Elizabeth Olsen é a capa de mais uma revista: a S Magazine! A mesma concedeu uma entrevista exclusiva à revista e um belíssimo ensaio fotográfico. Confira abaixo a tradução realizada pela nossa equipe:

Autenticidade, a capacidade despretensiosa (mesmo que consciente) de apresentar uma imagem e semelhança de si mesmo ao mundo, é uma das qualidades mais atraentes das mídias sociais.

Especialmente para celebridades cujo comando sobre sua imagem pública foi grandemente usurpado pelo jornalismo dos tablóides e paparazzi(s) incessantes, as mídias sociais podem apresentar uma oportunidade vantajosa para recuperar um senso de propriedade sobre suas narrativas, ao mesmo tempo em que expressam suas verdades individuais. Ao mesmo tempo, porém, essas exibições públicas de natureza mais franca podem se tornar um meio perfeito de mercantilização, seu naturalismo um ativo vendável em um mercado que favorece interações honestas.

Elizabeth Olsen, falando pelo Zoom de Los Angeles, confirma que seu curto período no Instagram foi, na maioria das medidas, um empreendimento comercial. “Eu não vou ser tímida sobre isso: você tenta a mídia social como ator porque há um ganho financeiro – é por isso que estamos nessas plataformas”, ela admite com a língua firmemente plantada na bochecha. “Não me sinto à vontade para vender coisas, mas achei melhor tentar. Não fez eu me sentir bem, mesmo que fosse algo em que eu acreditasse. Não me considero uma vendedora ou uma personalidade, então realmente não combinava comigo.” Onde a maioria das celebridades de Hollywood são firmes na criação de uma identidade que equilibra franqueza e comércio para o mundo testemunhar, é revigorante ver um indivíduo com um prestígio cultural tão bem estabelecido reconhecer que esse ato de equilíbrio é mais tedioso do que edificante.

Mas antes de sair do Instagram, a atriz admite que ela pode ter descoberto a razão de ser de sua presença online. “Acho que encontrei meu nicho durante a pandemia, no começo, antes de deletar, que eram meus vídeos de jardinagem”, revela. “Eu estava tipo, se eu me apresentasse como qualquer coisa, seria a mulher maluca que eu sou, que apenas mostra às pessoas coisas com as quais elas não se importam!”

A ascensão de Olsen em Hollywood foi um processo gradual que se baseou em sua disciplina educacional. Além de frequentar a famosa Tisch School of the Arts da Universidade de Nova York, que conta com os vencedores do Oscar Chloé Zhao e Lady Gaga como ex-alunas, Olsen também passou um semestre de treinamento na Moscow Art Theatre School, onde aperfeiçoou seu ofício como uma expressiva contadora de histórias. A partir daí, a atriz marcou seu primeiro papel no filme indie “Martha Marcy May Marlene”, um thriller complexo que pinta um retrato angustiante da desilusão psicológica de uma jovem depois de escapar de um culto.

Na esteira de “Martha Marcy May Marlene”, e da aclamação brilhante que Olsen recebeu por uma performance tão crua e intransigente, seu currículo começou a se diversificar dramaticamente, já que ela apareceu em títulos independentes e blockbusters. No entanto, sua proeminência na indústria do entretenimento atingiu seu ápice quando ela foi escalada para o universo cinematográfico da Marvel, onipresente e consumidor de zeitgeist, onde ela interpreta Wanda Maximoff, também conhecida como Feiticeira Escarlate. Depois de aparecer pela primeira vez em um teaser pós-créditos não creditado em “Capitão América: O Soldado Invernal”, Wanda, uma refugiada Sokoviana, fez sua estreia na franquia em “Vingadores: Era de Ultron” e posteriormente apareceu em um bando de produções como parte da equipe titular de militantes ilustres lutando contra a catástrofe. Ao ser escalada como a Feiticeira Escarlate, Olsen ficou imediatamente encantada com a ambiguidade moral do personagem. “Desde o primeiro dia, com “Era de Ultron”, você nunca poderia colocá-la do lado de ser uma pessoa boa ou uma pessoa má”, observa ela.

“Wanda sempre questionou os princípios de outras pessoas e teve uma opinião que pode parecer eticamente conflitante.” Wanda é a primeira personagem que ela retrata nas telas grandes e pequenas, e Olsen se sente abençoada por poder habitar um indivíduo que sofre uma série de eventos perturbadores e, finalmente, demonstra uma humanidade que afeta, especialmente para uma feiticeira. “Nós experimentamos sua dor, um conflito de si mesma ao abrigar seu imenso poder, bem como sua busca em encontrar uma família com seu clã Vingadores.”

