Foi divulgado hoje mais cedo uma nova entrevista de Elizabeth Olsen para a Variety, na qual a atriz falou sobre sua vida pessoal, vida profissional, profissional e confirmou que em breve irá começar a gravar um novo filme que ainda não foi divulgado oficialmente, confira a tradução abaixo:

Era Elizabeth Olsen o tempo todo! Como ela atingiu a magia Marvel e cimentou Wanda como a personagem mais poderosa do MCU.

Quando o público viu pela última vez Elizabeth Olsen como Wanda Maximoff na bilheteria da Disney em maio, “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”, certamente parecia que o tempo de Olsen no Universo Cinematográfico da Marvel havia acabado. Definitivamente, na verdade: um castelo inteiro desabou sobre Wanda, um prédio derrubado por sua própria magia poderosa depois que ela se sacrificou para destruir o Darkhold – o livro maligno que a corrompeu, transformando-a em uma vilã quase imbatível durante a maior parte do filme.

Para Olsen, 33 anos, que explodiu no mundo do cinema com a sensação do Festival de Cinema de Sundance de 2011, com “Martha Marcy May Marlene” – e viu seu perfil disparar como Wanda (também conhecida como Feiticeira Escarlate) em seis filmes da Marvel, começando com uma participação especial no meio dos créditos em “Capitão América: O Soldado Invernal” de 2014 e, mais tarde, a série de TV Disney + de 2021 “WandaVision” – a transformação do personagem em escuridão levou alguns ajustes. “Bem, isso é um grande salto em relação à mulher que estou interpretando!” ela se lembra de pensar depois de saber que seria Malévola na sequência dirigida por Sam Raimi de “Doutor Estranho”.

Mas ela entrou nessa. “Pelo menos na minha experiência, tem sido difícil como mulher expressar raiva”, diz Olsen. “É um dos sentimentos mais incríveis, porque é tão específico: você pode saber exatamente por que está com raiva.”

Durante um longo almoço em um dia insuportavelmente quente de setembro perto de sua casa em Los Angeles, Olsen – que irradia tranquilidade – não revela o que a faz sentir raiva. “Ah, esses são segredos divertidos de guardar,” ela diz com um sorriso. “Mas eu tenho raiva. Eu sinto que no momento em que você, como ator, revela coisas sobre você que são meio que seu ‘combustível’, por falta de uma palavra melhor, então seu combustível é exposto e isso significa menos.”

Em seus anos no MCU, Wanda de Olsen perdeu seus pais, seu irmão, seu marido e seus dois filhos, os quais existem em algum lugar do multiverso. Ela tem muito do que se zangar. De acordo com Kevin Feige, presidente da Marvel Studios, as habilidades de Olsen são o motivo pelo qual o arco de Wanda tem sido tão complexo. “Nós só teríamos ousado tentar algo como ‘WandaVision’”, diz Feige, “porque Lizzie é uma atriz excepcional”.

Durante a reação vibracional em Hollywood a “Martha Marcy May Marlene” há mais de 11 anos, tornou-se quase uma curiosidade que Olsen fosse de fato a irmã mais nova das gêmeas Mary-Kate e Ashley Olsen: sua incipiente celebridade Sundance parecia diametralmente oposição à sua popularidade massiva e mainstream. As gêmeas Olsen ficaram famosas ainda bebês, dividindo o papel da criança Michelle Tanner em “Full House”, e acabaram se tornando magnatas, presidindo um império de US$ 1 bilhão construído em filmes direto para a TV (quando eram pré-adolescentes) e moda ( em seus 20 anos). Olsen não sabe quando percebeu o quão famosas suas irmãs eram, mas se lembra de fazer cruzeiros nos quais sair com as gêmeas Olsen era a principal atração para os fãs. Isso foi divertido? “Bem, eu gostei, porque eu não estava trabalhando.”

Aos 8 anos, enquanto morava em San Fernando Valley, Elizabeth começou a fazer audições. Mas depois que sua agenda fez com que ela perdesse muitas aulas de balé, seu professor de dança disse que ela não teria permissão para se apresentar no “Quebra-Nozes” daquele ano, o que “realmente me chateou. E então, depois disso, eu simplesmente parei de fazer o teste.” Seu pai a aconselhou a escrever uma lista de prós e contras para ver se valia a pena tentar agir profissionalmente. “E a lista de contras para continuar era muito alta”, diz Olsen. “Eu gostava muito de esportes. Eu realmente amava a escola. Eu tinha um grupo muito grande de amigos.”

