgEOBR005.jpgEOBR007.jpg

REVISTAS E JORNAIS | SCANS > 2022 > GLAMOUR MÉXICO – MAY

EOBR001.jpgEOBR002.jpgEOBR001.jpgEOBR002.jpg

Tradução: Equipe EOBR | Fonte.

A 79ª edição dos prémios entregues pela HFPA, a Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood, anunciou hoje (13), finalmente os seus nomeados para os Globos de Ouro 2022. Pela primeira vez, o anúncio foi transmitido ao vivo no goldenglobes.com e no canal do Golden Globes no YouTube. As nomeações foram anunciadas pela presidente da HFPA, Helen Hoehne, e pelo multi-talentoso Snoop Dogg. E obviamente, ela não poderia ficar de fora dessa, porque ela é o momento! Elizabeth Olsen foi indicada ao Golden Globes 2022 na categoria “Atriz em Série Limitada” pelo seu trabalho como Wanda Maximoff em Wanda Vision, Elizabeth está concorrendo ao lado de Jessica Chastain, Cynthia Erivo, Margaret Qualley e Kate Winslet.

Tradução: Equipe EOBR | Fonte.

Na tarde de hoje, (10), o site IndieWire lançou uma matéria com Elizabeth Olsen e Sean Durkin. Confira a tradução:

‘Martha Marcy May Marlene’ aos 10: Elizabeth Olsen e Sean Durkin em sua mudança de carreira indie.

Muito antes de ser Wanda Maximoff da Marvel, Elizabeth Olsen era uma atriz de 20 anos que começou como Martha, uma mulher ferida lutando para se reassimilar de volta à vida normal depois de escapar de um culto abusivo em “Martha Marcy May Marlene”. No Festival de Cinema Sundance de 2011, o thriller independente lançou a carreira de Olsen, bem como a do cineasta Sean Durkin, quando ganhou o ‘Prêmio Dramático de Direção’ (americano) e conseguiu um luxuoso contrato de distribuição com a então ‘Fox Searchlight Pictures.’

“Martha Marcy May Marlene” recuperou mais do que o suficiente de seu orçamento de 600 mil dólares após a aquisição da Fox Searchlight, arrecadando US$ 5,4 milhões durante uma temporada no outono de 2011, ao mesmo tempo que rendeu à Olsen vários prêmios e indicações da crítica de cinema e ao filme quatro nomeações para o “Film Independent Spirit Awards”. Mas é fascinante olhar para trás, para o tipo de plataforma de lançamento que o filme provou ser, à medida que reaparece em retrospecto um verdadeiro quem é quem do cinema independente, com muitos rostos novos que agora são nomes famosos – incluindo Christopher Abbott, Brady Corbet e John Hawkes.

Mas “Martha” também serviu de entrada para os agora vencedores do ‘Emmy’ Sarah Paulson (que estrela o filme como a irmã indefesa de Martha, Lucy) e Julia Garner (que interpreta um membro do culto). O diretor Durkin, por sua vez, passou a produzir uma série de aclamados indies por meio de seus ‘Filmes Borderline’ com Antonio Campos (“The Devil All the Time”) e Josh Mond (“James White”), apenas para retornar ao cinema nos últimos anos com o thriller de colapso conjugal “The Nest”.

“Martha Marcy May Marlene” inspirou-se nos ecos de Altman e Polanski para pintar um quadro sinistro de um culto fictício de Catskills baseado em rituais de iniciação, abuso sexual, tortura mental e travessuras criminais. Hawkes interpreta o necessário Líder de Culto Carismático, de quem Martha escapa fisicamente nos primeiros momentos do filme – mas ela dificilmente está fora de perigo, por assim dizer, pelo resto do filme enquanto tenta se reintegrar com Lucy e seu irmão – sogro (Hugh Dancy).

Uma (já esgotada!) exibição do 10º aniversário de “Martha Marcy May Marlene” acontecerá no Metrograph em Nova York no sábado, 11 de dezembro. Antes da apresentação, IndieWire falou com Durkin e Olsen sobre suas memórias do filme, como ele formou suas carreiras até hoje, e as coisas angustiantes que aprenderam sobre si mesmos como artistas no processo.

