Foi divulgado hoje uma nova entrevista de Elizabeth Olsen para a Variety, na qual a atriz falou sobre sua vida pessoal, vida profissional e muito mais. Confira a tradução abaixo:

Durante sua carreira, Elizabeth Olsen interpretou uma ampla gama de personagens, desde uma fugitiva de culto danificado em “Martha Marcy May Marlene” de 2011, até uma agente do FBI investigando um assassinato em “Wind River”, até uma influenciadora narcisista em “Ingrid Goes West” — e, é claro, a trágica e aterrorizante Wanda Maximoff (também conhecida como Feiticeira Escarlate) no Universo Marvel. No próximo ano, ela estrelará “Love & Death”, uma série limitada da HBO Max sobre Candy Montgomery, uma dona de casa do Texas que em 1980 teve um caso com o marido de sua amiga – e depois assassinou sua amiga, batendo nela 41 vezes com um machado. É baseado em uma história verdadeira.

No entanto, “Love & Death”, escrito por David E. Kelley, e dirigida por Lesli Linka Glatter, não é sombria, de acordo com Olsen — na verdade, “Acho que estávamos tentando encontrar o humor o máximo possível”, diz ela. E quanto a interpretar uma assassina em Candy, ela comparou a experiência a entrar no personagem de Wanda. “O que é divertido para mim é tentar entender por que as pessoas tomam as decisões que tomam”, diz Olsen. “Eu só sinto que esse é o meu papel é defender, defender, defender. E então eu a adoro, e estou impressionada com ela.”

Durante uma entrevista aprofundada para a edição Power of Womenda Variety, Olsen discutiu todos esses personagens e muito mais — e o presidente da Marvel Studios, Kevin Feige, afirmou que o tempo de Olsen no UCM ainda não acabou. Aqui, Olsen se aprofunda em algumas de suas experiências no UCM e detalha por que ela e seu marido, Robbie Arnett, colaboraram em “Hattie Harmony: Worry Detective”, um livro infantil projetado para ajudar as crianças a gerenciar a ansiedade. Ela também fala sobre sua carreira passada e futura — e se suas tentativas de se tornar uma drogada foram bem-sucedidas.

Você virou pó no final de “Vingadores: Guerra Infinita”. Qual foi a sua experiência de trabalhar naquele filme e em “Ultimato”?

Quero dizer, aqueles filmes que eu realmente não sei o que está acontecendo. Acabei de receber minhas páginas, então entendo a parte da história que estou cumprindo. Eu recebo uma história que me é contada pelos Russos sobre o que está acontecendo no resto do filme. E não é no roteiro que todo mundo vira pó.

Você não conseguiu ler o roteiro inteiro?

Esses filmes, você poderia ler um roteiro em um escritório, com um segurança, em um iPad específico. E eu fiquei tipo: “Você pode me dar o que eu preciso saber?” E eu realmente não preciso saber o que acontece com toda a parte do filme de Robert [Downey Jr.].

Você sabia quem morria?

Bem, eu sabia que ele morreu, porque eu filmei.

Ah, sim, é claro.

Mas nós o chamamos de “O Casamento” no cronograma. Mas eu não sabia que fiquei afastada até atirarmos nele. Isso nos foi dito naquele dia. Todos nós fomos para a van onde eles tinham um monte de equipamentos para nos mostrar antes: Scarlett [Johansson], Chris [Hemsworth], Chadwick [Boseman], Sebastian [Stan]. Estávamos todos nesta van, e eles disseram: “É isso que está acontecendo. Vocês vão desaparecer.” E nós ficamos tipo, “OK”. Foi chocante. Quero dizer, nós não sabíamos. Achamos que o filme terminava de forma diferente.

O que você achou que era?

Eu nem me lembro. Quero dizer, sabíamos que Visão morreria, mas eu não sabia que nada passava por isso.

Como estava filmando aquela cena?

Então, é muito embaraçoso filmar esse tipo de coisa, porque, tipo, o mundo depende de você fazer isso. E fizemos alguma improvisação, o que é difícil de improvisar esses momentos. Mas também foi bom, porque naquele momento, Paul [Bettany] e eu realmente nos apoiamos. Foi uma das últimas coisas que filmamos. Eu me senti muito confortável com ele como ator se tivéssemos que improvisar essa batida um pouco. Estávamos tentando encontrá-lo, com os Russos nos guiando. E então, uma vez que acabou, foi um enorme alívio. E eu só me lembro de estar rindo o resto do dia, enquanto Brolin estava de capacete. E eu não sei. Esses filmes são muito bobos, mas você tem que se exercitar para que eles funcionem.

O que é embaraçoso? Quero dizer, acho que posso imaginar, agora que você diz isso.

