Exclusivo: O drama entre irmãs de Azazel Jacobs estreou em Toronto no ano passado, mas deve ser um grande ganhador de prêmios para a Netflix neste outono — para Lyonne, mas também para as colegas de elenco Carrie Coon e Elizabeth Olsen.

Um drama de Nova York de uma única locação sobre irmãs briguentas interpretados por Carrie Coon, Natasha Lyonne e Elizabeth Olsen? Estamos dentro.

O retrato de família comovente e às vezes tóxico de Azazel Jacobs, “His Three Daughters”, estreou no TIFF do ano passado com um leve impacto, mas agora está pronto para ser um dos principais concorrentes aos prêmios da Netflix na próxima temporada, junto com a adaptação de August Wilson, “A Lição de Piano”, de Malcolm Washington, e o vencedor de Cannes, “Emilia Pérez”, de Jacques Audiard.

Katie (Coon), Christina (Olsen) e Rachel (Lyonne) se reúnem no apartamento de infância em Lower Manhattan para agitar o pai moribundo (Jay O. Sanders) de seu fardo mortal, discutindo sobre como escrever seu obituário e quem deveria ficar em qual turno cuidando dele no quarto (nunca mostrado na tela) no final do corredor. E por que só há maçãs na geladeira? A personagem de Lyonne, uma maconheira 24 horas que também é meia-irmã de Katie e Christina do segundo casamento do pai, há muito tempo fica ao lado do pai em seu apartamento na Dimes Square, adjacente a Chinatown.

Katie é uma irritada tipo A do Brooklyn, enquanto Christina é uma californiana de New Age, mais despreocupada, ambas emocionalmente afastadas de Rachel e ausentes da mundanidade de cuidador. O elenco estelar desce em “French Exit” e no roteiro inteligente e nada sentimental do escritor/diretor Jacobs de “The Lovers” com um dos melhores conjuntos do ano. Lyonne estará na conversa do Oscar por um papel que abraça e desafia os tipos que ela já assumiu. Isso inclui a desenvolvedora de jogos que fuma inveteradamente em “Russian Doll” até sua persona pública geral como alguém que lutou contra o uso de substâncias e fez disso sua marca de comédia áspera e

charmosamente abrasiva. A Netflix enfrenta um desafio, no entanto, de onde encaixar as três atrizes, que são todas realmente protagonistas aqui.

Lyonne, Coon, Olsen e Jacobs se reuniram para uma exibição de prova de gosto da Netflix e perguntas e respostas sobre o filme no sábado, 13 de julho, na cidade de Nova York, a primeira grande exibição de “His Three Daughters” após ótimas críticas de sua estreia no TIFF. Em uma palestra moderada por David Fear, da Rolling Stone, e coberta exclusivamente pela IndieWire, Lyonne falou sobre por que ela abraçou o estereótipo para interpretar Rachel, uma usuária de maconha que acaba sendo a mais emocionalmente equilibrada de suas irmãs. Isso ocorre em parte porque Rachel ficou muito tempo ao lado de seu pai, enquanto Katie e Christina fugiram do ninho. Aqui, Lyonne dá sua melhor performance até agora como uma mulher lutando contra os estágios do luto enquanto tenta manter a cabeça fria.

Jacobs conheceu Lyonne em sua festa de aniversário em Nova York, onde ela exibiu “The King of Comedy”, de Martin Scorsese. Ele foi levado até lá, e não convidado, por sua estrela de “French Exit”, Lucas Hedges, mas Jacobs gostou de Lyonne depois que ela “curtiu” uma postagem nas redes sociais sobre “French Exit”.

“Ah, interessante. Grande jogada, Lucas. Eu estava pensando que era Chloë [Sevigny]. OK, legal. Fico feliz em saber”, disse Lyonne. Lyonne, assim como suas colegas de elenco, recebeu o roteiro de “His Three Daughters” sabendo que Jacobs o escreveu pensando nela.

“Sinceramente, fiquei muito surpresa por ser considerada um time desse nível”, disse Lyonne, adorada por papéis em “But I’m a Cheerleader” e “Slums of Beverly Hills” (a diretora do filme, Tamara Jenkins, também estava na plateia do Neuehouse no sábado). “Esse foi, para mim, um nível alto que eu não costumo interpretar, realmente em todos os aspectos. Também há aquele medo de pular do penhasco. Não há lugar para se esconder e nada para se esconder atrás. É como, ‘OK, bem, eu realmente preciso interpretar outra maconheira?’ Eu realmente não gosto de maconheiros. Eu gosto de outros tipos de coisas. As histórias deles são meio lentas, eles se perdem muito. Era como um estereótipo essencialmente, certo? Porque era esse grupo, no entanto… e como você [Azazel Jacobs] sabia que éramos nós. Esse tipo de especificidade é muito sedutor. Porque você fica tipo, ‘O que você quer dizer e como você sabe?’ Este é um negócio de rejeição, indo em grandes oscilações, tipo, ‘Primeiro, é Demi Moore, Sharon Stone, Viola [Davis]!’ As mesmas quatro. ‘Tipo, quem são as maiores estrelas internacionais?’”

“Você conhecia seu orçamento, conhecia suas restrições”, disse Olsen a Jacobs.