Então ela abandonou as audições e optou por um caminho educacional mais típico. Então, na prestigiosa escola Campbell Hall em Studio City, ela diz que “se apaixonou” pela atuação e decidiu frequentar a Tisch School of the Arts da NYU. “Atuar para mim sempre foi um estudo; nunca foi algo que você fez apenas por um trabalho”, diz Elizabeth. Através de seu trabalho na Atlantic Theatre Company, afiliada à NYU, ela conseguiu a agente que ainda tem hoje, Rhonda Price, em Gersh – que, após o primeiro ano de faculdade de Olsen, começou a enviá-la para as audições que levaram a “Martha Marcy May Marlene” e o thriller de terror em tempo real “Silent House”, os dois filmes de Sundance que colocaram a carreira de Olsen em movimento. “Escolher ir para a NYU mudou o curso da minha vida”, diz ela. “E é selvagem quando você pensa sobre isso.”

Durante seus intervalos da Marvel, Olsen tendeu a voltar a filmes independentes, com projetos como “Wind River” e “Ingrid Goes West”, ambos lançados em 2017. Mas o que ela criou como mulher dentro do MCU é significativo. Ela se tornou um dos personagens mais populares da franquia e uma estrela dinâmica e internacional. Tanto que “WandaVision” não apenas lançou a Fase Quatro da Marvel, mas ela se viu como a principal antagonista de Benedict Cumberbatch em “Multiverse of Madness”, um filme que ela assinou por pensar que seria uma típica mistura do MCU dos Vingadores, e ela seria uma das muitas na trupe maior. A Marvel guarda segredos até mesmo de seus próprios protagonistas, e a surpresa – sobre o tamanho de seu papel e sobre Wanda ser a grande vilã do filme – foi revelada a Olsen em uma reunião com Raimi, Feige e o roteirista Michael Waldron. “Liguei para minha equipe e fiquei tipo, ‘Gente, eu sou o vilão principal deste filme. Eu não sabia que era isso que estávamos fazendo, mas é isso que está acontecendo!’”

A combinação de “WandaVision” e “Multiverse of Madness” significou que ela interpretou Wanda de setembro de 2019 a abril de 2021, com um desligamento de seis meses por causa do COVID no meio. Para Feige, esse recurso duplo ilustra “o que seu dom pode trazer ao mundo”, diz ele. “Ela é engraçada, ela é tocante, ela é assustadora. Ela é assustadora! Ela é carismática.”

Mas com Wanda em pausa, o que vem a seguir para Olsen é seu projeto não-MCU de maior destaque em anos: ela está estrelando a próxima minissérie da HBO Max “Love & Death”, que até agora tem um Emmy buzz para 2023 (ela conseguiu uma indicação em 2021 para “WandaVision”).

Em “Love & Death”, dos astros David E. Kelley, que o escreveu, e da diretora e produtora executiva Lesli Linka Glatter, Olsen interpreta Candy Montgomery, uma dona de casa do Texas que, em 1980, matou sua amiga Betty Gore (interpretada por Lily Rabe) — Montgomery estava tendo um caso com o marido de Gore (Jesse Plemons). Eventualmente, Montgomery foi considerada inocente, apesar de ter atingido Gore 41 vezes com um machado. Se isso soa vagamente familiar, o terrível assassinato também forneceu material de origem para a recente série “Candy” do Hulu, liderada por Jessica Biel. Mas de acordo com Glatter, que compara o tom de “Love & Death” às sátiras focadas nos personagens “To Die For” e “Election”, Olsen torna Candy Montgomery “compreensível, empática, profunda, complicada”.

Quando a série estrear na HBO Max no próximo ano, os espectadores verão Olsen por quem ela é como atriz: “Ela é substancial. Ela sempre foi”, diz Glatter. “Ela fez o trabalho – em si mesma, em seu ofício.” O diretor passou sete meses com Olsen no set de “Love & Death” no Texas, que terminou no início de abril. “Posso te dizer”, diz ela, “há algumas cenas em que estou apenas no rosto dela e você vê o universo. Você vê toda a história. Você vê o mundo, apenas olhando para o rosto dela. Há muita coisa acontecendo por trás de seus olhos.”

