A premiada atriz Elizabeth Olsen e o estimado músico Robbie Arnett criaram uma nova abordagem para o bem-estar em uma nova série de livros que mostra às crianças maneiras de controlar a ansiedade.

Conheça Hattie Harmony, a detetive das preocupações.

Ela está sempre disponível para ajudar seus amigos quando eles precisam dela. E o primeiro dia de aula pode causar muito nervosismo, desde falar na frente da classe até pegar o ônibus. Hattie sempre encontra as ferramentas perfeitas para acalmar o corpo e a mente de seus amigos. Mas quando seus próprios medos começarem a borbulhar, será que Hattie aprenderá a superá-los sozinha?

A aclamada atriz Elizabeth Olsen e o estimado músico e escritor Robbie Arnett criaram um novo personagem irresistível cheio de calor e humor para apresentar aos leitores mais jovens a importância do autocuidado.

O livro é de capa dura e custa $17,99 (R$ 102,00), e será publicado pela Viking Children’s Books em 28 de junho de 2022.

Tradução: Equipe EOBR | Fonte.

Elizabeth Olsen faz parte de um trabalho voluntário chamado “The Latitude Project” o projeto se baseia em ajudar famílias carentes e muito mais. Reunimos em um só post todas informações necessárias para vocês estarem por dentro do assunto e também fotos e vídeos da Elizabeth falando sobre o mesmo. Confira:

PROJETO LATITUDE

 

O QUE FAZEM?


Ajudam a aliviar os estresses da pobreza de forma que engajam e empoderam as pessoas. De telhados à água limpa e da saúde à educação, eles constroem soluções que fazem sentido.

 

COMO TRABALHAM?


O Projeto Latitude visa ajudar a aliviar o estresse da pobreza multidimensional por meio de projetos comunitários que envolvem e capacitam. Os projetos evoluem naturalmente: perguntando o que precisam, ouvindo suas respostas e implementando soluções sustentáveis. Ao reservar um tempo para visitar determinada comunidade, abordam a mudança global por meio de projetos locais que são tão diversos, criativos e inovadores quanto as pessoas com quem trabalham.

 

OS RESULTADOS?


Projetos liderados localmente que garantem o envolvimento, propriedade e manutenção da comunidade, ao mesmo tempo que ajudam membros da comunidade a se tornarem mais autossuficientes e resilientes a muitas formas da pobreza – seja por falta de infraestrutura educacional, cuidados de saúde, acesso à água potável, eletricidade e em breve.

 

ABORDAGEM


Adotam uma abordagem centrada no ser humano. Modelos de desenvolvimento mais antigos podem ter a intenção certa, mas geralmente acabam tendo o efeito errado.

 

PORQUE?


Eles não param para ouvir.

 

SOLUÇÕES


Sim, leva um tempo para eles ouvirem e chegarem a soluções juntos, mas os resultados são projetos que ajudam as pessoas a superar diretamente o estresse da pobreza. E é feito com orgulho, entusiasmo e dignidade.

 

PARCEIROS


Recebem uma ajudinha de seus amigos. Procuram amigos e empresas com ideias semelhantes para ajudarem a manter o seu orçamento de despesas gerais sob controle. Eles fornecem para o Projeto doações em espécie que lhes ajudam a manter os seus custos baixos. São relacionamentos inestimáveis e, junto com o Projeto, fazem as mudanças acontecerem.

 

100% DO MODELO

100% das doações públicas que eles recebem são gastas com os custos do projeto. Isso significa que zero despesas gerais ou administrativas para filtrar. Os fundadores do Projeto trabalham em outros empregos para cobrir os custos. À medida em que crescem, buscam um grupo especial para lhes ajudar a avançar e alcançar novos patamares.

OUTRAS | MISCELLANEOUS > THE LATITUDE PROJECT

EOBR001~28.jpgEOBR003~22.jpgEOBR011~10.jpgEOBR007~16.jpg

 

Qualquer pessoa pode fazer uma doação, confira mais detalhes no site oficial do projeto (AQUI).

E nós entramos na melhor época do ano (segundo a equipe do EOBR), com isso, reunimos alguns filmes natalinos para vocês maratonarem enquanto aguardam o Natal, esperamos que vocês gostem!

Love Hard (Um Match Surpresa)

Sinopse:

Uma infeliz jornalista de Los Angeles chamada Natalie (Nina Dobrev) voa pelo país para surpreender um cara por quem se apaixonou em um aplicativo de namoro. As coisas não saem como o esperado, mas talvez ela consiga fazer com que essa história tenha um final feliz.

Trailer:

Disponível na Netflix.

Last Christmas (Uma Segunda Chance para Amar).

Sinopse:

Kate (Emilia Clarke) é uma jovem inglesa cuja vida é uma bagunça. Ela trabalha como elfo em uma loja temática de natal o ano todo. Quando ela conhece Tom (Henry Golding), o que parecia impossível se torna realidade, conforme o rapaz enxerga através de todas as barreiras que ela construiu.

Trailer:


Disponível no Prime Video.

Quebra nozes e os Quatro Reinos

Sinopse:

Clara, uma jovem esperta e independente, perde a única chave mágica capaz de abrir um presente de valor incalculável dado por seu padrinho. Ela decide então iniciar uma jornada de resgate que a leva pelo Reino dos Doces, o Reino das Neves, o Reino das Flores e o sinistro Quarto Reino.

Trailer:

Disponível no Disney+.

Como o Grinch Roubou o Natal

Sinopse:

O Grinch é uma criatura verde e peluda que destesta o Natal com todas as forças. Ele não suporta a felicidade dos Quem com suas festanças e banquemtes, e resolve acabar com a festa de uma vez por todas. Mas talvez o Grinch perceba que o verdadeiro signifcado do Natal vai muito além de comemorações e presentes.

Trailer:


Disponível na Netflix.

Esqueceram de Mim

Sinopse:

Quando o levado Kevin McCallister, de oito anos de idade, não se comporta na noite anterior de uma viagem da família para Paris, sua mãe o faz dormir no sótão, e ele deseja que sua família não estivesse em casa. Após os McCallisters irem para o aeroporto sem Kevin, que acorda e acredita que o seu desejo de não ter família se tornou realidade, ele percebe que dois vigaristas planejam roubar a residência. Sozinho, ele precisa proteger a casa da família destes atrapalhados ladrões.

Disponível no HBO Max e no Disney+.

Esqueceram de Mim 2: Perdido em NY

Sinopse:

Kevin McCallister se perde do pai no aeroporto e pega o avião em direção à Nova York, enquanto sua família inteira vai para a Flórida. Agora, sozinho na grande cidade, o garoto encontra um jeito de se hospedar no Hotel Plaza e começa a fazer suas travessuras. Mas quando Kevin descobre o plano de dois bandidos de roubar uma loja de brinquedos na véspera de Natal, ele tenta impedir o assalto.

Disponível no Disney+.

A Princesa e a Plebeia 

Sinopse:

Uma semana antes do Natal, a padeira Stacy vai à Belgravia para uma competição. Lá, ela conhece Margaret, a duquesa de Montenaro, que é idêntica a ela. Depois de se tornarem amigas, elas decidem trocar de lugar e uma experimentar a vida da outra.

Trailer:


Disponível na Netflix.

A Princesa e a Plebeia 2

Sinopse:

Stacy é uma confeiteira estadunidense que se mergulhou na rotina de trabalho para tentar superar sua última frustração amorosa, enquanto Margaret é uma duquesa prestes a se tornar princesa num casamento arranjado com o príncipe Edward


Disponível na Netflix.

A Princesa e a Plebeia 3

Sinopse:

Princesa Stacy pede a ajuda de Fiona e sua parceira de trocas Margaret para recuperar uma relíquia de valor inestimável que foi roubada. Porém, para recuperar a joia, ela encontra um misterioso homem do passado e acaba reacendendo a chama de um romance natalino irresistível.


Disponível na Netflix.

Um Passado de Presente

Sinopse:

Um Passado de Presente conta a história de Brooke (Hudgens), uma professora desiludida com o amor que cruza caminhos com Sir Cole (Josh Whitehouse), um cavaleiro de 1300 que, pelas artimanhas de uma feiticeira, acaba no mundo atual. Mas o maior problema de Um Passado de Presente é a descartabilidade de seu propósito.

Trailer:


Disponível na Netflix.

Tudo Bem no Natal que Vem

Sinopse: 

Jorge sofre um acidente na véspera do Natal e acorda um ano depois, sem lembranças do que ocorreu nesse período de tempo.


Disponível na Netflix.

Amor com Data Marcada

Sinopse:

Dois estranhos, Sloan e Jackson, concordam em ser um casal platônico durante festas e feriados.


Disponível na Netflix.

O Príncipe do Natal

Sinopse:

Amber e Richard, agora rei e rainha de Aldovia, estão à espera do nascimento de seu primeiro bebê, mas durante a visita de um reino vizinho para a renovação de um antigo tratado de paz, um documento importante desaparece e coloca Aldovia em perigo.

O Príncipe do Natal 2

Sinopse:

Um ano após ajudar Richard garantir a coroa, Amber retorna a Aldóvia para planejar seu casamento com ele. Msaas seus gostos simples se chocam com o protocolo real.

Trailer:

Disponível na Netflix.

O Príncipe do Natal 3

Sinopse:

Amber e Richard, agora rei e rainha de Aldovia, estão à espera do nascimento de seu primeiro bebê, mas durante a visita de um reino vizinho para a renovação de um antigo tratado de paz, um documento importante desaparece e coloca Aldovia em perigo.


Disponível na Netflix.

 

Confira agora a parte 3 e última sobre a história do crime que será o enredo da minissérie Love and Death:

AMOR E MORTE NA PRADARIA DO SILÍCIO PARTE 2: A matança de Betty Gore

Era difícil acreditar que a diminuta Candy Montgomery pudesse matar a esposa de seu amante.  Foi preciso um hipnotizador para descobrir o segredo de sua terrível fúria. Ninguém deve saber. Dia como qualquer outro.

O dedo do pé esquerdo de Candy estava sangrando muito. Candy olhou para ele e procurou em sua bolsa as chaves da perua. Agora você está no carro.  Você é normal. O carro ainda está aqui.  Tudo parece igual.

Sua mente ficou em branco, e nos poucos momentos perdidos, ela estava vagamente ciente de que o carro estava se movendo. Um passo de cada vez, faça apenas uma coisa de cada vez, e tudo ficará bem. Não pense na casa.

Ela olhou para a rua principal de Wylie e imaginou que seu carro não estava andando. Então a rua principal sumiu.  Ela olhou para uma placa de pare. Isso a assustou;  ela precisava de movimento.

Você não pode perder o controle agora. Nada mudou.

Ela olhou para o colo e sentiu um arrepio repentino nas pernas. Sua calça jeans estava encharcada de água.  O cheiro anti-séptico de amaciante inundou suas narinas e, por um momento, ela pensou que ia vomitar.

Por que estou molhada?  Esse cheiro. Não posso entrar em pânico. Normal.  Esquerda direita.  Por que o carro não anda mais rápido?

O dedo do pé de Candy começou a latejar.

Oh Deus, isso dói. Corte meu dedo do pé na porta de tempestade, foi o que aconteceu. Como posso estar molhado?  Oh Deus, isso dói. Ninguém vai saber.  Você não poderia ter feito isso. Ninguém vai saber.

A perua branca serpenteou pelo interior do condado de Collin. Depois de um tempo, ele voltou para a FM Road 1378 e continuou para o norte, passando por uma velha igreja e uma escola vermelha, através de uma estreita ponte de pedra e subindo uma colina. No topo, virou à direita em uma estrada de cascalho esburacada que desaparecia em uma floresta de carvalhos e mirtilos.

Por fim, a paisagem era familiar novamente.  esça uma ligeira inclinação, vá à esquerda no cascalho e suba a entrada de automóveis fortemente inclinada. Só agora a casa podia ser vista, assentada em uma pequena colina, envolta por dois ou três carvalhos vermelhos. Era como uma catedral contemporânea em madeira e vidro, com a aparência inacabada de um chalé de esqui no Colorado. Ao redor do amplo pátio havia um curral de cerca de cavalo branco.  A perua entrou na garagem dupla e parou.

Nada mudou. Sem essas roupas. Calma. Seco e limpo. Normal.

Ela correu escada acima, tirando a blusa e a calça jeans quando entrou no quarto. Ela enxugou o sangue do terceiro dedo do pé e envolveu-o com um band-aid, estremecendo ao sentir a profundidade do corte.

Eu fiz isso na porta de tempestade. Nunca consertamos a porta contra tempestades.

Ela levou sua camisa para a cozinha e a colocou na pia. Ela despejou o detergente e abriu a água.

Oh, não, o cheiro de novo.

Ela começou a vomitar, mas rapidamente recuperou a compostura.

Ela deixou a blusa ensopada na pia e subiu as escadas para encontrar um par de jeans do mesmo tom que os que ela acabara de tirar. Ela tomou um banho rápido e lavou o cabelo. Ao fazer isso, ela notou um corte aberto na linha do cabelo do lado direito de sua testa. Ela secou o cabelo com uma toalha e foi buscar outro Band-Aid. Mas o cabelo crespo ao redor do ferimento impedia que a bandagem grudasse. Por fim, ela desistiu, torceu a blusa, vestiu os novos jeans, jogou os antigos na máquina de lavar e esperou enquanto a secadora secava sua blusa.

Graças a Deus era uma camisa cor de vinho.

A última coisa que fez foi substituir as sandálias de borracha por um par de tênis azuis. Ela os amarrou com força para manter a pressão na bandagem do dedo do pé. Ela estava pronta para pegar seus filhos e a filha de Betty Gore, Alisa, na igreja.

O show de marionetes das crianças no santuário estava chegando ao fim quando Candy entrou no estacionamento.  Ela alcançou uma amiga que estava indo almoçar com as outras mulheres. “Oh, Bárbara”, disse Candy sem fôlego.  “Desci para a Betty’s e começamos a conversar, então olhei para o meu relógio e pensei que tinha tempo de ir até a Target e pegar os cartões do Dia dos Pais e dirigi até Plano. Mas então, quando cheguei lá, percebi que meu relógio havia parado e eu estava atrasado, então nem entrei. Vamos levar Alisa conosco esta noite para ver O Império Contra-Ataca. Isso me lembra, é melhor eu ir ver as crianças. “Enquanto Candy se dirigia para uma sala de aula, passou por sua mente que ela poderia estar mancando. Ela fez um esforço especial para andar em linha reta. Em uma sala vazia, ela encontrou um espelho e enxugou o corte perto da linha do cabelo. Mesmo depois que o sangue foi estancado, ela podia senti-lo escorrendo pela testa, expondo-a.”

Quando Candy saiu, uma das mulheres notou algo estranho. Candy Montgomery, que sempre usava sandálias de borracha no verão, calçava tênis azuis.

A tarde passou enevoada. Candy colocou as três crianças na caminhonete. Eles eram um conforto estranho; eles a mantinham ocupada, mantinham os dragões afastados. Em casa, depois de dizer a Alisa para se preparar para a aula de natação, Candy ligou para o marido no trabalho.

“Pat, acabamos de chegar da escola bíblica e queríamos ter certeza de que você conseguiria dinheiro suficiente no banco, porque Alisa vai ao cinema conosco. As crianças reclamaram depois que você saiu esta manhã, então eu prometi a eles que perguntaria a Betty se Alisa poderia ficar mais uma noite. Mas então eu tive que ir à Betty para pegar o maiô de Alisa e começamos a conversar e eu perdi a noção do tempo, e então quando fui para a Target, percebi que meu relógio havia parado e eu perdi todo o programa da Escola Bíblica.”

“Uh-huh”, disse Pat. Ele tinha acabado de voltar de um piquenique no escritório da Texas Instruments e estava ansioso para fazer algumas execuções no computador.

“Betty disse que Alisa poderia passar a noite.”

“Escute, querida, por mim tudo bem. Estou prestes a ir ao banco agora.”

“Pat, você saberia onde Allan está trabalhando hoje?”

“Allan Gore?  Não por que?”

“Não é importante. Vamos encontrá-lo no estacionamento cerca de quinze em cinco.”

Pat desligou e pensou: “O que foi aquilo?”

Em 410 Dogwood Street, a casa de Allan e Betty Gore, seus dois filhos e seus dois cocker spaniels, ninguém entrou ou saiu na tarde de 13 de junho de 1980. O telefone tocou intermitentemente, mas não foi atendido.  Por volta do meio-dia, um entregador de um serviço de encomendas tocou a campainha, mas não obteve resposta. Por volta das quatro, Allan Gore ligou do aeroporto de Dallas-Fort Worth, onde estava prestes a embarcar em um avião. Depois de dez ou onze toques, ele desligou. O único sinal de que a casa estava ocupada era o som abafado de um bebê chorando a plenos pulmões.

Atrás da casa, os dois cães corriam nervosos pelo quintal, uivando e choramingando alternadamente, como se estivessem confusos ou talvez assustados.