“Ninguém faz desse jeito”, disse Lyonne. “Só a ideia de que você sabia quem era, e que você estava entregando pessoalmente essa cópia impressa [do roteiro], se torna algo como, ‘Claro, eu acho.’ E então se torna assustador. Ficamos muito felizes que isso aconteceu porque descobrimos que realmente gostamos de você, então, obrigada, Aza [apelido de Azazel Jacobs].”

Jacobs dirigiu Olsen anteriormente na série da Apple “Sorry for Your Loss”. Aqui, ela novamente dá uma performance profundamente sentida, distante do mundo de “WandaVison” e mais alinhada com o trabalho independente em filmes como “Martha Marcy May Marlene”.

Olsen disse: “É diferente quando alguém diz: ‘Eu escrevi algo para você’ versus ‘Eu quero que você faça isso’. Porque quando eu faço a escolha de que quero fazer isso, eu procuro encontrar algo que seja adjacente e afastado de mim, eu tento aprender a navegar, e com alguém dizendo — o que eu nunca tive a experiência — ‘eu escrevi isso para você’. Eu realmente não me vejo como tão meiga [como a personagem Christina]. Eu me vejo como uma cuidadora, mas alguém que realmente lidera isso? Eu acho que eu lidero com um pouco mais de franqueza ou agressividade, potencialmente. Aza e eu tivemos uma conversa estranha sobre ele me ver desse jeito… Aza é tão empático, amável e gentil, então talvez eu me transforme, de certa forma. Ou talvez não.”

Quanto a Carrie Coon, ela entrega outra performance previsivelmente excelente, com falhas e tudo, como uma maníaca por controle com bagagem emocional. Jacobs dirigiu anteriormente seu marido Tracy Letts no lançamento da A24 “The Lovers”. “A primeira coisa que Tracy disse foi, ‘Aza escreveu um roteiro, então você está fazendo isso.’ Antes de eu ler, na verdade. Eu realmente conseguia me ver interpretando Katie. Isso não foi uma surpresa. Eu posso ser controladora, mas também posso ser muito relaxada e charmosa. Então você [Azazel Jacobs] disse que Lizzie [Olsen] e Natasha estavam fazendo isso. Se elas estão fazendo isso, eu definitivamente estou fazendo isso. Não importava qual era o roteiro, mas aconteceu que o roteiro também era realmente excelente, e eu não via relacionamentos escritos tão forma tão específica e realista há muito tempo.”

Coon, celebrada por suas participações em “The Leftovers” e “The Gilded Age”, da HBO, acrescentou: “Com o senso de humor e a estranheza, eu simplesmente não acho que haja muita escrita boa por aí, francamente. Não há muitos roteiros excelentes. Há muita arbitrariedade na arte, especialmente se você está trabalhando na TV. ‘Alguém leu essa cena? Não, tá bem, faremos assim. Tudo bem. Então foi muito bom ter alguém com uma visão tão específica.”

“His Three Daughters” dá aos atores muito espaço para atuar em cenas com discussões prolongadas e ressentimentos passados, como o fato de Katie reclamar sobre maçãs serem as únicas compras em casa. (Ou, mais tarde, ficar bem bêbada de vinho e repreender o namorado de Rachel, acusando-o de pisar na dor deles quando ele aparece.) Acontece que, como Rachel pode atestar, o pai delas simplesmente ama maçãs. E o filme também foi pessoal para Jacobs, que anteriormente escalou seus próprios pais para seu filme de sucesso de 2008, “Momma’s Man”.

“Eu tive experiência com pessoas próximas falecendo, e isso só aumentou conforme fui ficando mais velho, e sempre houve um medo com meus próprios pais”, disse Jacobs. “Há uma sensação de como o tempo mudou que eu estava realmente buscando e que eu realmente não tinha visto tanto em filmes, como o tempo entra em colapso e se expande quando você sabe que algo que você teme que aconteça vai acontecer, similarmente à forma como um filme vai terminar. Eu estava na metade do primeiro rascunho quando percebi que estava apenas imaginando [esses atores no filme].”

Trabalhando com o diretor de fotografia de “Lady Bird” e “Frances Ha”, Sam Levy, Jacobs também filmou “His Three Daughters” em 35 mm, e a maneira “analógica” particular de trabalhar do cineasta entusiasmou a cinéfila Lyonne.

“Aza é analógico, é o que estou realmente descobrindo”, disse Lyonne, acrescentando: “Em um mundo super, muito digital, de forma de arte perdida, panfletos, roteiro impresso à mão, notas no roteiro, tudo é sincronizado com a música na edição… Você sabe o que estou dizendo? Isso é um presente perdido para todos nós. Imagine se quando fôssemos fazer merda, não houvesse telefone, nem e-mails, você pudesse usar telefones fixos, fax, telegramas, falar com as pessoas na sala, é mais ou menos isso que acontece.”

“Com este filme, eu estava tentando criar um ambiente para o qual eu queria escapar. Mesmo que eu estivesse lidando com essas coisas pesadas, eu queria estar neste mundo. Eu queria estar com esses atores. Eu queria estar neste set. Eu queria ser capaz de caminhar até este lugar do meu bairro… Uma vez que encontramos aquele apartamento, que aquele pátio era exatamente perfeito, que não precisávamos juntar nada, que o corredor estava certo, eu não precisava duvidar de nada disso. Ficou muito claro o tempo todo, por qualquer motivo, com este filme especificamente.”

