No último dia 05 de maio, Elizabeth Olsen e Benedict Cumberbatch estiveram no talk show americano, ‘The Late Late Show with James Corden’. Os dois colegas de elenco estavam lá para divulgar seu mais novo filme da Marvel, “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”.
Durante uma conversa de quase 8 minutos, Elizabeth Olsen e Benedict Cumberbatch falaram sobre o novo filme do UCM, “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”, a paixão de Lizzie por ternos sob medida, Benedict recebendo sua estrela na calçada da fama e muito mais. Confira o vídeo abaixo legendado por nossa equipe!

O segundo bloco do programa contou com Elizabeth e Benedict preparando
margueritas no programa de entrevistas noturnas, confira clicando aqui.

Vídeo legendado pela equipe do EOBR! Para mais vídeos como esses, se inscreva em nosso canal do Youtube clicando AQUI.

©️ All rights go to the owner “Copyright Disclaimer Under Section 107 of the Copyright Act 1976, allowance is made for “fair use”.

 

 

Elizabeth Olsen e Benedict Cumberbatch estiveram no talk show americano, The Late Late Show with James Corden’, no último dia 05, para promover o filme Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”, e lá, eles preparam algumas margueritas. Confira o vídeo acima legendado por nossa equipe!

Vídeo legendado pela equipe do EOBR! Para mais vídeos como esses, se inscreva em nosso canal do Youtube clicando AQUI.

©️ All rights go to the owner “Copyright Disclaimer Under Section 107 of the Copyright Act 1976, allowance is made for “fair use”.

Existe um universo em que Elizabeth Olsen estrelou o vencedor do júri de Yorgos Lanthimos em Cannes, “The Lobster”, mas, infelizmente, a estrela de “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” já estava comprometida com a Marvel.

Olsen, que interpretou Wanda Maximoff, também conhecida como Feiticeira Escarlate em parcelas do MCU desde 2014, está olhando para as realidades alternativas de sua carreira, incluindo o filme indicado ao Oscar de Lanthimos.

“Comecei a me sentir frustrada”, disse Olsen ao The New York Times sobre estar presa à um contrato com a Marvel. “Eu tinha essa segurança no emprego, mas estava perdendo essas peças que sentia que faziam mais parte do meu ser. E quanto mais eu me afastava disso, menos eu me considerava para isso.”

Olsen anteriormente chamou a perda de “The Lobster” de “desgosto”, explicando no American Film Festival de 2015 (via Variety) que ela estava “em um contrato [para a Marvel] do qual eu não poderia sair. Então não deu certo”.

Olsen estreou no cinema em 2011, com estreias consecutivas em Sundance de “Silent House” e “Martha Marcy May Marlene”. Apelidada de queridinha indie imediata, Olsen passou a estrelar “Ingrid Goes West”e “Wind River”, enquanto ela se tornou mais enraizada no universo Marvel.

“Isso me tirou da capacidade física de fazer certos trabalhos que eu achava que estavam mais alinhados com as coisas que eu gostava como membro da audiência”, disse Olsen ao NYT sobre o MCU. “E esta sou eu sendo a mais honesta.”

No entanto, Olsen decidiu assinar a série Disney+ “WandaVision” depois de cumprir seu contrato de três filmes com a Marvel no final de “Vingadores: Guerra Infinita”.

“O poder de escolher continuar era importante para mim”, explicou Olsen, dizendo que a série tinha um novo tipo de “liberdade” dentro do MCU.

“Achamos que o que estávamos fazendo era tão estranho e não sabíamos se tínhamos uma audiência para isso, então havia liberdade para isso”, acrescentou Olsen. “Não houve pressão, nem medo. Foi uma experiência muito saudável.”

E depois de “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”, que novamente deixa o destino de Wanda em aberto, Olsen está considerando um filme independente.

“Acho que sim”, disse ela. “Mas realmente precisa ser uma boa história. Acho que esses filmes são melhores quando não se trata de criar conteúdo, mas de ter um ponto de vista muito forte – não porque você precisa ter um plano de três imagens.”

Olsen já havia defendido o tipo de narrativa da Marvel para o The Independent.

“Não estou dizendo que estamos fazendo filmes de arte indie, mas acho que isso desrespeita a nossa equipe, o que me incomoda”, disse Olsen. “Do ponto de vista de um ator, qualquer que seja, eu entendo; Eu entendo totalmente que há um tipo diferente de performance que está acontecendo. Mas acho que jogar a Marvel debaixo do ônibus desrespeita as centenas de pessoas muito talentosas da equipe. É aí que eu fico um pouco irritado com isso.”

Tradução: Equipe EOBR | Fonte.

Elizabeth Olsen foi uma coadjuvante como Wanda Maximoff nos filmes dos Vingadores, a maior reunião de super-heróis já vista na tela. Mas quando “Wandavision“ chegou no começo de 2021, em seu caminho para a dominação do Twitter e a glória dos memes, Olsen se tornou a principal.

A caminho de seu papel principal em “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”, a hierarquia da Marvel mudou. Thanos? Quem é esse? É tudo sobre a Feiticeira Escarlate agora. Até em uma sequência designada para a estrela titular, Benedict Cumberbatch.

Olsen quase não teve tempo para se ajustar na transição de ser a próxima grande novidade no MCU. Ela veio direto para a filmagem da sequência de “Doutor Estranho” depois de finalizar o seu período em “WandaVision”, trabalhando em uma bolha que não a permitiu ter uma completa compreensão de como a sua experiência na Marvel havia mudado. Olsen conversou com o Washington Post sobre a ascensão de seu personagem. (Respostas foram condensadas).

Sobre a popularidade de ‘WandaVision’:

Eu continuo surpresa pela resposta de “WandaVision”. Foi um choque. Nós não tínhamos expectativas. Nós meio que éramos o primeiro [tipo de] série, indo desses personagens que conhecemos de filmes para a televisão. A primeira série da Marvel no Disney Plus. Nós não sentimos como se tivesse uma expectativa que teríamos que superar porque nós estávamos fazendo algo novo. Agora eu tenho um medo totalmente diferente das expectativas para esse filme, pois eu realmente entendo um pouco melhor as expectativas com as minhas experiências na Marvel. A pressão parece diferente nesse trabalho. Eu não sabia se as pessoas se importariam, quando eu estava gravando “Doutor Estranho”, sobre a jornada da Wanda. A resposta de “WandaVision”, eu acho, é um incrível combustível para esse filme.

Sobre a experimentação da série:

Eu senti como se estivéssemos em um lugar que poderíamos falhar. Foi muito libertador fazer parte daquele trabalho. Eu também amo tantos tipos diferentes de atuação… e ser capaz de fazer múltiplos gêneros em uma série, é um presente.
Tudo que eu quero com “Doutor Estranho” é ter certeza que continuaremos vendo partes diferentes dela e que continue a progredindo. Para não ser repetitivo. Espero que as pessoas agora tenham construído essa empatia por [Wanda], que é realmente um jeito incrível de imersão.

Sobre os enredos de multiverso do MCU, em ‘Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa’ ‘Multiverso da Loucura’ e outros.

Desde que esses filmes continuem a significar algo além de ser sobre super-heróis salvando o mundo e também adicionando o elemento do mito, do folclore ou de fábulas, então, se vale a pena contar essas histórias, elas trarão um impacto. Eu aprecio que isso continua sendo um objetivo para [O presidente da Marvel Studios] Kevin Feige.

Sobre compartilhar os holofotes com Benedict Cumberbatch:

Ele é realmente um ator fabuloso, e eu estava animada para colaborar com ele e tê-lo me desafiando e para eu tentar desafiá-lo e ter uma relação de trabalho saudável nesse sentido. Eu acho que esses personagens são feitos para estar no mesmo mundo juntos. É animador que nós realmente os colocamos no mesmo mundo porque eles entendem um ao outro. Ambos são meio que independentes, de certa maneira.

Sobre onde a Feiticeira Escarlate pode ir de agora em diante:

Eu nunca realmente tive expectativas nem do que eu já fui capaz de fazer. Eu me sinto realmente grata por todas as oportunidades que me foram dadas nesses últimos anos com a Marvel. Desde que tenha uma boa história para contar, eu estou interessada em contá-la.

Tradução: Equipe EOBR | Fonte.

Em uma conversa com o The Independent, Elizabeth Olsen revelou sobre estar cansada de cineastas criticarem a Marvel e às vezes até desrespeitarem os profissionais da equipe. Confira abaixo a tradução feita pela nossa equipe:

Elizabeth Olsen está cansada de cineastas como Martin Scorsese e Francis Ford Coppola criticando os filmes da Marvel. A atriz, que está de volta aos cinemas como Wanda Maximoff/Feiticeira Escarlate em “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”, disse ao The Independent que fica frustrada quando as pessoas fazem os filmes da Marvel “parecerem um tipo menor de arte”.

“Não estou dizendo que estamos fazendo filmes de arte indie, mas acho que isso desrespeita nossa equipe, o que me incomoda”, disse Olsen. “Esses são alguns dos cenógrafos, figurinistas, operadores de câmera mais incríveis – sinto que diminuí-los com esse tipo de crítica, desrespeitam todas as pessoas que fazem filmes premiados, que também trabalham nesses projetos.”

“Do ponto de vista de um ator, qualquer que seja, eu entendo; Eu entendo totalmente que há um tipo diferente de performance que está acontecendo. Mas acho que jogar a Marvel debaixo do ônibus tira as centenas de pessoas muito talentosas da equipe”, acrescentou Olsen. “É aí que eu fico um pouco mal-humorada sobre isso.”

Scorsese infamemente comparou os filmes da Marvel à passeios de parques temáticos enquanto discutia como os filmes de super-heróis remodelaram a exibição de uma maneira que é prejudicial aos filmes que não são de super-heróis. Coppola foi citado em 2019 por chamar os filmes da Marvel de “desprezíveis”, embora mais tarde tenha esclarecido que não estava falando especificamente sobre os filmes da Marvel, mas referindo-se a como a indústria cinematográfica agora valoriza o comércio sobre a arte. No entanto, Coppola falou sobre os filmes da Marvel em uma entrevista em fevereiro para a revista GQ.

“Costumava haver filmes de estúdio”, disse Coppola. “Agora há fotos da Marvel. E o que é uma imagem da Marvel? Um filme da Marvel é um protótipo de filme que é feito repetidamente para parecer diferente.”

Nicolas Cage veio em defesa dos filmes da Marvel na esteira de seu tio, Francis, atacando-os. “Sim, por que eles fazem isso?” Cage perguntou à GQ sobre cineastas criticando a Marvel. “Não entendo o conflito. Não concordo com eles nessa percepção ou opinião.”