Porque você é como — [segura a mão dela]. Ugh, estou fazendo isso em público. Mas você tem uma mão que está parando algo com energia. E então você tem outra mão que está extraindo essa coisa falsa desse rosto pontilhado. E é doloroso e emocional.

Qual é a aparência física dele no set?

Ele é tão roxo. E então ele tem uma camada de glitter sobre o roxo. Então, quando ele te toca ou te beija, você recebe brilho em você. E então você também está suando, porque era Atlanta. E assim, ele estaria simplesmente derretendo. E então, ele tinha essas coisas de ouvido onde ele teria que abrir os ouvidos e ir assim, e isso só pingava água. É simplesmente bobagem. Há muitas coisas bobas. Eu sempre gostaria que um dia eles lançassem uma versão do filme sem nenhum efeito especial, porque então você entende como é ridículo. E quão espetacular é o trabalho que vai para fazer isso.

E como funciona quando você faz parte do MCU? Você tem um contrato para um certo número de filmes, e eles só te dizem quando aparecer?

Mais ou menos.

Gwyneth Paltrow está na minha cabeça —

Eu realmente não sei como ela fala sobre isso. Ela não se lembra em quais ela está?

Ela não se lembrava que estava em “Homem-Aranha: De Volta ao Lar”.

Certo, certo, certo, certo, certo. Sim, isso é muito engraçado.

Quando você viu isso, você ficou tipo, “Que diabos?” Ou é que você faz parte de um grupo e realmente não sabe —

Eu sei exatamente o que estou fazendo. Mas eu sinto que ela faz muitas coisas além de ser atriz. Então, talvez ela sinta como: “Oh, sim, isso é isso que eu faço às vezes. E então este é o meu verdadeiro trabalho, administrar este império,” ou o que quer que seja.

Você falou no New York Times sobre não poder fazer “The Lobster” com Yorgos Lanthimos por causa do seu compromisso com a Marvel. Que parte você ia fazer?

Não chegou ao ponto de tomarmos essa decisão, mas ele estava reunindo uma companhia de atores. E estávamos falando de duas partes diferentes. Eram partes menores que eu realmente pensei que teriam sido divertidas. A razão pela qual mencionei isso no artigo do New York Times é porque sinto que, à medida que você envelhece, os tipos de empregos que você diz sim para se tornarem os tipos de empregos que vêm em sua direção. E eu senti que havia uma lacuna na minha experiência de dizer sim a empregos que me levariam por um caminho de ser considerada para certos tipos de filmes. Isso eu não entendia naquela época. Eu acho que a melhor linguagem é, eu não tinha uma filosofia, como uma filosofia pessoal de por que eu quero trabalhar em certas coisas naquela época. Isso, à medida que envelheci, começou a ficar mais claro na minha mente.

Alguma chance de você trabalhar com ele em outra coisa algum dia?

Quero dizer, se ele trabalhasse comigo. Ele faz filmes maravilhosos.

Falei com Kevin Feige, e ele disse que ela fez seis filmes e um programa de TV conosco —

Seis filmes?

Foi o que ele disse.

Uau. [Conta-os em seus dedos.] São seis. Isso é estranho. Isso é, tipo, metade dos créditos de trabalho que eu tenho!

Olhe para você, Gwyneth!

É por isso que eu não tenho tantos créditos, porque são trabalhos longos. Isso é selvagem.

Algumas coisas engraçadas se tornaram virais durante a turnê promocional “Multiverso da Loucura”, como no desafio do detector de mentiras Vanity Fair, quando você disse que nunca conheceu John Krasinski.

Eu estava muito confusa quando ela estava me fazendo essas perguntas. Eu também tive um resfriado terrível enquanto fazia a imprensa, então sinto que não tinha filtro porque estava tão doente. Eu não tive COVID, mas fiquei doente por 14 dias e foi incrível fazer imprensa doente. Você simplesmente não se importa! Mas eu também nunca tinha conhecido John Krasinski. Eu não estava mentindo! Nós filmamos separadamente. Eu estava com o estande dentro. Eu nem sei se eles descobriram que ele estava fazendo isso.

Vamos nos divertir, fogo rápido —

Deus, meu cérebro não está tão rápido agora. Quando não estou trabalhando, meu cérebro é como… [faz um som de gole lento].

Eu acredito em você. Você viu o boato de que você e Henry Cavill estão se juntando a “House of the Dragon” na 2° Temporada?

Não, eu não vi esse boato! Mas estou atualizada sobre “House of the Dragon”.

Então isso é um não.

[Nods] Além disso, quão aleatório. Por que ele? Por que eu?