“His Three Daughters” será lançado em cinemas selecionados em 6 de setembro e globalmente na Netflix em 20 de setembro.

Fonte.

Ontem (13), Elizabeth Olsen juntou-se às atrizes Carrie Coon e Natasha Lyonne e ao diretor Azazel Jacobs para realizar uma sessão de perguntas e respostas sobre o filme ‘His Three Daughters’, exclusiva para jornalistas na cidade de Nova Iorque. Confira abaixo as fotos e os vídeos do evento:

JULY 13 – ‘HIS THREE DAUGHTERS’ SCREENING + Q&A IN NEW YORK CITY
EOBR001.jpgEOBR002.jpgEOBR003.jpg
JULY 13 – ‘HIS THREE DAUGHTERS’ SCREENING + Q&A IN NEW YORK CITY (INSIDE)
EOBR001.jpgEOBR002.jpg
 

 

His Three Daughters estreia na Netflix no dia 20 de setembro.

Nesta quinta-feira, 20, foi anunciado com exclusividade pela Variety a data de estreia do filme ‘His Three Daughters’, estrelado por Elizabeth Olsen, Natasha Lyonne e Carrie Con, confira as informações abaixo:

A Netflix lançará o magistral “His Three Daughters”, do aclamado cineasta Azazel Jacobs, um drama familiar cativante com os talentos estelares de Natasha Lyonne, Carrie Coon e Elizabeth Olsen, no calendário de filmes do outono. Centrado em três irmãs distantes que se reúnem para cuidar de seu pai doente, o filme estreará em cinemas selecionados em 6 de setembro antes de chegar à Netflix globalmente em 20 de setembro, revelado exclusivamente à Variety, além de uma nova imagem mostrada acima.

Também estrelado por Jovan Adepo, Jay O. Sanders, Rudy Galvan, Jose Febus e Jasmine Bracey, a Netflix adquiriu os direitos mundiais por cerca de US$ 7 milhões após sua estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Toronto de 2023.

Jacobs, conhecido por sua direção confiante em sucessos indie como “The Lovers” (2017) com Debra Winger e “French Exit” (2020) com Michelle Pfeiffer, escreveu, dirigiu e editou este filme. O principal crítico de cinema da OVariety, Owen Gleiberman, elogiou Jacobs como “um cineasta de segurança comovente e sem esforço”, até mesmo comparando o filme a uma versão de fala rápida de “Cries and Whispers” (1973) de Ingmar Bergman.

Estrategicamente, o lançamento de “His Three Daughters” foi brilhantemente cronometrado. Ele estreia logo após o encerramento do Festival de Cinema de Telluride e uma semana antes de Toronto, proporcionando uma contra programação perfeita para cinéfilos. Ele estreia no mesmo dia da tão aguardada sequência cômica sobrenatural “Beetlejuice Beetlejuice”, oferecendo uma alternativa comovente para os espectadores.

“His Three Daughters” será um dos principais candidatos da Netflix para a próxima temporada de premiações. Ele se junta à lista de outras aquisições de alto nível, como “Emilia Pérez”, de Jacques Audiard, garantida em Cannes, e a tão aguardada adaptação de “The Piano Lesson”, de August Wilson, do diretor estreante Malcolm Washington. A Netflix tem recebido consistentemente pelo menos uma indicação de melhor filme todos os anos desde 2018, com títulos como “Roma,” “The Irishman,” “Marriage Story,” “Mank,” “The Trial of the Chicago 7,” “Don’t Look Up,” “The Power of the Dog,” “All Quiet on the Western Front” and “Maestro”. Além disso, a Netflix teve pelo menos uma indicada para melhor atriz na programação durante esse período. Dependendo de qual das três atrizes poderosas fazem campanha, poderemos ver Coon, Lyonne e Olsen reconhecidos nas categorias principal ou coadjuvante.

Produzido por High Frequency Entertainment, Arts & Sciences, Tango, Animal Pictures, Talkies Inc. e Case Study Films, o filme conta com uma equipe de produção impressionante. Jacobs é acompanhado pelos produtores Alex Orlovsky, Duncan Montgomery, Lia Buman, Marc Marrie, Mal Ward, Matt Aselton, Tim Headington, Jack Selby e Diaz Jacobs.

Olsen, Coon e Lyonne também atuam como produtores executivos ao lado de Danielle Renfrew Behrens, Maya Rudolph, Peter Friedland, Neil Shah e Sophia Lin.

Fonte.

Elizabeth Olsen estrelará o filme “His Three Daughters” ao lado de Carrie Coon e Natasha Lyonne, dirigido por Azazel Jacobs.

Confira a breve sinopse que foi divulgada até o momento:

Um retrato tenso, cativante e comovente da dinâmica familiar estrelado por Carrie Coon, Elizabeth Olsen e Natasha Lyonne como irmãs que convergem após o declínio da saúde de seu pai

O longa estará presente no Festival TIFF 2023. O Festival Internacional de Toronto ou TIFF é um festival de cinema que ocorre todo mês de setembro na cidade de Toronto, Canadá desde 1976. Cerca de 400 filmes já foram exibidos no festival ao longo de sua existência. Além de exibições de filmes, o TIFF oferece palestras, discussões, festivais, workshops, eventos, desenvolvimento profissional e oportunidades para conhecer, ouvir e aprender com cineastas do Canadá e de todo o mundo.