“Acho que os filmes que faço, como ‘Pig’ ou ‘Joe’, não estão em nenhum tipo de conflito com os filmes da Marvel”, disse Cage. “Quero dizer, não acho que o filme da Marvel tenha algo a ver com o fim da interpolação. Por interpolação, quero dizer o filme com orçamento de US$ 30 a US$ 50 milhões. Acho que os filmes estão em boa forma. Se você olhar para ‘Power of the Dog’, ou ‘Spencer’, ou qualquer um dos filmes de Megan Ellison. Acho que ainda existe Paul Thomas Anderson.”

Tradução: Equipe EOBR | Fonte.

Na tarde de hoje, 09, foi liberada uma entrevista de Elizabeth Olsen, concedida para o jornal diário estadunidense, The New York Times. Confira abaixo a tradução realizada pela nossa equipe:

A atriz começou como uma queridinha indie e nunca esperava se tornar um pivô da Marvel como Wanda Maximoff. Mas agora ela está tão investida no papel que está aberta a um filme solo.

Elizabeth Olsen está acostumada a esperar nos bastidores. Quando ela era uma estudante de atuação na Universidade de Nova York, ela conseguiu um papel de substituta na peça da Broadway “Impressionism”, estrelada por Jeremy Irons. O show durou 56 apresentações. Olsen não subiu ao palco uma única vez.

Esse tipo de oportunidade perdida pode mexer com a mente de uma atriz, mas Olsen nunca teve pressa em aproveitar os holofotes. Anos depois, quando ela foi escalada como a feiticeira Wanda Maximoff em “Vingadores: Era de Ultron”, sua personagem era mais uma Vingadora auxiliar do que o evento principal, e em três filmes subsequentes da Marvel – cada um com um conjunto mais estofado de super-heróis do que o último – Olsen nunca subiu acima do 10º faturamento.

Mas uma coisa engraçada aconteceu depois de passar todo esse tempo: “WandaVision”, uma paródia de comédia sobre Wanda e seu marido androide, tornou-se um fenômeno inesperado quando estreou no início do ano passado no Disney+. Este mês, “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”, que conta com Olsen como co-líder e coloca sua bruxa problemática contra o feiticeiro de Benedict Cumberbatch, provou ser ainda mais importante. O filme arrecadou US$ 185 milhões em seus três primeiros dias de lançamento, ocupando o 11º lugar entre os maiores fins de semana de estreia doméstica de todos os tempos.

Para Olsen, que inicialmente deixou sua marca em filmes independentes, isso é o equivalente a virar a página de uma revista em quadrinhos para ser o assunto de um enorme painel inicial. Durante uma video chamada na semana passada, perguntei como era se destacar como protagonista de um sucesso de bilheteria.

“Estou totalmente agoniada!” ela disse. “Eu não vou assistir.”

Horas depois de conversarmos, Olsen andaria no tapete vermelho da estreia em Hollywood de “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”, mas ela planejava fugir do cinema assim que o filme começasse. “Esta é a pressão que estou sentindo pela primeira vez”, explicou ela. “Tenho muita ansiedade com o lançamento de ‘Doutor Estranho’ porque nunca tive que liderar um filme comercial sozinha.”

Ela tossiu, desembrulhando um pacote de papel alumínio: “Desculpe, eu tenho uma pastilha.”

Olsen, 33, é casual e amigável, exalando um brilho californiano tão poderoso que você dificilmente saberia que ela estava doente há dias. “É apenas irritante”, disse ela, bebendo água de um frasco Mason. “Acho que meu corpo realmente quer relaxar.” Ela embarcou nesta turnê de imprensa global um dia depois de encerrar uma filmagem de sete meses e meio para a série limitada da HBO “Love and Death”, o tipo de agenda lotada que também exigia que ela filmasse “WandaVision” e “Doutor Estranho” de costas.

Como seu diretor de “Doutor Estranho”, Sam Raimi, ainda não havia assistido a “WandaVision” quando as filmagens começaram, coube a Olsen enfiar a linha complicada nos dois projetos. Na série Disney+, Wanda fica tão desamparada após a morte de seu verdadeiro amor, Visão (Paul Bettany), que inventa uma elaborada realidade de sitcom onde ele ainda está vivo e adiciona dois filhos para completar a ilusão. Mas em “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”, ela toma um rumo muito mais difícil: corrompida por um livro de feitiços demoníaco, Wanda quebra o mal e estrangula um elenco de mocinhos durante uma viagem que abrange o multiverso para encontrar seus filhos.

Olsen “é assustador não por conta de seus poderes destrutivos ou suas ambições diabólicas, mas porque ela é tão triste”, nosso crítico A.O. Scott escreveu. E se você ainda sente simpatia por Wanda enquanto ela faz picadinho de nossos heróis, é por causa dos esforços de Olsen para fundamentar a personagem em algo que pareça específico e íntimo. Quando Wanda faz uma ameaça mortal, Olsen deixa sua voz suave e seus olhos se enchem de lágrimas e arrependimento: há uma pessoa real ali. (Embora outras atrizes do reino dos super vilões se inclinem para o acampamento, Olsen entende que quando você está pairando no ar e usando uma tiara vermelha, as coisas já estão arqueadas o suficiente.)

Mas seis projetos da Marvel, esse é o tipo de carreira na tela grande que ela esperava? Não exatamente.

“Isso me tirou da capacidade física de fazer certos trabalhos que eu achava que estavam mais alinhados com as coisas que eu gostava como membro da plateia”, disse Olsen. “E este sou eu sendo a mais honesta.”

Olsen sabia que queria atuar desde criança, mas também sabia que não queria atuar quando criança. Qualquer curiosidade que ela pudesse ter sobre a fama foi acalmada ao crescer ao lado de suas irmãs Mary-Kate e Ashley, que foram escaladas para “Full House” antes mesmo de terem um ano de idade. O escrutínio do estrelato poderia esperar.

De qualquer forma, ela se sentia muito mais confortável em um grupo. Olsen jogou vôlei no ensino médio e despertou a camaradagem da equipe: todos podiam ter seu momento solo, mas precisavam trabalhar juntos para ter sucesso. Mesmo na faculdade, quando ela começou a fazer testes para filmes, ela não estava com pressa de deixar o conjunto teatral com o qual veio na escola.

Mas a atuação cinematográfica nem sempre é tão igualitária. Em 2011, Olsen invadiu o Festival de Cinema de Sundance com um par de veículos estelares: “Silent House”, um thriller de uma única tomada que mantém suas lentes focadas nela por 87 minutos, e “Martha Marcy May Marlene”, que a escalou como uma atriz ex-membro do culto lutando para seguir em frente. Esse soco duplo levou as pessoas a apelidá-la de “it girl” de Park City, mas enquanto os trabalhadores faziam fila na neve para encontrá-la, Olsen não confiava em nada do que diziam.

“Realmente parecia que todo mundo estava falando pelos dois lados da boca”, disse ela. “Eu estava tipo, ‘Isto é uma bolha.’ Parecia que eu estava literalmente em um globo de neve.”

Ela saiu dessa experiência sabendo apenas duas coisas: ela não queria ser rotulada como a garota indie chorando, mas também não queria ser empurrada para filmes de grande orçamento. “Isso parecia assustador para mim, esse tipo de pressão”, disse ela.

Ainda assim, às vezes é bom ser convidada para a festa. Alguns anos em sua carreira de atriz, depois de uma série de indies discretos, ela perguntou a seu agente por que ela nunca estava concorrendo a filmes de alto nível. A resposta: “As pessoas não pensam que você quer fazê-las”.

Ela fez? Essa é uma pergunta que Olsen teve que se fazer na época – e ainda faz, de vez em quando. Ela decidiu que precisava se expor mais e assinou um remake de 2014 de “Godzilla”, argumentando que pelo menos foi dirigido por Gareth Edwards, que até então era um cineasta independente.

E então veio o papel de Wanda e, com ela, a entrada na maior franquia de Hollywood. Enquanto Olsen ponderava sobre a oferta da Marvel para estrelar “Vingadores: Era de Ultron”, ela listou os prós: desafiaria sua seleção independente. Ela mais uma vez faria parte de um conjunto, embora superpoderoso. E sua co-estrela de Godzilla, Aaron Taylor-Johnson, estava disposta a embarcar como o irmão de Wanda, Pietro, garantindo que ela não iria sozinha. Eles assinaram contrato com “Ultron” como um par.

Mas Pietro foi morto no final desse filme, e enquanto Wanda abalada continuava no Universo Cinematográfico da Marvel, imaginando se ela realmente se encaixava, Olsen ponderou a mesma pergunta. Por causa de seus compromissos com a Marvel, ela teve que recusar um papel de protagonista na comédia sombria de Yorgos Lanthimos “The Lobster”, e não precisou de um multiverso para Olsen imaginar como esse filme a levaria a um caminho totalmente diferente. uma atriz.

“Comecei a me sentir frustrada”, disse ela. “Eu tinha essa segurança no emprego, mas estava perdendo essas peças que sentia que faziam mais parte do meu ser. E quanto mais eu me afastava disso, menos eu me considerava para isso.”

Seu contrato inicial com a Marvel cobria dois papéis principais e uma participação especial, embora os filmes da Marvel sejam tão gigantescos que o estúdio poderia ter considerado as cinco semanas que Olsen passou filmando “Capitão América: Guerra Civil” uma breve aparição. E embora seu perfil crescente tenha ajudado a financiar filmes independentes como “Wind River” e “Ingrid Goes West”, ela ainda se perguntava se o feitiço de Wanda valeu a pena no final. Ela havia se tornado estereotipada de uma maneira totalmente diferente? E foi tudo construindo para algo que importava?

Wanda foi morta no final de “Vingadores: Guerra Infinita”, satisfazendo o contrato de três filmes de Olsen. “O poder de escolher continuar era importante para mim”, disse ela. E na época em que o chefe da Marvel Studios, Kevin Feige, trouxe Olsen para discutir a ressurreição de “Vingadores: Ultimato”, ele apresentou “WandaVision” para ela. No início, ela se perguntou se era um rebaixamento: TV, realmente? Mas quanto mais ela envolvia a cabeça em torno disso, mais ela percebia que era sua oportunidade de tela mais louca ainda.

“O Falcão e o Soldado Invernal” deveria ser a primeira série Disney+ da Marvel, um programa de ação antiquado e mediano no qual os super-heróis socam malfeitores em cada episódio de uma hora. “WandaVision”, por outro lado, era uma paródia de comédia de meia hora; as brigas mais significativas do show foram brigas conjugais, fermentadas por uma trilha de risadas estranhas.