Eu me certifiquei no Twitter ontem de que vi o mais recente do que as pessoas estão dizendo sobre você. E foi isso.

Não consigo nem pensar em como isso é aleatório. Eu também nem conheço esse cara!

Acho que alguém inventou! Como foi escrever o livro “Hattie Harmony: Worry Detective” com seu marido?

Isso aconteceu porque há um conceito que Robbie e eu estávamos tentando transformar em um livro infantil, e então — nada é fogo rápido para mim, desculpe. A editora da Penguin gostou da escrita e sugeriu se poderíamos criar um conceito que tivesse a ver com o bem-estar mental das crianças. E Robbie inventou Hattie Harmony, e foi isso. Queríamos escrever livros infantis. Realmente se tornou essa coisa sobre nós querermos que as crianças estivessem curiosas sobre o mundo ao seu redor e as pessoas que estão nele. E tentando descobrir uma maneira divertida de se envolver com as crianças. É por isso que os livros infantis começaram a se tornar uma coisa divertida para fazermos juntos. Temos mais um que será lançado no próximo ano, no próximo verão. E então adoraríamos desenvolvê-lo além disso. Eu acho que seria um ótimo show pré-escolar.

Você era uma garota preocupada?

Eu não entendia o que era ansiedade ou um ataque de pânico até os 21 anos.

O que aconteceu quando você tinha 21 anos?

Comecei a ter ataques de pânico. Eu me lembro que os pegaria na hora a cada hora. Eu morava na ’13th Street entre a 6th e a 7th’. Eu estava atravessando a ‘6th Avenida na 14th Street’, e percebi que não conseguia atravessar a rua — eu me levantei contra a parede e pensei que ia cair morta a qualquer momento. Se eu fosse de frio para quente, quente a frio, cheio a fome, com fome para cheio – qualquer tipo de mudança no meu corpo, todo o meu corpo pensou: “Uh oh, algo está errado!” E eu comecei a espiralar. Foi tão estranho. Um otorrinolaringologista disse que poderia estar relacionado à vertigem porque era tudo sobre girar de verdade. Então foram seis meses interessantes.

Como você passou por isso?

Eu tinha uma amiga que estava vendo um neuropsiquiatra — ou psicólogo, não sei se eles medicaram — porque ela teve ataques de pânico antes de mim. E aprendi muitos jogos cerebrais. Na verdade, foi muito semelhante a um exercício de atuação que fizemos na ‘Atlantic’, que é chamado de repetição, onde você está constantemente fazendo observações sobre a pessoa à sua frente e está apenas tentando se conectar. Quando eu andava pela rua, começava a nomear tudo o que via em voz alta para sair dos pensamentos em espiral no meu cérebro. Essa foi uma ferramenta útil. Mas acabou de se tornar uma prática que me tirou disso. Eu não queria tomar medicação, mas eu tinha medicação caso eu sentisse que estava tendo uma emergência e apenas ter isso na minha bolsa me senti bem. É muito estranho porque eu não era uma criança ansiosa. Eu estava muito alta e confiante.

Você já escreveu ficção?

Adoro editar e adoro analisar roteiros, mas não sou uma ótima escritora. Eu acho que “Hattie Harmony” é bom. Qualquer coisa que seja fofa em “Hattie” é meu marido, qualquer coisa que seja mais sobre a lição aprendida sou eu.

Existe um papel no seu IMDb que você gostaria de poder viajar no tempo e fazer novamente?

Eu gostaria de fazer “Ingrid Goes West” novamente, porque foi tão divertido — e horrível ao mesmo tempo. Tipo, tudo deu errado que poderia ter dado errado com a logística. Tivemos incêndios, tivemos posseiros em locais, não tínhamos locais seguros, então não tínhamos permissão para filmar nos lugares que deveríamos filmar. Mas ainda era um grande grupo de pessoas. Eu amo Aubrey; quero trabalhar com ela novamente. Então eu acho que por esse motivo, foi muito divertido.

Quais são os projetos mais significativos que você já fez?

“Wind River” foi muito significativo. “Martha Marcy May Marlene” foi uma das experiências mais informativas que já tive na minha carreira — uma enorme experiência de aprendizado. “Sorry for Your Loss“ foi incrivelmente significativo, e “WandaVision” foi significativo. Há algo sobre filmar esse programa antes da pandemia e depois durante. Kathryn [Hahn] disse: “Ir trabalhar quase senti que temos que pisar os pés de volta para um mundo que era.” Estávamos literalmente em uma bolha. Havia algo sobre fazer nosso trabalho — que é tão fantástico e bobo — que parecia mais real do que a realidade real em que todos estamos vivendo. Então isso foi realmente significativo.

Existe a carreira de uma pessoa que você olha e diz: “Este seria um bom mapa para mim”?