Enquanto nos sentamos no restaurante lotado do Ventura Boulevard, onde ela é frequentadora e sabe pedir a truta amendoada, Olsen exala o charme sereno, inteligente e bem-humorado que os fãs conheceram através de suas turnês de imprensa da Marvel. “Já tenho uma energia suave, mas estou muito tranquila hoje”, diz ela. Acontece que seu marido, Robbie Arnett, com quem ela mora em Los Angeles e Sonoma, está resfriado, e enquanto Elizabeth deixa claro que não é COVID, o que quer que ele tenha a manteve acordada à noite.

Mesmo em estado grogue, ela consegue falar com entusiasmo sobre seu trabalho. Ela também menciona um filme que está prestes a começar a filmar, mas não vai nomear (“O diretor não quer fazer um anúncio sobre isso, então é só…”), e uma peça de duas mãos que ela quer fazer na Inglaterra, mas também não revelará (“Ainda não é real!”). Estas são provocações que podem ser irritantes se fosse qualquer outra pessoa. Mas quando Elizabeth está sendo reticente, ela de alguma forma vende o segredo como um mistério tentador que será revelado no devido tempo: é quase hipnótico. No quadro geral, porém, ela diz que levou muito tempo para desenvolver uma ideologia maior para suas escolhas de carreira. Durante anos depois de “Martha Marcy May Marlene”, diz Olsen, “se eu estivesse disponível e houvesse uma oferta de emprego e o personagem parecesse algo que eu ainda não tinha feito, eu diria que sim – era tudo o que precisava”. Ela diz que era “preguiçosa”: “Eu estava fazendo o que sabia que me daria um passe, mas não estava tentando ir além disso”.

O que a tirou da rotina foi ser produtora executiva de “Sorry for Your Loss”, uma série para o Facebook Watch que durou duas temporadas a partir de 2018, durante o breve período em que a gigante da mídia social decidiu flertar com conteúdo roteirizado. Elizabeth Olsen interpretou Leigh Shaw, uma jovem cuja vida é revirada após a morte do marido, no programa comovente e bem revisado. “Eu me importava tanto”, diz Olsen, “e é muito bom me importar muito”.

Desde então, ela sente que está mais clara sobre o que quer fazer. “Certamente tenho uma filosofia sobre como quero que as pessoas ao meu redor se sintam no trabalho, do ponto de vista da liderança”, diz ela.

Glatter destaca essa atitude de sua experiência com Olsen em “Love & Death”. “Quando terminamos, todo mundo estava chorando”, diz ela. “E uma das coisas que Lizzie disse, que me comoveu incrivelmente, foi ‘Esta foi uma produção conduzida com gentileza’. Você trata todos com respeito – que é o que ela fez.”

No entanto, esses anos de Olsen tendo uma abordagem mais passiva podem ser o motivo pelo qual ela está quase incrédula quando digo a ela que Feige mencionou que ela fez seis filmes da Marvel. Então ela os conta nos dedos, percebendo que ele está certo, é claro. “Isso é estranho”, diz ela, balançando a cabeça. “Isso é, tipo, metade dos créditos de trabalho que eu tenho! É por isso que não tenho tantos créditos – porque são trabalhos longos.”

Olsen está curiosa sobre o que Feige disse sobre o futuro de Wanda. “É bom para mim saber como ele se comunica sobre isso”, diz ela. “Porque eu realmente sinto que meu trabalho é manter minha boca fechada até que ele faça um anúncio de qualquer tipo.”

Existem muitas teorias de fãs sobre o que poderia acontecer se Olsen tivesse mais tempo no MCU: ela poderia estrelar um filme independente da Feiticeira Escarlate; junto a um próximo filme “Vingadores”; e uma possível aparição em “Agatha: Coven of Chaos”, o spinoff Disney+ da personagem favorita dos fãs de Kathryn Hahn, “WandaVision”, Agatha Harkness; ou até mesmo ajudar a lançar quaisquer planos futuros de “X-Men” da Marvel.

Feige, por sua vez, não está pronto para oficializar nada, mas certamente não parece que ele terminou com Wanda ou com Olsen. “Ela é incrivelmente humilde e incrivelmente pé no chão”, diz ele. “E, no entanto, quando essas câmeras rolam, é uma força da natureza.” E quanto a Wanda? “Realmente há muito mais para explorar”, diz ele. “Ainda não tocamos em muitas de suas histórias principais dos quadrinhos.”

Questionado sobre aquele prédio que parecia esmagá-la, Feige finge um tom blasé: “Não sei se a vimos sob os escombros?” ele diz em alta voz. “Vi uma torre caindo e um pequeno flash vermelho. Não sei o que isso significa.” Este é Kevin Feige, o tomador de decisões do MCU, enviando um sinal claro para os fãs de Wanda Maximoff: eles nunca encontraram o corpo, como diz o ditado.