“Achamos que o que estávamos fazendo era tão estranho e não sabíamos se tínhamos uma audiência para isso, então havia liberdade para isso”, disse Olsen. “Não houve pressão, nem medo. Foi uma experiência muito saudável.”

Mas depois que a pandemia levou a Marvel a reorganizar a ordem de sua série Disney+, “WandaVision” foi o primeiro e se tornou o improvável porta-estandarte. O programa gerou inúmeros memes, travou o serviço de streaming várias vezes e ganhou 23 indicações ao Emmy, incluindo uma indicação de melhor atriz para Olsen.

Mais importante, “WandaVision” a ajudou a se apaixonar por Wanda – uma personagem que ela interpretou por anos – pela primeira vez. O programa oferecia uma variedade estonteante de variações sobre o papel – algumas brilhantes de comédia, outras modernas e sombrias – e o primeiro episódio, filmado na frente de uma plateia ao vivo, exigia todo o treinamento teatral de Olsen para ter sucesso. Ela não tinha certeza de que iria ressoar com um público mais amplo até que amigos lhe enviaram videoclipes de um brunch em Minneapolis, onde drag queens se vestiram como todos os alter egos de Wanda. “Se você chegar a esse estágio”, disse Olsen com uma risada, “então você realmente faz parte da cultura”.

Com a Viúva Negra de Scarlett Johansson fora de cena, Olsen é agora a atriz da Marvel com mais horas cronometradas. Ela se sente revigorada o suficiente, depois de “WandaVision” e “Doutor Estranho”, para estar disposta a estrelar um filme solo sobre sua personagem?

“Acho que sim”, disse ela. “Mas realmente precisa ser uma boa história. Acho que esses filmes são melhores quando não se trata de criar conteúdo, mas de ter um ponto de vista muito forte – não porque você precisa ter um plano de três imagens.”

Agora que ela se sente mais confortável em seu papel de assinatura e em sua própria pele, Olsen quer ser mais deliberada em sua escolha de papéis e o que ela faz com eles. Mas ela também me contou uma história de seus dias de substituta sobre Jeremy Irons, que não aprendeu completamente suas falas até a noite de estreia de “Impressionism”; mesmo durante as prévias, ele pulava na frente da plateia, saía do palco para folhear suas páginas e depois voltava para aprender um pouco mais. Talvez atuar não fosse algo que você prendeu, prendeu e estudou obsessivamente, Olsen percebeu então. Talvez você possa abraçá-lo como uma coisa fluida com um destino desconhecido.

Olsen sabe agora que uma carreira em Hollywood pode ter reviravoltas que você nunca poderia ter previsto, então você pode aproveitar para onde ela vai. No fim de semana, ela apareceu no “Saturday Night Live” para apoiar sua co-estrela Benedict Cumberbatch; ela interpretou a si mesma no esboço, enquanto Chloe Fineman do programa interpretou a substituta de Olsen. Às vezes, as coisas acontecem para fechar um círculo assim. Às vezes, até parece mágica.

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS | PHOTOSHOOTS > 2022 > NEW YORK TIMES

EOBR001.jpgEOBR002.jpgEOBR003.jpgEOBR004.jpg

Tradução: Equipe EOBR | Fonte.

A maravilhosa Sra. Elizabeth Olsen!

post por: Carol 06.05.2022

Boas notícias para os fãs de Elizabeth Olsen: a atriz é a estrela da capa de mais uma revista – dessa vez, da C Magazine. Ela concedeu fotos e uma entrevista exclusiva! Confira abaixo a tradução realizada pela nossa equipe:

De decoração da casa à biodiversidade, os interesses de Elizabeth Olsen estão enraizados na natureza gloriosa do Golden State. Aqui, a verdadeira estrela, das telas grandes e pequenas, conta à C sobre suas ambições além do multiverso da Marvel.

Você acha que conhece Elizabeth Olsen. Uma estrela fixa no Universo Cinematográfico Marvel. A irmã mais nova das super-celebridades idênticas Mary-Kate e Ashley Olsen. Linda de parar o coração em qualquer tapete vermelho, encantadoramente identificável em qualquer talk show, o mais próximo possível de uma celebridade nata, tendo feito sua estreia na tela aos 5 anos no filme de TV Olsen, “How the West Was Fun”.

E, no entanto, nada sobre Elizabeth Olsen é exatamente o que você espera. Alguns minutos depois de uma conversa que deveria ter algo a ver com o novo filme do Doutor Estranho, no qual ela estrela, de alguma forma, passamos para os males dos pesticidas e a importância das plantas de cobertura. Sim, Hollywood está muito bem, mas Olsen ainda sonha em estudar agricultura e iniciar uma fazenda progressiva.

“Você sabe, a cultura da monocultura é tão prejudicial ao planeta”, diz ela. Ela se inspirou no “ecossistema fechado” que eles têm em Hanzell Vineyards, perto de sua casa em Sonoma. “Eles incorporam tantos tipos diferentes de culturas para alimentar as pessoas que trabalham lá, mas também para incentivar o tipo adequado de nutrientes para o solo.” Isso está em contraste marcante com os quilômetros e quilômetros de campos de cultivo único que margeiam tantas rodovias californianas, onde toda a vida é exterminada para fazer uma coisa crescer. “Acho muito louco continuarmos pensando que precisamos nos tornar vegetarianos e veganos para salvar o planeta. Mas, tipo, realmente a melhor coisa para salvar o planeta é a biodiversidade.”

Eu não esperava estar falando sobre os perigos da “Big Ag” (grande agricultura) tão cedo em nossa conversa – e nem, eu suspeito, Olsen, que de repente se corta, receosa de ser escalada como uma espécie de porta-voz polinizadora. “Você não pode falar muito sobre nada mais porque então você se torna parte de um lugar-comum que você nunca aceitou, sabe?” Mas o medo da monocultura torna-se um tema recorrente. Por que se concentrar em uma coisa em detrimento de todas as outras? Por que esperamos que todos sejam iguais?

Comecei elogiando Olsen pelo elegante blazer floral que ela está vestindo, sentada em uma piscina de luz na cozinha de sua outra casa recém-reformada em San Fernando Valley. É um conserto na saída da Mulholland Drive, datado de 1972. Ela e seu marido, o músico Robbie Arnett, levaram-no “até os pregos” e o reimaginaram completamente. A cozinha e o jardim, em particular, são seu “espaço feliz”, um sentimento que soou verdadeiro muito antes de cozinhar e plantar se tornar a atividade de bloqueio. “O que eu achei tão engraçado foi todo mundo descobrindo como fazer pão”, ela ri. “Ninguém quer comer pão há décadas!”. Mas seu cômodo favorito é o banheiro decorado com azulejos verdes e mármore verde.

A propriedade é o outro negócio da família Olsen – sua mãe, Jarnie, era dançarina e seu pai, David, era corretor de imóveis. Na verdade, Olsen tem uma licença imobiliária, que remonta a um emprego de verão quando era estudante de teatro em Nova York. E ela tem uma daquelas mentes curiosas que seguem o caminho intelectual para qualquer assunto. Sempre que algo chama seu interesse – cultivo de árvores cítricas, reboco de um banheiro, atuação de métodos – ela vai estudar para isso. “Já pensei em ir para a escola para design ou para obter uma licença de empreiteira apenas para entender melhor como as coisas precisam funcionar.”

Ainda assim, duvido que ela precise ir para a faculdade tão cedo. No momento, sua carreira de atriz parece bastante exuberante e fértil, graças em grande parte ao seu papel de protagonista na minissérie deliciosamente assustadora da Marvel, “WandaVision”. Exibida no início de 2021, tornou-se um dos grandes sucessos do lockdown, admirado até por quem costuma ver a Marvel como uma monocultura maligna. Seu sucesso surpreendeu até Olsen e seu co-estrela, Paul Bettany, que interpreta seu marido na tela, Visão. “Nós realmente pensamos que éramos como um primo estranho dos filmes da Marvel e não sabíamos se ia funcionar ou não”, diz ela. “[É] muito raro fazer parte de algo assim. Em retrospectiva, estou meio admirada com isso.”

Também criou um novo conjunto de oportunidades para ela. Ela está acostumada a algumas reações negativas de diretores que a definem como alguém que faz “aquela coisa da Marvel ou qualquer outra coisa”. Agora, uma série de opções estão diante dela. Ela acabou de voltar do Texas, onde estava filmando a série da HBO Max “Love and Death”. Ela interpreta Candy Montgomery, a dona de casa do Texas da vida real que, em 1980, matou a esposa do homem com quem ela estava tendo um caso batendo nela 41 vezes com um machado – mas alegou legítima defesa com sucesso. “Ela é tipo a última otimista, cuidadora, educadora, que é pega em uma situação ruim”, diz Olsen, despreocupadamente.

Há também “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”, seu sétimo projeto da Marvel, mas o primeiro de sua personagem Wanda Maximoff, também conhecida como Feiticeira Escarlate, como a principal antagonista. As filmagens ocorreram na Inglaterra durante sucessivos bloqueios por coronavírus. Viver perto do parque dos cervos em Richmond-Upon-Thames parece ter acelerado a anglofilia de Olsen. “Acho que não há muitos lugares mais bonitos no mundo do que Richmond, na Inglaterra”, diz ela. Ela também teve a chance de treinar com Benedict Cumberbatch, recém-chegado de seu filme multi-indicado ao Oscar, “Power of the Dog”. “Sou uma grande fã dele e do trabalho que ele faz, então fiquei muito curiosa para ver seu processo”, diz ela.

No entanto, houve mais interação física em frente às telas verdes do que troca verbal. (“É mais postura, mais baseado em imagens.”). Mas essa é a natureza da fera da Marvel – e realmente o que fez “WandaVision”, com sua mistura de estilos e gêneros, uma mudança tão refrescante – um “playground” para um ator.

Chegou em um momento em que Olsen estava começando a reavaliar sua carreira e admitir para si mesma que, talvez, ela estivesse vagando, talvez ficando um pouco confortável sendo uma pequena engrenagem em uma grande máquina. Seu currículo é difícil de entender, dividido entre gigantes CGI como “Godzilla” e papéis sombrios e desafiadores como sua estreia principal, “Martha Marcy May Marlene”, na qual ela interpretou uma mulher que escapou recentemente de um culto abusivo. Na verdade, foi o 10º aniversário de “Martha Marcy MayMarlene”, juntamente com a experiência de produzir a comédia negra “Sorry for Your Loss”, para o agora extinto Facebook Watch, que a reconectou ao motivo pelo qual ela está fazendo tudo isso em primeiro lugar. “Fiquei tão empolgada por trabalhar apenas por um período de tempo, mas também houve um tempo em que fiquei com preguiça. Você apenas tem que admitir isso para si mesmo em algum momento.”