É tão difícil se comparar com a experiência de outra pessoa. Porque eu olho para Emily Watson e penso na carreira que ela teve, e admiro as decisões que ela tomou. “Breaking the Waves” é um dos filmes mais espetaculares que eu já vi. Acho que Kirsten [Dunst] é uma atriz incrível e faz parte de alguns dos filmes mais icônicos das últimas três décadas, e acho que ela é sem fundo — a maneira como ela é capaz de continuar a surpreender o público com suas habilidades. Estou obcecada por Diane Keaton. Eu acho que ela é hilária, e ela simplesmente não dá a mínima para nada, parece. Então eu acho que aquelas três mulheres aleatórias que não têm nada em comum!

O que elas têm em comum é que elas significam algo para você. Você quer fazer mais produção?

Acho que sim. Meu problema em ser uma atriz que produz é que estou tão obsessivamente envolvida que se tornará um ano da minha vida. Adoro lançar projetos — tenho feito isso com um pouco mais de frequência. Eu gosto de fazer parte desse primeiro passo, para construir uma equipe, para um elenco e depois até a produção e depois a pós-produção. Eu só acho que é difícil de fazer se você quiser fazer mais do que alguns projetos em um ano. Eu sei que as pessoas fazem isso, e também sou alguém que trabalha muito duro no meu trabalho, mas também sei que preciso ter [uma] vida também. Tipo, o trabalho não é a minha vida. Então eu sinto que é difícil para mim fazer. Eu também não quero necessariamente produzir tudo o que estou. É bom simplesmente entrar e fazer uma parte como atriz e sair — e deixar isso para outra pessoa em quem você confia.

Você está interessada em dirigir?

Não tenho certeza, vou e volto nisso. Talvez. As pessoas dizem que às vezes, tipo, “Você deveria começar a dirigir!” ou o que quer que seja, e acho que é só porque sou realmente proativa nos sets. Acabei de entrar no departamento de todos e tento saber.

Você já faz isso?

Sim. Então eu acho que é por isso que as pessoas pensam em dizer isso para mim, porque eu sempre me torno muito intrometida e quero saber tudo sobre o que está acontecendo em todos os departamentos.

O que você ganha com a atuação que não sai de outras partes da sua vida?

Há um esforço de equipe pelo qual estou obcecada. Adoro trabalhar em conjunto com um grupo de pessoas para resolver problemas. Eu amo tanto estar em uma equipe, e é algo que você pode fazer muito quando criança. Eu nunca seria como uma jogadora de tênis, porque eu realmente amo o ambiente da equipe e é assim que se sente estar em um set. Eu sei que existem outras maneiras de fazer isso em sua vida, e se houvesse outro trabalho que eu fizesse, seria algo colaborativo com as pessoas. Eu também adoro explorar por que as pessoas são do jeito que são e por que tomam as decisões que tomam. É apenas algo que nunca será chato para mim. Passamos o tempo entendendo as experiências de vida das pessoas, e sinto que uma história é como uma maneira realmente artística de explorar por que somos do jeito que somos. E eu não entendo isso da vida, exceto por conhecer novas pessoas, Para mim, é como se você fosse até a casa de alguém e jantasse e depois ficasse tipo, “Oh meu Deus, isso foi incrível!” Tipo, isso não acontece o tempo todo. Mas eu recebo isso do trabalho — aquele descascamento constante do comportamento humano.

Você também disse no detector de mentiras da Vanity Fair que era uma aspirante a drogada.

Sim.

Como vai?

Acho que morreu! Eu literalmente fumei maconha três vezes em duas semanas, e foi isso. Eu assisti “The Matrix”, assisti “Trolls World Tour” — e foi isso.

Não mais.

Não, mas não por qualquer motivo, eu apenas — não é algo em que eu pense. Prefiro tomar uma bebida! Mas alguém fez uma piada para mim que acabei de encontrar e eles disseram: “Continue tentando!” Você não percebe que a merda que você diz é pega, e você tem estranhos aleatórios gritando com você coisas assim.

Fonte.

Tradução e adaptação: Elizabeth Olsen Brasil.

Aconteceu na última quarta-feira (28), o Variety’s Power or Women 2022, em Los Angeles, evento no qual Elizabeth Olsen foi homenageada por apoiar e se voluntariar ao “The Rape Foundation/Stuart House”, na qual ela é voluntária desde 2016, passando um tempo ao lado de crianças e adolescentes que foram abusados sexualmente.

O evento, em parceria com a Lifetime, celebra as homenageadas que aparecerão na capa da edição, bem como as mulheres retratadas no relatório anual “Women’s Impact Report” da publicação, que destaca as principais mulheres que trabalham no entretenimento.