Vale ressaltar que devido à greve do SAG-AFTRA, até o momento, nenhum ator poderá comparecer ao evento, mas se acontecer da greve ser finalizada antes, os atores poderão comparecer.

FILMES | MOVIES > 202? – HIS THREE DAUGHTERS > PRODUCTION STILLS
EOBR001.jpg

Como as experiências de Elizabeth Olsen e Robbie Arnett com a ansiedade inspiraram o livro infantil.

Os autores, marido e mulher, lançaram seu segundo livro infantil ‘Hattie Harmony: Opening Night’.

A atriz dos Vingadores, Elizabeth Olsen, e seu marido músico há três anos, Robbie Arnett, esperam ensinar as crianças a controlar a ansiedade.

O novo livro infantil do casal, Hattie Harmony: Opening Night (seguindo seu primeiro best-seller Hattie Harmony: Worry Detective ) oferece aos jovens leitores ferramentas para usar, como registro no diário, intervalos e auto-reflexão. Ambos os livros são ilustrados por Marissa Valdez.

“Lizzie e eu saímos para caminhar, discutimos e criamos esse personagem de Hattie Harmony”, disse Arnett, 31, à PEOPLE na edição desta semana. “Nós dois queríamos um Hattie quando éramos mais jovens.”

Quanto às suas próprias experiências pessoais com ansiedade, Olsen, 34, diz que a dela surgiu pela primeira vez aos 20 anos. “Tive ataques de pânico quando tinha 22 anos e pensei que havia algo de errado do ponto de vista médico comigo”, explica ela. “Eles são muito assustadores quando acontecem. Aprendi jogos para me manter presente e não girar. Também faço ioga desde os 17 anos. Felizmente, senti que tinha ferramentas.”

Arnett admite que cresceu “um garoto muito ansioso e minha família se mudava muito”, diz ele. “Nunca me senti realmente enraizado em lugar nenhum e tinha todos os tipos de medos. Tem sido útil desenvolver Hattie e realmente sentar com ele e pensar sobre a criança em mim.”

Trabalhar juntos tornou-se fácil para o par. “É tão engraçado porque eu tive esse instinto de pensar, ‘Oh, eu não sei, como vamos fazer isso?” Mas, honestamente, todo o nosso relacionamento é baseado na comunicação”, diz Olsen. “Obviamente, você esperaria que a maioria dos relacionamentos fosse, mas é muito fácil e agradável para nós resolver problemas.”

Arnett “é uma pessoa muito imaginativa e criativa”, continua a atriz. “E eu obviamente tenho uma carreira criativa, mas eu realmente amo resolver peças de quebra-cabeça tipo A. Então, enquanto ele vem com muitas ideias, tendo a descobrir como estruturamos o formato. Como transformamos isso em linguagem que podemos aprender com o psicólogo comportamental de uma criança? Como podemos usar essa linguagem e ainda torná-la divertida? É assim que nos equilibramos.”

“Todo escritor precisa de um bom editor”, acrescenta Arnett. “Sinto que esse tem sido o yin e o yang de nossa jornada.”

Fonte.

 

Alicia Vikander diz que seu papel no thriller de ficção científica ‘The Assessment’ é ‘bastante selvagem’ e ‘assusta’ ela

Alicia Vikander, a atriz sueca que ganhou um Oscar por seu papel em “A Garota Dinamarquesa” em 2015, assumiu uma gama notável de personagens nos últimos anos – mas ainda está expandindo seus limites, diz ela.

Falando no Festival de Cinema de Karlovy Vary , onde apresentou o drama histórico “Firebrand” na noite de abertura, Vikander diz que agora está se preparando para filmes que oferecem desafios distintamente diferentes de sua vez como Catherine Parr, a única das seis esposas de Henrique VIII a sobreviver o casamento.

Um personagem que ela admite que ainda está decifrando é a figura central do próximo filme de ficção científica “The Assessment”, um projeto de longa-metragem com o escritor/diretor Fleur Fortuné baseado em Paris.

“Recebi o roteiro enviado para mim”, diz Vikander, acrescentando que algo sobre a história a intrigou instantaneamente. Os detalhes ainda estão em segredo, diz ela, mas o filme se passa em um mundo de futuro próximo, no qual o estado decide quem pode ter filhos. Um casal é então notificado de que estão sendo considerados candidatos a pais.

Vikander, que será metade do casal em questão, segundo relatos, diz que a ideia de Fortuné se destacou do fluxo de roteiros que ela costuma receber.

“Para Fleur é seu primeiro longa. Mas eu peguei o roteiro e meio que sabia. Foi uma daquelas coisas em que virei a página e conheci Fleur para o primeiro Zoom.”

Vikander faz sua lição de casa ao considerar um papel, ela diz – “São como seis meses da minha vida.” O que ela aprendeu sobre o trabalho de Fortuné também a intrigou.

“Eu realmente fiz uma pesquisa profunda. E ela fez muitos curtas-metragens, videoclipes e trabalhos de arte com muitas pessoas muito interessantes e ela realmente tem uma voz clara. Ela é realmente impressionante.”

Fortuné, que fez vídeos extremamente criativos para Drake, Travis Scott e Skrillex, também conquistou Elizabeth Olsen por “The Assessment”, que está sendo produzido por Elizabeth Karlson e Stephen Woolley com Augenschein Filmproduktion e Number 9 Films.