Afinal, ela não escolheu o caminho mais fácil para atuar, e ela poderia facilmente ter feito isso. Olsen não se lembra de sua estreia infantil nas telas (“Era o trabalho das minhas irmãs e era basicamente eu sendo cuidada do set”), mas longe de andar em qualquer rabo de família, ela foi a todas as aulas de teatro e acampamentos que podia e se certificou de que ela tivesse treinamento adequado antes de ousar se chamar de atriz. Ela acabou estudando atuação na altamente competitiva NYU Tisch School of the Arts, onde ficou conhecida como a “nazista do ensaio” por sua insistência em fazer as coisas com o devido rigor. Ela também encontrou tempo para passar um semestre na Rússia, estudando no Teatro de Arte de Moscou, onde Konstantin Stanislavski foi pioneiro em seu famoso método de atuação e Anton Chekhov estreou todas as suas peças. “Foram realmente três meses profundos”, diz ela.

Mas ela também está claramente orgulhosa da abordagem mais americana de suas irmãs; afinal, são profissionais atuantes desde os 9 meses de idade. “Quero dizer, fico maravilhada com isso o tempo todo quando vejo os filhos dos meus amigos”, Olsen ri. “Elas criaram um tipo totalmente diferente de pista para si mesmos que não era uma escolha óbvia – e elas fizeram isso com muito bom gosto e foram muito reservadas e inteligentes sobre isso.”

O que mais a impressionou foi a necessidade de manter o público e o privado separados — não que Olsen fosse sempre receptiva. “Há muitos conselhos que elas me deram que eu não escutei e então eu eventualmente escutei e elas estavam certas,” ela diz. “É muito chato quando você tenta tomar suas próprias decisões e fica tipo, foda-se! Eles estavam certos.” Ela apagou abruptamente sua conta do Instagram em 2020, dizendo na época que odiava o “ciclo narcisista” de ter que compartilhar seus pensamentos sobre todos os problemas.

Mas, de muitas maneiras, seu instinto é ser aberta – apenas de uma maneira discreta. Ela usou principalmente as mídias sociais para postar projetos de panificação e jardinagem. Ela gosta de passear por LA o máximo que pode e busca âncora em seus locais favoritos (ela elogia o The Joint, um mercado de peixes e café em Sherman Oaks), embora, novamente, ela tenha que tomar cuidado. Sempre há paparazzi no mercado de agricultores locais, então ela tende a dirigir para outros bairros para pegar seus tomates da herança. Isso deve ser irritante, eu digo. “É chato pra caralho!”

É também uma das razões pelas quais ela e Arnett estão agora passando mais tempo em sua casa em Sonoma. “Isso não é uma coisa que acontece lá e não é um lugar para onde minha mente vai”, diz ela. “Se eu pensar em construir uma família, não quero que isso faça parte da experiência de vida de uma criança.”

Não que ela esteja necessariamente pensando em construir uma família, só para deixar claro. Ela e Arnett se casaram em segredo em 2019; ela só deixou escapar quando acidentalmente se referiu a ele como “meu marido” em uma entrevista. “Nós apenas fugimos, nós dois, e sim, era algo que queríamos fazer apenas nós dois.” Ela não parece muito preocupada com cerimônias ou festas. “As tradições não são muito importantes para mim.”

Falamos sobre o quão estranhamente antiquada ainda é toda a ideia de casamento, assim como a decisão de ter filhos ou não. “Acho estranho que ter filhos é um padrão. Deveria ser o contrário”, diz ela. “Ainda não estamos nesse ponto em que devemos continuar fazendo bebês, sabe? Sinto que há muitos de nós no planeta!”

Mas esta é a outra razão pela qual ela excluiu seu Instagram. Ela não podia suportar a pressão de se conformar, de divulgar as opiniões corretas, de concordar em tudo. “Quando este planeta já funcionou assim e por que estamos assumindo que deveria?” ela ri. “Eu só acho isso estranho. Tipo, todos nós viemos de lugares diferentes e temos diferentes lutas e diferentes experiências de vida.” Estamos de volta às monoculturas, à necessidade de biodiversidade em todas as suas formas. A mídia social, ela está convencida, é a ruína da cultura. “Isso apenas cria um mundo que se parece com uma coisa e não é isso que é interessante sobre este mundo.” Que muitas flores cresçam.

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS | PHOTOSHOOTS > 2022 > C MAGAZINE BY JAMES WRIGHT

EOBR004.jpgEOBR008.jpgEOBR009.jpgEOBR001.jpg

REVISTAS E JORNAIS | SCANS > 2022 > C MAGAZINE – MAY

EOBR001.jpgEOBR001.jpgEOBR001.jpgEOBR001.jpg

Tradução: Equipe EOBR | Fonte.

Elizabeth Olsen é a capa de mais uma revista, Harper’s Bazaar UK, Lizzie concedeu uma entrevista exclusiva para a revista americana, juntamente com um impecável photoshoot. Confira abaixo a tradução realizada pela nossa equipe:

Elizabeth Olsen está pronta para mim. Em um confortável quarto de hotel em Londres, ela levanta de sua cadeira para me cumprimentar com o refrescante olhar brilhante para uma manhã de segunda-feira. Ela se apresenta calorosamente como “Lizzie” e me pergunta se eu quero algo para beber. É imediatamente claro que não tem muitos paralelos entre ela e sua pseudônimo anti heroico, a Feiticeira Escarlate (também conhecida como Wanda). Por uma coisa: Olsen é muito engraçada; ela também é supremamente adorável. Mas ela guarda consigo um certo poder suave, hoje vestida com um terno cinza da Bárbara Bui, uma gola rosa-acido e sapatos pretos com cadarços de Clergerie.
“Eu amo interpretar personagens em que as pessoas discordam com suas ações” ela disse, arrumando seu cabelo loiro curto atrás de suas orelhas. “Em um mundo em que nós não realmente ligamos em compreender outros pontos de vistas, eu sinto como se nós, como audiência, podemos ter empatia por pessoas que não concordamos, e é uma boa coisa”. Uma das figuras mais poderosas no Universo da Marvel, Wanda atravessa a linha moralmente duvidosa entre o bem e o mal, e isso é o que a Olsen se interessa sobre ela; a maioria dos personagens que ela é escolhida para fazer são os complexos e nodosos que precisam se desenrolar. “Então eu posso ser meio que sua advogada e defendê-los. Eu entendo o por trás de suas ações, mesmo quando eu não concordo com eles,” ela explica. Ela recentemente terminou as filmagens de uma série da HBO chamada Love and Death, que segue a verdadeira história de Candy Montgomery, que assassinou uma mulher com um machado e agiu como se nada tivesse acontecido. “Eu adorei interpretá-la”, ela diz. “Pessoas perguntariam: ‘você irá interpretá-la como uma sociopata? E eu estava tipo, ‘não, por que eu faria isso? Irei tentar e entender como alguém seria capaz de compartimentar isso até que eles serem pegos.”
De qualquer forma, em seu último filme, Doutor Estranho no Multiverso da Loucura, Olsen revela que Wanda encontrou algum tipo de resolução, não mais sobrecarregada pela força de seus poderes da magia do caos, ou o trauma que ela sofre em Vingadores: Ultimato seguindo pela morte de seu marido, Visão. “Foi tão divertido para mim pois todos esses anos eu estive interpretando uma personagem que está relutando; agora ela tem clareza pela primeira vez – ela sabe exatamente o que ela quer e não quer se desculpar por isso,” ela diz, acrescentando, “eu acho que tem uma feminilidade que vem com isso: uma força no sentimento completamente intitulada.”
Um benefício de fazer parte do Multiverso foi trabalhar com Benedict Cumberbatch, uma oportunidade que ela realmente saboreou. “Sou muito fã dele. Ele é um dos maiores atores do momento e eu queria ver o seu processo. Eu espero trabalhar com ele em uma forma Não-Marvel também, porque eu gostaria de ter uma outra experiência mais arrebatadora com ele.“ É provável que eles se encontrem novamente no Universo Marvel também, porque embora ela não tenha previsto trabalhar em tantos projetos da Marvel, ela diz: “Acho que Wanda está sempre ao virar da esquina, então não me sinto mal em dizer adeus a ela.”
Olsen sempre tem sido compelida por histórias complexas e crescer em Sherman Oaks Califórnia, ela assistiria filmes “perturbadores”, como o Retorno para Oz (uma versão distorcida de aventuras de Dorothy). “É tão estranho porque tem uma mulher que literalmente tem um corredor de cabeças de outra mulher que ela tira e coloca. Por que estou tão obcecada com aquele filme?” ela diz, rindo. “Eu amei me sentir assustada, mas então eu tive pesadelos – então eu assistiria filmes como Tremors and Terminator, seguido por Meus Dois Carinhos, então teve um monte de diferentes tipos de estimulação.”
Ela é a mais nova dos quatros: um irmão chamado Trent, irmãs gêmeas Mary-Kate e Ashley, que aconteceu de serem as duas crianças mais famosas no mundo quando Olsen era pequena, estrelando na amada sitcom Três é Demais e filmes juvenis incluindo Passaporte para Paris e Férias em Roma. “Eu sempre senti que ter irmãs gêmeas mais velhas eram uma vantagem,” ela diz. “Eu me senti muito clara sobre como eu estava aprendendo várias coisas porque eu as assistia. Me sentia também muito protegida.” estando apenas dois anos e meio separadas significa que que elas eram um trio próximo, mas como ela nota, o vínculo entre as gêmeas é incomparável. “Tem algo que eu nunca experimentei dessa conexão, mas eu me senti sortuda de testemunhar isso. Eu na verdade acho que é um sentimento incrível, ser a irmã mais nova das gêmeas. Se eu fosse mimada por uma, a outra queria igualar. Eu amava.”
“Eu tinha essa necessidade de ser a estudante que mais trabalhava duro quando eu estava na faculdade.”
Enquanto suas irmãs saíram da indústria cinematográfica quando envelheceram, ao invés disso, indo se estabelecer na empresa luxuosa de moda The Row em 2006, Olsen estava iniciando na atuação. “Eu sempre soube que isso era o que eu queria fazer, eu tive muitas inseguranças sobre querer fazer isso”, ela diz, ela nunca sentiu inclinada a se juntar com suas irmãs no palco global quando criança “porque eu realmente gostava da escola.” Mas o sucesso precoce de suas irmãs impactaram como ela alcançou o trabalho: ela estudou sua construção meticulosamente, se matriculado na University’s Tisch School of the Arts, onde ela teve aulas no Atlantic Theater Campany e passou um semestre estudando na Moscow Art Theatre School. “Eu sempre senti essa presença que me fez trabalhar mais duro e talvez ficar pressionada para estar mega preparada e disciplinada, para que eu me sentisse que estava merecendo isso,” diz Olsen, “Esse sentimento cessou cinco anos atrás no trabalho, mas eu sempre tinha essa necessidade de ser a estudante que mais trabalhava duro quando estava na faculdade.”
Após fazer o seu filme de estreia em 2011 estrelando no thriller Martha Marcy May Marlene junto de Sarah Paulson, ela não parou nos tipos de projetos que ela mais queria explorar, mas encontrou experiência em trabalhar em diferentes países inestimáveis. “Você aprende muito sobre si mesma nessas situações de vulnerabilidade e como lidar consigo mesma,” ela diz sobre trabalhar sozinha sendo uma jovem mulher. Olsen também procurou por um número de modelos de papéis em sua carreira, como Naomi Foner Gyllenhaal (mãe de Jake e Maggie), que dirigiu Very Good Girls e “se tornou uma figura maternal para mim”, ela diz. A lição mais importante que ela aprendeu sobre empoderamento pode ser entender as coisas que te movem – seus gostos e inspirações. “Isso foi algo que me tomou tempo para entender,” ela reflete. “É difícil encontrar essa confiança, mas estou feliz que eventualmente encontrei”. Essa auto segurança é essencial quando se trata de produzir, algo que ela mergulhou pela primeira vez em 2018/2019 na série Sorry For Your Loss. “Estou viciada nisso; e quando eu não estou produzindo, eu finjo que estou – sou provavelmente uma pessoa péssima para trabalhar! Eu digo ‘péssima‘ mas pessoas dizem que está tudo bem…” ela adiciona com coração brilhante, “Mas eu realmente quero me superar como atriz. Eu quero saber de todos os planos.” Agora, ela está procurando por projetos que ressonam com ela, particularmente menores, localizando enredos que tenham o poder “de fazer as pessoas sentirem algo maior do que o dia a dia.”
Ano passado, Olsen foi indicada pelo Emmy por sua minissérie WandaVision, e para a cerimônia da academia, ela vestiu um vestido branco com um design feito pelas suas irmãs. “Tem algo sobre isso que me faz sentir como mulheres segurando as mãos e a família permanecendo junta ou algo assim,” ela diz de forma melancólica “Eu apenas amo as roupas que me fazem sentir confiante e forte. É como uma armadura.” Usualmente optando pelo confortável, peças neutras, “porque eu sou tipo misturando nas paredes”, Olsen usualmente não gosta de estar nos flashes e nos momentos de tapete vermelho. “É meio barulhento. Eu realmente não sei como me posar para uma foto, então eu sempre estou parada como uma vara ou eu estou movendo meu corpo estranhamente pelo espaço porque eu não sei como fazer a roupa parecer legal no tapete vermelho.”
Olsen também fica tímida em eventos que não são relacionados com o seu trabalho, “mesmo quando eles podem ser potencialmente bons para a minha carreira”. “Eu só não me sinto confortável nessas situações, então, eu não me coloco nelas,” ela diz, diretamente. Quando ela não está trabalhando, Olsen vive tranquilamente em casa com seu parceiro Robbie Arnett, ficando com seus amigos e família, jardinando, fazendo poesia e cozinhando (“todo feriado eu faço o prato que é a assinatura da minha mãe, que é uma bola de Salmão dos anos setenta”). Esses momentos que ela tenta muito deixar privado. “Eu não penso em viver a minha vida como uma pessoa pública, eu só penso em viver a minha vida e então, eu tenho esse trabalho”, ela explica.
“É sempre estranho para um ator reclamar de estar sobre os olhos do público, pois isso significa que talvez algo está indo bem para você. Mas a privacidade é algo que eu penso muito com potencialmente ter crianças e sendo muito protegida com esse pensamento.”
Essa também é a razão do porquê ela não se dá bem com redes sociais; tendo se interessado pelo Instragram entre 2017 e 2020, ela diz que deletou o aplicativo para sempre. “Eu sempre penso, ‘o que eu estou tentando dizer? O que eu estou tentando compartilhar?’ você tem essa influência e tem um poder financeiro nesse tipo de influência. Isso não me fez me sentir bem,” ela compartilha. Olsen vê, de qualquer forma, o benefício da presença online para trazer atenção em boas causas, vamos ela trabalha primariamente com duas instituições de caridade: The Latitude Project, em benefício das comunidades Nicaraguanas necessitadas, e Stuart House em Los Angeles, que cuida de vítimas de violência sexual menores de 18 anos. Na carta, ela diz, “É um incrível espaço cobrindo tudo da parte forense até a terapia. Você está com essas crianças no mesmo horário toda semana, para vê-los crescendo.”
É raro para alguém prolífica como Olsen continuar com os pés no chão como ela é, mas entendendo o que ela quer – e, igualmente importante, o que ela não quer – tem dado a ela recursos para forjar seu próprio caminho. “Não estou tentando parar ninguém de entrar na minha bolha” ela diz, “mas eu também tenho algumas barreiras.” Esse é o seu super poder – mais compreensível que mágica, mas não menos potente.