IndieWire: Qual é a sua relação com o filme agora? Você olha para trás em “Martha Marcy May Marlene” com gratidão, ou é como ouvir sua própria voz sendo reproduzida para você em um gravador?

Sean Durkin: Eu amo o filme. Tudo o que a minha relação, experiência e a jornada que o filme fez e o que ele me ofereceu desde então. Eu realmente considero isso querido. Não assisto há muito tempo, mas antes de fazer “The Nest”, acho que na noite antes de começar a filmar, voltei e olhei um pouco. Sempre me sinto muito orgulhoso disso.

Elizabeth Olsen: Foi minha primeira vez trabalhando. Eu fiz um filme simultaneamente [“Silent House”] e estava terminando antes de começar a Martha, então havia muita ignorância sobre muitas coisas, sobre lentes e como você faz um filme, ângulos, alterando performances para ampla e próxima, então o que é um festival de cinema? Eu sabia muito mais sobre teatro regional do que sobre festivais naquela época. Foi uma experiência realmente pura que eu nunca poderei ter de volta e é algo para procurar constantemente, este lugar para trabalhar, deste lugar de colaboração pura e criativa, e foi uma experiência realmente alegre fazer isso com o grupo que tínhamos. Realmente parecia um sonho em minha mente. Estou muito grata que Sean decidiu me contratar. Isso realmente abriu um mundo para mim de outras maneiras, e a experiência em si foi bastante idílica.

Durkin: Foi basicamente como um acampamento de verão para adultos.

Olsen: Mas quase adultos!

IW: Eu definitivamente percebi aquela vibração em termos de conforto que todos na fazenda parecem ter uns com os outros. Como surgiu o seu elenco? Ou é a serra chata de, “eu peguei o roteiro e o resto é história”?

Olsen: Oh, não é isso. Eu fui a primeira escolha de Sean, mas não acho que fui a primeira escolha de todos.

Durkin: Nós estávamos escalando. Nós lançamos uma rede ampla e tentamos ver o máximo de pessoas para o papel, e realmente queríamos alguém que não tinha feito nada antes. Eu não queria ir pelo caminho de tentar um elenco de nomes. Estávamos tentando fazer isso com muito pouco dinheiro e rapidamente, então [com] a diretora de elenco Susan Shopmaker que usei para tudo, que é particularmente boa em descobrir novos talentos, adotamos essa abordagem. Eu sou alguém que não sente necessariamente “tem que ser isso”, é mais como se eu soubesse o que é, mas não sei até ver. O elenco é praticamente o mesmo. [Estávamos] fazendo audições, pessoas fazendo audições, e Lizzie entrou, e baseado em sua primeira audição, eu sabia que era isso.

Olsen: Eu estava fazendo testes para tudo naquela época. Eu terminei minha parte de teatro do meu diploma universitário, mas ainda estava na faculdade. Eu estava fazendo testes para tudo, desde “CSI” e “Blue Bloods” até “Martha Marcy May Marlene” e me senti muito sortuda por ter conseguido um roteiro que era muito legal e emocionante. Eu sou uma preparadora, uma pessoa disciplinada.Preparo tudo igual, mas me preparei mais sobre a possibilidade de fazer algo que você também gosta e acha que seria especial. Os atores não têm muitas oportunidades como essa. Os escritores também não são vistos por fazer algo inovador. Quanto mais tempo eu faço este trabalho, é interessante ver quanta merda você lê, e as coisas que são interessantes têm muita dificuldade em entrar em produção.

IW: Elizabeth, você realmente não fez nenhuma pesquisa, mas, ao assistir ao filme, fiquei muito impressionado ao ver como você realmente mergulha na mente e no corpo de alguém que claramente tem PTSD. Você deve ter feito algum tipo de exercício antes do filme.