“Instantaneamente, eu soube que queria trabalhar com ela”, diz Vikander sobre Fortuné. “E Lizzie Olsen, acho que ela é realmente uma atriz fantástica.”

Embora ela ainda não possa revelar muitos detalhes, Vikander diz: “É uma parte bem louca. Até o produtor diz, tipo, ‘O que você vai fazer?’ E eu disse: ‘Ainda não sei’. O que lhe dá um pouco de percepção.”

Uma parte fundamental do apelo parece ser o desafio, diz a atriz, lembrando como ela mudou de direção uma dúzia de vezes nos últimos anos, de grandes filmes de ação como o reboot de “Tomb Raider” de 2018 para dramas de época para a minissérie de Olivier Assayas na HBO “Irma Vep”, sobre uma estrela em conflito envolvida em uma equipe de produção disfuncional tentando recriar um clássico cult de vampiros.

“Eu já disse muitas vezes que gosto de fazer papéis que me assustam”, diz Vikander. O conceito da Fortuné se encaixa nesse sentido, diz ela. “Sinto como se nunca tivesse ido lá antes.”

Vikander confessa uma paixão por projetos de ficção científica, como o pesadelo de AI “Ex Machina”, que provou ser um papel de destaque para ela em 2014.

“The Assessment” oferece uma visão sombria semelhante de onde podemos estar indo como civilização, ao que parece. Vikander diz que “tem o aspecto de ficção científica, pois se passa em um futuro próximo e obviamente pode quebrar certas regras. Mas quando se trata disso, tem alguns aspectos de suspense que adoro no gênero. Mas também é um drama existencial, com emoções muito humanas.”

Vikander, que tem o marido Michael Fassbender e seu filho pequeno com ela em Karlovy Vary, diz que está em um lugar onde pode ser seletiva – e esperar por filmes que são importantes para ela.

“Meu foco é mais nos cineastas e nas pessoas envolvidas”, diz ela. “Eu realmente escolho meus projetos com base nas pessoas com quem vou trabalhar.”

Fassbender, que Vikander conheceu durante as filmagens de “The Light Between Oceans” em 2016, estará na tela ao lado dela novamente em breve na fantasia sombria do escritor/diretor Na Hong-jin “Hope”, outro projeto futuro.

“Além de meu marido ser um dos meus melhores amigos, acho que ele é um dos melhores atores de sua geração. Estou super animada para trabalhar com ele.”

Vikander confessa que ainda se sente quase intimidada por Fassbender como atriz, especialmente ao revisar os diários de suas apresentações.

“Se estou em casa e sentada em nosso pequeno cinema, é quando fico mais nervosa. Quando Michael vai ver.”

Mas Fassbender se sente tão nervoso quanto Vikandervendo suas performances cruas, ela diz com uma risada.

“Obviamente, é um trabalho que nos preocupa.”

Fonte.

Alicia Vikander e Elizabeth Olsen estrelarão ‘The Assessment’ para a Number 9 Films e augenschein Filmproduktion.

Alicia Vikander e Elizabeth Olsen assinaram contrato para estrelar The Assessment, o longa-metragem de estreia da cineasta francesa Fleur Fortuné, que está se preparando para uma filmagem em Colônia neste verão no MMC Studios.

O drama futurista é uma co-produção entre Stephen Woolley, da Number 9 Films do Reino Unido e augenschein Filmproduktion da Alemanha, e recebeu € 1 milhão do fundo regional de cinema de Colônia, Filmstiftung NRW. A distribuidora alemã Capleight já está pronta para lançar o filme.

Fortuné fez seu nome com uma série de curtas, comerciais e videoclipes visualmente impressionantes.

O roteiro é co-escrito por Neil Garfath-Cox, Dave Thomas e John Donnelly e se passa em um mundo destruído pelas mudanças climáticas. Parte da sociedade criou um mundo paralelo para si mesma. A vida é controlada e otimizada, e o desejo de ter filhos também não é deixado ao acaso. As vidas de um jovem casal de sucesso são, portanto, submetidas a um exame minucioso por uma assessora ao longo de sete dias.

Fonte.

Em 1980, a dona de casa do Texas Candy Montgomery foi acusada de assassinar sua amiga Betty Gore com um machado — foram encontrados surpreendentes 41 cortes no corpo de Gore. O crime e os eventos relacionados, incluindo um julgamento público no qual Montgomery foi considerada inocente após alegar legítima defesa — dizendo que Gore a atacou ao descobrir o caso de seu marido com sua amiga — são o tipo de história mais estranha do que a ficção que Hollywood adora. Na verdade, apenas um ano após esses eventos serem retratados na série “Candy” da Hulu, a Max apresentou a história em “Love & Death”.

Essa minissérie, escrita por David E. Kelley e baseada em grande parte no livro de 1984 “Evidence of Love: A True Story of Passion and Death in the Suburbs”, examina o antes e depois, incluindo o caso de amor entre Montgomery e Allan, marido de Gore. Com os personagens Candy e Allan exigindo muita nuance, Kelley e a produtora executiva e diretora Lesli Linka Glatter, que dirigiu cinco dos sete episódios de “Love & Death”, souberam imediatamente quem escalar.