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS | PHOTOSHOOTS > 2022 > HARPER’S BAZAAR UK

EOBR001.jpgEOBR007.jpgEOBR006.jpgEOBR004.jpg

 REVISTAS E JORNAIS | SCANS > 2022 > HARPER’S BAZAAR UK – MAY

EOBR001.jpgEOBR001.jpgEOBR001.jpgEOBR001.jpg

Tradução: Equipe EOBR | Fonte.

Elizabeth Olsen está promovendo o seu mais novo filme, Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”, e com isso, a mesma segue sendo capas de várias revistas, e dessa vez não foi diferente. Lizzie é a capa da edição de maio da Glamour México, no qual a mesma teve uma entrevista exclusiva e um photoshoot incrível. Confira abaixo a tradução realizada pela nossa equipe:

A nossa estrela da capa nos fala das ações altruístas, sustentáveis ​​e do empoderamento feminino que procura seguir todos os dias. Talentosa, poderosa e uma das atrizes mais relevantes do momento, Elizabeth Olsen é a nossa estrela de capa do mês maio de 2022.

Elizabeth Olsen nos conquistou não apenas por sua multifacetada carreira de atriz, onde nos deu personagens incríveis como a “Feiticeira Escarlate”, mas também por seu amor ao altruísmo, ao planeta e sua grande personalidade que a levou a roubar os corações de todos; Por isso, neste mês conversamos exclusivamente com ela sobre sua vida pessoal, seus sonhos, seus novos projetos e suas melhores dicas de moda e beleza.

Este mês decidimos reconhecer a atriz de Hollywood com duas capas. A primeira reflete sua essência pessoal, seu amor e seu esforço diário pelo planeta e a segunda destaca sua faceta pública, a estrela de cinema e a importância da mulher na tela.

Glamour México: Você tem um sonho que gostaria de realizar no futuro?

Elizabeth Olsen: Sim, tenho muitos. Eu adoraria manifestar vários caminhos em minha vida no futuro. Não acho que minha vida seja necessariamente só ser atriz, há muitas coisas que gostaria de explorar e tenho uma longa lista. Para simplificar a resposta, sonho em ter filhos. Isso sempre foi um sonho que eu tive e é algo que eu espero ser capaz de fazer.

GM: Você pode nos contar um pouco mais sobre sua experiência com o Projeto Latitud?

EO: É um projeto incrível. Algumas mulheres canadenses que eu acho que iam ao México com suas mães todo verão, se aventuravam na Nicarágua. Eles começaram sua fundação Latitude Project. Nos últimos anos, ter uma presença no país tem sido mais difícil, não só por causa da pandemia de COVID, mas também pela situação política na Nicarágua. Basicamente, elas encontram comunidades com muita necessidade e trabalham com elas, perguntam sobre o que precisam. Seja água potável, energia solar…e fazem um projeto por ano com essas comunidades. Elas constroem com eles. Eu fui trazer mais consciência para o Latitud, mas geralmente elas só trabalham com a comunidade e as pessoas de lá para que possam ter mais autonomia sobre o que constroem juntos. É sempre incrível. Já estive com elas algumas vezes. Toda vez, em todo projeto, você conhece algumas pessoas muito bonitas e é realmente incrível como é preciso poucos dólares para mudar uma comunidade inteira. Foi uma experiência incrível e espero poder voltar em breve.

GM: Você tem outros planos de praticar o altruísmo no futuro?

EO: É incrível que as pessoas possam fazer parte de outras iniciativas globais, mas também é importante fazer parte de iniciativas locais. Em Los Angeles existe uma maravilhosa fundação sem fins lucrativos chamada “The Rape Foundation”. O lugar que eu trabalho se chama “The Stuart House” e eles se encarregam de oferecer tudo para crianças de até 18 anos que foram vítimas de qualquer tipo de agressão. Eles oferecem terapia gratuita, assistência jurídica gratuita, fazem toda a pesquisa para ajudá-los em casos judiciais e têm serviços forenses. Eles também fornecem terapia para as famílias. Quando eu faço voluntariado lá, eu brinco com as crianças ou seus irmãos enquanto eles estão na sala de espera porque às vezes suas famílias não podem pagar a creche, então eu basicamente cuido deles. Isso teve que parar um pouco devido à pandemia, mas estou animada para voltar quando terminar de filmar e fazer a divulgação de Dr. Strange, porque estar lá para essas crianças é uma das coisas mais gratificantes que já fiz na minha vida.

GM: O que você faria se tivesse os poderes da Wanda?

EO: Eu não sei se eu gostaria de ter os poderes dela na vida real, porque eu sinto que ela pega as experiências de muitas outras pessoas e pode entrar em suas cabeças e mentes, e conhecer seus maiores medos. Não sei se quero saber todas essas coisas sobre as pessoas.

GM: Você já experimentou um amor como o de Wanda?

EO: Acho que sim. Sinto a ligação que tenho com as pessoas mais próximas da minha vida, o que inclui também os meus amigos. Tenho os mesmos amigos desde criança e sinto que tenho essa conexão com eles, que é muito sagrada e co-dependente.

GM: Se você não fosse a Wanda, que outro super-herói você gostaria de ter interpretado?

EO: Com a Wanda não consigo ser muito engraçada, exceto em WandaVision, onde pude fazer um pouco de comédia. Mas as pessoas gostam de assistir a muitos desses filmes da Marvel por causa de quão espertos e inteligentes eles são e o humor é ótimo. Eu sinto que o papel de Tessa Thompson, Valquíria, tem muito humor e ela se diverte muito. Então ela é a que eu gostaria de interpretar.