Olsen: Sean fez uma tonelada de pesquisas, então ele foi meu recurso. Eu queria saber as histórias com as quais ele estava trabalhando e entendê-las. Não era como se eu assistisse um monte de documentários cult. Acho que devo ter lido uma entrevista sobre um dos cultos de que Sean estava escrevendo, na Inglaterra. Fora isso, estava usando Sean como pesquisa.

IW: É interessante que este filme pressagiou essa obsessão que você vê em muitos streaming de televisão com cultos e esse tipo de comportamento.

Durkin: Sempre tive minha vida inteira interessado em saber por que as pessoas acreditam no que acreditam, e senti que muitas vezes é arbitrário e, portanto, os cultos são a exploração extrema disso. Eu li “Helter Skelter” quando comecei a escrever isso e foi isso que inspirou a primeira ideia, mas a coisa incrível que acontece com os cultos é que uma vez que você está nele e começa a falar sobre isso, provavelmente alguém você sabe se vai dizer: “Oh, sim, meu professor está em uma seita”. Isso começou a acontecer a torto e a direito. Uma boa amiga minha, ela nunca mencionou isso, mas quando eu disse a ela que estávamos trabalhando nisso, ela disse: “Estou pronta para falar sobre isso pela primeira vez.” Ela nos contou sobre suas experiências. Existem seitas mais radicais, e com tantos pequenos grupos você pode ver como rapidamente se transforma de algo com boas intenções em algo sendo manipulado.

IW: O filme não se interessa em explicar a ideologia do culto. Você estava perseguindo algo mais experiencial. Você se viu voltando para uma essência mais nua para conseguir isso?

Durkin: Estou sempre tirando a roupa. Estou sempre tentando trabalhar de um lugar onde menos é mais. Com tanta frequência, no desenvolvimento de filmes e TV, você constantemente diz: “Precisamos entender exatamente o que cada personagem está pensando o tempo todo.” Os humanos não funcionam assim. Os humanos se contradizem. Os humanos, quando estão nele, não sabem. Voltando a Lizzie não fazer pesquisas, quando você está em uma seita, você não entende as seitas. É apenas estar presente e acreditar no que está à sua frente.

IW: Este filme é como “I Spy” do cinema independente. Você tem Julia Garner, Brady Corbet, Christopher Abbott, tantos rostos que reconhecemos agora. E então, é claro, a Sarah Paulson.

Durkin: Eu trabalhei como assistente para minha diretora de elenco Susan Shopmaker enquanto estava na faculdade na NYU, preenchendo headshots e envios, e então comecei a rodar a câmera para ela em sessões, e trabalhei em muitos filmes como seu assistente de elenco. Entre 2005 e 2010, eu estava em uma sala, sem falar, apenas rodando a câmera anonimamente e assistindo a todos esses atores incríveis que eram jovens e estavam claramente à beira de conseguir papéis, mas não os conseguiram. Em tudo que faço, sempre procuro escalar as pessoas para seus primeiros papéis, porque você vê esses ótimos atores não conseguindo os papéis, eles decidem escolher alguém famoso. Eu conhecia Chris, conhecia Maria, conhecia Brady, Julia. Foi por estar naquele escritório e saber quem era ótimo e quem estava lá fora.

IW: Elizabeth, para um papel na primeira tela, existem momentos desafiadores. Você já se sentiu desconfortável?