“A primeira escolha foi Elizabeth Olsen”, diz Glatter em uma chamada de vídeo em abril. “Ela vai fundo e seus olhos permitem que você entre em sua psique. Ela tinha uma grande empatia por Candy e entrou na pele dela. Jesse Plemons também foi nossa primeira escolha para Allan. Jesse é um ator extraordinário, sutil e complicado, então eu senti que acertamos em cheio.”

Olsen e Plemons dizem que, por sua vez, foram atraídos para o projeto com base nos roteiros e no envolvimento do roteirista e diretor. Para Olsen, em particular, Candy representava o tipo de personagem que ela não havia tido a oportunidade de interpretar em um mundo que ela não havia experimentado anteriormente. Para se prepararem, os atores tiveram o livro, uma série de artigos da Texas Monthly e a transcrições do tribunal, além de algumas fotografias, mas, em última análise, não se tratava de imitar pessoas reais.

“Nas fases iniciais, você está apenas explorando o personagem na história”, diz Plemons. “Você está tentando reunir o máximo de informações possível, porque você nunca sabe se algo, mesmo pequenos trechos de um livro, pode desbloquear algo em sua mente. Depois, há uma certa quantidade de confiança de que você desbloqueou quem eles são em sua essência, lembrando a si mesmo que você não está fazendo um documentário sobre essas pessoas, você quer ser verdadeiro, honesto e respeitoso com quem você acredita que elas eram.”

Um aspecto importante ao trazer Candy para a tela era seu sotaque e sua aparência arrumada. Embora a verdadeira Montgomery tivesse um permanente bem enrolado, Glatter sentiu que isso seria uma distração para o espectador. Em vez disso, o visual de Candy é baseado no que era atual e tendência na época. Sua voz reflete alguém que vive no Texas, mas não é originalmente de lá.

“Nós não temos gravações de suas vozes, então fazer essa escolha, para mim, foi um grande momento de personagem”, diz Olsen. “De repente, você começa a sentir isso em seu corpo — como essas pessoas falam e como escolhem se apresentar ao mundo e como usam sua voz para superar ou esconder ou o que quer que precisem fazer. Para mim, ela parecia alguém que usaria sua feminilidade para ser doce ou tentar fazer as pessoas se apaixonarem por ela.”

O relacionamento entre Candy e Allan, que impulsiona os primeiros episódios, foi cuidadosamente traçado. Os atores entraram com um roteiro do caso dos personagens, e Glatter fez um esforço para filmar cronologicamente tanto quanto possível, para que o arco emocional fosse claro.

Mas no meio do caminho, a série dá uma reviravolta dramática, tanto tonalmente quanto narrativamente. Embora tenha sido sugerido nas cenas iniciais, o espectador finalmente vê o confronto entre Candy e Betty (interpretada por Lily Rabe). Filmada ao longo de três dias, a cena retrata o assassinato de forma estilizada, aberta a interpretações. Foi coreografada com base nas 41 lacerações descritas durante o julgamento de Montgomery. “Sua adrenalina entra em ação”, lembra Olsen das filmagens. “É quase como se você estivesse filmando a coisa, e é depois das filmagens que você tem essa experiência insana. Não foi uma sensação boa”.

“Mesmo sendo o mais clínico possível, quando essas duas atrizes incríveis habitaram essas personagens, foi realmente uma das coisas mais perturbadoras que já filmei na vida”, diz Glatter. “No final do dia — eu sei que não tem choro no beisebol – mas posso dizer que nos abraçamos e simplesmente choramos”.

Os episódios subsequentes mostram as consequências, já que Candy inicialmente finge não saber quem matou Betty e Allan descobre que perdeu sua esposa, e depois o julgamento. Ao longo de tudo isso, era importante que todos não julgassem os personagens. Glatter queria garantir que a série mostrasse os dois lados de cada pessoa e não queria deixar ninguém escapar impune. Os atores sentiram o mesmo. Mesmo ao interpretar alguém acusada de assassinato, Olsen queria garantir que tudo viesse de um lugar de mente aberta e curiosidade.

“Eles tomaram decisões realmente estranhas”, diz Olsen sobre Candy e Allan. “Ou, do ponto de vista externo, parecem estranhas e você pode rapidamente julgá-las. E isso não é o que torna interessante. Em vez disso, você pode trabalhar de trás para frente: Se eles tomaram aquela decisão, então como podemos mostrar como eles interagem com o mundo que poderia potencialmente levar a essa tomada de decisão?”

Das ações de Candy, ela acrescenta: “Vamos apenas tentar imaginar que foi legítima defesa. É realmente difícil entender por que alguém não ligaria para a polícia e depois mentiria sobre isso, então você tem que tentar descobrir como ela está se apegando às opiniões das outras pessoas sobre ela. Como tudo em sua vida vai mudar e ela não quer que isso aconteça. Realmente não temos ideia do que se passa em sua mente quando você está em circunstâncias tão extremas”.

Depois que os sete meses de filmagens foram concluídos no final de 2021, Olsen e Plemons descobriram que a experiência de fazer “Love & Death” foi transformadora.

“Eu adorei ter uma voz que está fora da minha. Agora tenho novos objetivos por causa dessa série. Realmente quero trabalhar na conexão entre minha voz e meu corpo. Estranhamente, me senti tão livre no corpo de Candy. Eu senti que poderia fazer qualquer coisa.”