O filho de Candy falava com entusiasmo de Star Wars, mas sua mãe mal ouvia. Ela e as crianças se sentaram no amplo estacionamento da Texas Instruments, com as janelas da perua abertas para aliviar o calor sufocante, e esperaram que a conferência de Pat terminasse para que pudessem ir ao cinema. Era um pouco depois das quatro e meia. O nome veio do nada: “Betânia”.
Candy não sabia o que as crianças estavam discutindo – provavelmente algo sobre irmãos e irmãs – mas ouviu Alisa dizer o nome de sua irmãzinha e de repente o corpo de Candy ficou tenso. A sensação de pavor voltou. Com ele veio o aroma forte de algo macio, limpo e anti-séptico;  fazia cócegas no nariz e infundia os seios da face. Não havia como escapar disso.

Uma sala cheia de sangue

Allan Gore partiu para St. Paul no final da tarde. Foi uma época e uma viagem estranhas. Em setembro, quando deixou a Rockwell International para ingressar em uma obscura, mas promissora empresa de eletrônicos em Richardson, ele sabia que teria que trabalhar muitas horas, mas tentava evitar trabalhar nos fins de semana. Desta vez, Allan e dois de seus colegas tiveram que estar em Minnesota no fim de semana para garantir que um de seus maiores clientes, a 3M Corporation, tivesse um sistema de troca de mensagens totalmente funcional na próxima semana. Na verdade, era o tipo de solução de problemas que Allan teria adorado, em outras circunstâncias. Ele gostava de viajar, gostava do desafio e gostava especialmente da camaradagem da meia dúzia de homens que tentavam resistir às empresas colossais como Rockwell e Texas Instruments e E-Systems e Northern Telecom e todos os outros nomes ilustres que proliferaram  subindo e descendo a North Central Expressway na chamada Silicon Prairie.
Mas Allan não estava gostando dessa viagem em particular, e por um motivo familiar.  Betty não suportava ficar sozinha, nem mesmo por uma noite. Esta viagem seria mais fácil para ela por causa das férias que estavam planejando. Daqui a uma semana eles estariam na Europa, sem os filhos pela primeira vez em quatro anos, e na noite anterior ela estava positivamente radiante, descrevendo a viagem como uma segunda lua de mel. Então, esta manhã, ela desabou novamente, mas ela e Allan tiveram uma boa conversa e se separaram alegremente. Allan prometeu ligar para ela do aeroporto; o som de sua voz a tranquilizaria.
No caminho para o portão, ele parou em um telefone público e ligou para casa. O telefone tocou sete ou horas certas, então ele desligou e discou novamente. Quando não obteve resposta, presumiu que Betty estava dando um passeio vespertino com Bethany.  Só então ele viu um de seus colegas e juntou-se a ele na área de embarque. Eles poderiam discutir o novo software no caminho para St. Paul. O vôo transcorreu sem intercorrências e no horário. Bem antes das oito, os homens se registraram no Ramada Inn na Old Hudson Road, sua casa acostumada quando trabalhavam na conta da 3M. Eles concordaram em se encontrar para jantar por volta das nove.
Allan sentou-se na cama de seu quarto, repassando o dia, perguntando-se se havia esquecido algo que Betty dissera naquela manhã. Ele ligou para sua casa novamente, deixou o telefone tocar quinze vezes e então pediu a uma operadora para discar o número. Ainda sem resposta. Betty podia ser temperamental, mas nunca saía de casa à noite sem contar a ninguém.
Allan ligou para Richard Parker, seu vizinho e corretor de imóveis que vendeu a casa para eles. Quando Richard atendeu, Allan pôde ouvir crianças pequenas ao fundo. “Richard, este é Allan Gore. Desculpe incomodá-lo, mas estou fora da cidade e estou tentando falar com Betty no telefone. Acho que o telefone deve estar com defeito. Você se importaria de bater na porta ali só para ver se ela está em casa? “
“Sim, certo, parceiro”, disse Richard, um pouco irritado com a imposição. “Acho que posso atropelar.” Vestindo apenas calças e uma camiseta, ele saiu pela porta da frente e correu pelo gramado de Gore descalço. Ele sempre achou que Gore era um cara estranho, quieto e anti-social.  Ele havia vendido aquela casa aos Gores três anos atrás e não os conhecia muito melhor agora do que naquela época. Allan era um daqueles caras que sempre mantinha seu quintal tão arrumado.  Caras quietos geralmente tinham jardas limpas.
Richard bateu com força na porta em 410 Dogwood e esperou por uma resposta. Ele tocou a campainha.  Ele esperou mais alguns segundos e então correu de volta pela grama. “Sem resposta, Allan.  Ela deve ter saído. ”
“Tudo bem”, disse Allan.  “Obrigado por verificar.  Ligarei para ela mais tarde.” Agora Allan estava começando a se preocupar.  Num impulso, ele discou o número de Montgomerys. Candy atendeu após um toque. “Candy, este é Allan. Você viu Betty? ”
“Oh, Allan, onde você está?”
“Estou em Minnesota em uma viagem de negócios.  Tenho tentado falar com Betty, mas ninguém responde, e achei que você pudesse ter falado com ela hoje. “

“Eu a vi esta manhã quando fui pegar o maiô de Alisa.”

“Betty parecia bem?”

“Ela estava bem”, disse Candy.  “Ela agiu como se estivesse com pressa para que eu fosse embora.”

“Você sabe onde ela pode estar?”

“Talvez ela tenha ido para a casa de um amigo.”

“Não, ela não sairia tão tarde.  Isso a assusta. ”

“Bem, tenho certeza de que não há nada de errado.”

A voz de Candy estava cheia de preocupação. “Quando fui pegar o maiô de Alisa, ela estava bem.  Lembro que ela estava costurando e conversamos um pouco, e ela me deu um pouco de bala de hortelã para Alisa e me disse que não colocaria a cabeça na água a menos que pegasse uma bala de hortelã depois.  E eu peguei as balas de hortelã e saí.”

“Alisa está aí agora?”

Candy chamou Alisa ao telefone. Allan perguntou sobre a aula de natação e perguntou se a mãe dela havia mencionado sair naquela noite. Alisa não se lembrava de nada, então Allan disse a ela para se divertir e ser educada com os Montgomerys. Então Candy voltou à linha. “Allan, há algo que eu possa fazer? Eu ficaria feliz em ir até a casa e verificá-los para você. “

“Não, está tudo bem, vou chamar os vizinhos.” Poucos minutos depois, Allan desceu para o restaurante do motel. Ele voltou para seu quarto por volta das dez horas, bem depois da hora de Betty dormir. Ainda sem resposta em casa. Allan ligou para Richard novamente e perguntou se o carro de Betty estava na garagem.

Richard foi até a cerca de arame entre as duas casas e espiou dentro da garagem. Então ele voltou ao telefone e disse: “Sim, Allan, há apenas um carro lá, e a garagem está aberta e as luzes estão acesas.”

“Isso é estranho”, disse Allan. Ele considerou as possibilidades. Tinha que ser alguma emergência;  talvez o bebê estivesse doente. Ele ligou para o hospital de Plano e para a polícia de Wylie.  Eles nunca tinham ouvido falar de Betty Gore. Allan se sentiu impotente. Ele precisava falar com alguém com uma cabeça calma e equilibrada e um ouvido compreensivo. Ele ligou para Candy Montgomery.

“Um carro sumiu, a porta da garagem está aberta e as luzes estão acesas”, disse Allan. “Ela nunca deixa a porta da garagem aberta.  Ela ligou para lá ou algo assim?”

“Oh, Allan, não, ela não fez.  Deixe-me descer lá e verificar a casa.  Ou deixe-me verificar os hospitais para você.”

“Não, não, eu só queria ter certeza de que você não se lembra de mais nada.  Vou pedir aos vizinhos para verificar novamente.”

“Não se preocupe com Alisa, Allan. Nós a temos e ela está bem.”

Allan desligou e se sentiu mal. Por que Betty não ligou para ele? Por que ninguém sabia de nada? Por que ele não conseguia fazer o único telefonema que faria tudo ficar bem? Pela terceira vez, ele ligou para a casa de Richard Parker, mas desta vez não perdeu palavras. “Richard, estou muito preocupada com ela.  Por favor, volte lá e verifique todas as portas e a garagem novamente. Se ela teve que sair com pressa, talvez ela tenha deixado um bilhete em algum lugar.”

Richard suspirou – ele não gostou da responsabilidade e ficou um pouco assustado com o pânico de Allan – mas ele contornou a cerca dos fundos, entrou no beco e subiu a calçada de Gore. Ele ficou surpreso ao ver dois carros na garagem. O Volkswagen Rabbit foi puxado tão longe que ele não tinha sido capaz de vê-lo da cerca. Richard entrou na garagem e tentou abrir a porta da despensa. Ele podia ver uma luz sob a porta, mas estava trancada. Algo na casa – as luzes acesas, a garagem aberta, o silêncio – o perturbava. Ele saiu por onde tinha vindo.

“Algo está errado, Allan.  Eu não sei o quê, mas algo está errado. Os dois carros estão lá e as luzes estão acesas, mas ninguém atende. ”

“Richard”, disse Allan, “quero que você vá e entre naquela casa da maneira que puder.”

Richard não disse nada por um momento.  “Ok, Allan, acho que sim.”

“Me ligue de volta quando você descobrir algo.  Aqui, anote meu número. ”

Richard anotou o número, desligou e respirou fundo. Então ele encontrou as chaves de seu corretor de imóveis, esperando que ele tivesse uma que coubesse na casa dos Gore. Enquanto isso, Allan estava ficando cada vez mais cético em relação à resolução de Richard;  ele parecia tão hesitanteEntão Allan ligou para Jerry McMahan, um analista de computação da Texas Instruments que morava do outro lado do beco dos Gores.

“Jerry, algo está errado em minha casa. Tenho tentado falar com Betty, mas ninguém responde. As luzes estão acesas e as portas trancadas. Você poderia pegar uma lanterna e ir até lá e ver o que consegue descobrir? ”

“Ok, volto em um minuto.” Jerry vestiu um macacão e os sapatos de sua casa e desceu pela calçada de trás com uma lanterna. Na garagem de Allan, ele bateu com força na porta da despensa, mas não obteve resposta. Em seguida, ele caminhou para o quintal e tentou abrir à força uma porta de vidro deslizante, mas ela não se moveu. Ele continuou a contornar a frente da casa, espiando pelas janelas enquanto passava, e tocou a campainha, mas ainda não havia sinal de vida. De volta à sua casa, ele disse a Allan: “As luzes estão acesas lá, mas não consigo ver nada de errado”.

“Jerry, há algo definitivamente errado.”

“Ela provavelmente acabou de sair com amigos.”

“Não, ela não está com amigos.  Eu já tentei isso.  Entre naquela casa e veja o que há de errado.  Tire as janelas, force as portas, custe o que custar. ”

Assim que Jerry contou à esposa o que estava acontecendo, ela ficou assustada e insistiu para que ele não fosse lá sozinho. Então Jerry ligou para Lester Gayler, um barbeiro que morava na casa ao lado dos Gores, do outro lado de Richard Parker.  Dois minutos depois, os dois amigos se encontraram no beco atrás da casa Gore. Quando Richard saiu para o pátio carregando um grande anel de prata cheio de chaves de casa, ficou surpreso ao ver Jerry e Lester.

“O que diabos está acontecendo?” Jerry perguntou.

“Não sei”, disse Richard.  “Gore acabou de ligar e disse para entrar em casa. Eu tenho essas chaves do corretor de imóveis. Vamos experimentá-los nas portas.” Os três homens subiram a calçada de Gore.  Enquanto Richard experimentava as chaves, uma por uma, na porta de utilidades, Jerry e Lester tentaram abrir novamente a porta corrediça à força. Era a quinta vez que a casa era verificada naquela noite, mas fazê-lo em grupo conferia ao procedimento uma seriedade que incomodava a todos.  Se havia algo errado lá dentro, eles não tinham certeza se queriam ver.

Nenhuma das chaves de Richard funcionou, então alguém sugeriu que tentassem as janelas da frente. Juntos, eles caminharam até o lado da rua da casa, e Jerry e Lester inspecionaram uma grande janela da sala de jantar para ver se ela poderia ser aberta. Enquanto isso, Richard foi até a porta da frente para tentar as chaves de seu corretor de imóveis novamente. Ao colocar a primeira chave na fechadura, um arrepio percorreu sua espinha.  A porta se abriu.  Ele nem mesmo girou a chave. “Esta porta”, disse ele, virando-se para Jerry e Lester e se afastando dela, “esta porta não está trancada.”

Os dois homens se juntaram a Richard na varanda, mas por um momento ninguém fez menção de entrar. Richard enfiou a cabeça pela fresta que a porta aberta havia feito: “Betty?” ele disse. Depois, mais alto: “Betty!” Finalmente Lester abriu a porta e os três homens entraram no saguão, iluminado pelas luzes acesas na sala à direita e no banheiro à esquerda. Todas as portas do corredor estavam fechadas.  Lester parou no primeiro, abriu-o e acendeu a luz interna: Richard olhou por cima do ombro de Lester: o quarto de uma criança. Nada incomum.  Eles continuaram pelo corredor até a próxima sala.  Enquanto isso, Jerry espiou dentro do banheiro e no ladrilho viu uma substância escura e endurecida. “Oh, não”, disse ele, “algo está errado.”

No segundo quarto, Lester abriu a porta e acendeu a luz. Assim que o fez, Richard ouviu o lamento cortante de uma criança abandonada e a exclamação simultânea de Lester: “Oh, meu Deus, o bebê.”

Da porta, Richard viu Bethany em seu berço, meio sentada, meio deitada, as pernas dobradas sob o corpo, o rosto manchado e vermelho, o cabelo emaranhado e sujo. Sua pele estava manchada com seus próprios excrementos.  Seu choro pungente e rouco gelou o sangue deles. Ela obviamente estava lá há muito tempo.  Richard rapidamente pegou o bebê. Aninhando a cabeça dela em seu ombro, ele voltou correndo para sua casa para chamar a polícia.

Quando Richard saiu, Jerry e Lester foram para o quarto principal, onde não encontraram nada. Restava a outra metade da casa. Eles entraram na sala de estar e Jerry foi para a sala de jantar à direita, enquanto Lester ocupou a cozinha à esquerda. Eles caminharam lentamente, acendendo as luzes enquanto caminhavam. Ambos estavam cada vez mais cientes de um odor pungente que parecia segui-los pela casa.

Por fim, Lester atravessou a cozinha e foi até a porta da despensa.“Oh, meu Deus, não vá mais longe!”  Lester fechou a porta rapidamente e, no silêncio atordoado do momento, era difícil dizer se ele estava falando com Jerry, consigo mesmo ou com alguém do outro lado da porta.

“Ela está morta.”

Lester não tinha visto o corpo. Ele não tinha visto nada além de sangue – oceanos espessos e congelados de cor marrom-avermelhada brilhando nos ladrilhos do chão da despensa – e ele não queria olhar mais longe do que isso.

Da sala de jantar, a cerca de quinze metros de distância, Jerry viu a expressão no rosto de Lester e ouviu o choque em sua voz e caminhou hesitantemente em direção à despensa. Enquanto Lester se afastava, Jerry abriu a porta e, sem se aproximar, olhou para dentro. Ele viu apenas um vislumbre, mas foi o suficiente. Ele fechou a porta. “Ela estourou a cabeça”, disse ele. Lester foi até o telefone no balcão da cozinha, pensando que íamos chamar a polícia, mas assim que estendeu a mão para o receptor, o telefone tocou. Por um instante, Jerry e Lester congelaram.

Lester atendeu.  “Olá.”

“Este é Allan.”  Ele ligou porque não podia esperar mais.

Lester hesitou. Jerry percebeu o que estava acontecendo. “Esse é Allan?” ele perguntou. Lester humildemente entregou-lhe o telefone.

“O que você achou?” A voz de Allan estava tensa e trêmula.

“Temo que não seja bom”, disse Jerry, sem encontrar palavras para descrever o que acabara de ver.  “Mas não se preocupe – o pequenino está bem.”

“O bebê está bem?”

“Sim.”

“E quanto a Betty?”

“Sinto muito, Allan.”

“O que aconteceu?”

Jerry precisava dizer algo. “Não sei ao certo.”

“O que você acha?”

“Parece que ela levou um tiro.”

“Quão?  Não temos uma arma.”

“Sinto muito, Allan. Eu gostaria de ter outra maneira de dizer isso.” Após um silêncio, Jerry disse: “E Alisa, Allan?  Você sabe onde ela está?”

“Sim, ela está bem. Ela está bem”

“Eu gostaria que houvesse algo mais que eu pudesse dizer, Allan. Vamos ficar aqui e explicar tudo para a polícia. ”

“Ok, obrigado, Jerry.” Allan ficou atordoado e tão desorientado que se esqueceu temporariamente de onde estava. Sem saber mais o que fazer, ele ligou para Candy Montgomery novamente.

Pat ficou um pouco irritado quando o telefonema chegou por volta das onze e meia: ele e Candy tinham acabado de começar a fazer amor. “Que momento”, disse ele, quando Candy estendeu a mão imediatamente para o telefone.

“Doce.” A voz de Allan estava distante e monótona. “Eu tenho más notícias.  Betty está morta.”

“Oh, Allan.”A voz de Candy falhou. “O que aconteceu?”