GM: Quais são seus filmes ou séries favoritos dos últimos anos?

EO: Há muitos. Eu amei “Power of the Dog”, acho que o filme foi incrivelmente poético e poder vê-lo no cinema foi muito importante. Todos nós perdemos essa sensação de quietude. Estamos em casa rapidamente mudando de canal ou assistindo a um filme e então decidimos mudar. Então eu sinto que esse filme caiu muito em um método mais lento de cinema. Eu realmente adorei. Depois, há o documentário chamado “Some Kind of Heaven”, sobre um lar de idosos na Flórida que eu acho que foi muito bem feito. Esses são os dois primeiros que me vêm à mente e eu realmente os amei.

GM: O que mais te anima ao fazer parte do elenco de Doutor Estranho?

EO: O que mais me anima é a resposta dos fãs após o filme. Sempre fico com muito medo quando esses filmes saem, especialmente entre WandaVision e Dr. Strange porque meu papel é um pouco maior, então há essa pressão. Você não pode agradar a todos, mas espera que os fãs fiquem satisfeitos. Também estou animada para ouvir o que os fãs gostariam que a minha personagem fizesse. Muitas pessoas me perguntam como eu gostaria que Wanda continuasse depois desse filme e eu realmente não faço ideia e acho que os fãs sempre têm as melhores ideias.

GM: Qual foi a cena que você mais gostou de filmar em Doutor Estranho?

EO: Não sei. Na verdade, eu estava muito apavorada em filmar uma das últimas cenas do filme, sobre a qual não posso falar muito. Eu estava com muito medo de filmar, mas também foi muito divertido. Acho que as coisas mais assustadoras também são as mais engraçadas porque você sente que está realizando algo ou é corajosa e é uma pequena vitória.

GM: Se Doutor Estranho pudesse mudar algo em seu passado, o que você decidiria mudar?

EO: Não sei. Acho que se você mudar algo em seu passado, isso pode afetar seu presente, que é o tema principal deste filme. Estou muito feliz onde estou hoje, com as pessoas da minha vida e do meu trabalho, então acho que teria muito medo de mudar algo no passado e alterar algo no presente.

GM: Quais são seus próximos projetos?

EO: Acabei de terminar uma minissérie para a HBO Max chamada “Love and Death”. Vai estrear em outubro e é uma história real que aconteceu no Texas sobre uma mulher que matou uma de suas amigas com machado. É engraçada, mas com um humor muito sombrio e também assustador. Lá eu interpreto essa mulher que passou por um julgamento e eu realmente tive uma ótima experiência fazendo ela. Tivemos um elenco maravilhoso e estou animada para que seja lançada.

GM: Com qual atriz você gostaria de dividir a tela?

Existem muitas. Eu realmente gostaria de trabalhar com Betty Gilpin porque ela é incrível. Eu adoraria trabalhar com Margot Robbie porque ela tem uma grande reputação como atriz e produtora, então eu sinto que realmente aproveitaria isso. Existem muitas, mas essas são os que me vêm à mente por enquanto. Estou pensando em mulheres que estão na mesma faixa etária porque acho que muitas vezes mulheres da mesma idade não podem estar juntas em filmes. Geralmente há uma mulher na casa dos trinta ou uma mulher na casa dos vinte e não há muitas histórias de várias mulheres na tela. Eu também adoraria trabalhar com Carrie Coon, que é uma atriz fenomenal.

GM: Você acha que as oportunidades na indústria cinematográfica são iguais entre homens e mulheres?

EO: Acho que agora há um influxo de interesse em programas e filmes liderados por mulheres, então há um pouco de desequilíbrio, mas que agora está favorecendo mais as mulheres do que os homens, o que não acho uma coisa ruim. Houve uma tendência muito diferente todos esses anos, então qual a melhor maneira de mudar isso para o lado feminino. É um ótimo momento para muitas escritoras e produtoras, especialmente porque as pessoas realmente querem levantar essas vozes, então é uma ótima oportunidade para as pessoas criarem algo para as mulheres.

GM: Se você pudesse mudar uma coisa na indústria cinematográfica, o que seria?

EO: Sinto que o que eu gostaria de mudar talvez não seja a indústria em si, mas como consumimos qualquer tipo de mídia. Eu adoraria se as pessoas, ou as pessoas responsáveis ​​pelo dinheiro, tivessem mais fé em histórias que podem não ter um público tão amplo; porque eu acho que quando você dá às pessoas uma voz artística e permite que elas tomem um certo tempo e espaço sem tentar controlar tudo… quando você faz um filme, eles fazem muitos testes com o público para tentar obter feedback e ver se vai ser bem sucedido financeiramente. E então eles editam certas coisas com base nisso, o que não significa necessariamente que você terá todas as vozes dos diretores envolvidas. Há muito a ser dito para permitir que os diretores tenham controle total em certos casos. Poderia haver um pouco mais de fé em permitir que as pessoas fizessem isso. Quando você deixa os produtores fazerem isso, você acaba com um belo filme como “C’mon, C’mon”, de Mike Mills. Ou algo maravilhoso como “Power of theDog” e eu sei que esses filmes sempre nos surpreendem, mas é porque esses diretores tiveram a oportunidade de estar no controle. Espero que possamos nos inclinar nessa direção.

GM: Você acha que a indústria cinematográfica é totalmente inclusiva?

EO: Acho que ela está tentando ser. Mas também sinto que é um problema internacional e não local. Temos que nos envolver internacionalmente se quisermos que a indústria seja mais diversificada, não é apenas um padrão dos EUA, deveria ser internacional.

GM: Como você pratica a autoestima todos os dias?

EO: Mesmo quando estou trabalhando, tento acordar e me dar 15 minutos para me alongar e respirar porque, à medida que envelheço, sinto que meu corpo tem a cada dia mais tensão. Esse é o primeiro passo do meu dia, alongar, respirar e ficar quieta. Eu também tento não usar meu telefone sem pensar, tanto quanto posso, mas às vezes é difícil porque estamos muito apegados a ele. Eu tento mantê-lo em outro quarto porque eu não tenho um trabalho onde eu sempre tenho que tê-lo comigo. Tento ler o máximo que posso para permitir que meu cérebro se mova com mais propósito, porque acho difícil ler se você está sempre distraído e acho que é algo bom para nosso cérebro, alma e mente. Eu caminho muito, faço como meditação andando o máximo que posso. Para mim, caminhar é uma das melhores coisas que você pode fazer pelo seu cérebro. Não necessariamente tendo que ouvir um podcast ou música, apenas andar por aí sem nada disso, é muito profundo para mim. Todos os dias me sinto genuinamente grata por poder caminhar.

GM: Quais são suas dicas para um relacionamento amoroso bem-sucedido?

EO: Comunicação e honestidade. Nunca queira machucar a outra pessoa. Tente se comunicar sem querer ferir os sentimentos de outras pessoas. Você tem que tratar as pessoas com paciência e compaixão. Tente usar uma linguagem que não os faça sentir que estão fazendo algo errado. Sempre há uma forma de se comunicar sem demonizar o outro, mesmo que haja um desentendimento.

GM: Que conselho você daria a um amigo para incentivá-lo a realizar seus sonhos?

EO: Que há sempre uma maneira de tentar encontrar um meio termo entre a realidade de ter um emprego e criar tempo e espaço para si mesmo, para seguir seus sonhos e trabalhar duro para eles. Acho que você deveria manifestar essa disciplina por si mesmo. Acho que a verdadeira disciplina é uma das coisas mais importantes se você tem um objetivo a cumprir. Você tem que tentar. Eu tenho muitos amigos que mudaram de carreira aos 30 anos e é muito assustador pensar que eles passaram seus vinte anos inteiros fazendo algo que realmente não os fez felizes e eles deram esse grande salto de fé para mudar totalmente de carreira e é um uma das coisas mais corajosas que alguém pode fazer porque é totalmente aterrorizante. Mas eles sempre acabam sendo mais felizes.

GM: Quais são as ações de sustentabilidade que você procura praticar diariamente?

EO: Tento ser o mais cuidadosa possível ao lidar com lixo, reciclagem e compostagem. Eu me esforço muito para ter menos impacto. É muito difícil, mas é muito gratificante gerar uma pequena quantidade de lixo. Infelizmente, nem todas as cidades dos EUA têm oportunidades para isso, mas sempre há empresas menores que podem ser usadas. Há uma empresa em Los Angeles chamada “Compostable” e eles vêm à sua casa todas as terças-feiras, deixam um contêiner e levam o que você tem, então eu o uso quando estou lá. Esse esforço extra pode ser muito profundo e geraríamos menos resíduos.

GM: Por que você não tem Instagram ou alguma outra rede social?

EO: Acho que não sou necessariamente boa nisso. Eu acho que as pessoas que fazem isso bem conseguem se representar de uma maneira autêntica e eu nunca senti que poderia fazer isso. Sempre me senti um pouco desconfortável. Também pensei que não queria que isso tomasse horas do meu tempo ou que eu sentisse que era parte do meu trabalho. Considero que existe um componente de saúde mental em estar nas redes sociais e acho útil evitá-lo, os adultos também. Eu escrevi um livro infantil que será lançado em breve chamado “Hattie Harmony: Worry Detective”. Eu escrevi com meu marido e será lançado em junho nos EUA. Tem muito a ver com a saúde mental das crianças, ansiedade e como ensiná-las a identificar suas emoções e dar-lhes ferramentas para gerenciá-las. Quanto mais pudermos ensiná-los, na juventude, isso terá mais benefícios para eles do que criar o Instagram para crianças.

GM: Qual é a sua rotina de beleza para o dia e a noite?

EO: É bem extensa. Eu me importo muito com minha rotina de cuidados com a pele. Eu uso Biologique P50 todas as manhãs e noites, e muitos de seus soros. Há também uma marca israelense chamada Future que eu uso. Intercalo entre essas duas marcas. Eu tento beber água com limão todos os dias. Eu tomo muitos pacotes estranhos de suplementos na minha água e faz parte da minha rotina também.

GM: Quais exercícios você faz na sua rotina de exercícios?

EO: Eu caminho muito, mas em geral, isso vem mudando recentemente. Antes, eu tinha uma rotina normal de academia e treinava com coisas muito básicas, mas comecei a fazer mais pilates e ioga este ano. Faço exercícios de ioga para o abdômen e fiz muitas aulas online durante a pandemia. Fazer ioga, pilates e caminhar é o que eu prefiro. Não sei se tem a ver com o envelhecimento ou com o estado de espírito em que estou, mas tenho gostado.