Elizabeth esteve acompanhada ao lado de Oprah Winfrey, Ava DuVernay, Hillary Clinton, Chelsea Clinton e da ativista Malala.

Olsen foi apresentada por Kathryn Hahn, sua colega de tela em “WandaVision” durante o evento “Variety Power of Women”.


Elizabeth Olsen fez um discurso incrível no evento, onde a atriz homenageou a Gail Abarbanel, fundadora da “The Rape Foundation/Stuart House”:

APARIÇÕES E EVENTOS | APPEARANCES AND EVENTS > 2022 > SEPTEMBER 28 – VARIETY’S POWER OF WOMEN IN LOS ANGELES
EOBR002.jpgEOBR011.jpgEOBR022.jpgEOBR016.jpg
APARIÇÕES E EVENTOS | APPEARANCES AND EVENTS > 2022 > SEPTEMBER 28 – VARIETY’S POWER OF WOMEN IN LOS ANGELES (INSIDE)
EOBR001.jpgEOBR003.jpgEOBR004.jpgEOBR006.jpg
APARIÇÕES E EVENTOS | APPEARANCES AND EVENTS > 2022 > SEPTEMBER 28 – VARIETY’S POWER OF WOMEN IN LOS ANGELES (STAGE)
EOBR011.jpgEOBR005.jpgEOBR003.jpgEOBR013.jpg

A homenageada do ‘Power of Women’, Elizabeth Olsen, é voluntária na “Stuart House” desde 2016, passando tempo com crianças e adolescentes que foram abusados ​​sexualmente. Ela conheceu o programa “Stuart House”, parte da “Rape Foundation”, afiliada ao “UCLA Santa Monica Medical Center”, enquanto se preparava para “Wind River,” um filme no qual ela interpreta uma agente do FBI que investiga o estupro e assassinato de uma jovem.

Isso foi em 2015, quando Olsen tinha acabado de se mudar de Nova York para Los Angeles e estava procurando maneiras de se sentir mais conectada à cidade. Por meio de sua agência, ela foi apresentada a Gail Abarbanel, presidente da “Rape Foundation” e fundadora da “Stuart House”. Abarbanel deu a Olsen um tour pelo espaço “Stuart House” em Santa Monica, onde crianças que foram agredidas sexualmente recebem assistência médica gratuita, jurídica e psicológica.

Olsen ficou impressionada com Abarbanel, que, em 1988, diz ela, “começou todo este universo do nada…” Olsen entende o apelo de ter celebridades representando organizações sem fins lucrativos como porta-vozes, mas, no caso da “Stuart House”, ela queria fazer mais. Então, ela pediu para se juntar aos voluntários cuidadosamente selecionados e treinados que trabalham com as crianças em sua sala de jogos.

Abarbanel diz que os voluntários são fundamentais para o processo de cura das crianças, que muitas vezes foram traídas pelos adultos mais próximos. “As crianças podem ter uma experiência com um adulto seguro, carinhoso e interessado nelas”, diz ela..

Depois que Olsen terminou de filmar “Wind River”, ela se tornou uma voluntária regular da “Stuart House” e, quando não está em produção, ela vai lá semanalmente. “É incrível, mesmo para as crianças mais novas, ver suas mudanças comportamentais”, diz Olsen.

Abarbanel fala muito bem do trabalho de Olsen na “Stuart House”. “Ela tem verdadeira empatia e é uma pessoa muito compassiva e gentil”, diz ela. “Ela está realmente lá quando está com uma criança. Acho ela muito especial”.

Fonte.

Tradução e adaptação: Elizabeth Olsen Brasil.

Pode vir que já é um sucesso! Foi lançado ontem (21) através do Twitter oficial do streaming HBO Max, uma nova prévia da minissérie estrelada por Elizabeth Olsen, “Love & Death” que teve sua estreia adiada para março de 2023, e nele podemos ver um pouco mais a sua personagem Candy Montgomery. Confira o vídeo abaixo legendado por nossa equipe:

 

 

 

Lembrando que Elizabeth Olsen interpretará Candy Montgomery na minissérie, o enredo contará a história de dois casais que vão à igreja e que estão curtindo a vida familiar em uma pequena cidade no Texas, até que Candy Montgomery (Elizabeth) começa a ter um romance com o marido de Betty Core (Lily Rabe).

A minissérie Love & Death, baseada no crime real de Candy Montgomery, que assassinou brutalmente a esposa do seu ex-amante em 1980, criada por David Kelly, até então seria oficialmente lançada este ano, porém, teve sua estreia adiada para março de 2023!