“Parece que ela levou um tiro. Os vizinhos a encontraram. ”

“E quanto a Bêtania?”

Allan nem ouviu a pergunta. “Eu sei que tem havido algumas coisas a incomodando recentemente”, disse ele, “e eu sei que ela está chateada, e ela estava duas semanas atrasada com a menstruação.  Mas nunca pensei que ela iria … ”

Allan parou e Pat notou lágrimas se formando nos olhos de Candy. “O que posso dizer, Allan?” Candy estava quase chorando.

Por favor, fique com Alisa por um tempo e não conte a ela o que aconteceu.  Eu quero dizer a ela. ”

“Oh, Allan, você vai ficar bem?”

“Sim estou bem.  Eu tenho que ir.”

Candy desligou e começou a soluçar.  Pat passou o braço pelos ombros dela. “Ela está morta?” ele perguntou.

“Não sei, não perguntei. Como você pode perguntar algo assim? Mas ela deve ter sido, porque os vizinhos a encontraram. ”

Uma arma, ela pensou. Um suicídio. Está tudo bem agora porque aconteceu com uma arma.

Allan Gore se perguntou para quem ele deveria ligar em seguida. Ele olhou para a parede e sua mente ficou em branco por um momento. Então ele viu Betty, como a vira pela última vez naquela manhã, como ele a veria nos próximos meses. Ela saiu para a garagem com Bethany em seus braços. Quando Allan se afastou, ela ergueu a mãozinha de Bethany e acenou para ele, e pela primeira vez naquele dia Betty sorriu, sorriu de verdade.

Candy Montgomery dormiu três horas e depois se levantou, sozinha, para preparar o café da manhã. Pat, as crianças e Alisa Gore ainda estavam dormindo. As crianças ainda não sabiam, é claro.  Ela e Pat ficaram conversando sobre Betty por um tempo, mas como Pat não conseguiu obter nenhuma informação da polícia, elas desistiram e ficaram olhando para o teto. Eles tentaram dormir. Pat adormeceu primeiro, mas Candy não parava de pensar no último telefonema de Allan. Depois de dizer a eles que Betty havia sido baleada, ele ligou de volta para dar-lhes seu horário de voo. Antes de desligar, ele disse outra coisa. “Falei com a polícia e mencionei que você estava lá, então provavelmente eles vão ligar.” Foi a primeira vez que Candy pensou nisso.

Candy cumpria os rituais de uma dona de casa, arrumando a cama, guardando alguns brinquedos. Ela chamou baixinho para as crianças se levantarem e elas desceram as escadas mancando para tomar o café da manhã. Pat saiu para cortar a grama. As crianças terminaram de comer e correram para brincar.

Em seguida, começaram os telefonemas.  “Candy, você ouviu?”

“Sobre Betty?  Só que ela foi baleada.”

“Bem, não ligue um rádio onde Alisa possa ouvir. Eu não ouvi isso, mas entendo que está em todos os noticiários. ”

“Ah, é?” Candy sentiu uma pontada;  ela olhou para frente. “Obrigado por nos avisar.”

O telefone tocou de novo quase assim que Candy desligou. Como era sábado de manhã, todos estavam em casa, ouvindo rádios e trocando informações por telefone.

“Doce? Você sabe que Betty está morta? “

“Ouvimos ontem à noite.  É tão horrível.”

“A polícia acabou de sair. Dizem que ela foi assassinada – com um machado.”

O pavor desceu novamente. “Um machado?”

“Deve ter sido uma pessoa muito doente.”

O telefone não parava de tocar.  Candy foi até o quintal e procurou algo para fazer. Ela pegou os aparadores de cerca viva e cortou os arbustos ao redor da cerca branca. Era um trabalho difícil e complicado, mas ela se entregou de coração, esfregando bolhas na mão por pressionar o cortador com tanta força. Então ela recebeu mais ligações, muitas delas de membros chocados da igreja que naturalmente ligaram para a mulher que sempre parecia saber o que estava acontecendo: “Quem poderia ter uma mente tão doente, para usar uma arma como essa?” “Se eles pegarem a pessoa que fez isso, não há nada que possam fazer a ela que seja punição suficiente.”  “Eu simplesmente odeio que Betty tenha sofrido.”  “Eles dizem que têm uma pegada ensanguentada.” A pegada ensanguentada estava rapidamente se tornando o único detalhe do crime conhecido por todas as pessoas no condado de Collin.

Por volta da hora do almoço, as ligações começaram a diminuir. Um amigo relatou que Allan estava em casa e que, quando soube que Betty havia sido morta com um machado, ele quase desmaiou. Candy estava sentada à mesa da cozinha, o telefone aninhado entre a orelha e o ombro e uma tesoura de jardim nas mãos. Enquanto falava, ela mexia na tesoura de jardim para frente e para trás, pressionando com toda a força enquanto as lâminas cortavam um par de sandálias de borracha. Ela continuou seu trabalho por vários minutos, tempo suficiente para destruir toda aparência de padrão nas solas, transformando os sapatos em uma pilha de borracha bagunçada. Depois de desligar o telefone, ela recolheu os restos e os levou para uma lata de lixo do lado de fora.

O que o hipnotizador aprendeu

Candy, segundo seu próprio relatório, a última pessoa a ver Betty viva, tornou-se a principal suspeita no caso em questão de semanas. A polícia a questionou várias vezes, mas sua versão dos acontecimentos do dia e de suas relações com os Gores sempre foi hermética. Ou assim parecia, até Allan Gore admitir que havia encerrado um caso com Candy sete meses antes. Isso deu à polícia um motivo para matar, o que eles não conseguiram entender quando questionaram a brilhante e atraente dona de casa. Eles prenderam Candy Montgomery e a acusaram de assassinato.  Por um tempo, Candy negou as acusações.

Depois de ser libertada sob fiança, Candy parou de ler os jornais e assistir aos noticiários da TV. Mas Pat ficou animado com a maneira como todos os apoiavam, independentemente das novas evidências que vazassem para a imprensa. A igreja havia apoiado de maneira esmagadora. Quase não se passou um dia em que não recebessem pelo menos meia dúzia de cartões de felicitações e cartões “Tenha um bom dia” e cartões “Pensando em você”, alguns deles com palavras estranhas, todos bem intencionados. Pessoas que não escreviam ou viam os Montgomerys há anos estavam visitando as lojas Hallmark em toda a América, tentando encontrar mensagens adequadas para uma família que aguardava uma acusação de assassinato. Candy escreveu respostas para todos eles.

Candy contratou um advogado que ela conhecia da igreja, Don Crowder, para representá-la. Crowder, um sócio em uma pequena empresa com o procurador-geral Jim Mattox, geralmente cuidava do trabalho de acidentes pessoais. Ele nunca tinha estado perto de um caso de assassinato antes, e de repente ele tinha o mais quente do Texas em suas mãos. Quando começou a investigar o caso, percebeu que precisaria de ajuda para arrancar de Candy as memórias daquele horrível dia de junho. Ele pediu a ajuda de um psiquiatra de Houston, o Dr. Fred Fason, que era um homem bem-humorado e charmoso, com um nariz enorme, sobrancelhas grossas e uma boca doce e inteligente. Ele se autodenominava psiquiatra de River Oaks; ele lidou com muitas socialites viciadas em Valium e milionários impotentes. Dr. Fason não se importava se as pessoas soubessem disso também; era a única propaganda que ele tinha.

É por isso que, quando Crowder ligou no início de agosto, Fason foi rápido em dizer que não se importava muito com o trabalho no tribunal – era um péssimo relações públicas. Mas quando o advogado descreveu o caso, Fason ficou suficientemente intrigado para dizer que talvez ele serviria como um consultor e veria o cliente uma vez para o diagnóstico.

Candy e Crowder voaram para Houston, onde Fason administrou uma bateria de testes. Posteriormente, o psiquiatra declarou-se viciado no caso. Ele concordou em tentar invadir a memória de Candy por meio da hipnose. Duas semanas depois, Candy voltou a Houston acompanhada por uma das associadas de Crowder, Elaine Carpenter. Carpenter notou que Candy parecia mais isolada do que o normal, quase entorpecida, na viagem de avião, e enquanto esperavam na área de recepção escura e anti-séptica de Fason, Candy ficou ainda mais vaga.

Quando Fason chegou, ele ofereceu uma saudação alegre e, em seguida, conduziu Candy para seu escritório espaçoso.  Candy se sentia confortável perto do Dr. Fason; ela o achava profissional, mas brincalhão ao mesmo tempo. Depois que Candy desapareceu, Carpenter se recostou em uma cadeira e folheou algumas revistas antigas.  Horas se passaram, sem ninguém entrando ou saindo. Carpenter começou a andar de um lado para o outro, entediado e se perguntando o que poderia estar acontecendo lá dentro. De repente, ela ouviu um grito. Era alto e assustador, vindo do escritório de Fason. Então ela ouviu vários outros em rápida sucessão; eram graves, como gemidos ou como os ruídos que as pessoas fazem quando estão tendo pesadelos.  Ela não sabia dizer se eram de Candy ou de outra pessoa.  E eles não pararam.

Foi a voz de Fason que atingiu Candy – suave, profunda, ressonante, a fonte de seu poder e sua arte.  Fason era psiquiatra, mas também um hipnotizador clínico de primeira linha. Nesse dia, ele começou com um discurso sobre a necessidade de “ser completamente aberto e nivelado”, porque se Candy não estivesse ou não achasse que poderia, a entrevista terminaria. “Não, não há dúvida sobre isso”, ela o assegurou.

“Tudo bem”, disse ele.  “Quero que comece e me conte o que aconteceu naquele dia.”  Candy começou relutantemente com a escola bíblica de férias e acabou contando a Fason tudo sobre a manhã da sexta-feira, 13 de junho – mais do que ela contara a Crowder, mais do que Pat sabia. Em seguida, eles conversaram muito sobre controle e raiva e os medos inconscientes e profundos de Candy.

Depois de algumas horas, quando Fason teve certeza de que havia conquistado a confiança de seu paciente, ele decidiu tentar a hipnose. Candy era extremamente suscetível;  ela desmaiou rapidamente e seu transe hipnótico foi profundo. A voz suave e suave de Fason a levou bem para baixo, até que seu corpo estava totalmente relaxado;  então ele a levou de volta para a despensa de Betty Gore. “Quando eu estalar os dedos”, disse ele, “você começará a reviver e a relacionar esse momento comigo à medida que o passar.  1.  Dois.  Três.”  Ele estalou os dedos ruidosamente. “Começar.  O que está acontecendo, Candy? ” ela não disse nada;  ela parecia preocupada. “O que está acontecendo, Candy?  Você pode me dizer.”  Ele esperou por uma resposta que não veio. “Que pensamentos estão passando por sua mente? Vou contar até três. Quando eu chegar à contagem de três, seus pensamentos e sentimentos ficarão cada vez mais fortes – cada vez mais fortes e mais fortes – tão fortes que você terá que expressá-los e verbalizá-los.  1.  Dois.  Mais e mais forte, tão forte que você terá que tirá-los. Três. Deixe-os sair.  O que você está sentindo, Candy?”

“Ódio.”

“OK. Você a odeia. Expresse seus sentimentos. Cada vez mais forte.”  Candy choramingou.  “Você a odeia”, repetiu Fason.

“Eu a odeio,” ela sussurrou.

“Você a odeia. Você a odeia. Diga isso em voz alta.”

“Eu a odeio.”

“Mais alto.”

“Eu a odeio. Ela bagunçou toda a minha vida. Veja isso. Eu a odeio. Eu a odeio.”

“Quando eu contar até três, quero que você volte no tempo, Candy. Eu quero que você volte no tempo para onde ela está te empurrando. Você está na despensa e ela o empurra. Apenas relaxe. Um. Dois. Três.” Candy choramingou e gemeu baixinho. “O que está acontecendo?  Passar por isso. A sensação é muito forte.  Um.  Dois.  Três. Ela está pressionando você. ” Candy gemeu novamente.  “O que ela vai fazer? O que está acontecendo? Diga-me. O que é?”

Candy tentou dizer algo.

“O que? Mais alto. ”

“Eu não vou deixar ela me bater de novo. Eu não o quero. Ela não pode fazer isso comigo. “

“Os sentimentos estão ficando mais fortes”, disse Fason.  “Mais forte.”  Candy se contorceu no sofá, mas não respondeu.

Fason a fez ir mais fundo no passado, pedindo-lhe para voltar à “primeira vez que você ficou brava.  Você se lembra de alguma vez ter ficado assim antes? Você se lembra disso? ”  Sem resposta.  “Quando você era pequeno. Vamos voltar, voltar no tempo. Vamos entrar na máquina do tempo e voltar no tempo. Quando você era pequeno.  Um.  De volta no tempo.  Dois.  Três. A máquina do tempo para. Quantos anos você tem, Candy?”

“Quatro.”

“Quatro. Me fale sobre isso. O que te deixou tão bravo? “

“Eu perdi isso.”

“O que você perdeu?”

“Raça.”

“Você perdeu a corrida?”

“Para Johnny.”

“Você gosta de Johnny?”

“Ele me bateu.”

“O que ele disse quando bateu em você?”

Sem resposta.  “Como você se sentiu?”

“Louco.  Furioso.”

“O que você vai fazer?”

“Eu vou quebrá-lo.”

“Quebrar o quê?”

“A jarra.”

“Como você quebrou?”

“Eu joguei contra a bomba.”

“Você está assustado?”

Candy acenou com a cabeça.  “Minha mãe me levou ao hospital.”

“O que sua mãe disse?”

“Shhhh.”

“Fez o que?”

“Shhhh.”

“O que ela disse?”

“Shhhh.”

“Quando eu contar até três, seus sentimentos ficarão cada vez mais fortes.  Um.  Dois.  Três.  O que você está vendo?”

“Estou com medo.”

“Do que você tem medo? Você tem medo de ser punido por sua raiva? É disso que você tem medo? “

“Isso dói.” Ela esfregou a mão na cabeça.

“Sua cabeça dói? Aonde dói?”

“Eu estou assustado.  Eu quero gritar.”

“Quando eu contar até três, você pode gritar o quanto quiser.  Um.  Dois.  Três.” Ela estremeceu, mas não fez nenhum som.  “Basta chutar e gritar o quanto quiser”, disse Fason.  “Tudo bem. Tudo bem fazer isso. ” Candy gritou, um lamento estranho que podia ser ouvido através de duas paredes do escritório de Fason. “Está tudo bem”, disse ele. “Basta chutar e gritar o quanto quiser.” Candy respirava com dificuldade. “Como você se sentiu quando ela disse shhh?”

“Estou com medo e vou chutar e gritar.”

“Quando eu contar até três, você vai chutar e gritar o quanto quiser.  1.”

“Eu não posso.”

“Sim você pode.  Dois.  Três.  Chute e grite o quanto quiser. ”

Ela gritou ainda mais alto.  “Dói”, ela gritou, e então gritou novamente.

Assim que ela parou, Fason achou melhor tirá-la do transe. Seriam necessárias mais entrevistas para resolver os detalhes do trauma da infância de Candy, bem como da luta terrível e fatal entre Candy e sua amiga Betty, mas, ao final da primeira sessão, Fason tinha feito o que Crowder pedira que ele fizesse  .  Ele havia encontrado – na memória da disciplina talvez imprudente de sua mãe em um momento doloroso – o gatilho para a raiva de Candy Montgomery.

Uma dança da morte

Em outubro de 1980, Crowder estava pronto para o julgamento. Quando começou, ele surpreendeu a todos com a declaração de que seu cliente alegaria legítima defesa. E quando Candy foi chamada ao depoimento como testemunha, os assentos para os procedimentos do dia estavam mais quentes do que os passes para os jogos do Dallas Cowboys.

No tribunal, Candy parecia sóbria e matrona;  Crowder foi explícito sobre o que ela deveria vestir. Seu cabelo era curto e ondulado. Ela usava brincos e um vestido azul largo, escuro e discreto, com bainha bem abaixo dos joelhos.  Sobre os ombros, ela colocou um suéter de lã branca. Apesar do treinamento de Crowder, porém, Candy era menos do que uma testemunha modelo. Sua voz era cortante e anasalada, seus modos frios.  Enquanto Crowder a questionava – sobre seus filhos, sua educação, sua comunidade e atividades na igreja, sua amizade com os Gores – Candy deu respostas curtas e funcionais. Ela parecia uma professora entediante, pro pronunciando demais as frases e banindo todas as emoções de sua voz.

A história que ela contou não surgiu espontaneamente de sua memória consciente. Dois meses antes do julgamento, a maioria dos fatos do caso – o que realmente acontecera dentro da despensa – permanecia desconhecida. O Dr. Fason mudara tudo isso com três longas e dolorosas sessões de hipnose, e depois de cada uma, Candy repetia os eventos do décimo terceiro para Crowder. Sempre que sua história consciente entrava em conflito com sua história inconsciente, Crowder a confrontava com a mentira e a forçava a admitir os fatos que ela preferia ter esquecido. Dessas sessões, emergiu a melhor reconstrução possível do assassinato de Betty Gore.