Para Plemons, “Love & Death” foi uma oportunidade de estar no momento durante as filmagens e confiar em seu processo.

“Estou sempre tentando me aproximar de sair do meu próprio caminho”, diz o ator. “Trata-se de abandonar todas as suas noções, expectativas e preparações, confiar em si mesmo e estar totalmente presente, ouvir e embarcar na jornada. O que me alimenta e me deixa mais animado em fazer isso novamente são aqueles momentos em que você realmente sente que está lá. Você não está tentando ser esperto em nada. Você está permitindo que aconteça, seja como for”

Fonte.

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS | PHOTOSHOOTS > 2023 > LOS ANGELES TIMES BY ROGER KISBY
EOBR001.jpgEOBR002.jpgEOBR003.jpg

“Love & Death” de Max reviveu os subúrbios do Texas dos anos 1970 sob a direção da figurinista do show, Audrey Fisher, e da desenhista de produção, Suzuki Ingerslev.

A série limitada conta a história verídica do assassinato de Betty Gore (Lily Rabe) por Candy Montgomery (Elizabeth Olsen) após Betty descobrir que Candy estava tendo um caso com seu marido, Allan Gore (Jesse Plemons). A história ganhou as manchetes durante o sensacional julgamento de Candy.

Os designers adquiriram produtos de todo o país e contaram com a ajuda de armazéns de fantasias, lojas de trapos, brechós, antiquários, fabricantes de azulejos, impressoras de papel de parede e Facebook Marketplace.

Aqui, Ingerslev e Fisher detalham alguns dos looks para a Variety.

Ingerslev: Eu o glorifiquei um pouco sem torná-lo muito precioso. Nosso objetivo ao contar histórias é garantir que as pessoas saibam em que período estão. Existem elementos-chave que sempre vão desencadear isso. Você tem um pouco de licença artística para brincar e se divertir com isso. Para mim, são os cenários, o papel de parede, as bugigangas que todo mundo reconhece, mas quando você joga os carros e as roupas, você está lá.

Fisher: Lembro-me de minha mãe vestindo certas roupas ou lembro de usá-las. Algumas das melhores pesquisas são fotos de família; Suzuki compartilhou fotos comigo e tirei fotos da minha infância, retratos da escola e fotos da vida familiar.

O Primeiro Encontro

Ingerslev: Candy escolhe o primeiro hotel em que eles começam o caso, e eu realmente queria que parecesse que você levaria sua família para lá. Então acabamos refazendo aquele hotel e depois construímos o interior. Eu queria que aquele [segundo] hotel parecesse desprezível, e nada parece mais desprezível do que uma colcha de veludo e papel de parede flocado. Eu fiz com que parecesse um pouco mais sinistro à medida que o relacionamento avançava e, conforme eles experimentavam sexo, eles se tornavam mais livres.

Fisher: A lingerie segue um arco. Ela começa com essa incrível roupa de gatinha sexy de conto de fadas. É extremamente feminino, mas também muito recatado. À medida que o caso continua e eles começam a ficar mais à vontade um com o outro, queríamos que simbolizasse que Candy está se sentindo confortável e confiante. Então sua lingerie fica um pouco mais aerodinâmica, mais simples e mais reveladora.

Candy contra Betty

Ingerslev: Candy é uma designer de interiores moderna – ela é alegre e feliz e vive sua melhor vida, você pensa na época. Queria que a cozinha dela fosse em tons de terra, laranjas, vermelhos e amarelos porque ela é uma pessoa alegre. Eu queria que Betty estivesse mais no blues e usasse os móveis mais antigos e escuros. Os tetos são mais baixos, com nuances um pouco mais religiosas. Eu a chamei de “compradora da Sears”. Tudo é compatível.

Fisher: Quando fizemos nossa apresentação para a HBO, Suzuki pegou algumas pequenas paletas de cores para fazer referência às duas famílias. Essas paletas de cores mostram tudo. A casa de Candy é quente, é rica. A paleta de cores da casa de Betty é um pouco mais fria, um pouco mais escura. Com Candy, inclinei-me muito para a minha cor favorita nela, aquele rosa rico. Eu senti que ela era a única que poderia carregar isso nesta pequena cidade. Ela era a exceção. Sim, ela faz parte da igreja, mas para ela, é mais um sistema social ao qual ela está conectada. Considerando que, para Betty, ela foi criada muito seriamente como metodista e essa é a personalidade dela, esse é o compromisso dela.

Criando a cena do crime

Ingerslev: Os materiais eram escassos. Ligamos para diferentes estados e enviamos coisas. O azulejo amarelo no banheiro era impossível de encontrar. Eu fui para a Astek [varejista de revestimento de parede] em Van Nuys e o escritório tinha livros de papel de parede vintage autênticos lá. Eles tinham grandes máquinas de impressão do tamanho de um pequeno trator, e ele imprimiu todos os pisos de linóleo e papel de parede lá. Alguns desses designs não eram vistos há 50 anos.

O julgamento

Fisher: Eu estava realmente baseando-me na pesquisa dos canais de notícias locais que cobriram o julgamento. À medida que entramos no julgamento, diminuí um pouco o tom de Candy, porque seu advogado disse a ela que precisava diminuir um pouco. Ela teve que perder peso e usar roupas muito mais recatadas para parecer uma dona de casa inofensiva e vulnerável que nunca faria uma coisa tão horrível. Então ela precisava deixar isso de lado e assumir aquela aparência mais de dona de casa, modéstia, frequentadora de igreja, íntegra e jovem.