“Eu trabalharia com Lizzie por mais 100 anos se pudéssemos”, ele continua, e então dá uma dica final antes de assinar. “Tudo é possível no multiverso! Teremos que ver.”

Mesmo quando recebeu essa informação, Olsen ainda segue o caminho testado e comprovado de, como ela disse, manter a boca fechada, quando perguntada sobre seus pensamentos sobre interpretar Wanda novamente – além de notar que ela gostaria de ver “algum tipo de redenção” para a personagem após o banho de sangue que ela perpetrou em “Multiverse of Madness”.

“Eu realmente não sei o meu futuro”, diz ela. “Não há nada que tenha sido acordado.” Mudando de assunto abruptamente, ela então olha para os restos de sua truta amendoada: “Deus, olhe para isso! Apenas manteiga, manteiga, manteiga.”

Fonte.

Tradução e adaptação: Elizabeth Olsen Brasil.

O evento ‘Power of Women’, que homenageará Elizabeth Olsen, só acontece amanhã mas hoje já recebemos vários mimos da nossa rainha para a Variety Magazine! A atriz concedeu entrevistas e posou para um ensaio fotográfico para a revista, confira:

REVISTAS E JORNAIS | SCANS > 2022 > VAIRETY – SEPTEMBER
EOBR001~114.jpgEOBR001~114.jpgEOBR001~114.jpg
ENSAIOS FOTOGRÁFICOS | PHOTOSHOOTS > 2022 > VARIETY FAIR
EOBR001.jpgEOBR002.jpgEOBR003.jpgEOBR004.jpg
CAPTURAS DE TELA | SCREENCAPTURES > ENSAIOS FOTOGRÁFICOS | PHOTOSHOOTS > 2022 > VARIETY MAGAZINE
EOBR028.jpgEOBR053.jpgEOBR134.jpgEOBR563.jpg

Como já sabemos, Elizabeth Olsen será uma das homenageadas do ‘Power of Women’ que acontece no próximo dia 28, em Los Angeles e em comemoração à isso, a atriz concedeu uma entrevista para a Variety falando sobre seu trabalho na Marvel a longo desses anos e o que espera para a sua personagem, Feiticeira Escarlate, no futuro. Confira:

O chefe da Marvel, Kevin Feige, provoca o retorno do MCU de Elizabeth Olsen: ‘Tudo é possível no Multiverso’

E sim, Olsen finalmente viu ‘Doutor Estranho no Multiverso da Loucura’.

A carreira cinematográfica de Elizabeth Olsen começou — de forma explosiva — com a sensação de Sundance de 2011 “Martha Marcy May Marlene”, após a qual ela foi co-estrear em vários filmes independentes. Mas ela logo percebeu, Olsen conta à Variety em uma entrevista para sua história de capa de Power of Women, que ela talvez estivesse sendo ensejada.

“Eu não estava sendo considerada para filmes de estúdio”, diz Olsen. “Perguntei ao meu agente e gerente por quê, e eles disseram: ‘Bem, você não faz isso.’”

Então Olsen começou a fazer o que são chamados de reuniões “gerais” para ampliar seu repertório. Enquanto ela filmava refilmagens para a Warner Bros.’ “Godzilla” — que foi muito um filme de estúdio — Olsen se viu tomando chá com o diretor de “Vingadores” Joss Whedon para um possível papel em sua próxima sequência “Vingadores: Era de Ultron”. Coincidentemente, sua co-estrela “Godzilla” Aaron Taylor-Johnson também estava se encontrando com Whedon sobre novos personagens que ele planejava apresentar em sua continuação do enorme blockbuster de 2012 “Os Vingadores” — ou seja, os gêmeos Wanda e Pietro Maximoff, também conhecidos como Feiticeira Escarlate e Mercúrio.

“Ele me explicou como eles iriam usar os personagens — que ele não estava planejando apresentá-la de meia-calça e um collant”, lembra Olsen daquela reunião. (Sobre seu relacionamento de trabalho com Whedon, Olsen disse apenas que ele era “útil” e diz: “Eu confiei muito nele, porque ele criou a personagem.”) De acordo com Kevin Feige, presidente da Marvel Studios, “Ela foi a única escolha para esse papel”, diz ele. “O nome dela surgiu, e todos nós dissemos, ‘Sim!’”