Ela não esperava Candy até o meio-dia, então, quando Betty respondeu à batida educada naquela manhã, ela pareceu irritada. Sem dúvida ela tinha acabado de se sentar para descansar pela primeira vez naquele dia depois de colocar Bethany em seu berço para seu cochilo do meio da manhã. Ela provavelmente correu para a porta para que o barulho não acordasse o bebê. Betty segurava uma xícara de café pela metade e, de trás, vieram os sons abafados de The Phil Donahue Show. Como ela não pretendia sair naquele dia, ela estava vestida para o trabalho doméstico: shorts jeans apertados e vermelhos, um pulôver amarelo de mangas curtas e sandálias. Ela abriu a porta da frente pela metade e olhou para fora.

“Betty, tenho um favor especial para lhe pedir.” Candy não demorou muito em saudações, mas ninguém se importou com sua brusquidão;  a simpatia em seus olhos e seu sorriso eram uma saudação suficiente. “As meninas queriam que Alisa fosse ver o filme conosco esta noite, e eu disse a elas que, se estiver tudo bem para você, está tudo bem para mim, e ficarei feliz em levar Alisa às aulas de natação para economizar a viagem extra.  ”

“Tudo bem”, disse Betty.  “Pode entrar.”

“Eu pensei que seria”, disse Candy, “e então acabei de descer correndo da escola bíblica para pegar o maiô de Alisa.” As duas mulheres entraram na sala de estar, que era dominada por um grande cercadinho no meio do chão, com brinquedos e livros infantis espalhados ao redor.

Betty desligou a televisão e foi para a cozinha. “Quer um pouco de café?”

“Não, obrigado.” Candy sentou-se ao lado da máquina de costura, onde percebeu que Betty estava fazendo algo com tecido amarelo. Betty voltou e se sentou do outro lado da mesinha. Ela parecia tensa, como se estivesse ansiosa para que Candy fosse embora. “Então, onde está Bethany?” Candy perguntou.

“Bethany se levantou muito cedo hoje e voltou para a cama.”

“Oh não!” disse Candy, franzindo a testa. “Eu queria brincar com ela.”

“Candy, se você vai levar Alisa para a aula de natação, lembre-se de que ela não gosta de colocar o rosto debaixo d’água”, disse Betty. “Então, quando ela colocar o rosto para baixo, certifique-se de dar a ela balas de hortelã depois.  Essa é a recompensa que usamos. ”

Betty estava relaxando um pouco, como se a conversa fiada fosse uma interrupção bem-vinda às tarefas matinais. Eles conversaram um pouco, então Candy olhou para o relógio. “Bem, está ficando tarde e eu tenho alguns recados para fazer.  Você quer me dar o terno de Alisa?”

Betty não se mexeu da cadeira. Seu rosto estava em branco;  seus olhos estavam desfocados. “Candy”, disse ela calmamente “você está tendo um caso com Allan?”.

Candy ficou pasma. “Não, claro que não,” ela respondeu, um pouco rápido demais.

Betty semicerrou os olhos e uma rigidez rastejou em seu tom. “Mas você fez, não é?”

“Sim”, disse Candy, baixinho agora, “mas foi há muito tempo.” Candy estava imóvel e seus olhos evitaram os de Betty.  Betty não disse nada, olhando além da cabeça de Candy, paralisada, mal-humorada. “Allan disse a você?” Candy olhou para o rosto de Betty em busca de algum sinal.

“Espere um minuto”, disse Betty. Ela se levantou abruptamente da cadeira e passou pela porta aberta da despensa e sumiu de vista. Candy se perguntou quão recentemente Betty descobrira. Candy também percebeu, com um pânico silencioso, que não tinha nada a dizer a ela.

Depois de alguns segundos, Betty reapareceu na porta, o rosto tenso. Ela estava segurando o cabo curvo de madeira de um machado de um metro, o tipo usado para cortar lenha pesada. Sua postura, estranhamente, não era muito ameaçadora, já que ela segurava o machado desajeitadamente, longe de seu corpo, a lâmina apontada para o chão.  Candy estava mais preocupada com o que Betty diria do que com o que ela faria. Candy se levantou, mas não se mexeu da cadeira. “Betty?”.

Bem, não o veja de novo”, disse Betty. Foi uma ordem.

“Dadas as circunstâncias”, disse Candy, “acho que vou levar Alisa para casa e deixá-la logo após a escola bíblica.”

“Não”, disse Betty asperamente. “Eu não quero mais ver você.  Apenas fique com Alisa e leve-a ao cinema, porque não quero olhar para você de novo.  Traga-a para casa amanhã.”  Betty encostou o machado na parede, bem dentro da sala de estar, e passou por Candy no meio da sala. “Vou pegar uma toalha no banheiro”, disse ela, por cima do ombro.  “Você tira o terno de Alisa da máquina de lavar.”

Tudo o que Candy queria fazer era sair de casa, porque de repente ela teve uma sensação de enjôo na boca do estômago. Enquanto tirava o maiô da máquina de lavar, Betty reapareceu atrás dela. “Não se esqueça das balas de hortelã de Alisa.” O tom era mais suave agora, mais reconfortante.  As duas mulheres se encontraram na porta da despensa e Betty entregou a toalha para Candy.

“Tudo bem”, disse Candy. “Eu tenho algumas balas de hortelã em casa que posso dar a ela.”

“Não.”

Crowder pegou o machado e colocou-o no quadril direito. É hora de uma jogada ilegal, ele pensou. “Mas você a matou com o machado, não foi?” ele disse enquanto caminhava de volta para o banco das testemunhas.

“Sim.”

“Este machado bem aqui-“

“Não me faça olhar para isso.”

Ele agarrou o machado com as duas mãos, trouxe-o à vista e o empurrou em direção ao rosto de Candy.

“Não faça isso!”

“Você a matou com este machado bem aqui, não foi?” Pat Montgomery pôde ouvir o grito de Candy na sala das testemunhas, a trinta metros de distância. Candy começou a chorar e pareceu se levantar da cadeira. “Você a matou com este machado bem aqui, não foi?”

“Sim,” ela disse, para que ele levasse embora.

Uma das juradas enxugou os olhos avermelhados com um lenço de papel. Outra se contorceu em sua cadeira, ofendida com o truque barato. Ela também se perguntou por que Candy parecia tão fria e impessoal, mas também sentia uma estranha simpatia por ela. Sua história se juntou;  não parecia caiado de branco. Mas como você pode ter certeza? Ela queria que o promotor, Tom O’Connell, fosse duro, abrisse cada parte da história, encontrasse a única mentira que faria tudo desmoronar.

Crowder conduziu Candy pelo resto do dia e fez com que ela admitisse todos os acobertamentos e evasões da semana seguinte, pois havia tentado evitar ser descoberta.

Depois de um intervalo de dez minutos, O’Connell respirou fundo e mergulhou.Era disso que ele tinha medo. Candy era inteligente, atraente, direta, se conduzia bem e usava a melhor explicação possível, a desculpa de “surtei”. Ele investigaria sua história, tentando identificar as discrepâncias.

Existem promotores que espumam pela boca como cães loucos, agitam os braços e entram em um frenesi de indignação moral, mas O’Connell não era um deles. Ele manteve seu plano original e tentou expor as rachaduras em sua história. Ele pediu a Candy que repetisse seu relato sobre o que aconteceu na despensa, mas com muito menos detalhes. Ela não hesitou e não houve contradições. Ela até acrescentou pequenos detalhes, como a localização dos doces de hortelã em uma tigela de vidro em uma prateleira ao lado da lareira. Era o tipo de coisa que um mentiroso careca não saberia. As perguntas de O’Connell vagavam de um lugar para outro, da despensa ao divórcio de um amigo e de volta aos acobertamentos.  Ele enfatizou que um bebê de um ano foi deixado sozinho por uma mulher que se orgulhava de sua maternidade. Ele apontou as repetidas mentiras de Candy para seus amigos. E então, abruptamente, ele parou.

“Vocês muitos recuem”, disse o juiz.

O testemunho de Candy terminou em uma sexta-feira. Na quarta-feira seguinte, o júri ouviu os argumentos finais e deu o veredicto na mesma tarde. Candy Montgomery foi declarada inocente.

Como já informamos no outro post, aqui você irá ler a primeira parte da história do crime que será contada na minissérie Love and Death. Confira:

AMOR E MORTE NA PRADARIA DO SILÍCIO PARTE 1: Caso de Candy Montgomery
Ela era uma dona de casa suburbana normal.  Tudo o que ela queria era se divertir um pouco com outro homem.  Ela realmente nunca esperou matar a esposa de seu amante.

Sem exceção, cada homem que viu o corpo sem vida de Betty Gore na noite de 13 de junho de 1980, reflexivamente desviou os olhos.  Mesmo aqueles que já sabiam o que havia além da porta da despensa nunca foram ousados ​​o suficiente para olhar mais do que um momento antes de fechar a porta.  Poucos olharam para a cabeça – a visão era horrível demais – então os primeiros relatos sobre a maneira de morrer eram conflitantes e geralmente errados.

Era um cômodo pequeno, de não mais de 3,6 metros de comprimento por 1,80 de largura, reduzido pela presença de uma lavadora, uma secadora, um freezer e um pequeno armário onde Betty guardava brinquedos e bugigangas.  Em um canto havia uma carroça de brinquedo novinha em folha e um banheiro infantil.  Mais perto do centro da sala, onde o freezer ficava encostado a uma parede, havia dois pratos de comida para cachorro e um livro amassado de canções de ninar da Mamãe Ganso.  O livro tinha uma capa branca, que se destacava em nítido relevo porque, na forte luz do teto que refletia no linóleo dourado da colheita, era um dos poucos objetos na sala que não estava coberto de sangue.

Seu braço esquerdo foi a primeira coisa que notaram depois de abrir a porta.  Estava em uma poça de sangue e fluido tão espessa que o braço parecia flutuar acima do linóleo.  Para dar uma olhada em seu rosto, os homens tiveram que caminhar ao redor do oceano de vermelho e preto para se aproximar.  O que eles viram foi ainda mais perturbador.  Seus lábios estavam separados, mostrando os dentes da frente, a boca formando um meio sorriso.  Seu cabelo irradiava em todas as direções, uma massa emaranhada e encharcada de preto brilhante.  E o olho esquerdo de Betty estava bem aberto, olhando para as enormes crateras pretas em seu braço.  Quanto ao olho direito – ela parecia não ter um.  A metade direita inteira de seu rosto parecia ter sumido.

A poucos metros da cabeça de Betty e meio escondido sob o freezer, estava um machado pesado com cabo de madeira e um metro de comprimento.  A polícia que investigou a morte de Betty Gore inicialmente não conseguia acreditar que alguém tão pequeno quanto Candy Montgomery tivesse força física para empunhar aquele machado de forma tão brutal.  Mesmo enquanto suas suspeitas aumentavam, eles achavam difícil acreditar que essa dona de casa suburbana bonita, vivaz e totalmente normal pudesse fazer um ataque tão cruel.  Ela era uma mãe amorosa, uma esposa dedicada, frequentadora da igreja e amiga de todos.  E ela não estava fingindo ser cínica.  Ela realmente era tão normal, agradável e boa quanto parecia – exceto por um canto escuro de sua alma que nem mesmo ela conhecia.

Graças a deus pelo país

Foi um serviço religioso que reuniu Candy Montgomery e Betty Gore pela primeira vez, e foi a igreja que os levou a seus momentos de intimidade e, eventualmente, ao ódio mútuo e à morte brutal de Betty.  A Igreja Metodista de Lucas era, mais do que a maioria dos locais de culto, uma instituição controlada por mulheres.  O centro do universo de Candy Montgomery, quase desde o dia em 1977, quando ela se mudou para a casa dos seus sonhos no campo, era a construção de madeira branca, conhecida por seus fiéis simplesmente como a igreja.  Afastado da beira da estrada, pintura descascando, campanário enferrujado, seus pisos ecoando ocos sob os passos de solas pesadas dos homens, a princípio não parecia um lugar que provavelmente abrigaria as tendências mais liberais da teologia metodista.  Os prédios da igreja ficavam em uma pequena elevação cercada por campos de trigo em três lados e uma estrada de fazenda para o mercado no quarto lado.  Quando o céu estava claro e o vento forte, como estava, a paisagem parecia um posto avançado agreste e indomado, solitário e um pouco ameaçador, não bonito, mas deslumbrante em seu vazio marrom e cinza.

O país, como as pessoas que ali se instalaram gostavam de chamá-lo, tinha de oito a dez vilarejos amorfos no leste do condado de Collin, mas na verdade não tinha nome.  A maioria de seus moradores viera para escapar de alguma coisa: cidades, densidade, rotina, medo do crime, moradias caras, os problemas urbanos que seus pais nunca conheceram.  Eles surgiram nos anos 70, quase na época em que os incorporadores de Dallas começaram a comprar os fazendeiros um por um, e se estabeleceram em lotes do tamanho de pastagens em casas projetadas exclusivamente para eles por arquitetos felizes em enriquecer satisfazendo seus caprichos pessoais.  Eles mandaram seus filhos para uma pequena escola vermelha, ingressaram em um clube cívico ou concorreram ao conselho municipal e começaram a ir à igreja novamente quando encontraram a pequena capela pitoresca à beira da estrada de Lucas.  Vinte milhas a sudoeste ficavam as fervilhantes rodovias de Dallas, as enormes corporações eletrônicas onde muitos deles trabalhavam como engenheiros, físicos e analistas de computador, a interminável cadeia de conjuntos habitacionais suburbanos e shoppings e centros de escritórios correndo ao norte da cidade.  Mas aqui havia silêncio, solidão e controle sobre suas vidas.  Alguns deles falaram disso com orgulho.  “As coisas eram assim em casa”, diziam, ou “Graças a Deus tínhamos dinheiro suficiente para nos mudar para o campo para que as crianças pudessem ter uma boa educação”.  O país era puro, imperturbável, seguro, inocente, uma visão da América regenerada.

Cortando o coração do país estava a FM Road 1378, um asfalto tortuoso de duas pistas conectando McKinney, a sede do condado, com Wylie, uma antiga cidade ferroviária agora dedicada a residências e indústria leve.  Ambas as cidades eram mais antigas e mais autenticamente ocidentais do que qualquer coisa nos cerca de 30 quilômetros entre elas, pois 1378 havia se tornado a artéria principal para as novas subdivisões cheias de arquitetura de fantasia: casas em forma de vilas alpinas, casas embonecadas como castelos medievais, casas como  proibidos como pavilhões de parques nacionais ou isolados como bases de mísseis, escondidos em matagais ao longo das margens do Lago Lavon.  Justapostos a essas declarações pessoais estavam os exemplos mais familiares de arquitetura de pradaria: casas de trailer, lojas de iscas, salões de alojamentos sem janelas, um abrigo revival ao ar livre, cemitérios de cidades fantasmas.  A única conexão entre o passado e o presente eram as onipresentes cercas de cavalos brancos que proliferavam ao longo da rodovia e ao redor de muitas das casas novas, em proporção inversa ao número de cavalos que precisavam de currais.

“Você estaria interessado em ter um caso?”

Candy Montgomery sempre seria capaz de se lembrar do momento preciso em que decidiu que iria para a cama com o marido de Betty, Allan Gore.  Aconteceu na quadra de vôlei da igreja, em um dia de final de verão em 1978. Candy e Allan tentaram fazer uma jogada com a mesma bola – e colidiram.  Foi um solavanco inofensivo, realmente, e passou despercebido por todos os outros na quadra, mas para Candy trouxe uma revelação: Allan Gore cheirava sexy.  Durante várias semanas, ela conversou abstratamente com amigos sobre ter um caso.  Candy queria algo para sacudir sua vida “muito chata” com Pat.  Ela foi explícita sobre o tipo de caso em que estava interessada: sexo transcendente.  Como ela disse, “Eu quero fogos de artifício”.

Então ela esbarrou em Allan Gore e se perguntou: “Será que um homem como esse pode fazer a terra se mover?”  À primeira vista, ele não parecia.  Allan tinha a linha do cabelo recuando e o início de uma barriga barriguda, e ele se vestia com suavidade, para dizer o mínimo.  Mas, sob outros aspectos, ele era o tipo de homem com quem ela poderia se divertir.  Ela conhecia Allan há apenas nove meses, mas parecia muito mais tempo.  Ele era muito parecido com ela: ativo na igreja, amante de crianças, a metade extrovertida e pessoal de um casal incompatível.  Allan cantava no coral, ajudava a organizar as equipes esportivas, fazia todas as coisas em que Betty nunca parecia querer se envolver. Ele tinha senso de humor.  Era natural que ele e Candy se vissem muito.  Mais especificamente, uma voz minúscula e insistente no fundo do cérebro de Candy dizia a ela que Allan Gore estava tão ansioso para ir para a cama com ela quanto ela estava com ele.