GM: Qual foi o pior crime fashion que você cometeu?

EO: Eu sinto que toda vez que estou no tapete vermelho eu odeio o que estou vestindo. Eu não sei, eu realmente não uso roupas muito chiques na minha vida pessoal e isso não funciona no tapete vermelho; então eu sempre sinto que estou fora do meu corpo quando estou nessas situações. Não o tempo todo, mas muitas das vezes. Espero que, à medida que envelheço, eu me importe menos.

GM: Como você consegue se sentir confiante e se empoderar no tapete vermelho?

EO: Simplesmente não me sinto muito confiante nessas situações. Embora quase 12 anos tenham se passado. Há algo em sentir que um grupo de estranhos está gritando com você enquanto apontam câmeras e flashes para você que não me faz me sentir bem. Eu apenas tento me sentir bem na minha própria pele, mas eu realmente não gosto dessa experiência. À medida que cresci, os nervos desapareceram, mas é mais como uma terapia de exposição do que qualquer outra coisa. Eu acho que quando você chega aos 30 anos você começa a se importar um pouco menos com qualquer coisa que tenha a ver com a imagem, pelo menos eu estou nesse espaço agora e apenas tento fazer desses momentos algo um pouco mais divertido. Eu me sinto muito grata por esses momentos, mesmo que sejam coisas que fazem eu me sentir desconfortável. Tenho a sorte de poder fazer parte desses eventos ou estreias.

GM: Quais são as roupas que fazem você se sentir sexy, confortável e poderosa?

EO: Calça oversized, uma linda blusa de seda e sandálias. Eu sinto que nunca pareço melhor do que quando uso roupas assim. Então eles tiram fotos de você e você parece um quadrado, mas eu me sinto incrível usando essas roupas.

O talento, o estilo e a personalidade da atriz brilham por si só, mas depois de sabermos mais sobre o seu lado profissional, altruísta e até eco-friendly, reafirmamos que é uma das mulheres que mais nos inspira e empodera!

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS | PHOTOSHOOTS > 2022 > GLAMOUR MÉXICO BY ESTEBAN CALDERÓN

EOBR001.jpgEOBR002.jpgEOBR005.jpgEOBR007.jpg

REVISTAS E JORNAIS | SCANS > 2022 > GLAMOUR MÉXICO – MAY

EOBR001.jpgEOBR002.jpgEOBR001.jpgEOBR002.jpg

Tradução: Equipe EOBR | Fonte.

Foi lançado recentemente em forma física uma edição promocional do filme “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” da revista EMPIRE, na qual Elizabeth Olsen, Benedict Cumberbatch, Kevin Feige e Sam Raimi falam sobre o filme e mais, confira abaixo a tradução realizada pela nossa equipe:

Difícil de acreditar que alguém de interpretou o Sherlock Holmes, Khan Noonien Singh, Frankenstein (e O Monstro), mais um dragão falante gigante, que foi nomeado para dois Oscars e ajudou a salvar metade do universo tenha mais algo para dar um check na lista, mas ele tem. Três coisas, na verdade. “Pessoas dizem ‘Bem, o que você quer fazer depois?”, ele conta para a Empire. “Bem, um Faroeste, um filme de horror e um musical. Essas são as três coisas. Eu acho que eu fiz uma versão de um Faroeste, e agora eu estou fazendo uma versão de um terror”. A versão do Faroeste é, claro, o Ataque dos Cães, de Jane Campion. A versão de um terror, entretanto, é talvez um pouco mais difícil de adivinhar, dado que é a mais nova parcela da franquia mais lucrativa do mundo; uma que, talvez, seja mais conhecida por capas do que punhais. Mas, em caso do fúnebre terros cósmico não tenha te alertado, Doutor Estranho no Multiverso da Loucura, o 28° filme do Universo Cinematográfico da Marvel e o mais novo a ter como estrela o Cumberbatch como um cirurgião-transformado-mago está tentando algo um pouco diferente.

É um título, e um filme, que não apenas permite que Cumberbatch dê um outro “check” na sua velha lista de desejos, mas que é muito intrigante. Promete entrar a fundo nos mistérios do Multiverso, apenas meses após Homem-Aranha: Sem Volta para Casa que propriamente introduziu o conceito para a audiência. O filme anuncia o retorno de um diretor o qual deixou muita saudade e que ajudou a construir um caminho para o UCM em primeiro lugar. E sim, é o primeiro toque de terror da Marvel Estúdios, com zumbis e “jump scares” e com uma grande quantidade de escuridão; “Eu acho que será surpreendente para algumas pessoas, diferente do tom que o UCM normalmente vai,” diz o produtor do filme e o mago supremo da Marvel Estúdios, Kevin Feige. Você não vai acreditar no que o seu Olho de Agamotto vê.

Demorou quase seis anos para que o Doutor Estranho tivesse a sua primeira sequência. Não que o personagem tenha ficado sentado por aí com seu dedo mágico desde que Doutor Estranho estreou com uma decente crítica e recepção comercial em 2016. Ao invés disso, ele aparecer em um impactante cameo em Thor: Ragnarok; foi o jogador mais importante em Vingadores: Guerra Infinita; Ajudou a deter Thanos com seu sinistro comando de portais em Vingadores: Ultimado; até inadvertidamente abrir o Multiverso e liberar uma desordem de Homens-Aranhas em Sem Volta Para a Casa.

Todos os quais o estabeleceram silenciosamente como um dos jogadores mais valiosos do MCU, preenchendo o vazio do “cavanhaque egomaníaco” deixado pela morte de Tony Stark. E enquanto o seu cachecol estava indo para cima em primeiro plano, em último plano as coisas estavam calmamente se movendo para frente.

Inicialmente, Scott Derrickson – o diretor que deu forma ao Strange nas telonas – assinou para comandar a sequência em 2018. Na Comic Com de San Diego no ano seguinte, que incrivelmente o título (que com a ajuda de Feige, que providenciou o “Multiverso” e Derrickson, que veio com o “Loucura”, de acordo com a co-produtora Richie Palmer) foi anunciado para causar um grande alvoroço, junto com a declaração que seria o primeiro filme do UCM que foi especificamente criado, como Kris Kross colocou, para te fazer pular. O que faz sentido – Derrickson, no fundo, era um diretor de terror, e o seu primeiro filme flertou com tropas desse gênero. Tudo parecia bem no Santuário Sanctorum, até que em Janeiro de 2020 foi anunciado que Derrickson não iria mais dirigir.

Foram citadas divergências criativas, e antes que você diga que ‘ele era criativo, eles eram diferentes’, Feige está muito na sua frente. “Nós amamos Scott e eu acho que ele sente o mesmo,” diz Feige. “Ninguém acredita nisso, mas foram apenas diferenças criativas.”

A presunção que Derrickson queria fazer um filme estranhamente sem barreiras, desagradável e assustador – como Hereditário com 200 milhões de orçamento – e que a máquina da Marvel não iria permitir algo tão peculiar e idiossincrático acontecer. “Houve algum pensamento de que era a diferença criativa entre Scott e Marvel, e não era”, disse Feige. “Porque nós amamos essa ideia. A intenção era que Strange nos guiasse para um lado muito mais assustador do mundo.”

Feige se viu lutando para encontrar um diretor rapidamente. Foi elaborada uma lista de possíveis substituições. Notável por sua ausência dessa lista era um nome em particular. “Nosso produtor executivo, Eric Carroll e Richie Palmer estavam ligando para ver quem estava interessado, e o agente de Sam disse: ‘E Sam Raimi?'”, diz Feige. “Nós pensamos, ‘Isso seria incrível, mas não há chance disso’. “Mas ele queria entrar e conhecer. E no primeiro encontro, foi incrível me reconectar com ele e ver seu entusiasmo em voltar a este mundo.”

Em retrospecto, escolher Sam Raimi como diretor de The Multiverse Of Madness é o mais lógico dos acéfalos. Se você está procurando um diretor que seja o centro de um diagrama de Venn entre filme de super-herói e filme de terror, o gênio criativo que trouxe The Evil Dead e Homem-Aranha para a tela grande estaria no meio. Um dos diretores mais incentivadores visualmente, sua influência já podia ser vislumbrada em algumas das sequências mais excêntricas que Derrickson encenou no filme original. E, é claro, Feige já havia trabalhado com ele na série original de filmes do Homem-Aranha (Tobey Maguire vintage), quando Feige era apenas um pedaço promissor de cheddar, e ainda não o grande queijo. Seus primeiros encontros juntos trouxeram algumas lembranças antigas à tona. “Ele disse: ‘Podemos precisar de quatro ou cinco artistas conceituais e de pré-visualização'”, lembra Feige. “Eu disse ‘Sam, nós temos dezenas. Eles são todos seus.’ Isso me levou de volta aos dias em que eu estava apenas assistindo os filmes do Aranha, e ele tendo que lutar por isso, enquanto essencialmente definia e revolucionava o que esse tipo de cinema era o momento.”

Raimi estava interessado por uma série de razões. Havia seu apego de infância a Strange que, como o Homem-Aranha, era uma criação de Stan Lee-Steve Ditko. “Sempre amei sua história em quadrinhos, e o primeiro filme foi brilhantemente feito”, diz Raimi. Embora ele admita que Strange não é o único super-herói, para quem ele teria respondido à chamada. “Eu sempre amei o Batman. Se eu visse o Batsinal no ar, eu viria correndo”, ele ri, o que deve ser música para os ouvidos da Marvel. “E se eu ouvisse aquela risada profunda e gorgolejante da Sombra vindo da escuridão, eu também tentaria sair. E o Homem-Aranha estaria à frente do Doutor Estranho, mas não quero colocá-lo na lista!”

Mas havia também o simples fato de que Raimi não dirigia um filme há vários anos: seu último, Oz, o Grande e Poderoso, foi em 2013. Esse período de pousio de Kubrician não foi por escolha – ele esteve ligado a vários  projetos, incluindo um filme de World Of Warcraft que engoliu um ano. “Eu investi muito do meu coração e alma na coisa”, diz ele. “Já tive muitas desventuras como essa. Senti falta de dirigir. É realmente a única coisa que sei fazer. Não poderia ser um corretor da bolsa, um banqueiro ou um encanador, e estou emocionado por estar trabalhando com meu velho amigo Kevin Feige.”

Feige está ciente de que a contratação de Raimi traz consigo certas expectativas; expectativas do tipo de movimentos de câmera malucos e montagens malucas que você não costuma ver em filmes convencionais;  expectativas Feige acredita que serão enfaticamente atendidas. “Queremos que seja um filme de Sam Raimi”, enfatiza. “Nós daríamos notas como, ‘Esta ação é legal – você está competindo com Vingadores e Homem-Aranha, sem problemas – mas não se esqueça das partes de Sam Raimi.’ Você verá como Sam Raimi é, de maneiras que irão deixar os fãs de Evil Dead II muito felizes.” 