Avance através de seis filmes — uma aparição no meio dos créditos em “Capitão América: O Soldado Invernal”, de 2014, seguido por “Era de Ultron”, “Capitão América: Guerra Civil”, “Vingadores: Guerra Infinita”, “Vingadores: Ultimato” e “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” — e a incrível série de 2021 da Disney. No entanto, agora, o futuro de Olsen no Universo Cinematográfico Marvel não está claro. Quando os fãs a viram pela última vez no lançamento de maio “Multiverso da Loucura”, Wanda derrubou um castelo sobre ela enquanto destruiu o Darkhold, o livro maligno que a transformou em uma vilã vingativa durante a maior parte do filme.

Wanda com certeza parecia ter morrido — e o Doutor Estranho (Benedict Cumberbatch) certamente pensou que ela também tinha. Mas não tão rápido, diz Feige. “Eu não sei se a vimos sob os escombros?” Ele diz em alto-falante. “Eu vi uma torre descendo e um pequeno flash vermelho. Eu não sei o que isso significa.”

Quando pressionado por detalhes sobre onde Wanda poderia reaparecer — para ajudar a lançar os futuros planos “X-Men” da Marvel, em um filme independente da Feiticeira Escarlate, um próximo filme de “Vingadores”, ou mesmo em “Agatha: Coven of Chaos”, o spinoff da Disney+ da personagem “WandaVision” favorito de Kathryn Hahn, Agatha Harkness.

“Há realmente muito mais para explorar”, diz ele. “Ainda não tocamos em muitas de suas principais histórias dos quadrinhos.”

“Eu trabalharia com Lizzie por mais 100 anos se pudéssemos”, continua Feige. Mas então ele lança uma dica final antes de assinar. “Tudo é possível no multiverso! Vamos ter que ver.”

Por parte de Olsen, ela diz: “Acho que nenhum desses personagens realmente se foi”, e ela adoraria ver a cabeça de Wanda “em direção a algum tipo de redenção”. Mas ela sublinha que ainda não sabe de nada: “Eu realmente não conheço meu futuro. Não há nada que tenha sido acordado.”

Não é a primeira vez que Olsen chega a uma encruzilhada com seu trabalho no MCU. Depois que “Guerra Infinita” foi lançado, mas antes do lançamento de “Ultimato”, ela diz que a Marvel se aproximou dela e de Paul Bettany — que interpreta Vision, seu marido — sobre “WandaVision”. No show, uma Wanda desarfogada, enquanto lamentava a morte de Vision, mantém uma cidade inteira de Nova Jersey como refém para que ela possa jogar suas fantasias de uma vida suburbana com ele (e, eventualmente, seus filhos gêmeos).

Inventivamente, a história é contada através das sitcoms americanas que Wanda e Pietro assistiriam durante suas infâncias Sokovianas. “Kevin queria brincar com alguns temas divertidos e maneiras de contar a história que eles realmente não haviam explorado”, diz Olsen sobre como o show foi concebido. E fazendo “WandaVision” no Disney+ — lançou o UCM no streamer, bem como a Fase Quatro da Marvel – excitou Olsen, porque a história “poderia ser apenas um show”, diz ela.

Olsen diz que Bettany falou com Feige primeiro e disse a ela: “Estou muito animada”. Ela acrescenta com uma risada: “Eu também acho que Paul interpretaria o Vision por 45 anos. Nada nunca vai parar Paul — ele voltaria como um fantasma se eles precisassem dele. Ele adora tanto!”

“Mas quero dizer, havia uma versão em que Paul e eu poderíamos ter dito: ‘Eu não sei. Isso soa como algo que estamos com muito medo de fazer,’ porque o Disney+ nunca fez uma coisa da Marvel”, diz Olsen.

A história, no entanto, nos diz que Olsen e Bettany concordaram em estrelar “WandaVision”. E Feige é grato por isso. “Nós até ousávamos tentar algo como ‘WandaVision’”, diz ele, “porque Lizzie é uma atriz excepcional.”

Olsen entrou na série sabendo que “Multiverso da Loucura” continuaria a história de Wanda onde a série havia parado — algo que a deleitava. O UCM tem sido altamente serializado desde que “Homem de Ferro” foi lançado em 2008, mas as transferências narrativas foram de filme para filme: “WandaVision” impulsionando a narrativa em “Multiverso da Loucura” sinalizou uma mudança marcante. “Eu achei muito emocionante que eles não estivessem planejando pegar o universo do filme de onde parou, mas realmente estava incorporando o show”, diz Olsen.