Tudo começou com pequenas coisas. Allan parecia brincar mais com ela do que com as outras mulheres da igreja. Ele brincava com ela sobre suas habilidades no vôlei e de vez em quando dava uma piscadela maliciosa, como se compartilhassem algum segredo. Após a prática do coral, os dois ocasionalmente conversavam um pouco mais do que o necessário ou ficavam no estacionamento enquanto os outros entravam em seus carros.  O flerte foi sutil. Às vezes era tão parecido com a amizade natural de Allan com todos que Candy duvidava que fosse um flerte real. Mas então Allan faria algo que foi inconfundivelmente projetado para chamar sua atenção, e ela começaria a se perguntar tudo de novo. Com o passar das semanas, ela começou a fantasiar sobre sexo com o homem que cheirava tão bem.  Candy tinha quase 29 anos e estava sexualmente frustrada. Ela foi totalmente honesta consigo mesma sobre isso. Quantos anos mais ela teve para descobrir o que estava perdendo? Não muitos. Ela decidiu fazer algo a respeito.

Ela teve sua chance uma noite após o ensaio do coro. Allan já estava entrando no carro quando Candy o avistou.  Ela caminhou até o lado do passageiro e abriu a porta. “Allan”, disse ela, inclinando-se para dentro do carro, “quero falar com você algum dia, sobre algo que está me incomodando.”

“Oh?” ele disse. “Que tal agora?” Candy deslizou para o assento ao lado dele.  Ela nem olhou para ele.
“Tenho pensado muito em você e isso está realmente me incomodando e não sei se quero que você faça algo a respeito ou não.” Allan, um pouco confuso, não disse nada.  “Sinto-me muito atraído por você e estou cansado de pensar sobre isso, então queria te contar.”  E com isso, ela saltou do carro, bateu a porta e correu pelo estacionamento.
Allan se sentiu chocado, lisonjeado e um pouco ridículo. Ele não ficou chocado com a franqueza de Candy – ele a conhecia há tempo suficiente para perceber que ela falava exatamente o que estava em sua mente – mas ficou perplexo que outra mulher estivesse sexualmente interessada nele. Ele também ficou surpreso, e secretamente satisfeito, por ser Candy. Mesmo que ela não fosse o que você chamaria de uma beleza clássica, ela era uma das mulheres mais atraentes da igreja, em sua opinião, e certamente a mais divertida de se estar. Então, uma onda de dúvida o atingiu: talvez Candy estivesse apenas flertando, à sua maneira, porque tudo o que ela realmente disse foi que estivera pensando nele. Mas uma maneira tão estranha de dizer isso.
Allan pensou muito em Candy nos dias seguintes e se perguntou se ela diria mais alguma coisa na próxima vez que estivessem juntos. Ele pensou em ligar para ela, mas então se sentiu bobo e estranho.  Ele também pensou, um pouco culpado, em como Candy era diferente de sua esposa.  Betty estava tão severa como sempre; Candy estava sempre acordada, sempre ocupada, autoconfiante, descontraída, calorosa.

Betty Pomeroy fora uma daquelas garotas cuja convencionalidade a tornava o frequente centro das atenções. Ela era bonita; ela tinha uma inocência e um largo sorriso de Hollywood que a tornava uma das garotas mais populares de sua pequena cidade natal, Norwich, Kansas. Na faculdade, Betty se apaixonou por seu professor de matemática e, quando ela e Allan Gore decidiram se casar, sua família e amigos ficaram surpresos. Eles não podiam ver o que ela via nele. Allan era um homem baixo e simples, com óculos de aro de tartaruga e bochechas inchadas e, mesmo em tenra idade, sinais de recuo da linha dos cabelos. Ele também era tímido, o que muitas vezes o fazia parecer severo, indiferente ou até esnobe.
Betty e Allan se casaram em janeiro de 1970 e acabaram se estabelecendo nos subúrbios de Dallas.  Quando o primeiro filho nasceu, Allan trabalhava para a Rockwell International, um conglomerado de eletrônicos e grande empreiteira de defesa. Em 1976, Betty conseguiu um emprego como professora em uma escola primária na pequena cidade de Wylie, cerca de 16 quilômetros a leste de Plano, mas não gostou do trabalho por muito tempo. Ela não conseguia controlar seus alunos indisciplinados e, ao mesmo tempo, não suportava ficar sozinha em casa quando Allan tinha que viajar.

Apesar de sua infelicidade, no entanto, Betty decidiu, como um novo ano escolar começou no outono de 1978, que eles deveriam ir em frente e ter o próximo filho, mas desta vez ela queria que a gravidez fosse planejada para a semana exata para que  o bebê nasceria no meio do verão e ela não teria que deixar de dar aulas. Isso era especialmente difícil, uma vez que a vida sexual dos Gores havia se reduzido a quase nada, e quando eles faziam sexo, era completamente mecânico.  Agora, Allan era obrigado a fazer sexo clínico com Betty todas as noites durante o período estimado de fertilidade, em nome do planejamento familiar. Ele se sentiu um pouco ressentido;  ele tinha a nítida sensação de que estava sendo usado.  Isso, combinado com as queixas habituais de Betty sobre doenças menores, fez o futuro conjugal de Allan parecer sombrio, de fato, quando comparado com o rosto brilhante e despreocupado de Candy Montgomery, cheio de promessas e, ele tinha que admitir, sedutor.  Isso não significava que ele não amava Betty ou que faria qualquer coisa para machucá-la.  Allan simplesmente agradou que uma mulher como Candy sentisse essas emoções por um homem como ele.

Mais ou menos uma semana após o ensaio do coral, Allan viu Candy novamente.  Foi depois de outro jogo de vôlei da igreja.  Allan e Candy ficaram para limpar o ginásio e depois caminharam juntos para o estacionamento.  Quando chegaram ao carro dela, Allan disse: “Agora, o que você tinha em mente?”
“Entre”, disse Candy.
Allan deslizou para o banco do passageiro.
“Você estaria interessado em ter um caso?” ela perguntou.
Apesar de toda a sua preparação mental, Allan não estava preparado para algo tão direto.  “Não sei o que dizer”, disse ele.

“É apenas algo em que estive pensando e queria dizer para não ter que pensar mais nisso.”

“Acho que não conseguiria, Candy.  Não acho que seria uma coisa sábia a fazer, porque amo Betty.  Uma vez, quando estávamos morando no Novo México, ela teve um caso que me machucou muito, e eu não gostaria de fazer isso com ela.” disse ele.

Candy ficou surpresa ao perceber o quanto Allan havia pensado em sua resposta. “Tudo bem, Allan.  Eu amo Pat também.  Eu também não gostaria de machucá-lo.”

“Betty também acabou de engravidar de novo, e seria injusto com ela, especialmente porque não sinto por você o mesmo que sinto por ela.  Então eu provavelmente não poderia fazer algo assim.”

“Ok, Allan, eu estava apenas colocando a opção para fora por causa de como me sentia e cabe a você decidir.  Eu não quero prejudicar seu casamento.  Tudo que eu queria fazer era ir para a cama.  Não vou mencionar isso de novo. “

Allan se inclinou no assento e beijou suavemente os lábios de Candy. Então ele saiu rapidamente do carro.

O último dos amantes da brasa

Uma coisa em que Allan Gore sempre acreditou foi que os casamentos são para sempre. É por isso que, quando suas relações sexuais com Betty começaram a se tornar rotineiras e sem imaginação, ele procurou explicações. Ele gostava de sexo e sabia que Betty também gostava, e não havia nada de errado com eles quando estavam felizes e imperturbáveis ​​juntos. Mas ultimamente não havia muito entusiasmo no quarto.  Allan estava trabalhando duro, embora ele não viajasse mais porque Betty tinha um medo profundo de ficar sozinha. Ela frequentemente voltava da escola cheia de tensão e às vezes usava a maior parte dos papéis de avaliação da noite para as aulas do dia seguinte. Quando vocês não passam muito tempo juntos à noite, Allan pensou, geralmente não há muito interesse em passar muito tempo na cama também. Allan temia que eles corressem o risco de serem vítimas de um tédio completo.

Uma solução que Allan considerou brevemente foi um programa chamado Encontro de Casamento.  Alguns amigos dele da igreja, JoAnn e Richard Garlington, foram a um motel em Dallas em um fim de semana para uma sessão especial de Encontro de Casamento, na qual vários casais falaram sobre seu casamento e tentaram fortalecer seu compromisso.  Allan não entendeu exatamente o que aconteceu, mas sabia que os Garlingtons voltaram radiantes e quase absurdamente alegres. Eles disseram que estavam viciados no Marriage Encounter e imediatamente começaram a tentar fazer com que outros casais se unissem.  Se fosse qualquer outra pessoa além de Richard e JoAnn, Allan teria desconfiado, especialmente porque Richard não lhe contaria exatamente o que aconteceu durante o fim de semana do Encontro de Casamento. “Você não vai entender a menos que experimente por si mesmo”, disse Richard.  Allan teve que admitir que os Garlingtons pareciam estar mais felizes nos meses desde que foram “encontrados”, como eles diziam.  Uma coisa que os Gores precisavam era de algo positivo e revitalizante em seu casamento, então, certa noite, Allan sugeriu provisoriamente a Betty que experimentassem o Encontro de Casamento.

“Por que precisamos de algo assim?” ela disse. “Já tenho muito que fazer.  Você não acha que há algo de errado conosco, acha?”

Ele poderia dizer que ela ficaria chateada se ele dissesse que sim, então ele mudou de assunto.

Quando Pat Montgomery se casou com Candy Wheeler no início dos anos 70, ele era um dos jovens engenheiros elétricos mais brilhantes da Texas Instruments.  Candy trabalhava como secretária;  ela era pequena e loira e um pouco travessa, com um nariz fino e pontudo e uma risada aguda contagiante.  Ela era uma pirralha do Exército, filha de um técnico de radar que passou os vinte anos após a Segunda Guerra Mundial pulando com sua família de base em base.  Candy parecia ter nascido para uma vida errante, porém, abençoada com um relacionamento fácil com estranhos e uma exuberância coquete que a ensinou desde cedo o poder que as mulheres podiam exercer sobre os homens.

Candy e Pat se mudaram para o país em 1977 com um filho e uma filha;  a essa altura, o casamento deles havia se tornado uma rotina. Pat estava fornecendo tudo que Candy esperava dele, incluindo uma renda de US $ 70.000 com seu trabalho em sofisticados sistemas de radar militar na Texas Instruments.  Candy não se importava de cuidar das crianças e de sua casa, mas estava “louca de tédio”. Foi por isso que, em seu vigésimo nono aniversário, o destaque de seu dia foi um telefonema que veio completamente do nada.

“Oi, aqui é Allan.  Tenho que ir a McKinney amanhã para verificar alguns pneus do caminhão novo que comprei lá.  Gostaria de saber se você gostaria de almoçar, sabe, para falar um pouco mais sobre o que conversamos antes.”

Fazia duas ou três semanas desde a última vez que conversaram, no estacionamento fora do ginásio.  Essas semanas não foram fáceis para Candy. Ela se sentiu uma tola depois de se jogar nele e então ser rejeitada com tanta calma. Além de ficar envergonhada, ela temia que Allan pensasse menos dela. Ela queria tirar todo o incidente da cabeça, e a única razão pela qual ela não pôde foi o beijo.  Se Allan estava tão decidido a se opor à ideia, por que ele lhe deu aquele beijo enigmático na boca um pouco antes de partir? Não foi o que ela chamaria de beijo apaixonado, mas também não foi um beijo fraternal.  E não ajudou a tranquilidade de Candy que ela e Pat estivessem discutindo mais do que o normal ultimamente.  Ela havia trazido para casa alguns trabalhos A + da aula de redação em que estava matriculada, mas tudo que Pat fazia era olhar para eles e fingir que entendia. Sua insensibilidade a enfureceu e a levou a palavras ásperas. Para Pat, não eram discussões sobre nada, mas para ela representavam tudo de errado com o casamento.

Allan e Candy se conheceram em uma oficina mecânica em McKinney, a venerável sede do condado a poucos quilômetros ao norte da casa de Candy. Allan quebrou o gelo imediatamente ao surpreendê-la com um cartão de aniversário. Na capa, lia-se: “Para o último dos amantes do Red Hot”. Ela abriu para encontrar um pequeno saco plástico de Red Hots dentro. Era o tipo de cartão de mordaça piegas que Candy adorava, e ela ficou instantaneamente tocada. Eles entraram no carro dela e dirigiram até uma pequena e pitoresca casa de chá, onde conversaram sobre tudo, exceto sobre si mesmos, por quase uma hora. Allan falou sobre Betty.  Candy falou sobre Pat. Eles compararam anotações sobre seus filhos, conversaram sobre assuntos da igreja. Candy fez Allan falar sobre seu trabalho por um tempo e ele, por sua vez, pareceu interessado quando ela discutiu seu curso de redação criativa. Então, depois que a refeição foi tirada e eles começaram a tomar seu café, Allan disse: “Eu nunca fiz nada parecido com um caso antes.”

“Eu também não”, disse Candy.

“Eu nunca seria capaz de me perdoar se Betty descobrisse algo assim.  Acho que seria devastador para ela.”

“Eu me sinto da mesma forma. Eu não gostaria de ver ninguém machucado por isso, Pat ou Betty.  Teríamos que ser muito cuidadosos para que ninguém jamais soubesse, exceto nós. ”

“Tenho pensado muito sobre o que você disse, sobre não querer me envolver emocionalmente.  Isso seria muito importante para mim. ”

“Eu também, Allan.  Eu só quero me divertir sem me machucar ou qualquer outra pessoa. ”

“Bem, vamos pensar um pouco mais sobre isso e talvez devêssemos pensar um pouco mais sobre os perigos e se queremos correr esse risco.”

“Multar. Eu acho que devemos.”

Pouco mais foi dito naquele dia, mas dentro de uma semana Allan ligou novamente para Candy enquanto Pat estava no trabalho. Eles conversaram mais sobre os riscos de ter um caso, seus medos de fazer algo que arruinaria seus casamentos, mas também falaram sobre sua atração mútua e estavam obviamente entusiasmados com a perspectiva de um encontro amoroso.

“Sabe, se você não for para a cama comigo logo, Allan, então nunca será capaz de corresponder à expectativa que tenho de você na cama”, disse Candy, rindo.

“Eu sei”, disse ele, sem rir. “Já pensei nisso.”

O mês seguinte consistiu em sessões de estratégia para o que deve ter sido o caso de amor mais meticulosamente planejado da história do romance. Tudo começou com tentativas de telefonemas de Allan, perguntando sobre isso ou aquilo. “Quando faríamos isso?”  “E se alguém nos visse?”.

Logo após o almoço na casa de chá em McKinney, eles combinaram de se encontrar para almoçar novamente, desta vez no estacionamento do escritório de Allan em Richardson, de onde dirigiram para um restaurante próximo. Allan estava acostumado a fazer seu próprio horário de trabalho, então uma longa pausa para o almoço não era problema, mas eles poderiam economizar tempo se Candy o pegasse.  Depois de falar sobre os perigos do caso, eles passaram rapidamente a considerar as maneiras pelas quais poderiam evitar esses perigos. Eles conversaram muito sobre envolvimento emocional. Eles concordaram que não haveria nada disso;  era muito perigoso. Contanto que limitassem o caso ao sexo, eles estavam seguros.

Allan começou a ansiar por sua ligação diária do trabalho para Candy.  Candy, igualmente carente de afeto, também ansiava por isso. Allan estava ficando muito mais confortável com a ideia de um caso, principalmente porque descobriu, para sua surpresa, que poderia ir almoçar com Candy, conversar intimamente com ela ao telefone e depois ir para casa com Betty e sempre ser completamente normal.  Candy sempre se sentiu completamente normal perto de Pat, talvez porque ela tivesse certeza de que ele nunca suspeitaria de nada.  Mesmo assim, Allan e Candy hesitaram em mergulhar.

No final de novembro, Candy apresentou o melhor estratagema de todos: convidou Allan para almoçar em sua casa. Ela preparou sua famosa lasanha para a ocasião. Ela também decidiu, antes de Allan chegar, que se nada acontecesse logo, ela não iria perder mais tempo nisso. Ela tinha feito o que podia para que isso acontecesse. Foi realmente uma decisão de Allan. Ele estava tão indeciso que ela estava começando a pensar que ele não era agressivo o suficiente para fazer isso de qualquer maneira.

Assim que Allan entrou na casa de Montgomery naquele dia, ele caiu na gargalhada, pois a primeira coisa que viu, pendurada acima da sala, foi um enorme pedaço de papel pardo. Nele, em Magic Marker, Candy havia feito duas colunas.  A coluna à esquerda era intitulada “POR QUÊ”. A coluna à direita dizia: “PORQUÊ-NOTAS.”. Quando ela disse que o estava convidando para discutir os prós e os contras, ela não estava brincando. Ela também sabia, pelas últimas conversas telefônicas, que Allan estava se inclinando para a decisão de não ter um caso. O pequeno sinal fofo aliviou a tensão.

Depois de comer, eles se sentaram na sala de estar e repassaram a lista um item por vez. Eles pegaram os motivos de não primeiro, começando com o mais importante: o medo de ser pego.

“Mas isso realmente não deve ser um problema”, disse Candy, “se tivermos cuidado”.

Allan estava muito mais preocupado com um dos por que não mais adiante na lista: a possibilidade de que eles se envolvessem emocionalmente. “Precisamos pensar no que estamos entrando”, disse Allan.