Na noite de ontem, (04), a Warner Bros. Discovery bateu o martelo e confirmou que suas plataformas de streaming HBO Max e Discovery+ serão unificadas. Ainda sem nome e valor definido, o novo serviço será lançado nos países da América Latina, incluindo o Brasil, entre setembro e dezembro de 2023.

E com essa união, Suzuki Ingerslev, designer de “Love & Death” comentou em seu Instagram sobre o adiamento da minissérie.

Suzuki Ingerslev, confirmou novamente que não existe a possibilidade da série ser cancelada pelo HBO Max por conta da fusão com o Discovery+.

 

Conversamos com a mesma sobre a mudança da data de estreia: “Essa é uma boa notícia – estará por aí durante as temporadas de prêmios – ela receberá muita atenção”, diz Suzuki Ingerslev, designer de “Love & Death”.

Então relaxem Olsenation, pois veremos a nossa loirinha atuando na minissérie em breve!

 

No último dia 29 de junho, Elizabeth Olsen esteve presente no talk show americano, ‘The Tonight Show’. Lizzie comparaceu ao programa de entrevistas noturnas para promover o seu mais novo livro infantil, escrito junto com seu marido, o músico Robbie Arnett, Hattie Harmony: Worry Detective. Confira o vídeo abaixo legendado por nossa equipe!

 

PROGRAMAS DE TV E RÁDIO | TALK SHOWS AND RADIO STATIONS > 2022 > JUNE 29 – THE TONIGHT SHOW STARRING JIMMY FALLON

EOBR001.jpgEOBR003.jpgEOBR007.jpg

PROGRAMAS DE TV E RÁDIO | TALK SHOWS AND RADIO STATIONS > 2022 > JUNE 29 – THE TONIGHT SHOW STARRING JIMMY FALLON

EOBR004.jpgEOBR008.jpgEOBR002.jpg

Vídeo legendado pela equipe do EOBR! Para mais vídeos como esses, se inscreva em nosso canal do Youtube clicando AQUI.

©️ All rights go to the owner “Copyright Disclaimer Under Section 107 of the Copyright Act 1976, allowance is made for “fair use”.

Elizabeth Olsen é a capa de mais uma revista: a S Magazine! A mesma concedeu uma entrevista exclusiva à revista e um belíssimo ensaio fotográfico. Confira abaixo a tradução realizada pela nossa equipe:

Autenticidade, a capacidade despretensiosa (mesmo que consciente) de apresentar uma imagem e semelhança de si mesmo ao mundo, é uma das qualidades mais atraentes das mídias sociais.

Especialmente para celebridades cujo comando sobre sua imagem pública foi grandemente usurpado pelo jornalismo dos tablóides e paparazzi(s) incessantes, as mídias sociais podem apresentar uma oportunidade vantajosa para recuperar um senso de propriedade sobre suas narrativas, ao mesmo tempo em que expressam suas verdades individuais. Ao mesmo tempo, porém, essas exibições públicas de natureza mais franca podem se tornar um meio perfeito de mercantilização, seu naturalismo um ativo vendável em um mercado que favorece interações honestas.

Elizabeth Olsen, falando pelo Zoom de Los Angeles, confirma que seu curto período no Instagram foi, na maioria das medidas, um empreendimento comercial. “Eu não vou ser tímida sobre isso: você tenta a mídia social como ator porque há um ganho financeiro – é por isso que estamos nessas plataformas”, ela admite com a língua firmemente plantada na bochecha. “Não me sinto à vontade para vender coisas, mas achei melhor tentar. Não fez eu me sentir bem, mesmo que fosse algo em que eu acreditasse. Não me considero uma vendedora ou uma personalidade, então realmente não combinava comigo.” Onde a maioria das celebridades de Hollywood são firmes na criação de uma identidade que equilibra franqueza e comércio para o mundo testemunhar, é revigorante ver um indivíduo com um prestígio cultural tão bem estabelecido reconhecer que esse ato de equilíbrio é mais tedioso do que edificante.

Mas antes de sair do Instagram, a atriz admite que ela pode ter descoberto a razão de ser de sua presença online. “Acho que encontrei meu nicho durante a pandemia, no começo, antes de deletar, que eram meus vídeos de jardinagem”, revela. “Eu estava tipo, se eu me apresentasse como qualquer coisa, seria a mulher maluca que eu sou, que apenas mostra às pessoas coisas com as quais elas não se importam!”

A ascensão de Olsen em Hollywood foi um processo gradual que se baseou em sua disciplina educacional. Além de frequentar a famosa Tisch School of the Arts da Universidade de Nova York, que conta com os vencedores do Oscar Chloé Zhao e Lady Gaga como ex-alunas, Olsen também passou um semestre de treinamento na Moscow Art Theatre School, onde aperfeiçoou seu ofício como uma expressiva contadora de histórias. A partir daí, a atriz marcou seu primeiro papel no filme indie “Martha Marcy May Marlene”, um thriller complexo que pinta um retrato angustiante da desilusão psicológica de uma jovem depois de escapar de um culto.