Fonte.

12 de Abril
Elizabeth foi vista nas ruas de Los Angeles.

FOTOS DE PAPARAZZI | CANDIDS > 2023 > APRIL 12 – OUT IN LOS ANGELES
EOBR004.jpgEOBR005.jpgEOBR011.jpgEOBR021.jpg
 

19 de Abril
Elizaebth Olsen viajou para Nova Iorque para divulgar a minissérie ‘Love & Death’.

FOTOS DE PAPARAZZI | CANDIDS > 2023 > APRIL 19 – ARRIVING AT ‘TODAY SHOW’ IN NEW YORK
EOBR024.jpgEOBR015.jpgEOBR017.jpgEOBR029.jpg
FOTOS DE PAPARAZZI | CANDIDS > 2023 > APRIL 19 – LEAVING ‘TODAY SHOW’ IN NEW YORK
EOBR011.jpgEOBR005.jpgEOBR017.jpgEOBR008.jpg
FOTOS DE PAPARAZZI | CANDIDS > 2023 > APRIL 19 – OUT IN TRIBECA, NEW YORK
EOBR002.jpgEOBR005.jpgEOBR011.jpgEOBR008.jpg
FOTOS DE PAPARAZZI | CANDIDS > 2023 > APRIL 19 – ARRIVING AT HER HOTEL IN NEW YORK
EOBR001.jpgEOBR003.jpgEOBR005.jpgEOBR007.jpg
FOTOS DE PAPARAZZI | CANDIDS > 2023 > APRIL 19 – OUT IN NEW YORK
EOBR003.jpgEOBR002.jpgEOBR004.jpgEOBR006.jpg
FOTOS DE PAPARAZZI | CANDIDS > 2023 > APRIL 19 – ARRIVING AT ‘THE LATE SHOW WITH STEPHEN COLBERT’ IN NEW YORK
EOBR003.jpgEOBR005.jpgEOBR006.jpgEOBR011.jpg
FOTOS DE PAPARAZZI | CANDIDS > 2023 > APRIL 19 – LEAVING ‘THE LATE SHOW WITH STEPHEN COLBERT’ IN NEW YORK
EOBR003.jpgEOBR004.jpgEOBR001.jpgEOBR007.jpg
FOTOS DE PAPARAZZI | CANDIDS > 2023 > APRIL 19 – ARRIVING AT HER HOTEL IN NEW YORK
EOBR002.jpgEOBR004.jpgEOBR012.jpgEOBR008.jpg
PROGRAMAS DE TV E RÁDIO | TALK SHOWS AND RADIO STATIONS > 2023 > APRIL 19 – THE LATE SHOW WITH STEPHEN COLBERT IN NEW YORK
EOBR001.jpgEOBR002.jpgEOBR003.jpg
26 de Abril

Elizabeth compareceu a premiere da minissérie ‘Love & Death’ em Los Angeles.

FOTOS DE PAPARAZZI | CANDIDS > 2023 > APRIL 26 – ARRIVING TO THE ‘LOVE & DEATH’ PREMIERE IN LOS ANGELES
EOBR002.jpgEOBR003.jpgEOBR004.jpgEOBR010.jpg
APARIÇÕES E EVENTOS | APPEARANCES AND EVENTS > 2023 > APRIL 26 – “LOVE & DEATH” PREMIERE IN LOS ANGELES
EOBR004.jpgEOBR009.jpgEOBR011.jpgEOBR021.jpg
APARIÇÕES E EVENTOS | APPEARANCES AND EVENTS > 2023 > APRIL 26 – “LOVE & DEATH” PREMIERE AFTERPARTY IN LOS ANGELES
EOBR001.jpgEOBR004.jpgEOBR005.jpgEOBR008.jpg

27 de Abril

Elizabeth Olsen se junta com o elenco de ‘Love & Death’ no FYC do Emmy 2023.

29 de Abril
Elizabeth e o seu marido, Robbie Arnett, foram vistos fazendo compras em Studio City.

FOTOS DE PAPARAZZI | CANDIDS > 2023 > APRIL 29 – OUT SHOPPING IN STUDIO CITY
EOBR004.jpgEOBR005.jpgEOBR011.jpgEOBR015.jpg

Confira agora todos os photoshoots e entrevistas legendadas concedidas por Elizabeth Olsen no mês de abril:

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS | PHOTOSHOOTS > 2023 > THE WASHINGTON POST BY SEAN SCHEIDT
EOBR002.jpgEOBR003.jpgEOBR004.jpgEOBR005.jpg
ENSAIOS FOTOGRÁFICOS | PHOTOSHOOTS > 2023 > BUZZFEED CELEB: PUPPY INTERVIEW BY TAYLOR MILLER
EOBR001.jpgEOBR002.jpgEOBR004.jpgEOBR006.jpg
ENSAIOS FOTOGRÁFICOS | PHOTOSHOOTS > 2023 > HARPER’S BAZAAR BY CATIE LAFFOON
EOBR001.jpgEOBR002.jpg

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS | PHOTOSHOOTS > 2023 > DEADLINE BY MICHAEL BUCKNER
EOBR001.jpgEOBR002.jpg