“Allan, no que me diz respeito, isso é apenas para diversão.  Eu não estou falando sério sobre isso.  É apenas uma coisa de companheirismo, e não devemos ter medo disso.  Aconteça o que acontecer, vamos fazer isso por um tempo e depois estará acabado. ”

“Tenho medo de me envolver emocionalmente.”

“Nós simplesmente não vamos deixar isso acontecer.”

Os porquês da lista eram bem mais fáceis: um senso de aventura, uma necessidade de companheirismo.  Candy não tinha ido tão longe a ponto de colocar o sexo na lista, mas eles discutiram isso também.

“Sempre nos perguntaremos se não fizermos isso”, disse ela.

“Eu sei”, disse Allan.

“Depende de você, Allan. Eu sei que posso fazer isso. Sei que posso agir de maneira adulta e não correr riscos desnecessários. Eu já me decidi, então me diga se você quer fazer isso. “

Eles não tomaram a decisão final naquele dia, mas depois que Allan saiu, Candy pensou consigo mesma: “Quanto mais você pode ir?”. Eles já haviam dado muita importância a algo que deveria ser mais natural. Não era como se Allan Gore fosse seu homem de fantasia ou algo assim.

Alguns dias depois, Allan ligou novamente.

“Decidi que quero ir em frente com isso”, disse ele.

Ainda assim, não aconteceu de imediato. Havia regras básicas a serem estabelecidas, problemas logísticos a serem resolvidos.  Este caso deveria ser conduzido de maneira apropriada. Candy até fez uma lista de regras um dia para que pudessem discuti-las ao telefone:

Se algum deles quisesse encerrar o caso, por qualquer motivo, ele acabaria. Sem perguntas.
Se qualquer um deles se envolvesse emocionalmente demais, o caso terminaria.
Se eles começassem a correr riscos que não deveriam ser assumidos, o caso acabaria.
Todas as despesas – comida, quarto de motel, gasolina – seriam divididas igualmente.
Eles se encontravam apenas nos dias de semana, enquanto seus cônjuges estavam no trabalho.
Candy ficaria encarregada de preparar o almoço nos dias em que se encontrassem, para que tivessem mais tempo.  Eles perceberam que precisariam de todo o almoço de duas horas de Allan.
Candy ficaria encarregada de conseguir um quarto de motel, pelo mesmo motivo.
Eles se encontrariam em uma terça ou quinta-feira, uma vez a cada duas semanas.  Isso porque Candy estava livre apenas nos dias em que seu filho ia à pré-escola Play Day na Igreja Metodista Allan.  Ela o levava todas as terças e quintas, das nove às duas, mas imaginou que precisaria de três em quatro daqueles dias letivos para todas as outras tarefas e deveres da igreja e da escola em sua agenda agitada.

Finalmente, tendo verificado todas as precauções possíveis, como astronautas se preparando para um lançamento, eles fixaram a data para o início do caso: 12 de dezembro de 1978.

Amor no Como Motel

Candy passou a manhã se arrumando. Primeiro, ela deixou a filha na pequena escola vermelha Lovejoy na FM Road 1378, depois foi para Allen e deixou o filho na pré-escola Play Day. Quando voltou para casa, permitiu-se cerca de uma hora para preparar o almoço especial que havia planejado: frango marinado, salada de alface com tomate cereja e pedaços de bacon, molho Thousand Island, vinho branco e cheesecake de sobremesa. Ela embalou tudo, incluindo uma toalha de mesa, em uma cesta de piquenique e, em seguida, juntou algumas roupas íntimas e uma camisola e colocou-as em sua bolsa. Ela tinha tudo pronto às dez e quarenta e cinco. Por volta das onze, ela estava entrando em Richardson em sua perua, procurando um motel próximo ao escritório de Allan. Ela encontrou um bem na rodovia, a apenas dois ou três minutos de Allan, chamado Continental Inn.

Demorou alguns minutos para fazer o check-in porque a garota atrás do balcão insistiu em ver sua carteira de motorista e pegar o dinheiro adiantado. Candy pagou US $ 29 do dinheiro que ganhou no supermercado no dia anterior e, em seguida, preencheu o cartão de registro com seu nome verdadeiro.  A garota deu a ela a chave de um dos quartos do andar de cima, afastado da rodovia. Candy deu a volta com a perua e começou a desempacotar.

O quarto serviria bem. Tinha cerca de três por quatro metros e meio, com uma daquelas velhas televisões do tamanho de um Buick. As paredes eram revestidas de painéis falsos de um amarelo vivo, que se encaixavam perfeitamente na decoração outonal: carpete marrom antigo e, na cama, uma colcha adornada com folhas e pinhas. Candy foi direto ao telefone e ligou para Allan no trabalho. “Estou no Continental Inn na Central Expressway”, disse ela. “Sala dois-treze.”

“Esteja aí em alguns minutos”, disse ele.

Candy se ocupou em arrumar o quarto. Primeiro ela organizou seu banquete de frango marinado na cama. Em seguida, ela vestiu sua camisola peekaboo favorita; era uma cor rosa suave e quase, mas não totalmente, transparente. Era longo, caindo até os tornozelos, e exibia seu corpo enquanto escondia as coxas um pouco grandes demais. Ela se olhou no espelho.  Para uma mãe de dois filhos, ela não parecia mal. Então ela se sentou em uma cadeira perto da janela e esperou.

De repente, pela primeira vez desde que fizera uma proposta a Allan no estacionamento da igreja, Candy começou a ficar nervosa. Talvez fosse a sala fria e impessoal, talvez a maneira calculada como tratavam o caso. Mas ela sentiu que estava ficando assustada agora que percebeu que tudo o que eles fizessem hoje seria irrevogável. Tudo o que ela tinha feito antes, não importa o quão descarado, tinha sido um flerte inofensivo comparado a isso. Fazer sexo não é tão simples quanto parece. Isso muda as pessoas.

No caminho para o motel, Allan descobriu que também não era tão corajoso quanto pensava. Ele temia que talvez a única razão de estar fazendo isso fosse agradar Candy. Ele tinha que admitir que Candy era sexualmente atraente, mas não queria ficar cheio de ansiedade o tempo todo. Ele não queria se sentir do jeito que estava se sentindo agora.

Mas assim que abriu a porta e viu Candy, sorridente e sedutora em sua camisola rosa, Allan sentiu uma onda de bravata. “Que diabos”, pensou Allan.”Estou aqui e vou fazer isso.”

“Eu fiz o almoço”, disse ela, sorrindo sem entusiasmo.  Allan percebeu, para sua surpresa, que Candy estava ainda mais nervoso do que ele.

Eles se sentaram de cada lado da cama e conversaram um pouco.  Allan comeu o frango e bebeu rapidamente uma taça de vinho.  Candy cutucou seu frango, arrancando uma lasca de cada vez.  “Eu sinto o que estamos comendo”, disse ela.  Allan sorriu.

Eles terminaram a sobremesa e se ocuparam em colocar de lado os pratos e recipientes de papel, como se nenhum dos dois quisesse dar o primeiro passo. Quando não havia mais nada a fazer, Candy sentou-se calmamente na cadeira perto da janela. Houve um momento de silêncio tenso.

“Bem”, disse Allan, “você vai simplesmente ficar sentada aí?”

Candy sorriu. “Sim.”

Allan deu a volta na cama e gentilmente a tocou no ombro. Todo o seu nervosismo se dissolveu.

O sexo era gentil, convencional e satisfatório. Também foi breve. Candy ficou surpresa no início com a ingenuidade de Allan como amante. Quando ela enfiou a língua na boca dele, ficou claro que ele nunca havia beijado a língua antes. A boa notícia é que ele aprendia rápido. Por sua vez, Allan foi positivamente transportado. Candy era tão responsiva e enérgica – ela se movia tanto – que Allan achou mais excitante do que qualquer experiência sexual que já tivera. Foi bom para ele porque parecia tão bom para ela. Ele não poderia continuar por muito tempo, mas ele se lembrou da sensação por dias.

Depois disso, Candy insistiu que os dois tomassem banho antes de sair. “Então você não vai cheirar como eu”, disse ela.

Candy ficou muito satisfeita. Apesar da aparente inexperiência de Allan, ela não teve que fingir muito as suas respostas. E ele mostrou uma grande promessa como amante. Allan estava igualmente satisfeito com o encontro na hora do almoço e ansioso pelo próximo. Quando voltou ao trabalho, sentiu-se fraco pelo resto da tarde.

Depois da primeira reunião no Continental Inn, era óbvio que os dois iriam querer mais. Então, uma semana depois, pouco antes do feriado de Natal, eles combinaram por telefone uma repetição da apresentação. Desta vez, Candy passou a manhã preparando tiras de carne teriyaki e blintzes de queijo.  Ela mudou um outro detalhe. Quando ela chegou a Richardson, ela notou um hotel menor – e mais desprezível – do outro lado da rodovia do Continental. Sempre praticante de compras, ela percebeu que um quarto de motel era um quarto de motel, então por que não comprar algo mais barato do que US $ 29?

O Como Motel era uma verdadeira decadência, mesmo para os padrões menos luxuosos do Continental.  Candy teve a impressão de que o Como não recebia muitos visitantes durante a noite quando entrou no escritório e ficou cara a cara com um balconista parado atrás de uma tela de acrílico, como a janela de um caixa de banco ou, talvez mais apropriado, de um carcereiro. O gerente queria $ 23,50 em dinheiro adiantado, mais um depósito de $ 2 pela chave.  Candy colocou o dinheiro no cocho sob a janela e ele lhe passou uma chave. Ela dirigiu até o asfalto na parte de trás.

Nos meses seguintes, Allan e Candy fariam piadas sobre seu quarto no Como. Candy sempre disse que cheirava a dinheiro velho. A mesquinhez do lugar era o que o tornava tão ilícito – e tão divertido.  A sala era pouco mais do que um cubículo, dez por dez no máximo, feito de ouro esfarrapado. As cortinas estavam caídas e puídas. O tapete felpudo estava emaranhado como cabelo sujo. O banheiro tinha piso de mosaico falso, a torneira vazava e os únicos móveis além da cama eram uma pequena penteadeira, um aparelho de TV e duas poltronas com almofadas de couro artificial.

Aqui, nos últimos dias de 1978 e nos primeiros três meses de 1979, Allan e Candy fizeram amor gloriosamente a cada duas semanas, jantaram salada de taco e lasanha caseira e beberam vinho tinto barato em copos plásticos fornecidos pela gerência.  (Eles vieram embrulhados em sacos de celofane com desenhos de Walt Disney neles.) Depois, eles se reclinavam na colcha e descansavam a cabeça em pequenas almofadas de espuma de borracha e falavam sobre suas vidas, seus cônjuges e filhos e seu amor mútuo por sua igreja  .  Eles conversariam até a hora de Allan voltar ao trabalho ou de Candy pegar o filho e depois ir para a banheira, ligar o chuveiro com defeito e lavar o cheiro um do outro.  Por fim, eles juntariam seus pertences, se beijariam de leve na boca e voltariam à vida normal, fechando a porta atrás de si.

Mais tarde, quando Allan relembrasse suas horas turbulentas de almoço com Candy Montgomery, ele pensaria menos no sexo do que no relaxamento que experimentava. Essas duas horas com Candy eram muitas vezes o único momento em que ele não se sentia responsável pelas emoções das outras pessoas, o fardo terrível de fazer Betty feliz. No confinamento de um quarto no Motel Como, Allan era um homem sem passado e sem futuro, capaz de aceitar o afeto incondicional de Candy – ela o regou com isso – de uma forma simples e sem culpa. Allan nunca tinha estado com nenhuma outra mulher exceto Betty em sua vida.  Essa experiência foi revitalizante de uma forma que sua vida com Betty não era há muito tempo.

O caso também fez Candy se sentir viva novamente. Ela estava animada com o sexo, a intriga e a aventura de tudo isso, e continuou a ver Allan a cada duas semanas, como um relógio.  Infelizmente, depois da terceira ou quarta vez no Como, ela começou a ter dúvidas. Suas dúvidas não foram estimuladas por nenhum sentimento de culpa. Eles começaram, na verdade, quando ela percebeu que o sexo com Allan Gore provavelmente não iria ficar muito melhor do que já estava. Nas primeiras duas ou três vezes a sensação foi boa, mas praticamente não houve melhora, e ela suspeitou que o homem não era capaz de disparar fogos de artifício, por mais que ela o treinasse. O problema mais sério era que Candy temia estar começando a gostar demais de Allan. Às vezes ela até pensava que o amava. Isso era muito arriscado.

Em retrospecto, ela veria que tinha sido inevitável. Com ou sem sexo, ela e Allan esperavam ansiosamente por suas conversas diárias, suas confidências compartilhadas, sua dependência conjunta.  Ultimamente, eles trocavam pequenos cartões engraçados e sempre que Candy tinha que dirigir até Richardson para fazer alguma coisa, ela parava no escritório de Allan e colocava presentes sob o limpador de pára-brisa.  Às vezes, Allan saía para verificar o carro, mesmo quando ele estava hospedado para o almoço, só para ver se ele tinha brownies ou doces caseiros esperando por ele. Uma vez ele encontrou uma pequena estátua de cerâmica de um menino e uma menina se beijando. A inscrição na base dizia: “A prática leva à perfeição”. Com o passar do tempo, eles pareciam menos amantes e mais melhores amigos.  Durante um encontro, eles decidiram renunciar ao sexo porque queriam passar a hora do almoço conversando. Candy poderia até falar com Allan sobre Pat;  ele era aquele entendimento.

Em fevereiro, depois de apenas dois meses e meio, ela estava mais do que um pouco ansiosa porque o relacionamento estava ficando sério de repente. Um dia, durante um almoço, ela abordou o assunto provisoriamente com Allan. “Acho que estou indo muito fundo”, disse ela.

“O que você quer dizer?”

“Eu não quero me apaixonar por você. Estamos ficando sérios e sei que isso é temporário. Eu não quero ter que lidar comigo mesma mais tarde, se formos longe demais”.

“Como você sabe que isso está ficando muito sério?” perguntou Allan.

“Eu penso muito em você.”

“Mas eu pensei que você era o único que disse que você tem que arar na vida e ver o que acontece.”

“Isso mesmo, eu disse isso.”

“Nós vamos?”

“Acho que estou preso em minha própria armadilha.”

“Não vai ficar muito sério se não deixarmos que fique muito sério.  Acho que o relacionamento também é temporário, mas temos que deixá-lo seguir seu curso. ”

“Bem, se você não está muito preocupado com isso, acho que está meio certo.”

Por fim, Candy se permitiu ser convencida a continuar, principalmente porque não gostava da ideia de não falar com Allan e temia que eles não pudessem continuar sua amizade sem sexo. Ajudou o fato de ela e Pat planejarem longas férias para visitar seus pais na Geórgia; isso daria a ela a maior parte do mês de abril para resolver as coisas e descobrir o que realmente sentia por Allan.

Allan duvidava que fosse capaz de se apaixonar por Candy, mas por enquanto precisava dela. Eles tinham algo especial, algo que era renovado cada vez que eles chamavam a atenção um do outro durante um culto na igreja ou tocavam as mãos em uma mesa no almoço ou faziam algo tão simples como perder tempo no telefone.  Allan se sentiu melhor consigo mesmo. Ele não queria que esse caso saísse do controle, é claro, mas até agora ele estava surpreso com o quão pouco mudou o resto de sua vida. No mínimo, tornou tudo um pouco mais fácil.  Até mesmo ir à igreja era fácil, e no começo ele não esperava ser capaz de fazer isso.  Ele ainda gostava de Pat.  Ele não achava que estava fazendo nada para machucá-lo. Não houve mudança em seu relacionamento com Betty.  Quem sabia onde esse caso terminaria ou quanto tempo duraria?  Mas, enquanto isso, ele estava gostando e não conseguia ver como algo muito ruim poderia resultar disso.

Depois que Candy foi para a Geórgia, Allan sentiu sua falta e se perguntou brevemente se seus sentimentos mudariam enquanto ela estivesse fora, mas também sentiu uma sensação de alívio. Ele não havia percebido, até que tivesse algumas semanas de folga, quanto trabalho um caso poderia ser.

Allan não precisava se preocupar com Candy mudar de ideia. Quando ela voltou das férias, era óbvio que ela havia sentido a falta dele tanto quanto ele a dela.  Eles marcaram um encontro para o Como, mas depois do almoço e do sexo, eles passaram a maior parte do tempo conversando sobre a vida um do outro.  Uma coisa sobre a qual falaram foi a gravidez de Betty. Betty estava com sete meses de idade e Allan estava ficando um pouco apreensivo. Betty precisaria de muita atenção à medida que o dia se aproximava, por causa de seus problemas com o primeiro bebê. E passou pela cabeça de Allan que se Betty começasse a ter dores de parto quando ele estivesse em Como, ele nunca seria capaz de se perdoar.  No início de junho, ele disse a Candy que achava que eles deveriam interromper o caso por um tempo, para que ele pudesse estar disponível para Betty o tempo todo. Candy concordou completamente.  Allan adorava isso em Candy; ela entendia coisas assim. Betty teria discordado e reclamado, especialmente quando algo que ela queria era ameaçado.  Às vezes, Allan se perguntava como seria se casar com Candy.  Mas então ele pensou: “Não, isso estava fora de questão”. Ele sabia que nunca se divorciaria de Betty, não importa o quê.