Olsen: A cena mais desafiadora é quando eu estou mostrando à Julia a parte de dentro da casa de culto e, pela minha vida, eu não poderia atuar naquele dia, ou em qualquer momento ou hora. Nunca esquecerei. Sempre há uma cena, é uma cena tão aleatória em algo, onde você não entende ou não consegue se conectar ou encontrar algo realista sobre o momento. Eu estava fazendo um péssimo trabalho naquele momento. Eu estava tipo, “Sean, o que está acontecendo?” E ele disse: “Não sei, mas você não vai fazer isso”. São tão aleatórios esses momentos. Quando você tem algo para realmente tocar que não é apenas algo que parece tão simples como mostrar o quarto a alguém, quando você tem algo para realmente se concentrar e brincar, sua mente está realmente presente, e você não está pensando sobre onde deveria estar parado no batente de uma porta. Por mais estúpido que seja, essa é a minha resposta para isso. Quando eu estava começando, me sentia muito confortável na minha pele, por ser uma ferramenta. Obviamente, há muitas coisas físicas vulneráveis ​​que eu tive que fazer no filme, mas também fui subestimado em uma peça Off-Broadway para meu primeiro trabalho, onde se eu fosse seria uma nudez frontal completa no palco. Eu não me importei, de alguma forma. Foi apenas parte da história.Eu já tinha uma mentalidade libertadora sobre isso, e isso por causa das outras atrizes em filmes que eu admirava. Quando você está tentando usar corpos para te excitar, isso é uma coisa, e quando você está usando corpos para te horrorizar, isso é outra, e eu gosto disso.

IW: Eu converso com muitos atores que são colocados em dificuldades, e a resposta deles a essa pergunta é sempre algo como o que você acabou de dizer. Tipo, “Oh, eu não me importo de ficar pelado, mas houve uma pequena coisa que deu errado.”

Durkin: Eu sempre acho que sei como entrar em um espaço e filmar uma cena, mas às vezes se eu não consigo descobrir, é porque a escrita não é tão boa.

IW: Elizabeth, é claro que você é uma presença constante no universo cinematográfico da Marvel graças a “WandaVision” e está em projetos que estão tematicamente e logisticamente muito distantes de “Martha”. Sean, você acabou de voltar a dirigir filmes com “The Nest”, e agora está de volta à TV com o novo remake de “Dead Ringers”. Existe algo que qualquer um de vocês faria diferente, olhando para trás neste filme agora?

Durkin: Acho que não. Eu posso assistir e ficar tipo, “Oh, eu filmaria isso de forma diferente ou cortaria de forma diferente”. Agora eu tenho conhecimento de diferentes coisas em relação ao cinema, mas não realmente. Parte do que torna os primeiros recursos excelentes é que você vê algumas imperfeições e o crescimento. Eu amo isso por isso. Há pureza nisso. Muitas pessoas voltam e refazem seus filmes agora, eu realmente não entendo. O filme está sozinho naquele momento no tempo. Você não pode fazer diferente, porque você era assim. Há uma beleza nisso que eu realmente abraço.

Olsen: Acho que assisti ao filme uns cinco ou seis anos atrás, e me lembro de pensar – eu assisto meu trabalho, geralmente não cinco ou seis anos depois, mas eu assisto, espero, não com um público, porque há realmente algo a aprender com isso como ator. Eu quero me criticar. Lembro que ficava muito desconfortável com extras. Lembro-me de assistir Sarah Paulson se sentindo muito confortável com extras, e isso é algo que me lembro de me pensar quando assisti porque – não gosto de levantar a mão na aula. É um pânico que se instala. Acho que comecei pela primeira vez a experimentar que a ansiedade social era com muitos extras. Acho que está tudo bem para este filme, porque ela está desconfortável. Mas foi interessante lembrar disso.

Tradução: Equipe EOBR | Fonte.

No dia 1, o site IMDb lançou um link com as 10 principais estrelas de 2021, e claro que Elizabeth Olsen não ficaria de fora, a mesma ficou em 1º lugar, devido à sua incrível atuação na sitcom “WandaVision”. Confira o anúncio:

Sabíamos que este era o ano de Elizabeth Olsen. Por conta do interesse contínuo e fervoroso dos fãs do IMDb em “WandaVision”, que estreou no início de 2021. Ao lado de seu marido do universo da Marvel, Paul Bettany, o híbrido de mistério e sitcom incomum permitiu que Olsen demonstrasse seu alcance de atuação, e ela não o fez não é apenas um sucesso com os fãs – o desempenho também lhe rendeu uma indicação ao Emmy. O que vem por aí para nossa nova bruxa de sitcom favorita? Olsen retorna á Marvel no próximo ano em Doctor Strange no Multiverse of Madness e estrela a série da HBO Max “Love and Death”, interpretando a dona de casa e assassina de machado da vida real do Texas, Candy Montgomery.