Na esteira de “Martha Marcy May Marlene”, e da aclamação brilhante que Olsen recebeu por uma performance tão crua e intransigente, seu currículo começou a se diversificar dramaticamente, já que ela apareceu em títulos independentes e blockbusters. No entanto, sua proeminência na indústria do entretenimento atingiu seu ápice quando ela foi escalada para o universo cinematográfico da Marvel, onipresente e consumidor de zeitgeist, onde ela interpreta Wanda Maximoff, também conhecida como Feiticeira Escarlate. Depois de aparecer pela primeira vez em um teaser pós-créditos não creditado em “Capitão América: O Soldado Invernal”, Wanda, uma refugiada Sokoviana, fez sua estreia na franquia em “Vingadores: Era de Ultron” e posteriormente apareceu em um bando de produções como parte da equipe titular de militantes ilustres lutando contra a catástrofe. Ao ser escalada como a Feiticeira Escarlate, Olsen ficou imediatamente encantada com a ambiguidade moral do personagem. “Desde o primeiro dia, com “Era de Ultron”, você nunca poderia colocá-la do lado de ser uma pessoa boa ou uma pessoa má”, observa ela.

“Wanda sempre questionou os princípios de outras pessoas e teve uma opinião que pode parecer eticamente conflitante.” Wanda é a primeira personagem que ela retrata nas telas grandes e pequenas, e Olsen se sente abençoada por poder habitar um indivíduo que sofre uma série de eventos perturbadores e, finalmente, demonstra uma humanidade que afeta, especialmente para uma feiticeira. “Nós experimentamos sua dor, um conflito de si mesma ao abrigar seu imenso poder, bem como sua busca em encontrar uma família com seu clã Vingadores.”

Para Olsen, a busca de Wanda pela auto-realização atingiu um novo nível de nuance na minissérie original do Disney+, “WandaVision”, no qual ela estrelou ao lado de seu interesse amoroso na tela Paul Bettany, também conhecido como Visão. Olsen observa que ao longo dos nove episódios do programa, que atravessaram várias épocas culturais e temporais, o público conseguiu obter um retrato claramente delineado de sua personagem. “O show conseguiu expandir sua vida interior, colocando-a em primeiro plano para que o público possa entendê-la melhor do que foi mencionado anteriormente”, diz Olsen. Como um aparte, a atriz também revela que, por semanas após as filmagens, alguns dos maneirismos que ela teve que pegar durante a produção ficaram com ela mesmo quando ela estava fora do personagem, principalmente “Oh, querida!”, que ela diz em uma maneira divertidamente entusiasmada que lembra Audrey Meadows em “The Honeymooners”.

Como a nova adição ao cosmos cinematográfico do colega ocultista Doutor Estranho em “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”, Wanda consegue exibir um forte senso de agência em seu primeiro passeio pós-WandaVision. “Com “Doutor Estranho”, nós realmente conseguimos vê-la como uma pessoa fundamentada e com muita clareza. Embora ela possa continuar a ter uma opinião diferente dos outros dentro do filme, é exatamente isso que faz com que interpretá-la seja um privilégio tão especial”, observa Olsen. Enquanto Wanda frequentemente se atrapalhava com a imensidão de seu poder sobrenatural em adições anteriores ao cânone da Marvel, a atriz observa o quão incrível é testemunhar “quanta propriedade ela tem sobre sua bruxaria agora e como ela é capaz de aproveitá-la em novos poderes. maneiras.”

Assim que as filmagens de “WandaVision” terminaram no final de 2020, Olsen se mudou para a Inglaterra para começar a produção de “Doutor Estranho”, que ela admite ter sido uma experiência criativa gratificante que realmente permitiu que ela permanecesse dentro da mentalidade de Wanda. Uma vez que ela recebeu o roteiro final antes das filmagens, a atriz foi capaz de usar seus anos de experiência habitando a Feiticeira Escarlate para simplificar sua interpretação em um todo mais coerente. “Eu nem tinha terminado “WandaVision” quando ouvi a história de que eles estavam me lançando para o “Doutor Estranho”, revela Olsen. “Houve um pouco de colaboração entre mim e a equipe. Eu dava notas sobre a caracterização de Wanda – eu sei como ela fala, certos elementos de sintaxe que, se você estiver falando com sotaque, você simplesmente não diria, enquanto também remove alguns dos coloquialismos para o diálogo americano que não faziam senso. Eu me sinto mais dona agora que já faz tanto tempo.”