Allan não poderia ter percebido, e Candy não disse a ele, que ela estava mais do que disposta a suspender o caso por um tempo, e isso não representava um grande sacrifício de sua parte.  A última visita ao Como confirmou seus temores anteriores: o sexo não era muito bom. Eles passaram tanto tempo conversando que a parte física era quase obrigatória. Ela nunca diria isso, mas Candy também estava cansada de acordar cedo nos dias em que pecaram juntos, para fazer chow mein de carne, bolinhos de creme e caçarola de presunto e queijo. Allan esperava notas, biscoitos e coisas deixadas em seu carro também.  A coisa toda estava se tornando um aborrecimento. Ela perdeu a magia daquelas primeiras semanas.

Às vezes, Candy admitia para si mesma que se sentia culpada por Pat. Ele estava alheio a tudo. Ela tinha certeza de que ele não tinha suspeitas sobre ela e Allan, mesmo quando eles trocaram olhares durante o culto.  No entanto, às vezes era difícil estar perto de Pat, só porque ele confiava muito nela, e não tornava as coisas mais fáceis quando Pat dizia a ela o quanto gostava de Allan.

Os poderes de engano de Candy foram colocados à prova em meados de junho, quando ela ofereceu um jantar chinês para o coro.  O verdadeiro propósito do jantar era um chá de bebê surpresa para Betty Gore.  Foi ideia de Candy. Ela achou que seria divertido.  Não ocorreu a ela que poderia ser estranho, já que ela nunca se sentiu desconfortável perto de Betty, mesmo quando ela estava dormindo com Allan.  Alguém preparou um bolo especial, todos trouxeram presentes e Candy revelou-se certa: ninguém se sentia incomodado, nem mesmo Betty. Ela sorriu de prazer – foi uma das poucas vezes, na verdade, que ela parecia completamente imperturbável e em paz consigo mesma. Ela era quase uma das meninas.

Primeiro avanço de Betty

Bethany Gore nasceu no início de julho e Betty pareceu se animar por um tempo. Como os bebês costumam fazer, Bethany aproximou seus pais, especialmente durante a semana logo após seu nascimento, antes que contassem a alguém na igreja sobre ela.

A sensação não durou muito, no entanto. Agora que Allan não precisava ficar de plantão o tempo todo, realmente não havia motivo para ele adiar mais o caso. Mas quando ele e Candy voltaram a fazer amor no Como no final de julho, parecia diferente, sem brilho. O sexo ainda era bom, Allan pensou, mas Candy estava mais reservada do que de costume;  algumas vezes ela reclamou dele sobre pequenas coisas que não importavam, e isso não era do feitio dela. Havia outra coisa também: pela primeira vez, Allan estava se sentindo culpado. Ele pensou em Betty em casa, cuidando de Alisa e Bethany sozinha, e não se sentia bem consigo mesmo. Aquela semana depois que o bebê nasceu foi algo especial.  Ele se perguntou se havia uma maneira de recuperá-lo. Ele esperava que não estivesse tornando isso impossível ao continuar a ver Candy.

Allan ficou grato quando Betty finalmente se sentiu bem o suficiente para viajar, porque isso significava que eles poderiam tirar uma semana para mostrar o bebê aos ansiosos avós do Kansas. Ele queria ficar longe de Candy por alguns dias, mas não estava preparado para dizer isso a ela. Antes de Allan partir, eles concordaram em se encontrar no Como na sexta-feira seguinte, já que Candy sabia que poderia conseguir uma babá naquele dia.

Os Gores não chegaram em casa de sua viagem ao Kansas até a noite de quinta-feira, e normalmente Allan teria saído do trabalho na sexta-feira também. Mas ele sabia que Candy realmente queria vê-lo naquele dia.  Se ele não fosse trabalhar e ela acabasse sozinha em Como, as consequências seriam desastrosas. Mas quando Allan disse a Betty que pretendia ir trabalhar na sexta-feira, ela se opôs, argumentando que ele deveria ficar em casa e ajudá-la nas tarefas. Ela não apenas insistia para que ele ficasse em casa, mas também estava mais do que um pouco desconfiada sobre o motivo de ele ter de ir trabalhar. Então Allan inventou uma desculpa para ligar para Candy – algo relacionado à igreja – e depois ligou da cozinha enquanto Betty estava no quarto principal nos fundos da casa. Sem realmente dizer as palavras, ele transmitiu a mensagem de que não conseguiria.  Candy ficou zangada quando percebeu o que ele estava dizendo, porque agora ela e Pat estavam partindo para uma semana de férias e isso significava que ela não veria Allan por mais duas semanas. Allan não queria desligar enquanto ela estava brava, então ele ficou ao telefone por alguns minutos, esperando que ela se acalmasse. Quando desligou, sentindo-se deprimido e envergonhado, voltou para o quarto.

“Nossa, com certeza foi uma longa conversa”, disse Betty.

Candy e Pat passaram a semana seguinte em Wichita Falls e, na sexta-feira seguinte, ela conheceu Allan no Hotel Como. Já era tarde quando ele voltou ao escritório.

Naquela noite, Betty queria fazer amor. Os Gores não faziam sexo desde que o bebê nasceu, no início porque Betty não se sentia bem, depois porque eram simplesmente por hábito. Allan se tornou tão desconfiado de fazer amor com sua esposa que não faziam sexo mais do que uma vez por mês.  Mas o estranho naquela noite foi que Betty foi muito agressiva. Não era típico dela. Allan não se lembrava de ela ter tomado iniciativa antes, em todos os anos em que estiveram casados. Mas Allan estava com Candy há muito tempo naquela tarde e estava exausto. Ele ficou tão surpreso com o avanço sexual de Betty, porém, que não conseguiu pensar em uma desculpa. Ele apenas disse que não tinha vontade.

Betty começou a chorar. Ela ficou envergonhada, humilhada e profundamente magoada.  Teria sido diferente se ela tivesse o hábito de fazer avanços, mas ter o primeiro rejeitado foi demais para ela. Ela tirou conclusões precipitadas.  Allan não a amava mais. Ele a odiava porque ela ficou gorda depois de ter o bebê.  Allan tentou tranquilizá-la, mas nada funcionou. Ela havia sido rejeitada e não suportava isso.

Na manhã de segunda-feira, Allan ligou para Candy. “Eu preciso falar. Quando posso te encontrar e onde? ”

Eles combinaram de se encontrar para almoçar, e Allan contou toda a história daquela sexta-feira à noite. “Betty ficou muito chateada”, disse ele. “Ela ficava dizendo: ‘Você não me ama mais, você não me ama mais.’”

“Você a tranquilizou, não é?”

“Sim.”

Candy começou a chorar.  “Acho que é um pouco injusto da parte de Betty dizer uma coisa dessas depois que você não consegue se apresentar uma vez.”

“Isso me aborreceu também.  Aconteceu que ela deu o primeiro passo.”

“O que você vai fazer?”

“Eu acho que talvez devêssemos acabar com isso.”

“Agora você está sendo extremamente injusto.”

“Tenho medo de machucar Betty.  Acho que talvez o caso esteja afetando meu casamento agora, e se eu quiser colocar minha vida em ordem, tenho que parar de correr entre duas mulheres. ”

“Mas e quando eu sugeri que terminássemos?  Lembra do que você disse então?  Você disse: ‘Não, você tem que ver isso até o fim’ e ‘Só porque algo acontece uma vez, não significa que acontecerá novamente’ e coisas desse tipo. Agora que você não pode tocar com Betty uma vez, de repente você quer encerrar.  Isso é um padrão duplo.”

“Não estou dizendo que devemos definitivamente acabar com isso. Só estou dizendo que devemos pensar sobre isso. Eu não quero machucar Betty. “

A questão não foi resolvida após o almoço, mas eles se falaram várias vezes por telefone nas semanas seguintes.  Cada vez, Candy ficava mais frio e antagônico; ela não conseguia suportar a ideia de Allan ter tão pouca consideração por seus sentimentos. Mas então ela choraria e se sentiria melhor e diria a ele que o amava.

“Eu te amo, Allan.”

“Eu sei, mas nos tornamos muito próximos. Nós nos tornamos tão próximos que temo não amar mais Betty, e isso nunca fez parte do nosso acordo. Nós dois temos usado um ao outro para preencher lacunas em nossos casamentos, e isso não está certo. ”

“É tão injusto.”

Após o incidente da sexta-feira à noite, Betty Gore caiu em um profundo desânimo que durou várias semanas.  A princípio, Allan pensou que poderia dissuadi-la passando mais tempo com ela. Mas logo ela começou a reclamar de dores no pescoço e nos ombros e dores repentinas. Ela ficava taciturna e deprimida na maior parte do tempo, especialmente depois que voltou a lecionar no início de setembro.  Ela começou a consultar o médico de família novamente, e ele prescreveu analgésicos para aliviar algumas de suas queixas. Em particular, ele suspeitava que todas as doenças estavam relacionadas ao estresse.

Mais tarde naquele mês, Allan satisfez uma antiga ambição de sua parte e deixou a Rockwell International para ingressar em uma pequena empresa chamada ECS Telecommunications.  A empresa tinha apenas um produto – um sistema de atendimento telefônico -, mas Allan tinha bons amigos lá, ex-funcionários da Rockwell que o desafiaram a se arriscar com uma pequena empresa no térreo.  A única maneira de Allan ter progredido na Rockwell teria sido aceitando empregos que exigissem longas viagens – fora de questão, devido ao medo de Betty de ficar sozinha. A ECS estava oferecendo mais dinheiro e ações, além disso. O trabalho era empolgante e algo que Allan realmente queria fazer, se Betty concordasse. Demorou um pouco, mas ele a convenceu de que a mudança não era muito arriscada, que ele não passaria mais tempo no trabalho do que agora. Betty concordou relutantemente – se ela não tivesse, Allan não teria feito isso, porque ele não teria sido capaz de suportar as reclamações – mas ela permaneceu com medo e nervosa, como ela estava com qualquer novo empreendimento.

Na próxima vez que Allan falasse com Candy, ele disse que, por causa do novo emprego e do trabalho adicional, não seria capaz de vê-la tanto. Candy estava chateada;  ela estava começando a temer o fim inevitável do caso. Mas ela perguntou a Allan se eles não poderiam se encontrar pelo menos mais uma vez.  Em Como, fizeram sexo rápido e insatisfatório, depois passaram uma hora e meia discutindo como poderiam viver um sem o outro. Candy estava claramente tendo dúvidas sobre o término do caso;  ela havia se tornado muito dependente da bondade de Allan. Na próxima vez que se encontraram, não se preocuparam em ir para o motel. Em vez disso, levaram o lanche para um parque no norte de Dallas e espalharam o cobertor sob uma árvore. O tempo estava tão bom que deu uma aura agridoce à conversa.

“Eu te amo muito, Allan. Não sei se conseguirei se terminarmos.”

Allan não sabia mais o que dizer, exceto as coisas usuais sobre querer consertar seu casamento. “Betty quer ir para o Encontro de Casamento agora. Eu perguntei a ela uma vez antes, mas ela sempre disse que não achava que precisávamos. Acho que talvez faça bem a nós dois.”

“Acho que o Encontro de Casamento será o nosso fim”, disse Candy.

“Oh, não, não necessariamente. Vamos ver o que acontece primeiro.”

Duas semanas depois, Betty voltou ao consultório do médico, extremamente tensa e reclamando de dores nos ombros. Sua pressão arterial estava perigosamente alta. O médico prescreveu mais analgésicos e relaxantes musculares e pediu que ela voltasse em alguns dias. Betty se sentiu um pouco melhor depois de conversar com o médico. O que ela não disse a ele foi que todas as suas ansiedades estavam centradas no fim de semana seguinte: ela e Allan estavam prestes a ser “encontrados”.

“Por que vim aqui neste fim de semana e o que espero ganhar?”

O Royal Motor Coach Inn de Dunfey, um castelo medieval falso cheio de túneis, torres e frontões e os tons roxos e escarlates reais de uma Disneylândia para adultos, era o local de cada mês do encontro de fim de semana chamado Encontro de Casamento Metodista. Foi menos uma sessão de aconselhamento do que uma experiência de imersão total. Embora tivesse a aprovação tácita da igreja, era dirigido por leigos.  Tudo começou com um jantar de sexta-feira à noite, no qual as regras foram explicadas.  Os cônjuges deveriam estar ao lado um do outro o tempo todo.  As televisões não deviam ser ligadas nos quartos. Os jornais foram proibidos. Nada poderia atrapalhar a comunicação dos casais sobre seus sentimentos.

“Comunicação” e “sentimentos” – essas eram as palavras de ordem do Encontro de Casamento, como Allan e Betty descobriram logo após chegarem ao quarto 321. Eles foram conduzidos a uma grande sala de reuniões, com cerca de três dúzias de outros casais, e apresentados aos seus  Líderes de encontro, todos os casais que já haviam passado pelo programa. Os casais no palco falavam abertamente sobre seus casamentos, mas ninguém mais podia falar, exceto na privacidade de seus quartos de motel.

O procedimento era que os líderes propusessem uma pergunta – a primeira era: Por que vim aqui neste fim de semana e o que espero ganhar? – e então os casais se retirariam para seus quartos para escrever as respostas em seus cadernos espirais de Encontro de Casamento individuais  .  (Abaixo da insígnia de Encontro de Casamento na capa estava o versículo bíblico: “Amai-te como eu te amei”.) Depois de escreverem suas respostas, eles trocaram cadernos “com um beijo”, leram as respostas um do outro e discutiram  como essas respostas os fizeram sentir. Quando o tempo acabasse, eles seriam chamados de volta à sala principal para mais depoimentos, seguidos de perguntas adicionais. Os líderes do grupo deram-lhes folhas impressas explicando “como escrever uma carta de amor”, “como dialogar” e “o que é um sentimento?” e assegurou-lhes que tudo o que estivesse escrito nos cadernos seria estritamente privado.

Allan e Betty, como a maioria dos casais que entram no programa, ficaram céticos no início. Parecia bobo escrever coisas em um caderno. Mas eles não tinham escolha. Isso é o que eles foram instruídos a fazer.  Eles foram enviados para seus quartos. Eles começaram a escrever. Allan não sabia o que escrever. Por fim, ele escreveu: “Eu queria vir aqui porque vejo pelos exemplos [de nossos amigos] que isso pode fortalecer ou reconstruir um casamento. Também acho que não me sinto realmente perto de você há algum tempo e não gosto disso. Espero poder aprender a falar com você. Espero que você possa aprender a falar comigo. Quero ser capaz de entender por que você faz as coisas que faz e quero ser capaz de dizer o que quero.

Betty foi mais específica: “Eu vim por vários motivos. Primeiro – por um fim de semana de relaxamento que provavelmente ajudará meus nervos …Segundo – e o mais importante, sairmos sozinhos juntos …Eu não sou uma pessoa para ser deixada sozinha. Quero meu marido comigo e é isso que teremos neste fim de semana – só nós!!”

“Espero ganhar um pouco mais de liberdade de expressão entre nós. Não costumo conter meus sentimentos, a menos que esteja bravo – então não por muito tempo, mas sinto que às vezes você não me deixa saber quando as coisas estão incomodando você. Precisamos trabalhar nisso!”

Enquanto liam suas respostas e discutiam o que haviam escrito, Allan ficou satisfeito ao ver que Betty realmente estava respondendo a esse programa. Depois de alguns minutos, um dos líderes do grupo apareceu e bateu na porta. Era hora da próxima sessão.

Chamada de Foco nos Sentimentos, esta sessão foi mais pessoal. Os casais receberam três perguntas: O que eu mais gosto em você e como me sinto sobre isso (ou HDIFAT, uma das muitas abreviações oficiais de Encontros de Casamento)? O que eu mais gosto em mim e no HDIFAT? O que eu mais gosto em nós e no HDIFAT?

De repente, os Gores estavam em um reino que trazia emoções que Betty nunca havia expressado antes.  Para a primeira pergunta, ela escreveu: “O que mais gosto em você é sua calma e sua capacidade de olhar para tudo com franqueza.  Você não sabe (ou talvez saiba) como isso me afeta … Você é meu tranqüilizante.”  Sua resposta final – o que ela gostou sobre eles como um casal – foi “aquele sentimento especial que tenho quando estamos juntos… Quente e feliz – É horrível quando não somos – é como se eu fosse apenas metade de mim – talvez isso significa que não estou seguro o suficiente.  Acho que não – sua presença é importante apenas para mim. 

As respostas de Allan foram muito mais prosaicas. Ele gostava da “dedicação de Betty em criar os filhos e [seu] trabalho”.  Ele gostava de si mesmo por sua calma e racionalidade. Ele gostava deles por seu “futuro promissor”. Ele se sentia “seguro, mas ainda não totalmente realizado”.