 

Elizabeth Olsen faz parte de um trabalho voluntário chamado “The Latitude Project” o projeto se baseia em ajudar famílias carentes e muito mais. Reunimos em um só post todas informações necessárias para vocês estarem por dentro do assunto e também fotos e vídeos da Elizabeth falando sobre o mesmo. Confira:

PROJETO LATITUDE

 

O QUE FAZEM?


Ajudam a aliviar os estresses da pobreza de forma que engajam e empoderam as pessoas. De telhados à água limpa e da saúde à educação, eles constroem soluções que fazem sentido.

 

COMO TRABALHAM?


O Projeto Latitude visa ajudar a aliviar o estresse da pobreza multidimensional por meio de projetos comunitários que envolvem e capacitam. Os projetos evoluem naturalmente: perguntando o que precisam, ouvindo suas respostas e implementando soluções sustentáveis. Ao reservar um tempo para visitar determinada comunidade, abordam a mudança global por meio de projetos locais que são tão diversos, criativos e inovadores quanto as pessoas com quem trabalham.

 

OS RESULTADOS?


Projetos liderados localmente que garantem o envolvimento, propriedade e manutenção da comunidade, ao mesmo tempo que ajudam membros da comunidade a se tornarem mais autossuficientes e resilientes a muitas formas da pobreza – seja por falta de infraestrutura educacional, cuidados de saúde, acesso à água potável, eletricidade e em breve.

 

ABORDAGEM


Adotam uma abordagem centrada no ser humano. Modelos de desenvolvimento mais antigos podem ter a intenção certa, mas geralmente acabam tendo o efeito errado.

 

PORQUE?


Eles não param para ouvir.

 

SOLUÇÕES


Sim, leva um tempo para eles ouvirem e chegarem a soluções juntos, mas os resultados são projetos que ajudam as pessoas a superar diretamente o estresse da pobreza. E é feito com orgulho, entusiasmo e dignidade.

 

PARCEIROS


Recebem uma ajudinha de seus amigos. Procuram amigos e empresas com ideias semelhantes para ajudarem a manter o seu orçamento de despesas gerais sob controle. Eles fornecem para o Projeto doações em espécie que lhes ajudam a manter os seus custos baixos. São relacionamentos inestimáveis e, junto com o Projeto, fazem as mudanças acontecerem.

 

100% DO MODELO

100% das doações públicas que eles recebem são gastas com os custos do projeto. Isso significa que zero despesas gerais ou administrativas para filtrar. Os fundadores do Projeto trabalham em outros empregos para cobrir os custos. À medida em que crescem, buscam um grupo especial para lhes ajudar a avançar e alcançar novos patamares.

OUTRAS | MISCELLANEOUS > THE LATITUDE PROJECT

EOBR001~28.jpgEOBR003~22.jpgEOBR011~10.jpgEOBR007~16.jpg

 

Qualquer pessoa pode fazer uma doação, confira mais detalhes no site oficial do projeto (AQUI).

Na tarde do dia 22, o site Texas Highways, publicou uma matéria falando sobre as gravações da nova série da HBO Max, Love and Death, interpretado por Elizabeth Olsen e que está sendo filmado no Texas. Confira a tradução abaixo:

Quando a série de televisão Love and Death da HBO Max começar a ir ao ar no próximo ano, os telespectadores em todo o centro do Texas provavelmente verão alguns marcos e paisagens familiares.

A próxima série narra uma história de assassinato real que abalou os subúrbios do norte do Texas há mais de quatro décadas. Em 1980, Candy Montgomery foi acusada de assassinato na morte de sua amiga Betty Gore, também membro da igreja. Os promotores acusaram Montgomery de golpear Gore 41 vezes com um machado, supostamente depois que Gore teve um caso com o marido de Montgomery. Montgomery foi absolvido em legítima defesa em um veredicto que ganhou as manchetes em todo o estado.