Quando “Multiverse of Madness” foi lançado na primavera passada, Olsen teve um forte resfriado que a fez perder sua estreia. Sua admissão no “The Tonight Show” de que ela ainda não tinha visto o filme — a Disney lhe enviou um screener com uma marca d’água excessivamente intrusiva — fez manchetes na época.

Mas ela já viu isso agora?

“Eu vi o filme!” Ela diz — na verdade, ela assistiu no Disney+, onde começou a transmitir em 22 de junho. Nesse formato, não havia nenhuma marca d’água perturbadora que “poderia estar no meio do rosto de alguém em um close”.

“Eu não estava sendo teimosa sobre isso”, Olsen deixa claro. “Eu fiquei tipo, ‘Bem, eu quero ter uma experiência melhor assistindo.’ Não é a maneira ideal de ver algo com muitos efeitos especiais bonitos.”

Fonte.

Tradução e adaptação: Elizabeth Olsen Brasil.

A homenageada do ‘Power of Women’, Elizabeth Olsen, é voluntária na “Stuart House” desde 2016, passando tempo com crianças e adolescentes que foram abusados ​​sexualmente. Ela conheceu o programa “Stuart House”, parte da “Rape Foundation”, afiliada ao “UCLA Santa Monica Medical Center”, enquanto se preparava para “Wind River,” um filme no qual ela interpreta uma agente do FBI que investiga o estupro e assassinato de uma jovem.

Isso foi em 2015, quando Olsen tinha acabado de se mudar de Nova York para Los Angeles e estava procurando maneiras de se sentir mais conectada à cidade. Por meio de sua agência, ela foi apresentada a Gail Abarbanel, presidente da “Rape Foundation” e fundadora da “Stuart House”. Abarbanel deu a Olsen um tour pelo espaço “Stuart House” em Santa Monica, onde crianças que foram agredidas sexualmente recebem assistência médica gratuita, jurídica e psicológica.

Olsen ficou impressionada com Abarbanel, que, em 1988, diz ela, “começou todo este universo do nada…” Olsen entende o apelo de ter celebridades representando organizações sem fins lucrativos como porta-vozes, mas, no caso da “Stuart House”, ela queria fazer mais. Então, ela pediu para se juntar aos voluntários cuidadosamente selecionados e treinados que trabalham com as crianças em sua sala de jogos.

Abarbanel diz que os voluntários são fundamentais para o processo de cura das crianças, que muitas vezes foram traídas pelos adultos mais próximos. “As crianças podem ter uma experiência com um adulto seguro, carinhoso e interessado nelas”, diz ela..

Depois que Olsen terminou de filmar “Wind River”, ela se tornou uma voluntária regular da “Stuart House” e, quando não está em produção, ela vai lá semanalmente. “É incrível, mesmo para as crianças mais novas, ver suas mudanças comportamentais”, diz Olsen.

Abarbanel fala muito bem do trabalho de Olsen na “Stuart House”. “Ela tem verdadeira empatia e é uma pessoa muito compassiva e gentil”, diz ela. “Ela está realmente lá quando está com uma criança. Acho ela muito especial”.

Fonte.

Tradução e adaptação: Elizabeth Olsen Brasil.

A minissérie Love & Death, baseada no crime real de Candy Montgomery, que assassinou brutalmente a esposa do seu ex-amante em 1980, criada por David Kelly, até então seria oficialmente lançada este ano, porém, teve sua estreia adiada para março de 2023!

Na noite de ontem, (04), a Warner Bros. Discovery bateu o martelo e confirmou que suas plataformas de streaming HBO Max e Discovery+ serão unificadas. Ainda sem nome e valor definido, o novo serviço será lançado nos países da América Latina, incluindo o Brasil, entre setembro e dezembro de 2023.

E com essa união, Suzuki Ingerslev, designer de “Love & Death” comentou em seu Instagram sobre o adiamento da minissérie.

Suzuki Ingerslev, confirmou novamente que não existe a possibilidade da série ser cancelada pelo HBO Max por conta da fusão com o Discovery+.

 

Conversamos com a mesma sobre a mudança da data de estreia: “Essa é uma boa notícia – estará por aí durante as temporadas de prêmios – ela receberá muita atenção”, diz Suzuki Ingerslev, designer de “Love & Death”.

Então relaxem Olsenation, pois veremos a nossa loirinha atuando na minissérie em breve!