Para Olsen, a busca de Wanda pela auto-realização atingiu um novo nível de nuance na minissérie original do Disney+, “WandaVision”, no qual ela estrelou ao lado de seu interesse amoroso na tela Paul Bettany, também conhecido como Visão. Olsen observa que ao longo dos nove episódios do programa, que atravessaram várias épocas culturais e temporais, o público conseguiu obter um retrato claramente delineado de sua personagem. “O show conseguiu expandir sua vida interior, colocando-a em primeiro plano para que o público possa entendê-la melhor do que foi mencionado anteriormente”, diz Olsen. Como um aparte, a atriz também revela que, por semanas após as filmagens, alguns dos maneirismos que ela teve que pegar durante a produção ficaram com ela mesmo quando ela estava fora do personagem, principalmente “Oh, querida!”, que ela diz em uma maneira divertidamente entusiasmada que lembra Audrey Meadows em “The Honeymooners”.

Como a nova adição ao cosmos cinematográfico do colega ocultista Doutor Estranho em “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”, Wanda consegue exibir um forte senso de agência em seu primeiro passeio pós-WandaVision. “Com “Doutor Estranho”, nós realmente conseguimos vê-la como uma pessoa fundamentada e com muita clareza. Embora ela possa continuar a ter uma opinião diferente dos outros dentro do filme, é exatamente isso que faz com que interpretá-la seja um privilégio tão especial”, observa Olsen. Enquanto Wanda frequentemente se atrapalhava com a imensidão de seu poder sobrenatural em adições anteriores ao cânone da Marvel, a atriz observa o quão incrível é testemunhar “quanta propriedade ela tem sobre sua bruxaria agora e como ela é capaz de aproveitá-la em novos poderes. maneiras.”

Assim que as filmagens de “WandaVision” terminaram no final de 2020, Olsen se mudou para a Inglaterra para começar a produção de “Doutor Estranho”, que ela admite ter sido uma experiência criativa gratificante que realmente permitiu que ela permanecesse dentro da mentalidade de Wanda. Uma vez que ela recebeu o roteiro final antes das filmagens, a atriz foi capaz de usar seus anos de experiência habitando a Feiticeira Escarlate para simplificar sua interpretação em um todo mais coerente. “Eu nem tinha terminado “WandaVision” quando ouvi a história de que eles estavam me lançando para o “Doutor Estranho”, revela Olsen. “Houve um pouco de colaboração entre mim e a equipe. Eu dava notas sobre a caracterização de Wanda – eu sei como ela fala, certos elementos de sintaxe que, se você estiver falando com sotaque, você simplesmente não diria, enquanto também remove alguns dos coloquialismos para o diálogo americano que não faziam senso. Eu me sinto mais dona agora que já faz tanto tempo.”

Uma linha que é evidente nos vários personagens que Olsen teve a oportunidade de retratar, de Martha a Wanda, é a chance de mostrar pessoas que podem, às vezes, ter uma bússola moral questionável. “Isso é o que me faz ir”, ela exclama. “Como interpretamos pessoas que talvez pareçam estar fazendo coisas ruins, ou erradas, ou com as quais discordamos, e como podemos ter empatia por elas e ver seu ponto de vista?” Olsen continua a observar: “Acho que, como sociedade, todos nós poderíamos entender um pouco mais de onde as pessoas vêm quando não concordamos com elas. Então, isso é algo que eu procuro nos personagens, e com Wanda, eu sempre fui capaz de explorar isso, especialmente quando ela está dominando uma cidade inteira e suas mentes.”

Olsen acabou de encerrar a minissérie da HBO Max “Love and Death”, escrita por David E. Kelley, de “Big Littles Lies“, que ela descreve como “um mundo verdadeiramente cinematográfico e expansivo” que lhe permitiu “construir [o tipo de] personagem que eu nunca pude interpretar por um tempo, então isso foi muito satisfatório.” Em outros lugares, a atriz também está interessada em explorar “merdas mais engraçadas”, um alívio criativo bem-vindo das profundezas psicológicas angustiantes que se tornaram seu cartão de visita na tela.

No entanto, certamente há um pouco de ambiguidade no que está por vir para Olsen. Ela já havia discutido a ideia de se mudar de uma cidade grande e mudar de casa ou voltar para a escola para se tornar uma arquiteta. “Eu acho que é algo que eu quero estar aberta para que eu não me sinta obrigada a ser uma atriz ou uma pessoa pública de alguma forma,” ela revela. “Sempre me emociono muito com pessoas que têm grandes transições de vida com empregos, porque é uma das coisas mais assustadoras que podemos fazer, reconhecer que talvez algo não esteja mais funcionando para nós e depois investir totalmente em uma direção totalmente diferente que não tem tanta proteção ou segurança. Isso não significa fracasso em uma coisa – significa apenas tempo para seguir em frente.”