Tripulações de Love and Death têm filmado em Hutto, Lockhart e Kyle como parte de uma programação de filmagens que deve abranger quase uma dúzia de cidades do centro do Texas, de acordo com Stephanie Whallon, diretora da Texas Film Commission. Outras comunidades onde Whallon espera atividade de produção incluem Austin, Coupland, Georgetown, Killeen, Kerrville, Seguin e LaGrange.

“Eu diria que é um empreendimento muito grande”, disse Whallon, cuja comissão faz parte do gabinete do governador e supervisiona um programa de incentivo ao cinema que atrai produções para o Texas. O programa deve gastar US $ 70 milhões no Texas durante a produção, empregando 500 pessoas por semana, com mais 200 extras a cada semana, de acordo com Diana Blank-Torres, diretora econômica da cidade de Kyle.

Com a vencedora do Oscar Nicole Kidman como produtora executiva, Love and Death estrela Elizabeth Olsen como Montgomery. A série limitada original está marcada para estrear em 2022. Yoonie Yang, uma porta-voz da HBO, disse em um e-mail que a data exata de lançamento não foi anunciada.

A história, diz a HBO, é sobre “Dois casais que vão à igreja, aproveitando a vida familiar em uma pequena cidade no Texas, até que alguém pega um machado”. O assassinato, que gerou um livro, vários artigos de revistas e um filme para a televisão de 1990, ocorreu em Wylie, um subúrbio de Dallas agora em crescimento.

Para Hutto, uma cidade agrícola a nordeste de Austin que cresceu como um subúrbio nos últimos anos, Love and Death é o último de mais de 20 filmes e comerciais que foram filmados pelo menos parcialmente como parte de uma campanha agressiva de arte e cultura. O ex-prefeito Mike Fowler rotulou a comunidade de “Hippowood” em homenagem ao mascote hipopótamo da cidade. Centenas de hipopótamos de concreto de todos os tamanhos estão espalhados pela cidade de mais de 30.000 pessoas em homenagem aos hipopótamos que escaparam de um trem de circo em Hutto há mais de um século.

Fowler disse que a equipe de filmagem montou um acampamento-base no Fritz Park de Hutto e colocou placas de fechamento de ruas durante três dias de filmagem em setembro. Dezenas de trabalhadores e veículos convergiram para o parque durante um tiroteio dentro da Igreja Luterana Hutto, um dos marcos da cidade.

Erguida por imigrantes suecos em 1902 e apresentando um campanário, um exterior branco e janelas com vitrais, a igreja foi considerada o cenário ideal pelos olheiros da HBO que a avistaram por acaso enquanto vasculhavam o centro do Texas em busca de locais de filmagem, disse o pastor Katie Wegner. Os olheiros deixaram uma mensagem em seu telefone e mais tarde receberam permissão de oficiais luteranos para incluir a igreja na série.

“Eles trabalharam muito e trabalharam muito”, disse Wegner, ao mesmo tempo em que enfatizou que ela estava proibida de discutir detalhes sob um acordo com a HBO. As equipes tiveram o cuidado de respeitar e proteger os artefatos históricos na igreja, disse ela.

Em Lockhart, cerca de 60 milhas ao sul, as equipes da HBO também filmaram partes de Love and Death no início de outubro, quase ao mesmo tempo em que as filmagens do drama de terror da AMC, Fear the Walking Dead, disse Kim Clifton, diretor de operações do Lockhart Câmara do Comércio.

“Eles estavam em todo lugar”, disse ela.

Crews ocupou um restaurante no centro da cidade por uma semana, repintou o exterior e modificou outro prédio para parecer um posto de gasolina, disse Clifton.

As filmagens em Kyle, outro subúrbio em expansão de Austin, estão ocorrendo em um prédio de 110.000 pés quadrados em Kyle Crossing, um parque comercial industrial. “Estamos entusiasmados em ver que o potencial de Kyle como um local definido está sendo realizado”, disse Blank-Torres, o diretor de desenvolvimento econômico.

Tradução: Equipe EOBR | Fonte.