Uma linha que é evidente nos vários personagens que Olsen teve a oportunidade de retratar, de Martha a Wanda, é a chance de mostrar pessoas que podem, às vezes, ter uma bússola moral questionável. “Isso é o que me faz ir”, ela exclama. “Como interpretamos pessoas que talvez pareçam estar fazendo coisas ruins, ou erradas, ou com as quais discordamos, e como podemos ter empatia por elas e ver seu ponto de vista?” Olsen continua a observar: “Acho que, como sociedade, todos nós poderíamos entender um pouco mais de onde as pessoas vêm quando não concordamos com elas. Então, isso é algo que eu procuro nos personagens, e com Wanda, eu sempre fui capaz de explorar isso, especialmente quando ela está dominando uma cidade inteira e suas mentes.”

Olsen acabou de encerrar a minissérie da HBO Max “Love and Death”, escrita por David E. Kelley, de “Big Littles Lies“, que ela descreve como “um mundo verdadeiramente cinematográfico e expansivo” que lhe permitiu “construir [o tipo de] personagem que eu nunca pude interpretar por um tempo, então isso foi muito satisfatório.” Em outros lugares, a atriz também está interessada em explorar “merdas mais engraçadas”, um alívio criativo bem-vindo das profundezas psicológicas angustiantes que se tornaram seu cartão de visita na tela.

No entanto, certamente há um pouco de ambiguidade no que está por vir para Olsen. Ela já havia discutido a ideia de se mudar de uma cidade grande e mudar de casa ou voltar para a escola para se tornar uma arquiteta. “Eu acho que é algo que eu quero estar aberta para que eu não me sinta obrigada a ser uma atriz ou uma pessoa pública de alguma forma,” ela revela. “Sempre me emociono muito com pessoas que têm grandes transições de vida com empregos, porque é uma das coisas mais assustadoras que podemos fazer, reconhecer que talvez algo não esteja mais funcionando para nós e depois investir totalmente em uma direção totalmente diferente que não tem tanta proteção ou segurança. Isso não significa fracasso em uma coisa – significa apenas tempo para seguir em frente.”

Talvez nesta próxima fase de sua vida, ela possa reviver a excêntrica dama do jardim que ela brevemente deu vida no Instagram. Seja qual for o caminho que Olsen escolher, ela certamente trará a intensa dedicação que se tornou uma marca registrada de sua carreira de atriz luminescente.

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS | PHOTOSHOOTS > 2022 > S MAGAZINE

EOBR001.jpgEOBR002.jpgEOBR003.jpgEOBR004.jpg

Tradução: Equipe EOBR | Fonte.

 

Elizabeth Olsen, Benedict Wong e Xochitl Gomez jogaram “Qual personagem” de Doutor Estranho no Multiverso da Loucura eles são para o BuzzFeed.

Vídeo legendado pela equipe do EOBR! Para mais vídeos como esses, se inscreva em nosso canal do Youtube clicando AQUI.

©️ All rights go to the owner “Copyright Disclaimer Under Section 107 of the Copyright Act 1976, allowance is made for “fair use”.

No último dia 05 de maio, Elizabeth Olsen e Benedict Cumberbatch estiveram no talk show americano, ‘The Late Late Show with James Corden’. Os dois colegas de elenco estavam lá para divulgar seu mais novo filme da Marvel, “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”.
Durante uma conversa de quase 8 minutos, Elizabeth Olsen e Benedict Cumberbatch falaram sobre o novo filme do UCM, “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”, a paixão de Lizzie por ternos sob medida, Benedict recebendo sua estrela na calçada da fama e muito mais. Confira o vídeo abaixo legendado por nossa equipe!

O segundo bloco do programa contou com Elizabeth e Benedict preparando
margueritas no programa de entrevistas noturnas, confira clicando aqui.

Vídeo legendado pela equipe do EOBR! Para mais vídeos como esses, se inscreva em nosso canal do Youtube clicando AQUI.

©️ All rights go to the owner “Copyright Disclaimer Under Section 107 of the Copyright Act 1976, allowance is made for “fair use”.

 

 

Elizabeth Olsen e Benedict Cumberbatch estiveram no talk show americano, The Late Late Show with James Corden’, no último dia 05, para promover o filme Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”, e lá, eles preparam algumas margueritas. Confira o vídeo acima legendado por nossa equipe!

Vídeo legendado pela equipe do EOBR! Para mais vídeos como esses, se inscreva em nosso canal do Youtube clicando AQUI.

©️ All rights go to the owner “Copyright Disclaimer Under Section 107 of the Copyright Act 1976, allowance is made for “fair use”.