Se você chamar seu filme de O Multiverso da Loucura, é muito melhor entregar tanto o Multiverso quanto a loucura. Rachel McAdams, que retorna como o grande amor perdido de Strange, Christie Palmer, diz: “Eu certamente fiz parte de coisas que nunca vi na tela”, enquanto Cumberbatch descreve como “uma jornada e tanto, a complexidade e maravilha e terror do Multiverso.”

Ajudar Strange a passar por isso é uma nova adição ao MCU: America Chavez (Xochtil Gomez), uma jovem que tem o poder de alternar entre universos paralelos. Encontrando-se perseguida por criaturas misteriosas com a intenção de desviar seu poder e usá-lo para seus próprios fins nefastos, a América chega ao nosso universo, perseguida, como os trailers sugerem, por um super bastardo de um olho e tentáculos chamado Gargantos. Bem a tempo de Strange salvá-la com a ajuda de seu chefe, Wong de Benedict Wong, que na verdade é o Feiticeiro Supremo do MCU. “Eu chamo isso de Fase Wong”, ri Wong de sua série de aparições recentes em filmes da Marvel, começando com Shang-Chi e a lenda dos dez anéis. “É uma mudança legal e interessante. Wong assumiu um novo papel, e essa dinâmica muda entre os dois.”

Para Strange, que ainda está preocupado com o namoro que teve com o Multiverso em Homem-Aranha: No Way Home, a América o leva a investigar mais. “Ele está muito ciente de que não deve permitir episódios Multiversal como experimentamos em NO Way Home”, diz, “porque ele viu o quão perigosos eles eram”. Voltando-se para a única outra pessoa que ele sabe que pode ter conhecimento do Multiverso, Wanda Maximoff (Elizabeth Olsen), Strange e America são então impulsionados por uma vasta gama de mundos diferentes. Um Estranho em uma terra estranha, ele fica cara a cara com variantes de: Wanda, seu velho amigo que virou inimigo Karl Mordo (Chiwetel Ejiofor), Wong, sua antiga paixão Christine Palmer (Rachel McAdams) e até ele mesmo.

Na verdade, ele fica cara a cara com pelo menos três versões de si mesmo: uma versão corroída e corrompida chamada Sinister Strange; uma variante aparentemente heroica baseada na corrida do personagem no supergrupo de quadrinhos, Os Defensores; e um Strange zumbificado, que talvez seja o elo mais óbvio entre o presente de Raimi e seu passado encharcado de sangue. É provável que haja pelo menos mais um ou dois, tornando-se um grande desafio para Cumberbatch enquanto seu Ur-Strange embarca em uma odisseia existencial repleta de lembretes de carne e osso de como sua vida poderia ter sido, para o bem e para o mal. “Existem algumas ideias muito ousadas e alguns testes extraordinários de Strange e encontros”, diz Cumberbatch. “Existem algumas conclusões muito inesperadas. É fascinante explorar o que aconteceria se houvesse uma realidade alternativa que você pudesse visitar e toda a bagunça que poderia resultar.”

O potencial para a loucura do tipo psicológico é evidente. Visualmente, também promete ser mais louco do que um saco de cobras mágicas. Apesar dos zumbis, o trailer entrega vislumbres de um reino de selva povoado por dinossauros que poderia muito bem ser a Terra Selvagem, lar do tributo ao roubo/amor de Tarzan, Ka-Zar; um império no qual robôs atuam como guardas armados; e, o mais estranho de tudo, um reino que parece ser animado. “Existem infinitos mundos lá fora”, diz Palmer. “Alguns são idênticos aos nossos, e não poderíamos dizer as diferenças. Alguns são animados, e nós somos personagens de desenhos animados 2D com pele amarela como Os Simpsons.”

E isso é apenas a ponta do iceberg. Raimi acredita que é trabalho dos diretores “descrever o impossível; usar iluminação, som, movimento de câmera, a performance de um ator para dar ao público as sementes para construir algo terrível e fantástico em suas mentes. É isso que esse trabalho exige”.

Michael Waldron, que passou de seu papel de escritor principal em Loki para voltar ao trabalho em The Multiverse Of Madness com Raimi após a saída de Derrickson, expande. “Tentamos não ter medo de ir a lugares que fariam o público dizer: ‘Oh meu Deus, não acredito que acabei de ver isso'”, diz ele. “Mas eles não vão se importar a menos que estejam investidos no personagem principal. E Strange é um herói tão fascinante.”

Fascinante é uma forma de descrever Stephen Strange. Aqui estão mais alguns: Arrogante. Egoísta. Pretensioso. É certo que suas arestas mais ásperas foram lixadas um pouco desde sua primeira aparição no MCU, mas ele ainda é propenso a decisões imprudentes. Em Doutor Estranho, Mordo, enfurecido por aquela imprudência quando Strange quebra as regras que regem o próprio tempo, abandona a ordem magia e diz a Strange que um dia, “A conta expira”. Em The Multiverse Of Madness, essa conta está chegando. E há uma taxa de serviço todo-poderosa em anexo. Pelo menos 15 por cento. “Há muita acomodação”, acrescenta Cumberbatch. “Ocorre muitas descobertas sobre si mesmo. Strange é quase que um estranho para ele mesmo antes desse filme que desenrola e revelao que é essencial, em sua natureza, que ele pode resistir e enfrentar ou cair e se tornar isso.”

Parte disso fará com que Strange seja testado pelo prisma de seus relacionamentos com as principais personagens femininas do filme. Saindo de um relacionamento chato com um adolescente em No Way Home, o potencial para que isso aconteça novamente é grande com a personagem de America Chaves. Raimi está interessado em desarmar os medos. “Estranho ainda está aprendendo sobre o Multiverso”, diz ele. “E aqui está um personagem que pode realmente viajar por isso. Ele é um sabe-tudo o tempo todo, e tem que aprender com um garoto provavelmente inteligente.” Depois, há Christine, ex interesse amoroso de Strange.

Uma das críticas mordazes do Doutor Estranho foi que a grande Rachel McAdams foi dada atenção particularmente curta, com pouco a fazer. Isso é abordado aqui – em nosso mundo, Christine está prestes a se casar enquanto Strange ainda está deprimido, melancólico, em seu quarto de segredos. Mas em outro mundo, Strange se encontra muito diferente e muito mais envolvente, Christine. “Eu não estava apenas vestindo um avental desta vez”, ri McAdams. “Eu estava certamente em partes que eu nunca vi na tela.”

E então há Wanda. Vista pela última vez finalmente abraçando seus poderes prodigiosos e a identidade de Feiticeira Escarlate no final de WandaVision, a série que essencialmente narrava seu nervosismo colapso após a morte de seu amado Visão, Wanda se abrigou em sua própria Fortaleza da Solidão, enquanto ela estuda o Darkhold, um livro cheio de magia negra. “A loucura tem muitas definições diferentes”, diz Palmer. “É enlouquecedor para o Doutor Estranho ter que ver o amor de sua vida se casar com outra pessoa. E é enlouquecedor para Wanda terem que falar para ela “Existe um livro, e um capítulo inteiro sobre você, você deveria ler e ver os segredos sobre você mesma.”

Tirando o funeral de Tony Stark em Vingadores: Ultimato, Strange e Wanda nunca tinham compartilhado uma cena juntos. Isso muda aqui. “Eu realmente estava animada para fazer o diálogo com ele”, diz Olsen. “Gostei muito das nossas conversas constante, de análise e tentando entender onde os dois personagens estão indo.” Onde esse relacionamento termina ninguém sabe, mas uma Wanda que pode dar totalmente em sua persona combustível da Feiticeira Escarlate seria um sério desafio para Strange, ou até mesmo um Cumberbatch de Strange, para ele derrubar. “Eu não sei quem é mais poderoso do que a Wanda”, diz Palmer. “Conhecer a Wanda Maximoff no final de Ultimato teria sido muito para Strange. Quem sai por cima como o ser mais poderoso do universo? Acho que podermos descobrir isso no final do filme.”

Como em qualquer filme do MCU, parece que coisas estão deixando de ser mostrada e ditas. Rumores são tão abundante com The Multiverse Of Madness quanto No Way Home, e a persistência e suposições – frequentemente negadas, e sempre com uma cara séria por aqueles que trabalharam no filme – se Andrew Garfield e Tobey Maguire iria aparecer. (A propósito, Raimi adorou No Way Home. “Fiquei honrado”, diz. “É como alguém tivesse falado, ‘Sabe aquele seu amigo que faleceu? você conhece seu velho amigos que já faleceram?Nós os encontramos uma forma de trazê-lo de volta.’”) “Tem muita coisa acontecendo”, brinca Cumberbatch. Isso poderia incluir, bem, qualquer coisa, desde o retorno de Tom Hiddleston (Loki) para uma participação especial do velho amigo de Raimi, Bruce Campbell. Pode até haver um peixe chamado Wanda. O trailer recente levanta muitas perguntas. Em um ponto, vemos Strange sendo encaminhado perante um tribunal a ser julgado por sua transgressões multiversais. Acredita-se que esse tribunal, os Illuminati, um grupo de heróis que, na histórias em quadrinhos, incluem o professor fundador dos X-Men, Charles Xavier, líder do Quarteto Fantástico, Reed, Richards e Tony Stark. De acordo com as fofocas, é que os Illuminati neste filme podem muito bem incluirem Mordo (“Estamos em uma dinâmica contenciosa, é a maneira mais simples de colocar isso”, diz Ejiofor diante da relação de Mordo com Strange), apresentar John Krasinski como Richards, e empinar em uma participação especial de, de todas as pessoas, Tom Cruise como uma variante de Tony Stark (se sim, é o mais profundo dos cortes; Cruise já foi anexado ao papel muito antes de Robert Downey Jr. criar o famoso cavanhaque.).

Richie Palmer ri, procurando cuidadosamente pelo que ele pode dizer. “Como você viu no Homem-Aranha: No Way Home, alguns rumores acabaram sendo verdade, alguns não”, diz ele. “Eu adoraria ver Tony novamente, mas alguns rumores são apenas rumores. Eu vou dizer que eu amo os Illuminati. Mas se alguma vez introduzirmos os Illuminati no futuro, pode ser mais orientado por MCU e ter mais alguns laços com nossos personagens no MCU, versus apenas replicar o que está nos quadrinhos.”

Tradução: Equipe EOBR.