Talvez nesta próxima fase de sua vida, ela possa reviver a excêntrica dama do jardim que ela brevemente deu vida no Instagram. Seja qual for o caminho que Olsen escolher, ela certamente trará a intensa dedicação que se tornou uma marca registrada de sua carreira de atriz luminescente.

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS | PHOTOSHOOTS > 2022 > S MAGAZINE

EOBR001.jpgEOBR002.jpgEOBR003.jpgEOBR004.jpg

Tradução: Equipe EOBR | Fonte.

A premiada atriz Elizabeth Olsen e o estimado músico Robbie Arnett criaram uma nova abordagem para o bem-estar em uma nova série de livros que mostra às crianças maneiras de controlar a ansiedade.

Conheça Hattie Harmony, a detetive das preocupações.

Ela está sempre disponível para ajudar seus amigos quando eles precisam dela. E o primeiro dia de aula pode causar muito nervosismo, desde falar na frente da classe até pegar o ônibus. Hattie sempre encontra as ferramentas perfeitas para acalmar o corpo e a mente de seus amigos. Mas quando seus próprios medos começarem a borbulhar, será que Hattie aprenderá a superá-los sozinha?

A aclamada atriz Elizabeth Olsen e o estimado músico e escritor Robbie Arnett criaram um novo personagem irresistível cheio de calor e humor para apresentar aos leitores mais jovens a importância do autocuidado.

O livro é de capa dura e custa $17,99 (R$ 102,00), e será publicado pela Viking Children’s Books em 28 de junho de 2022.

Tradução: Equipe EOBR | Fonte.

O casal anunciou seu primeiro livro infantil “Hattie Harmony: Worry Detective”, que será publicado pela Viking Children’s Books em 28 de junho de 2022.

Elizabeth Olsen e seu marido Robbie Arnett se preocupam com o bem-estar, e querem que os mais pequenos também se preocupem com isso. Na quinta-feira, (16), o casal anunciou seu primeiro livro infantil “Hattie Harmony: Worry Detective”, que será publicado pela Viking Children’s Books em 28 de junho de 2022.

“Robbie e eu não poderíamos estar mais emocionados em apresentar ‘Hattie Harmony’ ao mundo,” a atriz de WandaVision de 32 anos disse à People em uma declaração exclusiva. “Inspirado pelos livros ilustrados que adorávamos quando crianças, esperamos que ‘Hattie’ se torne uma amiga e um lembrete bem-vindo de ser gentil com você mesmo e com os outros.”

Ela continua: “Não poderíamos ter trazido o mundo de ‘Hattie’ à vida sem as ilustrações imaginativas de Marissa Valdez. Nas palavras de ‘Hattie Harmony’… ‘Preocupe-se, preocupe-se, vá embora… Hoje não há tempo para você.'”

‘Hattie Harmony: Worry Detective’ é o primeiro livro da nova série do casal. Ilustrado por Marissa Valdez, o livro ilustrado segue ‘Hattie Harmony’, uma “Detetive das Preocupações”, que ajuda seus amigos a superar suas ansiedades cotidianas, como entrar no ônibus escolar ou falar na frente de seus colegas. Com doçura e calor, ela também encontra maneiras de lidar com seus próprios medos.

“Quando nos sentamos para escrever ‘Hattie Harmony’, nosso objetivo era criar um personagem relacionável que tornasse a conversa sobre sentimentos complicados divertido e envolvente para as crianças”, explicam Olsen e Arnett, 29, em uma declaração conjunta.

“Esperamos que ‘Hattie Harmony’ se torne um lembrete bem-vindo de que não há problema em falar quando precisamos de ajuda”, eles continuam, “e sempre tratar a nós mesmos e aos outros com gentileza”.

A dupla fez sua primeira aparição pública como um casal em setembro de 2017. Olsen é amada pelos fãs da Marvel por sua interpretação de Wanda Maximoff e Arnett é uma vocalista da banda indie Milo Greene. Agora, eles estão juntando forças criativas para ensinar as crianças sobre bem-estar.

“Elizabeth e Robbie trouxeram muita empatia e humor para ‘Hattie Harmony’ , que apresenta aos jovens leitores a importância do autocuidado”, disse Tamar Brazis, editora associada da Viking Children’s Books, em um comunicado. “Esta nova série empolgante oferece aos pais e filhos ferramentas úteis que eles podem praticar sempre que precisarem de uma ajudinha para voltar ao momento presente.”

‘Hattie Harmony: Worry Detective’ chega às lojas em 28 de junho de 2022.

Tradução: Equipe EOBR | Fonte.