A sessão de encontro estava em pleno andamento no sábado e, à medida que o dia avançava, por meio de refeições e conversas estimulantes e instruções sobre como DILD (descreva em detalhes amorosos) ou “compartilhar nossa singularidade” ou “abrir o dom do diálogo” e  à medida que as perguntas ficavam cada vez mais pessoais e incisivas, o grupo assumia todas as aparências de um enamorado.  Incentivados a demonstrar afeto publicamente, os casais começaram a sair de seus quartos com os braços entrelaçados, de mãos dadas durante as sessões na sala de reunião e trocando beijos leves durante as refeições. Todos receberam uma etiqueta com o nome. Allan leu “Allan e Betty Gore”. Betty leu: “Betty e Allan Gore”. “Os casais foram encorajados a não manter nenhuma conversa com outras pessoas sem incluir totalmente o cônjuge. Dada a imersão total, a falta de influências externas, a concentração total em uma pessoa por um fim de semana inteiro, não era surpreendente que coisas notáveis ​​estivessem acontecendo.  Allan estava começando a perceber por que os casais que emergiam do Encontro de Casamento provavelmente se tornariam evangelistas.”

Durante o tempo que passaram juntos no quarto 321, Allan e Betty estavam certamente começando a se sentir mais próximos. Quando os casais foram convidados a escrever uma “Carta de amor sobre sentimentos de desilusão”, o dique cedeu para Allan: “Tenho sentimentos de tédio, vazio e uma espécie de solidão.  Eu realmente não sei por que, mas eu sei.  Não sinto que realmente sei o que te faz feliz, e isso é frustrante … Às vezes, sinto que o que é mais importante para você é sua sala de aula, não eu. Isso pode não ser verdade, mas às vezes sinto ciúme daquela sala de aula.”

As “cartas de amor” de Betty no sábado começaram com uma confissão de suas deficiências (“Eu uso a máscara da pessoa ‘Faça tudo'”) e levaram a seus medos mais profundos. “Muitas vezes”, ela começou em uma carta, “sinto que o sexo é uma área na qual estamos muito distantes. Acho que parte disso é a maneira como fui criada – sexo é sujo e errado – e por um longo tempo o medo de engravidar quando não queria ser… Eu quero ser desejável para você – e eu quero  Fazer você feliz.”

Em resposta a outra pergunta, ela tocou em uma ansiedade ainda mais específica: “É difícil para mim falar sobre sexo também (mais sobre as coisas de educação).  Às vezes é tão difícil se sentir calmo e quieto quanto você precisa estar para desfrutar do sexo. Acho que a parte do relaxamento é a mais difícil para mim.  É por isso que em Switz. Um pouco (ou muito) de vinho ajudou. Isso me relaxou para que eu pudesse realmente ser livre para desfrutar de tudo. Eu tentei várias vezes, mas o que conseguimos tem gosto ruim, ou Alisa acordou, ou é noite de escola, etc. Sempre há uma desvantagem. Isso significa que não me sinto confortável com sexo se preciso de vinho para tornar o amor mais agradável?  Eu não sei.”

Quando os tópicos sexuais apareceram na carta de Betty, Allan não conseguiu responder. Como ele poderia dizer a ela que uma das razões pelas quais ele não queria mais fazer sexo era porque estava dormindo com Candy? O fim de semana deveria trazer total honestidade, mas esse era um detalhe que ele não pretendia revelar. Quando foram para a cama no sábado à noite, exaustos do longo dia, fizeram amor – e Allan percebeu que o fim de semana seria bom para os dois.

Domingo é o dia final e mais especial de um Encontro de Casamento. Começa com serviços religiosos seguidos por mais sessões de grupo e, em seguida, cada casal recebe uma folha mimeografada. E aí está a grande questão do fim de semana: Quais são os meus motivos para querer continuar vivendo? Os casais se retiram para seus quartos para noventa minutos de escrita em seus cadernos e noventa minutos de diálogo – um total de três horas para o que é chamado de avaliação matrimonial. Destina-se a trazer à tona as emoções que foram construindo ao longo do fim de semana. Depois da sessão Go on Living, os casais frequentemente saem de seus quartos com o rosto manchado de lágrimas e o cabelo despenteado.  No caso dos Gores, foi uma experiência envolvente – e satisfatória. Eles declararam seu amor repetidamente, em cartas e no diálogo. Allan escreveu: “Antes deste fim de semana … eu estava começando a sentir que não sabia se realmente queria viver com você. Mas no pouco tempo que passamos juntos neste fim de semana, percebi que o que eu estava sentindo não era ‘eu não gosto de você’, mas sim como não me sinto animado com você porque estou muito acostumada  do jeito que as coisas são … quero compartilhar muito mais dos seus sentimentos e quero poder compartilhar os meus com você. ”

Betty foi igualmente afetuosa, mas no final de sua carta tornou-se solene: “Aqui estou eu, chorando porque estou muito feliz e orgulhosa de ser sua esposa. Eu sempre soube disso, mas quando você realmente para para pensar sobre isso, temos muita sorte de ter um ao outro. Não vamos deixar nada se interpor entre nós. Já passamos por tanta coisa que podemos olhar para trás como bons (exceto os tempos em que você esteve longe por um longo tempo) … Lembro-me daqueles tempos com pavor. A solidão, a frieza de uma casa que realmente não era um lar sem você lá, o medo por sua segurança, porque você estava onde eu não estava, e eu não podia ter certeza de que você estava bem.  Nunca senti medo pela minha segurança sozinha em casa, mas a sensação de estar sozinha é a pior que se pode ter.  É como se você estivesse em um túnel escuro e você ainda tem um longo caminho até chegar à luz.  A luz não está lá até que você esteja em casa são e salvo.”

Naquela noite, Allan e Betty saíram do quarto 321 pela última vez, e o grupo se reuniu para celebrar o sacramento da Ceia do Senhor (usando um texto modernizado). Os casais beberam o vinho da comunhão à moda do Encontro de Casamento, de braços dados.  Posteriormente, no clímax emocional, todos se casaram novamente em uma cerimônia em que se guiaram através dos votos tradicionais. Muitos de seus amigos “encontrados” os surpreenderam com sua presença na cerimônia, e outros enviaram seus lembretes por meio de cartões de felicitações, parabenizando-os pelo novo compromisso.

Quando os Gores entraram no carro para ir para casa, o rádio estava transmitindo o show de encerramento do jogo do Dallas Cowboys. Allan o desligou; era apenas barulho para ele, parte de uma vida passada. Quando eles voltaram para casa naquela noite, eles atenderam chamadas até a hora de dormir, todos de alegres simpatizantes em breve para fazer parte de seu “grupo da chama”(como em “Mantenha a chama acesa”), que se reunia regularmente para manter o espírito de comunhão vivo.

Os Gores fizeram uma missão antes de voltar para Wylie, no entanto. Eles pararam na casa dos Montgomery em Fairview para pegar Bethany, que Candy tinha ficado com o fim de semana. Allan foi até a porta enquanto Betty esperava no carro.

“Como foi?” perguntou Candy ao entregar-lhe o bebê.

“Foi muito bom para nós.”

“O que isso significa?”

“Eu não sei.”

Na manhã seguinte, Allan ainda estava em alta emocional enquanto se vestia para o trabalho. No caminho para Richardson, ele tentou bloquear todas as sensações, exceto pensamentos de Betty. Sua vida mudou. Ele queria concentrar todos os seus pensamentos e sentimentos em seu casamento, que era mais uma vez a coisa mais importante de sua vida. No entanto, quando começou a trabalhar, sabia que mais cedo ou mais tarde precisaria ligar para Candy. Ela gostaria de encontrá-lo para almoçar. Ele teve que enfrentar isso diretamente.

Eles se conheceram uma semana depois;  ela trouxe um piquenique e eles voltaram para o parque no norte de Dallas. Allan foi quem mais falou. Ele contou a Candy tudo sobre o Encontro de Casamento e o que isso fizera por eles. “Aprendemos muito um sobre o outro”, disse ele. “Eu acho que talvez eu estivesse errado sobre Betty em alguns aspectos. Acho que muitas das coisas que ela não gosta em mim foram baseadas no medo da solidão, em vez de maldade. Dissemos um ao outro coisas que nem havíamos pensado.”

“Isso é bom”, disse Candy. “Estou feliz.”

“Não me sinto necessariamente diferente por você”, disse Allan, “mas sinto fortemente que quero dar todos os meus recursos à minha família.  O relacionamento com você está tirando um pouco do envolvimento emocional e da energia que eu poderia direcionar para Betty e as crianças.  Não tenho certeza de quanto tempo esse sentimento vai durar ou o que vai acontecer, mas sei que não quero interferir com isso “

“O que isso significa para mim?”

Allan de repente não teve vontade de ir para a cama com Candy novamente.

“Não tenho certeza se posso lidar com o fato de não ver você”, disse Candy.

Depois de apresentar o argumento mais forte que pôde para o rompimento, Allan ainda não conseguia dizer as palavras.  Eles deixaram o assunto pendente, mas concordaram em se encontrar novamente no dia seguinte.  Quando o fizeram, Candy foi direto ao ponto. “Allan, você parece estar deixando isso comigo.  Então, eu decidi, não vou ligar.  Eu não vou tentar ver você. Eu não vou incomodar mais você.”

Os dois choraram um pouco porque sabiam que estava tudo acabado. Allan estava secretamente aliviado por ela ter tomado a decisão, não ele. Dessa forma, ele não teria que suportar a culpa. Ele não havia planejado que isso acontecesse dessa forma. É assim que funcionou.

Candy também tinha emoções confusas. Ela estava falando a verdade quando disse que não sabia como lidaria com a perda de Allan. Ela havia se acostumado com a ideia de amar duas pessoas. Ela adorava os telefonemas casuais e as pequenas gentilezas de Allan, e sentiria falta deles. A boa notícia era que ela não precisava fazer mais nenhum maldito piquenique.

Pouco depois, Candy e Pat participaram de uma sessão de Encontro de Casamento. Embora gostassem, não tiveram o tipo de experiência transformadora que Betty e Allan tiveram. Mas os dois casais entraram no verão de 1980 com uma sensação de paz e felicidade em relação às suas vidas. Isso logo mudaria.

Iremos contar para vocês a história que será relatada na minissérie “Love and Death” estrelada pela Elizabeth que será lançada no próximo ano. Dividiremos em 3 partes, uma que foi publicada pela imprensa e outras duas contando os detalhes do crime. Confira a primeira parte abaixo:

HISTÓRIA GERAL!
Candy era mãe e dona de casa normal, segundo todos os relatos, e querida pela comunidade. Em 1977, ela e seu marido Pat Montgomery se mudaram para a casa dos sonhos em Wylie, um subúrbio de Dallas.

Pat forneceu a Candy tudo de que ela precisava, graças ao seu trabalho como engenheiro elétrico na Texas Instruments. Ela conseguiu ficar em casa com o filho e a filha e, embora não se importasse de ser dona de casa, estava reconhecidamente entediada com a vida.

A jovem de 28 anos frequentava a igreja devota e também frequentava a Igreja Metodista de Lucas, onde fez amizade com Betty. O relacionamento delas sofreu uma reviravolta irreversível em 1978, quando Candy colidiu com o marido de Betty, Allan Gore, durante uma partida de vôlei da igreja.

Foi um momento inocente, mas Candy achou que Allan ‘cheirava sexy’. Ela tinha falado vagamente para suas amigas sobre ter um caso para animar sua vida ‘muito entediante’ e sexualmente frustrante com seu marido. Depois de esbarrar com Allan na quadra de vôlei, ela começou a fanatizar em fazer sexo com ele.

Allan pode não ter parecido a escolha óbvia para iniciar um caso. Ele tinha entrada no cabelo e a barriga crescendo, mas eles tinham personalidades extrovertidas semelhantes.

Candy também percebeu que ele estava flertando sutilmente com ela. Ela veio até ele algumas semanas depois que eles colidiram. Ela deslizou para o lado do passageiro do carro dele depois do ensaio do coro da igreja e disse a ele que estava atraída por ele. Então ela saiu.

Allan pensou em Candy aquela semana inteira e em como ela era diferente de sua esposa, que ensinava na escola primária em Wylie e estava grávida de seu segundo filho.
Betty não gostava de seu trabalho e odiava ser deixada sozinha quando Allan tinha que viajar para o trabalho. O sexo deles era rotineiro e mecânico, o que frustrava o marido.

Uma semana depois de Candy confessar que se sentia atraída por ele, eles se viram sozinhos depois de outro jogo de vôlei. Desta vez, Allan estava sentado no carro de Candy no estacionamento da igreja.

Ela disse sem receio que queria ter um caso, o que o surpreendeu. Ele disse que amava muito Betty e não podia fazer isso com sua esposa grávida. No entanto, cerca de duas ou três semanas depois, ele ligou para Candy em seu 29º aniversário e pediu-lhe que o encontrasse em uma oficina mecânica em McKinney, Texas.

Os dois discutiram um caso, ambos concordando que amavam seus respectivos cônjuges e não queriam machucá-los. Eles passaram semanas examinando a logística e estabelecendo regras básicas. Se algum deles começasse a demonstrar apego emocional, eles parariam de se ver.

Candy e Allan começaram seu caso no Continental Inn em 12 de dezembro de 1978. Ele era um amante inexperiente que nunca tinha beijado de língua antes do encontro, mas ela achava que ele prometia.

Eles continuaram o namoro por meses, encontrando-se no Motel Como, mais barato, a cada duas semanas, embora o sexo não tenha melhorado muito. Embora Candy se sentisse culpada por enganar seu marido Pat, ela nunca se sentiu incomodada com Betty. Ela até lhe deu um chá de bebê.

Allan e Betty deram as boas-vindas à sua segunda filha, Bethany, em julho de 1979 e, embora ele continuasse seu caso com Candy, seus encontros eram menos frequentes e sem brilho. Ele também começou a se sentir culpado por deixar Betty em casa com suas filhas Alisa e Bethany.

Apesar do acordo de que não haveria vínculo emocional, Candy diria a Allan que o amava. Betty percebeu a falta de interesse do marido em fazer sexo com ela e tentou seduzi-lo uma noite, mas ele recusou por ter ficado com Candy no início do dia.

Sua humilhada esposa se convenceu de que ele não a amava mais e começou a chorar. Nas semanas seguintes, ela começou a reclamar de dores e sofrimentos e foram prescritos analgésicos que ajudaram seus nervos.

As lutas conjugais de Betty e Allan os levaram a participar de um aconselhamento matrimonial imersivo de fim de semana em sua igreja, o que os ajudou a se entenderem melhor. O novo investimento de Allan em seu casamento fez com que ele e Candy cancelassem o caso.

Allan estava viajando a negócios na sexta-feira, 13 de junho de 1980. Sabendo que Betty odiava ficar sozinha, ele ficou preocupado por ela não estar atendendo a nenhum de seus telefonemas. Ele pediu ao vizinho que batesse na porta da frente para ver se Betty estava em casa. Quando ela não respondeu, ele ligou para Candy para ver se ela tinha notícias de sua esposa.

Candy, que convidou a filha do casal, Alisa, para brincar, e garantiu-lhe que não havia nada de errado. Ela alegou que viu Betty pela última vez quando estava pegando o maiô de Alisa e ela estava bem.

Allan fez mais ligações e soube que as luzes de sua casa estavam acesas e que os dois carros estavam na garagem, mas Betty não atendia a porta. Os vizinhos entraram na casa várias horas depois que ele suspeitou que algo estava errado.

A equipe de busca encontrou a filha pequena dos Gores em seu berço e o corpo de Betty na despensa. Ela estava tão ensanguentada que eles inicialmente pensaram que ela havia levado um tiro.

Depois de ouvir sobre a morte de sua esposa, Allan foi à casa dos Montgomerys para contar a eles a notícia devastadora e pedir-lhes que continuassem a cuidar de Alisa por ele.

Uma investigação levou a polícia a perceber que Betty havia sido morta por um machado. Eles também encontraram uma pegada ensanguentada na cena do crime. A descoberta levou Candy a destruir suas sandálias de verão com uma tesoura de jardim.

Como a última pessoa a ver Betty viva, Candy se tornou a principal suspeita do assassinato, mas sua versão dos eventos do dia parecia normal para os investigadores. Allan acabou confessando ter um caso com Candy que havia encerrado alguns meses antes – motivo para matar Betty.

Candy foi acusada de assassinato e libertada sob fiança com o total apoio de sua igreja. Ela contratou Don Crowder, um advogado que ela conhecia da igreja, para representá-la. Eles concordaram que ela se encontraria com o Dr. Fred Fason, um psiquiatra e hipnotizador clínico, para ajudá-la a se lembrar do que aconteceu na noite do assassinato de Betty para seu julgamento.

A Dra. Fason determinou, após algumas sessões de hipnose, que Candy sofria de traumas de infância que a haviam desencadeado quando adulta. Ela disse ao júri que Betty a confrontou sobre seu caso com Allan e a atacou com o machado primeiro, alegando que ela apontou a arma do crime contra sua ex-amigo em legítima defesa.

Candy desferiu 41 golpes no corpo de Betty – 40 deles enquanto seu coração ainda estava batendo – mas ela insistiu que não queria matá-la. Depois que o júri ouviu os argumentos finais, Candy foi declarada inocente.

Os Montgomerys permaneceram juntos após o julgamento e se mudaram para a Geórgia, mas depois se divorciaram. Foi relatado que Candy agora atende por seu nome de solteira, Candace Wheeler, e trabalha como terapeuta de saúde mental para adolescentes e adultos.